Asparagina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Asparagina
Alerta sobre risco à saúde
L-asparagine-skeletal.png L-asparagine-3D-sticks.png
Nome IUPAC (2S)-2-amino-3-carbamoyl-propanoic acid
Identificadores
Número CAS 70-47-3
PubChem 236
SMILES
Propriedades
Fórmula química C4H8N2O3
Massa molar 132.1 g mol-1
Compostos relacionados
Compostos relacionados Ácido aspártico (2-amino-butanodioico)
Glutamina (5 carbonos)
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

A Asparagina é um dos aminoácidos codificados pelo código genético, sendo portanto um dos componentes das proteínas dos seres vivos.[1]

A asparagina (cuja abreviatura é Asn, ou N) é um dos vinte aminoácidos mais comuns no planeta Terra. É um composto orgânico cuja fórmula química é NH2CH(NH2)COOH, possuindo uma carboxamida como grupo funcional da cadeia lateral. É codificada pelos codões AAU e AAC do código genético. A asparagina é um aminoácido que apresenta quiralidade – existem dois estereoisómeros: L-arginina e D-arginina.

Quando pura é um sólido cristalino branco inodoro. Enquanto a L-arginina não apresenta sabor, a D-arginina tem um sabor adocicado. Tem uma massa molar de 123,12 g / mol, um ponto de fusão (que equivale ao seu ponto de decomposição) de 234 ºC e apresenta uma solubilidade em água de 2,94 g / 100 mL e uma densidade de 1,543. Tem dois valores de pKa: 2,16 para o grupo ácido carboxílico; e 8,76 para o grupo amina. Tem um ponto isoeléctrico de 5,46. É um composto estável, não inflamável e apresenta baixo risco para a saúde (é ligeiramente irritante).

A asparagina foi isolada pela primeira vez em 1806, sob a forma cristalina, pelos químicos franceses Louis Nicolas Vauquelin e Pierre Jean Robiquet, a partir do suco de espargos, nos quais este aminoácido é abundante (daí o nome asparagina), tendo sido o primeiro aminoácido a ser isolado.

Uma vez que a sua cadeia lateral pode formar pontes de hidrogénio, os resíduos de asparagina encontram-se frequentemente próximos das extremidades de α-hélices e em β-turns, contribuindo para as estruturas secundária e terciária das proteínas.

A asparagina também providencia locais chave para N-glicosilações (modificações da estrutura proteica por adição de  cadeias de carbohidratos).

A reacção desta com açúcares redutores, ou grupos carbonilo reactivos, produz acrilamida em alimentos quando aquecidos a altas temperaturas, tais como batatas fritas, pão torrado e outros produtos amiláceos sujeitos a fritura.

A asparagine é um aminoácido não-essencial, uma vez que pode ser sintetizado a partir de intermediários das vias metabólicas principais. Existe em lacticínios, aves, ovos, carne de vaca, peixe e marisco. Também se encontra presente em produtos vegetais, tais como espargos, batatas, nozes, sementes e leguminosas.

O percursor da asparagina é o oxaloacetato. Este é convertido a aspartato através da enzima transaminase. A enzima transfere o grupo amina de um glutamato para o oxaloacetato, produzindo α-cetoglutarato e aspartato. A enzima asparagina sintetase produz asparagina, AMP, glutamato e pirofosfato a partir de aspartato, glutamina e ATP.

O aspartato é um aminoácido glucogénico. A L-argininase hidrolisa o grupo amida da arginina, dando origem a aspartato e catiões amónio. A transaminase converte o aspartato e oxaloacetato, que pode ser metabolizado no ciclo do ácido cítrico ou na gluconeogénese.

Referências

  1. «Asparagina» (em inglês). PubChem. Consultado em 21 de novembro de 2021 
Ícone de esboço Este artigo sobre Bioquímica é um esboço relacionado ao Projeto Química. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.