Tourão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para a ave com o nome semelhante, veja Toirão (ave).
Como ler uma infocaixa de taxonomiaTourão
Ilder.jpg
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Mustelidae
Género: Mustela
Espécie: M. putorius
Nome binomial
Mustela putorius
(Linnaeus, 1758)

O tourão ou toirão[1] (nome científico Mustela putorius), também conhecido como fueta[2] e papalva-fétida[3], trata-se de um mamífero carnívoro, noctívago, pertencente à família dos Mustelídeos, distribuídos por grande parte da Europa, norte da África e Ásia ocidental e existente em Portugal.

Subespécies[editar | editar código-fonte]

Há, pelo menos, 7 subespécies conhecidas de Mustela putorius:[4]

Dentre este rol, duas marcam presença na Península Ibérica: o Mustela putorius putorius a Norte e o Mustela putorius aureolus, a Centro e Sul do território. O Toirão da subespécie aureolus é, por sinal, maior e tem uma pelagem mais clara.[11]

Digno de menção, dentre este rol, é ainda o "furão", que é uma subespécie domesticada (Mustela putorius furo).[12]

Caracteristícas gerais[editar | editar código-fonte]

Pelagem

No que toca à pelagem, geralmente, assume uma coloração castanho-escura e lustrosa, com cambiantes de pêlos mais claros nos flancos. A par de outras variedades de mustelídeos, dispõe de uma mancha (a chamada máscara ou mascarilha) castanho-escura à volta dos olhos, que contrasta com a mancha branca que lhe reveste o focinho, incluindo a orla das orelhas.[13] A pelagem também altera consoante a estação do ano, escurecendo mais no Estio e clareando mais no Inverno.[14] Por outro lado, outro factor que também influi na alternância de coloração da pelagem é a distribuição geográfica, pelo que os espécimes oriundos do Leste europeu costumam ter pêlo mais claro. [15]

Quanto às mutações genéticas que interferem com a coloração da pelagem, vale assinalar que há casos registados de toirões albinos e eritristas (invulgarmente avermelhados).[16]

As crias desta espécie, quando têm poucos dias de vida, encontram-se revestidas de uma pelagem cinzento-clara uniforme.[14]

Anatomia

O toirão caracteriza-se pelo seu corpo esguio e alongado, de patas curtas, cauda comprida e felpuda, cabeça diminuta e afunilada, de orelhas curtas e semicirculares.[17]

Dispõe de cinco dedos por pata, se bem que, ao deixar rasto, pode acontecer que só se fiquem a notar quatro dedos nas pegadas.[14] Nas patas de trás, os dedos são mais compridos, encontrando-se parcialmente ligados por membranas interdigitais.[18][11] As garras das patas de trás são ligeiramente recurvas e não-retrácteis. Por contraponto, as patas da frente têm dedos mais curtos, sem membrana interdigital e dispõem de garras com curvatura acentuada, capazes de se retrair parcialmente.[19]

dimorfismo sexual patente, pelo que os machos costumam ser maiores e mais pesados do que as fêmeas[20]:

  • ‘’Peso em fase adulta’’: entre meio quilo a quilo e meio para os machos e quatrocentos a oitocentos gramas para as fêmeas;
  • ‘’’Comprimento em fase adulta’’’: os machos medem entre trinta e quarenta e cinco centímetros, chegando as caudas a alcançar os catorze centímetros de comprimento; ao passo que as fêmeas medem entre trinta e trinta e cinco centímetros de comprimento, com caudas na ordem dos 12 centímetros e meio de comprimento.
Tourão em estado selvagem.

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Trata-se de uma espécie mormente noctívaga, se bem que é no período crepuscular que se verificam os seus momentos de maior actividade, pelo que as deslocações diurnas são infrequentes.[17] Com efeito, pode chegar a movimentar-se até sete quilómetros e meio por noite.[21] Não é um animal gregário, antes exibindo um temperamento territorial, arisco e solitário.[18]

A época de acasalamento e o Verão são períodos de actividade mais atípica, porquanto, no primeiro caso, costumam mostrar comportamentos mais gregários, tendo em vista a procura de parceiro; e, no segundo caso, ocupam mais do seu tempo durante o período do dia, em busca de alimento para as crias.[22]

Se se sentir ameaçado ou se pretender marcar o seu território, projecta um esguicho fétido através das glândulas anais, que deixa um almíscar pregnante.[14] Daqui advêm os nomes comuns fueta e papalva-fétida.

Identificação[editar | editar código-fonte]

Pegadas de toirão.

Não é fácil encontrá-los na natureza, dada a sua capacidade para se ocultar entre moitas e no sotobosque.[17] Contudo, podem identificar-se, mais facilmente, alguns vestígios que denunciam a sua presença, como sejam as pegadas, os sons e os excrementos[23].

  • As pegadas são similares às da marta-zibelina, mas de dimensões mais reduzidas. Deixam impressões com quatro ou cinco dedos, juntamente com as respectivas garras, especialmente das garras não-retractéis das patas traseiras. Por sinal, as pegadas das patas traseiras são maiores do que as das patas dianteiras, e por vezes, surgem acompanhadas das esteira ou do rastro deixado pela cauda na lama ou na neve.[21]
  • Os sons mais característicos desta espécie assemelham-se a guinchos, que se tornam mais agudos, quando o animal se encontra mais assustado ou pretende mostrar-se mais hostil, ou ainda quando a fêmea pretende alertar as crias da aproximação do perigo. O seu repertório vocal inclui, ainda, bufidos e grunhidos, sendo certo que estes são menos frequentes.[21]
  • O frago ou excremento dos toirões sobressai, além do seu fedor nauseabundo, pela sua coloração negra, pelo formato tortuoso e estreito nas pontas e por se encontrar, amiúde, lardeado de vestígios de ossos, penas ou pêlos das presas do toirão. Se se tiverem alimentado de peixe, os fragos podem mostrar-se mais víscidos e amorfos.[24]Medem entre 6 a 8cm de comprimento, embora só tenham 9 mm de grossura. São depositados em determinados pontos do seu território, geralmente ao pé da madrigueira.[25]

Longevidade[editar | editar código-fonte]

Em estado selvagem, no primeiro ano de vida, a taxa de mortalidade pode atingir os 70 a 90%.[26]

A esperança média de vida, para os toirões bravos que sobrevivam ao primeiro ano, normalmente não excede os cinco anos. Em contrapartida, os toirões em cativeiro conseguem viver até aos 14 anos.[12]

Procriação[editar | editar código-fonte]

Grupo de toirões

Os toirões alcançam a maturidade sexual aos dez meses.[17] São animais polígamos, pelo que os machos procuram procriar com todas as fêmeas férteis receptivas com que se conseguirem encontrar, durante a época do cio. Por sinal, o cio e a época de acasalamento transcorrem de Março a Maio.[27]

Por sua vez, a gestação demora 6 semanas, dando lugar a ninhadas anuais de 3 a 7 crias, normalmente por ocasião do fim da Primavera.[28] A amamentação dura cerca de um mês, pelo que, aos dois ou três meses de vida, as crias já ganham alguma independência.[28]

Na eventualidade de uma ninhada ser abortada ou de não sobreviver durante os primeiros meses de vida, se a época de acasalamento ainda não tiver terminado, as fêmeas conseguem voltar a dar à luz, ainda naquele ano.[29]

Dieta[editar | editar código-fonte]

Toirão com pelagem de Verão

Trata-se de uma espécie carnívora versátil e generalista, de modo que a sua dieta varia consoante a estação do ano e dos alimentos disponíveis na área geográfica.[18] Se chegar a haver alguma especialização dietética para um determinado toirão, esta basear-se-á necessariamente nesses dois factores sazonais e espaciais.[26] Com efeito, mercê dos seus ímpetos depredatórios oportunistas, o toirão, se puder e enquanto puder, costuma acumular grandes quantidades de presas, especialmente anfíbios, as quais arrecada, para posterior consumo, na toca.[21] Costuma mordê-las na base do crânio, de modo a que não morram imediatamente, ficando apenas paralisadas, conseguindo, destarte, mantê-las frescas por alargados períodos de tempo.[25]

A nutrição dos toirões assenta mormente em anfíbios, lagomorfos e pequenos roedores, podendo, também, abarcar pequenas aves passeriformes, invertebrados, peixes de rio e répteis. A porção vegetal da sua dieta, a existir, é muito residual.[11][14]

Desempenha um papel importante no equilíbrio dos ecossistemas, ao ser um dos predadores principais dos roedores.[17]

Predadores naturais[editar | editar código-fonte]

Além de predador, o toirão também assume o papel de presa, sujeitando-se à depredação de espécies como o lobo (Canis lupus), a raposa-vermelha (Vulpes vulpes), o bufo-real (Bubo bubo), o gato-bravo (Felis silvestris) ou mesmo o cão.[30]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Patologias habituais

Pode ser achacado por tumores malignos e hidrocefalia, sujeitando-se, além disso, ainda a poder padecer de doenças como a cinomose, gripe, resfriado e pneumonia.[31]

Parasitas

É principalmente fustigado por carraças, as quais privilegiam as zonas do pescoço e de trás das orelhas, por serem de especial difícil acesso ao animal, bem como, por estarem especialmente guarnecidas, no que toca ao fluxo sanguíneo.[18]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Mapa da distribuição dos toirões

Espalham-se por grande parte da Europa, salvo as regiões da Península Balcânica, a orla oriental do mar Adriático, ilhas do Mediterrâneo, a Irlanda, a Islândia e a Escandinávia Setentrional; pelo próximo Oriente e pelo Norte de África, especialmente junto à orla Mediterrânica.[31][27]

Habitat[editar | editar código-fonte]

Espécie versátil e generalista, o toirão é capaz de ocupar um vasto rol de habitats possíveis, dentre as quais se contam zonas ribeirinhas, courelas agricultadas, pradarias e bosques.[25][27]

No entanto, é pertinente assinalar que, ao longo do ano, o toirão vai alternando de habitat, optando pelos biomas de bosque no Verão e no Outono; pelos biomas ripícolas no Inverno e na Primavera; e pelos biomas de pradaria nas estações do Inverno e do Verão.[25]

As tocas dos toirões tanto podem ser escavadas pelos próprios, como podem ser reaproveitadas a partir de luras de coelhos, golpelheiras de raposas ou madrigueiras de texugos, entre outros animais, como ainda podem ser aproveitadas a partir de acidentes naturais, como cunhas e brechas entre rochedos.[32]

Espaço vital[editar | editar código-fonte]

Os toirões são bastante menos territoriais do que outros mustelídeos, de tal maneira que há inúmeros casos registados de espécimes do mesmo sexo – o que à partida deveria potenciar um cenário de concorrência[27] - a coexistir dentro do mesmo espaço vital ou a ocupar territórios cujas áreas convergem. Importa, porém, relembrar que, como já se mencionou supra, os toirões mudam de toca e de habitat ao sabor das estações, pelo que a tipologia e as dimensões dos territórios que tomam para lhes servir de espaço vital, durante um determinado período de tempo, é razoavelmente variável.[33]

Não obstante, em geral, as fêmeas em idade fértil ocupam territórios mais exíguos e inconspícuos, que raramente excedem os três quilómetros quadrados. Por seu turno, os machos, estejam em idade fértil ou não, costumam assenhorar-se de espaços vitais mais alargados, que vão de um quilómetro e meio a cinco quilómetros quadrados.[25][32]

Estatuto de conservação[editar | editar código-fonte]

A população de toirões portuguesa não é particularmente grande, estima-se que haja mais de 10.000 espécimes adultos[23] , sendo certo que esses números se encontram em declínio. O toirão encontra-se arrolado ao Apêndice III da Convenção de Berna[34] e no Anexo V da Directiva Habitats.[35][36]

A preservação desta espécie é ameaçada pela: destruição dos seus habitats naturais e dos das suas presas habituais; a caça; a sinistralidade rodoviária, mercê da falta de faunoductos devidamente distribuídos; o recurso a venenos e raticidas nas courelas agrícolas; à domesticação e ulterior mestiçagem com o furão (Mustela putorius furo)[12].

Os espécimes resultantes da hibridação de furões e toirões são indistinguíveis, atendendo puramente à sua fisionomia externa.[12]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies

Referências

  1. Infopédia. «toirão | Definição ou significado de toirão no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 2 de março de 2021 
  2. Infopédia. «fueta | Definição ou significado de fueta no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 2 de março de 2021 
  3. S.A, Priberam Informática. «PAPALVA-FÉTIDA». Dicionário Priberam. Consultado em 2 de março de 2021 
  4. «Catalogue of Life : Mustela putorius Linnaeus, 1758». www.catalogueoflife.org. Consultado em 9 de março de 2021 
  5. «Catalogue of Life : Mustela putorius anglia (Pocock, 1936)». www.catalogueoflife.org. Consultado em 9 de março de 2021 
  6. «Catalogue of Life : Mustela putorius aureola (Barrett-Hamilton, 1904)». www.catalogueoflife.org. Consultado em 9 de março de 2021 
  7. «Catalogue of Life : Mustela putorius caledoniae (Tetley, 1939)». www.catalogueoflife.org. Consultado em 9 de março de 2021 
  8. «Catalogue of Life : Mustela putorius mosquensis Heptner, 1966». www.catalogueoflife.org. Consultado em 9 de março de 2021 
  9. «Catalogue of Life : Mustela putorius putorius Linnaeus, 1758». www.catalogueoflife.org. Consultado em 9 de março de 2021 
  10. «Catalogue of Life : Mustela putorius rothschildi Pocock, 1932». www.catalogueoflife.org. Consultado em 9 de março de 2021 
  11. a b c «Turón – Mustela putorius Linnaeus, 1758» (PDF). webcache.googleusercontent.com. Consultado em 9 de março de 2021 
  12. a b c d «Hybridization and the phylogenetic relationship between polecats and domestic ferrets in Britain» (PDF). webcache.googleusercontent.com. Consultado em 9 de março de 2021 
  13. Geptner, V. G. (Vladimir Georgievich); Nasimovich, A. A.; Bannikov, Andrei Grigorevich; Hoffmann, Robert S. (1988). Mammals of the Soviet Union. Smithsonian Libraries. [S.l.]: Washington, D.C. : Smithsonian Institution Libraries and National Science Foundation 
  14. a b c d e Cabrera, Angel (1914). Fauna ibérica; mamíferos. Smithsonian Libraries. [S.l.]: Madrid, Museo Nacional de Ciencias Naturales 
  15. Blandford, P.R.S (1987). Biology of the Polecat Mustela putorius: a literature review. [S.l.]: Mammal Review. pp. 155–198. doi:10.1111/j.1365-2907.1987.tb00282.x 
  16. Helen Hays and Kenneth C. Parkes (1993), «Erythristic Eggs in the Common Tern», Association of Field Ornithologists, J. Field Ornithol., 64 (3): 341–345, JSTOR 4513830 
  17. a b c d e Cabral, M.J. (2005). Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal. Lisboa, Portugal: Instituto da Conservação da Natureza. ISBN 972-775-153-9 
  18. a b c d Macdonald,, D. W. (1993). Mamíferos de Portugal e Europa. Porto: Guias FAPAS 
  19. Costa, M. (2012). A panel of microsatellite markers for genetic studies of European polecats (Mustela putorius) and ferrets (Mustela furo). [S.l.]: Springer. pp. 629–633. ISSN 1612-4642 
  20. Lodé, Thierry (2003). Sexual dimorphism and trophic constraints: prey selection in the European polecat Mustela putorius. [S.l.]: Ecoscience. pp. 17–23 
  21. a b c d «Toirão, o parente selvagem do Furão - Espécies - Naturlink». naturlink.pt. Consultado em 9 de março de 2021 
  22. Mestre, F.M. (2007). Modelling the distribution of the European polecat Mustela putorius in a mediterranean agricultural landscape. Paris: Revue d'Ecologie (Terre Vie). pp. 35–47 
  23. a b Cabral, M.J. (2005). Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal - Mustela putorius Linnaeus, 1758. Lisboa, Portugal: Instituto da Conservação da Natureza. pp. 521–522. ISBN 972-775-153-9 
  24. Torres, J. (1996). Helmintofauna de Mustela putorius Linnaeus, 1758 (Carnivora: Mustelidae) en la península Ibérica. [S.l.]: Boletín de la Sociedad de Historia Natural de Baleares. pp. 155–165 
  25. a b c d e Lodé, T. (1993). Diet composition and habitat use of sympatric polecat and American mink in western France. [S.l.]: Acta Theriologica,. pp. 161–166. doi:10.4098/AT.arch.93-14 
  26. a b Santos, Maria João (2009). Is polecat (Mustela putorius) affected by "mediterraneity"?. [S.l.]: Springer. pp. 448–455 
  27. a b c d Matos, H. (2003). Distribuição actual e abundância relativa de Martesmartes e Mustela putorius. ( Estudo realizado no âmbito da revisão do Livro vermelho dos Vertebrados de Portugal). Lisboa: Centro de Biologia Ambiental, Universidade de Lisboa 
  28. a b Matos, H. (2001). Estudos de Biologiae Ecologia de Animais (Mustela putorius, toirão) na área de regolfo de Alqueva ePedrógão. Relatório Final. Lisboa: Centro de Biologia Ambiental, Universidade de Lisboa. pp. 45–59 
  29. Ruette, S. (2016). (Mustela putorius)The IUCN Red List of Threatened Species 2016. [S.l.: s.n.] doi:10.2305/IUCN.UK.2016-1.RLTS.T41658A45214384.en 
  30. Palomo, L. Javier (2007). L.J. Palomo, J. Gisbert, J.C. Blanco (eds.). Atlas y Libro Rojo de los Mamíferos Terrestres de España. (PDF). Madrid: Dirección General para la Biodiversidad – SECEM-SECEMU. pp. 294–298 
  31. a b Mestre, F. (2005). Modelling the distribution of the european polecat (Mustela putorius,Linnaeus 1758) in a mediterranean agricultural landscape. Évora: Universidade de Évora. pp. 17–27 
  32. a b Albizua, Jabi Zabala. «Site and landscape features ruling the habitat use and occupancy of the polecat (Mustela putorius) in a low density area: a mult» (PDF). webcache.googleusercontent.com. Consultado em 9 de março de 2021 
  33. «The Vincent Wildlife Trust – Safeguarding the future of mammals in Britain and Ireland» (em inglês). Consultado em 9 de março de 2021 
  34. «Convention on the conservation of European wildlife and natural habitats (Bern Convention)». Convention on the Conservation of European Wildlife and Natural Habitats (em inglês). Consultado em 9 de março de 2021 
  35. Directiva dos Habitats — versão consolidada (EUR-Lex)
  36. Transposição da Diretiva dos Habitats (Diário da República)
Ícone de esboço Este artigo sobre carnívoros, integrado no Projeto Mamíferos, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.