Babaçu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde janeiro de 2018). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Como ler uma infocaixa de taxonomiaBabaçu
Babaçu2.JPG

Estado de conservação
Segura
Classificação científica
Reino: Plantae
Filo: Magnoliophyta
Classe: Liliopsida
Ordem: Arecales
Família: Arecaceae
Género: Attalea
Espécie: A. speciosa
Nome binomial
Attalea speciosa
(Mart. ex Spreng)
Babaçus em Pinheiro, no Maranhão, no Brasil

O BABAÇU

Colheita dos frutos de babaçu no Maranhão, no Brasil

O babaçu também chamado bauaçu, baguaçu, auaçu, aguaçu, guaguaçu, uauaçu, gebara-uçu, coco-de-macaco, coco-de-palmeira, coco-naiá, coco-pindoba e palha-branca[1], é uma espécie (Attalea speciosa[2]) da família das palmeiras (Arecaceae), dotada de frutos drupáceos com sementes oleaginosas e comestíveis das quais se extrai um óleo, empregado sobretudo na alimentação, remédios, além de ser alvo de pesquisas avançadas para a fabricação de biocombustíveis.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Babaçu", "bauaçu", "baguaçu", "auaçu", "aguaçu", "guaguaçu" e "oauaçu" e "gebara-uçu" são oriundos do tupi wawa'su[1]. "Pindoba" provém do tupi pim'dob[3]. "Palmeira" vem do latim palma[4]. "Palha" vem do latim palea[5].

Descrição[editar | editar código-fonte]

O lenho do babaçu é usado na construção de casas, enquanto que as folhas são utilizadas na cobertura, nas paredes, nas portas ,nas janelas. O leite do babaçu e o óleo extraído de suas amêndoas são usados na alimentação; da casca do coco é produzido carvão. A palha, por sua vez, é utilizada para a produção de artesanato e na seca é comum que as folhas sejam utilizadas para alimentar o gado. A partir do óleo também se produz sabonete.[6]

Palmeira inajá fotografada em Governador Edison Lobão, Maranhão. Esta palmeira convive com uma planta parasita.

Essa palmeira é muito comum no Maranhão, Piauí, Ceará, Pará, Mato Grosso e Tocantins.

O babaçu é uma palmeira robusta com estipe isolado (tronco ou caule) de até 20 metros de altura e de 25 a 44 centímetros de diâmetro, com 7 a 22 folhas medindo de 4 a 8 metros de comprimento . Suas flores são de sexos separados, com ramos florais volumosos; pode apresentar até 6 cachos por planta ou mais, sustentados por um pêndulo de 70 a 90 centímetros. Cada cacho possui de 240 a 720 frutos que chegam a pesar de 90 a 240 gramas. Sendo freqüentemente encontrada em alta densidade em áreas degradadas, é considerada, nestes ambientes, como espécie pioneira e dominante.[7]

O fruto apresenta: epicarpo (camada mais externa), mesocarpo (com 0,5 a 1,0 centímetro, rico em amido), endocarpo (rijo, de 2 a 3 centímetros) e amêndoas (de 2 a 8 por fruto).[8]

A palmeira do babaçu requer entre 10 a 12 anos para iniciar a produção, atingindo a maturidade produtiva entre 15 a 20 anos com uma vida média de 35 anos. Apresenta três estágios de crescimento. O primeiro constituído pelas pindovas, quando a palmeira apresenta até três folhas definitivas. O segundo denominado palmiteiro, pode ser identificado pelo palmito, quase ao nível do solo. No terceiro, o caule já se encontra formado.[9]

Utilização do Óleo de Babaçu[editar | editar código-fonte]

O óleo de coco como é popularmente conhecido é um dos produtos mais utilizados dentre os derivados do babaçu, podendo ser empregado para fins culinários, como lubrificante, em cosméticos, além de ser alvo de pesquisas científicas para a fabricação de biocombustíveis. Outras partes da palmeira podem ser aproveitadas para diversos usos. Na fabricação de cestas e outros objetos artesanais utilizam-se as folhas secas da palmeira que também podem cobrir os telhados das casas. O palmito e a seiva são aproveitados na alimentação humana e o caule é geralmente utilizado em estruturas de construções e,quando apodrecido, serve como adubo[10].

O Óleo de babaçu é usado para fins comestíveis e fins industriais. Ele possui elevado teor de ácido láurico.

Em alta temperatura, o óleo pode ser usado no cozimento e na fritura de alimentos. Uma das características é o leve gosto amendoado. No entanto, o óleo de babaçu contém gorduras saturadas, dessa forma, não é indicado o uso em excesso.

Como o óleo de babaçu é o que tem o mais alto índice de saponificação, e quanto mais alto o índice, mais apropriado o óleo para a fabricação cosmética.

No cabelo, se misturado com o óleo de andiroba, é muito eficaz ao combate a caspa.

Puro ou misturado com outros óleos vegetais, ele pode ser aplicado diretamente na pele e no cabelo.[11]

Especificação da Manteiga Virgem de Babaçu[11][editar | editar código-fonte]

Característica Unidade Apresentação
Aparência (25Cº) ---- sólido
Cor ---- Amarelo translúcido
Odor ---- Característico
Índice de acidez mgKOH/g < 15,0
Índice de peroxido 10 meq O2/kg < 10,0
Índice de iodo gI2/100g 14 – 17
Índice de saponificação mgKOH/g 240 - 255
Densidade  25ºC g/ml 0,903 – 0,924
Índice de refração (40°C)  - 1.448 - 1.450
Materia insaponificável (bioativos) % < 1
Ponto de fusão 22 – 26

Composição dos Ácidos graxos[11][editar | editar código-fonte]

Ácido caprílico % peso 4,0 – 6,0
Ácido cáprico % peso 6,0 – 8,0
Ácido láurico % peso 43,0 – 47,0
Ácido mirístico % peso 15,0 – 19,0
Ácido palmítico % peso 5,0 – 9,0
Ácido esteárico % peso 2,5 – 5,5
Ácido oléico % peso 12,0 – 16,0
Ácido linoléico % peso 1,0 – 3,0
Saturado % 85
Insaturado % 15

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.214
  2. Cavallari, Marcelo Mattos; Marcos Miranda (1 de junho de 2016). «What is the name of the babassu? A note on the confusing use of scientific names for this important palm tree». Rodriguésia. 67 (2): 533–538. ISSN 2175-7860. doi:10.1590/2175-7860201667218 
  3. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 330
  4. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 252
  5. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 251
  6. «A palmeira de babaçu». ASSEMA. Consultado em 4 de julho de 2011 
  7. «Boas Práticas de Manejo - Babaçu — Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento» (PDF). www.agricultura.gov.br. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  8. «Boas Práticas de Manejo - Babaçu — Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento» (PDF). www.agricultura.gov.br. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  9. «Boas Práticas de Manejo - Babaçu — Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento» (PDF). www.agricultura.gov.br. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  10. [www.uel.br/revistas/uel/index.php/bbr/article/download/15716/12906 «Babaçu (Orbignya sp): Caracterização física de frutos e utilização de solventes orgânicos para extração de óleo. Adriana Idalina Torcato de Oliveira1, Gerso Pereira Alexandre2, Talal Suleiman Mahmoud2»] Verifique valor |url= (ajuda)  line feed character character in |titulo= at position 113 (ajuda)
  11. a b c «Campestre Óleos Vegetais |». www.campestre.com.br. Consultado em 2 de fevereiro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Babaçu
Ícone de esboço Este artigo sobre palmeiras (família Arecaceae), integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.