Hedy Lamarr

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hedy Lamarr
Hedy Lamarr em 1938
Nome completo Hedwig Eva Maria Kiesler
Nascimento 9 de novembro de 1914
Viena, Áustria
Nacionalidade  Áustria
 Estados Unidos
Morte 19 de janeiro de 2000 (85 anos)
Altamonte Springs, Flórida, EUA
Ocupação Atriz; inventora
Atividade 1930–1958
Cônjuge Friedrich Mandl (1933–1937)
Gene Markey (1939–1941)
John Loder (1943–1947)
Teddy Stauffer (1951–1952)
W. Howard Lee (1953–1960)
Lewis J. Boies (1963–1965)
[[2] Página oficial]
IMDb: (inglês)

Hedy Lamarr, nome artístico de Hedwig Eva Maria Kiesler, (Viena, 9 de novembro de 1914Altamonte Springs, 19 de janeiro de 2000) foi uma atriz e inventora austríaca radicada nos Estados Unidos. A sua mais significativa contribuição tecnológica deu-se durante a Segunda Guerra Mundial, tendo sido a sua co-invenção, juntamente com o compositor George Antheil, de um sistema de comunicações para as Forças Armadas dos Estados Unidos que serviu de base para a atual telefonia celular.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Lamarr nasceu em Viena, Áustria, de pais judeus. A mãe, Gertrud (nascida Lichtwitz), era uma pianista de Budapeste, vinda de uma família de classe média, e o pai, Lemberg, nascido Emil Kiesler, um diretor bancário[2] [3] . Hedy estudou balé e piano até os 10 anos de idade.

Quando, mais tarde, trabalhou com Max Reinhardt, em Berlim, foi considerada, por ele, a "mais bela mulher da Europa". Durante a adolescência, fez diversos papéis em filmes alemães, ao lado de atores como Heinz Rühmann e Hans Moser.

No início de 1933 estrelou o filme de Gustav Machatý, Êxtase, um filme tcheco feito em Praga, que a deixou famosa por aparecer nua, correndo por entre folhagens, mergulhando em um lago e simulando um ato sexual com direito a closes do orgasmo. O marido, milionário e ciumento, gastou uma fortuna na tentativa de readquirir e destruir cópias da película.

Em agosto de 1933, Hedy casou com Friedrich Mandl, um vienense fabricante de armas 13 anos mais velho, com o qual ficou casada durante 4 anos. Em sua autobiografia, Ecstasy and Me, Lamarr descreveu Mandl como um homem extremamente controlador, que tentava mantê-la trancada em sua mansão.[4] Hedy acompanhou o marido em diversos jantares com a ascendente elite nazista, com a qual Mandl tinha relações. De acordo com sua autobiografia, em 1937 persuadiu Mandl a autorizá-la a comparecer a uma festa usando todas as suas joias, depois o drogou e, com a ajuda de uma empregada, escapou do país levando consigo as valiosas joias. Lamarr naturalizou-se norte-americana em 10 de abril de 1953.

Casamentos e romances[editar | editar código-fonte]

  • Teve um breve relacionamento com o ator alemão Fred Doederlein e, posteriormente, com o ator George Montgomery, em 1942..[5]
  • Lamarr foi casada seis vezes:
  1. Friedrich Mandl (1900–1977), casamento: (1933–1937). Presidente da Hirtenberger Patronen-Fabrik, uma fábrica de armamentos fundada por seu pai, Alexander Mandl. Mandl, embora descendente de judeus, foi adepto do nazi-fascismo.
  2. Gene Markey (1895-1980), roteirista e produtor, com quem foi casada entre 1939–41; adotaram um filho em 1941, James Lamarr Markey (nascido em 1939).[6]
  3. John Loder (nascido John Muir Lowe, 1898–1988), ator, casados entre 1943–47; tiveram dois filhos: Anthony Loder (nascido em 1947) e Denise Loder (nascida em 1945). Loder adotou o filho de Hedy, James Lamarr Markey, e lhe deu seu sobrenome.
  4. Teddy Stauffer (1909-1991), empresário de clube noturno, casados entre 1951–52.
  5. W. Howard Lee (1909–1981), um texano do ramo petrolífero, casados entre 1953–60. Em 1960, casou com a atriz Gene Tierney.
  6. Lewis J. Boies (nascido em 1920), um advogado (seu advogado do divórcio), casados entre 1963–65.

Carreira em Hollywood[editar | editar código-fonte]

Lamarr inicialmente esteve em Paris, depois foi para Londres, onde conheceu Louis B. Mayer, trocando seu nome para Hedy Lamarr, em homenagem à estrela do cinema mudo Barbara La Marr,[4] que morreu em 1926, de overdose.

Em Hollywood, sua estreia foi em Algiers (1938). Entre seus muitos filmes, destacam-se: Boom Town (1940), White Cargo (1942), e Tortilla Flat (1942), baseado no romance de John Steinbeck. White Cargo, um dos maiores sucessos de Lamarr na MGM, contém um de suas citações mais famosas: "I am Tondelayo". Em 1941, atuou ao lado de 2 outras belas de Hollywood, Lana Turner e Judy Garland no musical Ziegfeld Girl. Hedy fez 18 filmes entre 1940 e 1949, apesar de ter tido dois filhos durante essa época (em 1945 e 1947). Deixou a MGM em 1945; Lamarr estrelou seu maior sucesso, a Dalila, de Samson and Delilah, filme de Cecil B. DeMille, em 1949, ao lado de Victor Mature. Em seguida, estrelou a comédia My Favorite Spy, ao lado de Bob Hope, em 1951, e sua carreira entrou em declínio. Esporadicamente estrelou filmes após 1950, um dos quais como Joana de Arc no épico de Irwin Allen The Story of Mankind (1957).

Lamarr em cena do filme Come Live with Me (1941)
Come Live with Me (1941)
Cartaz do filme Comrade X (1940), com Clark Gable & Hedy Lamarr

A invenção[editar | editar código-fonte]

Lamarr inventou o sistema que serviu de base para os telefones celulares. Durante a Segunda Guerra Mundial, criou um sofisticado aparelho de interferência em rádio para despistar radares nazistas que patenteou em 1940, usando o seu verdadeiro nome, Hedwig Eva Maria Kiesler.

A idéia surgiu ao lado do compositor George Antheil em frente a um piano. Eles brincavam de dueto, ela repetindo em outra escala as notas que ele tocava, experimentando o controle dos instrumentos, inclusive com a música para o Ballet Mecanique, originalmente escrita para o filme abstrato de Fernand Léger, em 1924. Ou seja, duas pessoas podem conversar entre si mudando frequentemente o canal de comunicação. Basta que façam isso simultaneamente.

Juntos, Antheil e Lamarr submeteram a ideia ao Departamento de Guerra norte-americano, que o recusou, em junho de 1941. Em agosto de 1942, foi patenteado por Antheil e "Hedy Kiesler Markey". A versão inicial consistia na troca de 88 frequências e era feito para despistar radares, mas a ideia pareceu difícil de realizar na época.

O projeto não foi concretizado até 1962, quando o aparelho passou a ser utilizado por tropas militares dos EUA em Cuba[7] , quando a patente já expirara; a empresa Sylvania adaptou a invenção. Ficou desconhecida, ainda, até 1997, quando a Electronic Frontier Foundation deu a Lamarr um prêmio por sua contribuição.[1] Em 1998, a "Ottawa wireless technology" desenvolveu Wi-LAN, Inc. "adquirindo 49% da patente de Lamarr" (Eliza Schmidkunz, Inside GNSS);[8] Antheil morrera em 1959.

A ideia do aparelho de frequência de Lamarr e Antheil serviu de base para a moderna tecnologia de comunicação, tal como COFDM usada em conexões de Wi-Fi e CDMA usada em telefones celulares[9] .

Patentes similares foram registradas por outros países, tais como a Alemanha, em 1935, em que os engenheiros da Telefunken Paul Kotowski e Kurt Dannehl registraram as patentes em 1939 e 1940.

Considerada a "mãe do telefone celular", Lamarr fora casada com um fabricante de armas alemão, do qual se separou ao notar o envolvimento dele com o nazismo; foi nesta época que notara como era fácil a um terceiro bloquear o sinal contínuo usado para o controle dos mísseis. Apesar de ter patenteado a ideia de uma frequência que fosse variável no percurso entre emissor e receptor, não ganhou dinheiro com isto. Em 1997 recebeu do Governo dos Estados Unidos menção honrosa "por abrir novos caminhos nas fronteiras da eletrônica".[10]

Fim da carreira e últimos anos[editar | editar código-fonte]

The Female Animal (1958) foi seu último filme. Nos anos 1960, ela ainda tentou conseguir um papel no filme Picture Mommy Dead (1966) mas foi mal-sucedida. O papel acabou sendo atribuído a Zsa Zsa Gabor.

Em 1966, foi detida, sob a acusação de furto, numa loja de departamentos, em Los Angeles, mas as acusações acabaram sendo retiradas. O curta metragem Hedy (1966), de Andy Warhol, e a autobiografia da atriz, Ecstasy and Me (1966), escrita em colaboração com Leo Guild e Cy Rice, seriam lançados pouco depois desse episódio. O livro começa em tom melancólico:

"Numa noite dessas, sentada sozinha em casa, sofrendo ao pensar no tratamento que recebera na delegacia de polícia, por causa de um incidente numa loja de departamentos, e me lembrando que fora substituída por Zsa Zsa Gabor em um filme (imagine como isso fez bem ao ego!), eu me dei conta de que tinha ganhado - e gastado - cerca de trinta milhões de dólares. No entanto, um pouco mais cedo, naquele mesmo dia, eu tinha sido incapaz de pagar por um sanduíche na Schwab's."

Em 1991, foi novamente detida por furtar medicamentos no valor de pouco mais de 20 dólares, em uma loja da Flórida. Ela não contestou a acusação, para evitar aparecer no tribunal e, em troca da promessa de não infringir mais nenhuma lei por pelo menos um ano, as acusações foram mais uma vez retiradas.[11]

Em seus últimos anos, a atriz viveu reclusa na sua casa, em Casselberry, região metropolitana de Orlando, onde morreu em 19 de janeiro de 2000, aos 86 anos. O atestado de óbito cita, como causas da sua morte, insuficiência cardíaca, doença crônica da válvula cardíaca e doença cardíaca arteriosclerótica. Hedy Lamarr morreu em Altamonte Springs (perto de Orlando), em 19 de janeiro de 2000. Conforme era seu desejo, seu filho levou suas cinzas para a Áustria e espalhou-as nos Bosques de Viena, . Em 2014, um túmulo simbólico foi construído no Cemitério Central de Viena.[12]

Legado[editar | editar código-fonte]

Filmografia[editar | editar código-fonte]


Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

  1. a b Electronic Frontier Foundation (11 March 1997). Movie Legend Hedy Lamarr to be Given Special Award at EFF's Sixth Annual Pioneer Awards. Press release.
  2. HIGH CLASS WHORE.(actress Hedy Lamarr)|Article from CineAction|HighBeam Research
  3. Search Results
  4. a b «The ecstasy». The Independent. 30 de janeiro de 2005. Consultado em 2008-02-21. 
  5. "Hedy Lamarr Engaged: Screen Star, 27, to Be Bride of George Montgomery, 25", The New York Times, 25 de março de 1942, p. 23
  6. "Hedy Lamarr Adopts Baby Boy", The New York Times, 5 November 1941, p. 30
  7. IEEE - Hedy Lamarr, 1914 - 2000
  8. Player Pianos, Sex Appeal, and Patent #2,292,387, Inside GNSS September 2006 http://www.insidegnss.com/node/303
  9. MicroTimes: The Birth Of Spread Spectrum
  10. Filho, Regis. (outubro de 1997). "Atriz é mãe do telefone celular". revista Superinteressante ano 11 (10): pág. 84. São Paulo: Abril. ISSN 0104-1789.
  11. "Hedy Lamarr Won't Face Theft Charges If She Stays In Line". Por Debbie Salamone.Orlando Sentinel, 24 de outubro de 1991
  12. «Honorary grave for Hollywood pin-up». thelocal.at. Consultado em 26 May 2015. 
  13. Hollywood Chamber of Commerce. «Hollywood Walk of Fame directory». Consultado em 2007-07-04. 
  14. [1]

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • "Hedy Lamarr", Half-Life2.net(December 13, 2004)[3] Retrieved on 2008-12-21
  • Robert A. Scholtz, "The Origins of Spread-Spectrum Communications," IEEE Transactions on Communications, Vol. 30, No. 5, May 1982, p. 822.
  • Robert Price, "Further Notes and Anecdotes on Spread-Spectrum Origins," IEEE Transactions on Communications, Vol. 31, No. 1, January 1983, p. 85.
  • Ivanis, Dan (November 2003). «The stars come out -- Recruiting ad featuring Hedy Lamarr creates 'buzz't». Boeing Frontiers Online. The Boeing Company. Consultado em 2009-04-20. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Hedy Lamarr