República Democrática do Iêmen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


جمهورية اليمن الديمقراطية
República Democrática do Iêmen

Estado não reconhecido

Flag of Yemen.svg
1994 Flag of Yemen.svg

Bandeira de Iêmen

Bandeira

Localização de Iêmen
Continente Ásia
Região Oriente Médio
País Iêmen
Capital Aden
Governo República
Presidente Ali Salim al-Beidh
Período histórico Guerra Civil do Iêmen
 • 21 de Maio de 1994 Fundação
 • 7 de Julho de 1994 Dissolução

A República Democrática do Iêmen (português brasileiro) ou República Democrática do Iémen (português europeu) (em árabe: جمهورية اليمن الديمقراطية) foi proclamada em maio de 1994, no âmbito da guerra civil que se seguiu à unificação do Iêmen (1990). Com capital em Aden, foi liderada pelo vice-presidente Ali Salim al-Beidh e pelo primeiro-ministro Haidar Abu Bakr al-Attas do Iêmen unificado e representou uma reação dos antigos líderes do Iêmen do Sul, que se consideravam em desvantagem após a unificação e pretendiam voltar à situação anterior, separando-se novamente do Iêmen do Norte.

O proclamado Estado não conseguiu obter reconhecimento internacional, apesar de gozar da simpatia da Arábia Saudita e durou somente várias semanas — de 21 de maio a 7 de julho .

Seus líderes incluíam, além de figuras do Partido Socialista Iemenita, como al-Beidh e al-Attas, algumas personalidades de destaque na história do Iêmen do Sul, como Abdallah al-Asnag, forte opositor do governo de partido único do Partido Socialista Iemenita, na antiga República Popular Democrática do Iêmen.[1]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

A República do Iêmen foi declarada em 22 de maio de 1990, tendo Ali Abdullah Saleh como presidente e Ali Salim al-Beidh como vice-presidente. A unificação dos sistemas políticos e econômicos do Iêmen do Norte e do Iêmen do Sul deveria ocorrer ao longo de 30 meses, período em que foi formado um parlamento unificado e uma constituição única foi elaborada.[2]

As eleições foram realizadas em abril de 1993, e diante do resultado desfavorável, o vice-presidente Ali Salim Al-Beidh retirou-se para Aden em agosto de 1993 e afirmou que não retornaria ao governo até que suas reivindicações fossem ouvidas. Estas incluíam o fim da violência dos nortistas contra o seu Partido Socialista Iemenita, assim como o fim da marginalização econômica do sul.[3] As negociações para acabar com o impasse político se arrastaram até 1994, e as disputas políticas internas esvaziaram o governo do primeiro-ministro Haydar Abu Bakr al-Attas , ex-primeiro-ministro do Iêmen do Sul. [2]

Nesse período de tensão, os exércitos do norte e do sul continuavam a ser instituições distintas e guarneciam as antigas fronteiras. [4] Um acordo entre os líderes do norte e do sul, foi assinado em Amã, na Jordânia, em 20 de fevereiro de 1994, mas não impediu o agravamento das tensões que culminariam na guerra civil.[2]

Em 27 de abril, uma grande batalha de tanques ocorre em 'Amran, perto da capital, Sanaa. Ambos os lados se acusam de ter iniciado o confronto. Em 4 de maio, a força aérea sulista bombardeou Sanaa e outras áreas no norte do país; a força aérea nortista respondeu bombardeando Aden, no sul. O presidente Saleh declarou estado de emergência de 30 dias, e os cidadãos estrangeiros começaram a se retirar do país.[5] O vice-presidente al-Beidh foi oficialmente demitido. O Iêmen do Sul também disparou mísseis Scud em Sanaa, matando dezenas de civis.[6] O primeiro-ministro Haidar Abu Bakr al-Attas foi demitido em 10 de maio, depois de apelar por ajuda externa para acabar com a guerra.[5]

Proclamação da República Democrática do Iêmen[editar | editar código-fonte]

Em 21 de maio de 1994, os líderes sulistas declararam a secessão, proclamando a República Democrática do Iêmen, [3] sem entretanto obter o reconhecimento internacional.

Em meados de maio, as forças do norte começaram a marchar em direção a Aden. A capital da província de Shabwa, Ataq, que permitia o acesso aos campos de petróleo do país, foi tomada em 24 de maio.[7] O Conselho de Segurança da ONU aprovou a Resolução 924, pedindo o fim dos combates e um cessar-fogo. Um cessar-fogo foi obtido, em 6 de junho, porém durou apenas seis horas. As tropas nortistas entraram em Aden em 4 de julho. Os partidários de Ali Nasir Muhammad, ex-presidente do Iêmen do Sul, prestaram grande assistência às operações militares contra os separatistas, e Aden foi capturada em 7 de julho de 1994.[2] A resistência rapidamente desmoronou, e a maioria dos seus líderes militares e políticos fugiu para o exílio.[2] [3]

Em 7 de julho, a República Democrática do Iêmen chega ao fim, juntamente com a guerra civil, depois que Al Mukalla e Aden caem sob controle das forças do governo.[3]

Referências

  1. Paul Dresch, A History of Yemen, Cambridge: Cambridge University Press, 2000; p. 196
  2. a b c d e «Yemen», Asia, History of Nations 
  3. a b c d Civil war
  4. Yemen timeline
  5. a b The Middle East and North Africa, 2004, p. 1221
  6. «Five Scuds fired at Yemeni capital as war worsens - The Guardian, 7 April 1994». Consultado em 9 de março de 2009. Cópia arquivada em 11 de maio de 2009 
  7. «North Yemeni Troops Seize Oil Field Center; Region Controls Country's Chief Resource | Article from The Washington Post | HighBeam Research». Consultado em 9 de março de 2009. Cópia arquivada em 11 de maio de 2009