Grande Romênia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde setembro de 2015). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
A Grande Romênia (1918 - 1940)

Romênia Maior ou Grande Romênia (em romeno, România Mare) é um termo usado geralmente para fazer referência ao território do Reino da Romênia no período entreguerras (1918 a 1940), sendo a maior extensão geográfica atingida pelo país até então.

Atualmente é um conceito da geopolítica e do nacionalismo romeno que designa um futuro Estado romeno que incluiria todas as regiões de fala romena. Neste conceito, estariam incluídas a Transilvânia, a Valáquia, a Dobruja (estas três que já compõem a República da Romênia desde 1947), mais a Moldávia, a Bessarábia e a Bucóvina, sobrepostas à antiga província romana da Dácia. Atualmente, a região romenófona está dispersa entre a Romênia propriamente dita, mais a república ex-soviética da Moldávia e ainda minorias étnicas encontradas na Ucrânia e na Hungria.

O Banato, região outrora governada por romenos e hoje repartida entre Hungria, Romênia e Sérvia, é geralmente deixado de fora da ideia de Romênia Maior por não apresentar considerável população de origem etnolinguística romena. A "Romênia Maior" hoje é uma proposta defendida por partidos e movimentos nacionalistas na Romênia e na Moldávia, que buscam a unificação destes dois países.

O conceito é comparável a outras concepções semelhantes, como a Megali Idea grega, a Grande Hungria, a Grande Bulgária, a Grande Sérvia, bem como a Grande Albânia.[1][2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Giuseppe Motta, Less than Nations: Central-Eastern European Minorities after WWI, Volume 1 , Cambridge Scholars Publishing, 2013, p. 11
  2. Klaus Roth, Ulf Brunnbauer, Region, Regional Identity and Regionalism in Southeastern Europe, Part 1, LIT Verlag Münster, 2008, p. 52