Libânio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Libânio
Nascimento 314 a.C.
Antioquia, Síria (província romana)
Morte 394 a.C.
Antioquia, Síria (província romana)
Ocupação Filósofo e Sofista
Escola/tradição Sofística

Libânio (em grego Λιβάνιος, Libanios) (ca. 314 d.C. - ca. 394 d.C.) foi um filósofo e professor de retórica adepto da escola sofística. Viveu na época em que um Império Romano decadente estava adotando o Cristianismo, no entanto manteve-se fiel ao paganismo helênico. Falava o grego como língua materna.[1]

Nasceu no berço de uma família conhecida pela cultura, que outrora gozara de considerável influência em Antioquia. Aos quatorze anos apaixonou-se pela retórica, e à esta disciplina devotaria sua vida. A exemplo de muitos pagãos do século IV, Libânio retirou-se da vida pública e voltou-se ao invés à erudição. Estudou em Atenas e começou a carreira em Constantinopla como tutor privado, no entanto seria exilado a Nicomédia ca. 346 sob a acusação (provavelmente falsa) de praticar a magia.[2]

Libânio foi amigo pessoal, e admirador mútuo, do imperador Juliano. Parte de sua correspondência com o soberano sobrevive, na qual Libânio utiliza-se de suas artes de retórica para advogar causas tanto privadas como públicas. Apesar de sua amizade com Juliano, mais tarde receberia o título honorário de "prefeito pretoriano" do militantemente cristão Teodósio I.[3]

Em 349 foi convocado pelo Imperador de Constantinopla para assumir uma cátedra lá, mais tarde ele convenceu o imperador a transferi-lo para a sua cidade natal, Antioquia, onde exercia a função de Sofista oficial da cidade, lá permanecendo até sua morte.[4] Apesar de pagão, entre seus alunos constam vários cristãos famosos, como João Crisóstomo e Basílio de Cesareia, mas também alguns correlegionários como o historiador Amiano Marcelino.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Libanius».

Referências

  1. Robison, John. Proofs of a Conspiracy: against all the Religions and Governments of Europe, carried on in the secret meetings of Freemasons, Illuminati and Reading Societies (em en). Abergele: Wermod and Wermod Publishing Group, 2014. p. 113. ISBN 1909606030 (no google livros)
  2. Silva, Gilvan Ventura da. (2012). "Os apuros de um professor: Libânio e o cotidiano escolar em Antioquia". Revista Diálogos Mediterrânicos (3): 92. Curitiba: Nemed - UFPR. ISSN 2237-6585.
  3. Libanius. Libanius's Progymnasmata: Model Exercises in Greek Prose Composition and Rhetoric (em en). Tradução de Craig A. Gibson. Atlanta: Society of Biblical Lit, 2008. p. 18. ISBN 1589833600 (no google livros )
  4. Libanius. Libanius's Progymnasmata: Model Exercises in Greek Prose Composition and Rhetoric (em en). Tradução de Craig A. Gibson. Atlanta: Society of Biblical Lit, 2008. p. 17-8. ISBN 1589833600 (no google livros )
  5. Cameron, Averil; GARNSEY, Peter. Education and literary culture (em en). vol. 13 of The Cambridge Ancient History; ed. Averil Cameron and Peter Garnsey. Cambridge: Cambridge University Press, 1998. p. 668-669. ISBN 0521302005 (no google livros)
Ícone de esboço Este sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.