Idos de Março

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
A Morte de Júlio César (1806) de Vincenzo Camuccini

Os Idos de Março ( /dz/ ; em latim: Idus Martiae, Latim tardio : Idus Martii) [1] é o 74º dia do calendário romano, data que atualmente corresponde a 15 de março. Foi incorporado em diversas cerimônias religiosas e notável para os romanos como um prazo para quitação de dívidas.[2] Em 44 a.C., tornou-se conhecido como a data do assassinato de Júlio César, o que fez dos Idos de Março um ponto de virada na história romana.

Idos[editar | editar código-fonte]

Os romanos não contavam do primeiro ao último dia de cada mês. Em vez disso, eles contavam a partir de três pontos fixos do mês: os Nones (sendo o quinto ou sétimo dia do mês, nove dias antes dos Idos), os Idos (o décimo terceiro dia na maioria dos meses, mas o décimo quinto nos meses de março, maio, julho e outubro), e as Calendas (o primeiro dia do mês seguinte).

Originalmente os Idos deveriam ser determinados pela lua cheia, refletindo a origem lunar do calendário romano. No calendário mais antigo, os Idos de março teriam sido a primeira lua cheia do ano novo.[3]

Cerimônias Religiosas[editar | editar código-fonte]

Painel criado para representar a Mamuralia, a partir de um mosaico dos meses em que março se posiciona no início do ano (primeira metade do século III d.C., de El Djem, Tunísia, na África Romana).

Os idos de cada mês eram sagrados para Júpiter, a divindade suprema dos romanos. O Flamen Dialis, sumo sacerdote de Júpiter, conduziu as "ovelhas de Ides" (ovis Idulis) em procissão de Via Sacra até Arx, onde foi sacrificada.[4]

Além do sacrifício mensal, os Idos de Março também marcavam as celebrações de Anna Perenna, uma deusa do ano (latim annus) cuja festa originalmente concluía as cerimônias do ano novo. O dia era comemorado com entusiasmo entre as pessoas comuns com piqueniques, bebidas e folia.[5]

Uma fonte da antiguidade tardia também coloca o Mamuralia nos Idos de Março.[6] Essa cerimônia, que tem aspectos de bode expiatório ou ritual pharmakos grego antigo, envolvia espancar um velho vestido com peles de animais e ocasionalmente expulsá-lo da cidade. O ritual pode ter sido um festival de ano novo representando a expulsão do ano velho.[7][8]

No período imperial posterior, os Idos começaram uma "semana santa" de festivais celebrando Cibele e Átis,[9][10][11] sendo o dia Canna intrat (em tradução livre, "A chegada em junco"), quando Átis nasceu e foi encontrado entre os juncos de um rio frígio.[12] Ele foi descoberto por pastores ou pela deusa Cibele, que também era conhecida como a Magna Mater ("Grande Mãe") (as narrativas diferem).[13] Uma semana depois, em 22 de março, a solene comemoração de Arbor intrat (em tradução livre, "A árvore inserida") comemorou a morte de Átis sob um pinheiro.

Um colégio de sacerdotes, os dendrophoroi ("portadores de árvores") cortam anualmente uma árvore,[14] penduram nela uma imagem de Átis[15] e a carregam para o templo da Magna Mater com lamentações. O dia foi formalizado como parte do calendário romano oficial sob Cláudio (54 d.C.).[16] Seguiu-se um período de luto de três dias,[17] culminando com a celebração do renascimento de Átis em 25 de março, data do equinócio de Primavera no calendário juliano.[18]

Assassinato de César[editar | editar código-fonte]

Verso da Moeda de Idos de Março emitida pelo assassino de César Brutus no outono de 42 a.C., com a abreviatura EID MAR (Eidibus Martiis – nos Idos de Março) sob um " tampa da liberdade " entre dois punhais

Nos tempos modernos, o Idos de Março são mais conhecidos como a data em que Júlio César foi assassinado em 44 a.C.

César foi esfaqueado até a morte em uma reunião do Senado. Cerca de 60 conspiradores, liderados por Brutus e Cassius, estavam envolvidos. De acordo com Plutarco,[19] um vidente havia avisado que o mal viria a César no idos de março. A caminho do Teatro de Pompeu, onde seria assassinado, César passou pelo vidente e brincou: "Bem, os Idos de março chegaram", dando a entender que a profecia não havia sido cumprida, em resposta o vidente disse: "Sim, eles vieram, mas não se foram."[19]

Esta reunião tornou-se mais famosa após a dramatização da peça Júlio César, de William Shakespeare, quando César é avisado pelo vidente sobre ter cuidado com os idos de março.[20][21] O biógrafo romano Suetônio[22] identifica o "vidente" como um arúspide chamado Espurina.

A morte de César foi um evento final na crise da República Romana, e desencadeou a guerra civil que resultaria na ascensão ao poder de seu herdeiro adotivo Otaviano (mais tarde conhecido como Augusto).[23] Escrevendo sobre Augusto, Ovídio retrata o assassinato como um sacrilégio, já que César também era o "Pontifex Maximus" (Pontífice Máximo) de Roma e um sacerdote de Vesta .[24]

No quarto aniversário da morte de César em 40 a.C., depois de obter uma vitória no cerco de Perugia, Otaviano executou 300 senadores e equites que lutaram contra ele sob Lúcio Antônio, irmão de Marco Antônio.[25] As execuções foram uma de uma série de ações tomadas por Otaviano para vingar a morte de César. Suetônio e o historiador Cássio Dio caracterizaram o massacre como um sacrifício religioso,[26][27] observando que ocorreu nos idos de março no novo altar ao deificado Júlio .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Anscombe, Alfred (1908). The Anglo-Saxon Computation of Historic Time in the Ninth Century (PDF). [S.l.]: British Numismatic Society 
  2. «Ides of March: What Is It? Why Do We Still Observe It?». 15 de março de 2011 
  3. Scullard, H.H. (1981). Festivals and Ceremonies of the Roman Republic. [S.l.]: Cornell University Press. pp. 42–43. ISBN 9780801414022 
  4. Scullard, H.H. Festivals and Ceremonies of the Roman Republic. [S.l.: s.n.] 
  5. Scullard, H.H. Festivals and Ceremonies of the Roman Republic. [S.l.: s.n.] 
  6. Lydus, John (6th century). De mensibus 4.36. [S.l.: s.n.]  Other sources place it on 14 March.
  7. Salzman, Michele Renee (1990). On Roman Time: The Codex-Calendar of 354 and the Rhythms of Urban Life in Late Antiquity. [S.l.]: University of California Press. pp. 124& 128–129. ISBN 9780520065666 
  8. Fowler, William Warde (1908). The Roman Festivals of the Period of the Republic. London: Macmillan. pp. 44–50 
  9. Lancellotti, Maria Grazia (2002). Attis, Between Myth and History: King, Priest, and God. [S.l.]: Brill 
  10. Lançon, Bertrand (2001). Rome in Late Antiquity. [S.l.]: Routledge 
  11. Borgeaud, Philippe (2004). Mother of the Gods: From Cybele to the Virgin Mary & Hochroth, Lysa (Translator). [S.l.]: Johns Hopkins University Press. pp. 51, 90, 123, 164 
  12. Gary Forsythe, Time in Roman Religion: One Thousand Years of Religious History (Routledge, 2012), p. 88; Lancellotti, Attis, Between Myth and History, p. 81.
  13. Michele Renee Salzman, On Roman Time: The Codex Calendar of 354 and the Rhythms of Urban Life in Late Antiquity (University of California Press, 1990), p. 166.
  14. Jaime Alvar, Romanising Oriental Gods: Myth, Salvation and Ethics in the Cults of Cybele, Isis and Mithras, translated by Richard Gordon (Brill, 2008), pp. 288–289.
  15. Firmicus Maternus, De errore profanarum religionum, 27.1; Rabun Taylor, "Roman Oscilla: An Assessment", RES: Anthropology and Aesthetics 48 (Autumn 2005), p. 97.
  16. Lydus, De Mensibus 4.59; Suetonius, Otho 8.3; Forsythe, Time in Roman Religion, p. 88.
  17. Forsythe, Time in Roman Religion, p. 88.
  18. Macrobius, Saturnalia 1.21.10; Forsythe, Time in Roman Religion, p. 88; Salzman, On Roman Time, p. 168.
  19. a b Plutarch, Parallel Lives, Caesar 63
  20. «William Shakespeare, Julius Caesar, Act 1, Scene II». The Literature Network. Jalic, Inc. 2010. Consultado em 15 de março de 2010 
  21. «William Shakespeare, Julius Caesar, Act 3, Scene I». The Literature Network. Jalic, Inc. 2010. Consultado em 15 de março de 2010 
  22. Suetonius, Divus Julius 81.
  23. "Forum in Rome," Oxford Encyclopedia of Ancient Greece and Rome, p. 215.
  24. Ovid, Fasti 3.697–710; A.M. Keith, entry on "Ovid," Oxford Encyclopedia of Ancient Greece and Rome, p. 128; Geraldine Herbert-Brown, Ovid and the Fasti: An Historical Study (Oxford: Clarendon Press, 1994), p. 70.
  25. Melissa Barden Dowling, Clemency and Cruelty in the Roman World (University of Michigan Press, 2006), pp. 50–51; Arthur Keaveney, The Army in the Roman Revolution (Routledge, 2007), p. 15.
  26. Suetonius, Life of Augustus 15.
  27. Cassius Dio 48.14.2.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]