Cátulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Catulo)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Cátulo (desambiguação).
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde novembro de 2010)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Caio Valério Cátulo
Cátulo e Lésbia, concebidos numa pintura de Lawrence Alma-Tadema (1836-1912)
Nascimento 87 ou 84 a.C.
Verona?
Morte 57 ou 54 a.C. (30 anos)
Ocupação Poeta

Caio Valério Cátulo ou Catulo[nota 1] (em latim: Gaius Valerius Catullus; Verona, 87 ou 84 a.C. - 57 ou 54 a.C.) foi um sofisticado e controverso poeta romano durante o final do período republicano.

Cátulo se liga a um círculo de poetas de ideais estéticos comuns, os quais, Cícero chama de poetas novos (modernos), termo este, carregado de sentido pejorativo. Esse grupo de poetas rompia com o passado literário romano (mitológico), passando, entre outras características, a utilizar uma temática considerada “menor” pelos seus críticos.

Acrescenta-se às características da poesia de Cátulo, a linguagem coloquial (Ex. Ineptire, no canto VIII), a simulação frequente de improviso na sintaxe (frases interrompidas por orações paratéticas, repetição de palavras e expressões, movimento circular da elocução), versos ligeiros e a simulação do acesso aos recantos mais íntimos do homem.

Sua obra se perpetuou através dos séculos que se seguiram, foi exemplo para grandes nomes posteriores, como Propércio e Tibulo. Também foi muito lido por poetas como T. S. Eliot e Charles Baudelaire.

Cátulo e os poetae novi[editar | editar código-fonte]

Cátulo pertencia a um grupo de poetas denominados poeta novus e a importância dele é fundamental para caracterizarmos esse círculo, uma vez que é de Cátulo a única obra que possuímos. Paratore enfatiza a importância e complexidade de nosso poeta no contexto daqueles que modernizaram a literatura:

“Para melhor fixar quanto, em toda esta transformação do gosto, é devido precisamente ao gênio de Cátulo (o único poeta novus de quem possuímos a obra) e quanto é devido às tendências herdadas da poesia helenística e difundidas em todo o cenáculo, seria necessário enfrentar o problema das características da elegia helenística: ela limitou-se a cantar histórias lendárias de amor, ou encontros também a força de exprimir, diretamente, os sentidos de cada um dos poetas? ... Só poucos carmina de Cátulo testemunham a passagem da elegia, em Roma, do tipo narrativo ao tipo meramente lírico; os carmes de amor, de Cátulo, independentemente dos metros em que são compostos, têm predominantemente forma epigramática” (1987:314-315).

A revolução literária que os poetas novos trouxeram se caracteriza, essencialmente, pelo abandono da poesia épica homérica e enianana sendo substituído pelo gosto por breves versos dedicados a casos célebres de amor do mito (chamado de epílios); pela tendência de temas menores — (como o tema do amor, ou do pardal, como veremos), revelados diretamente ou sob o disfarce dos mitos; pelo cuidado com a técnica. E “o cenáculo dos poetae novi (também) introduz em Roma, definitivamente, o gosto da poesia helenística” (1987:312).

Catulo, imerso nesse contexto, se deixa levar pelas “seduções” do período helenístico, e com esses elementos ele acaba criando algo bastante moderno: a revolução da poesia Alexandrina. Como diz Paratore sobre Cátulo: “o gosto pela “palavra antiga” nota-se, sobretudo, através do estilo dos poetas alexandrinos, curiosos de vocábulos da antiga poesia helênica; por isso, no seu tecido linguistico, o vocábulo antiquado é como que uma pedra preciosa encastoada no elóquio moderno, isto é, não decorre com a frequência sistemática que descobrimos nos escritos doutros literatos, de várias épocas” (1987:313).

Notas e referências

Notas

  1. Esta grafia é a preferida no português brasileiro.[1]

Referências

  1. Alexandre Pinheiro Hasegawa (São Paulo, 2010). "Dispositio e distinção de gêneros nos Epodos de Horácio: estudo acompanhado de tradução de versos". USP. Consult. 10/11/2015. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CÁTULO, Caio Valério – O Cancioneiro de Lésbia [trad. e introd. Paulo Sérgio de Vasconcellos]. São Paulo: Editora Hucitec, 1991. ISBN 85-271-0162-9
  • CÁTULO, Caio Valério – O Livro de Cátulo [trad, introd. e notas de João Ângelo Oliva Neto]. São Paulo: EDUSP, 1996. ISBN 85-314-0338-3
  • VEYNE, Paul. A elegia erótica romana. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.
  • PARATORE. História da Literatura Latina. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1987.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Catulo
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Cátulo