Arcádio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Arcádio
Imperador bizantino
Busto de Arcádio no
Museu de Arqueologia de Istambul[a]
Reinado janeiro de 383395 (como augusto);
3951 de maio de 408 (como imperador)
Coroação 383
Predecessor Teodósio (como imperador romano)
Sucessor Teodósio II
imperatriz Élia Eudóxia
Descendência
Flacila
Pulquéria
Arcádia
Teodósio
Marina
Nome completo
Flavius Arcadius (nascimento);
Flavius Arcadius Augustus (como imperador)
Dinastia teodosiana
Pai Teodósio
Mãe Élia Flacila
Nascimento 377
Hispânia
Morte 1 de maio de 408 (31 anos)[1]
Constantinopla
Enterro Igreja dos Santos Apóstolos, Constantinopla[2]
Religião Catolicismo

Flávio Arcádio (em latim: Flavius Arcadius Augustus; 377 - 1 de maio de 408[1] ) foi um imperador romano do Oriente de 395 até sua morte. Natural da Hispânia, era filho do imperador Teodósio I (r. 378–395) e sua esposa Élia Flacila (r. 378–385) e irmão do futuro também imperador Honório (r. 395–423). Esteve associado desde 383 ao império, com a idade de 6 anos, e recebe o título de augusto. Ele foi nomeado cônsul três vezes em 385, 392 e 394. Instruído na religião cristã por vários professores de grande renome como o retórico Temístio ou o diácono Arsênio que será canonizado, Arcádio vai revelar-se um príncipe fraco sob a influência de vários membros de sua comitiva.

Com a morte de seu pai em 395, adquiriu a porção Oriental do Império Romano, com a sua capital Constantinopla e Honório recebe o Ocidente. É a divisão do Império mas esta será definitiva.Porém durante todo seu reinado esteve sob controle de seus ministros. Pois com efeito, estes dois soberanos inexperientes não são mais do que observadores por de trás dos quais se escondem os dois verdadeiros mestres do império, o primeiro deles, Rufino, a Este foi assassinado num complô talvez arquitetado por Estilicão que era importante a Oeste. O segundo, Eutrópio, adquiriu proeminência após realizar campanha contra os hunos em 397.Ele manteve-se no controle do império até ser deposto no contexto das revoltas góticas de Tribigildo e Gainas em 399.

Ambicionando o trono, Gainas arquitetou conspirações na corte, porém ao ser descoberto provocou um massacre dos godos da capital e foi obrigado a fugir para a Ásia, onde foi morto pelos hunos. Em 400, com sua nomeação como augusta, Élia Eudóxia, a esposa do imperador, tornou-se o novo poder atrás do trono. Durante o seu domínio, a corte veio a presenciar o seu confronto com o então patriarca de Constantinopla João Crisóstomo, que acabou sendo deposto. A partir de 404, o novo poder atrás do trono foi o prefeito pretoriano do Oriente Antêmio, que controlou o império até à morte do imperador em 408.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Arcádio retratado no Missório de Teodósio

Arcádio nasceu ca. 377, na Hispânia. Era filho mais velho do imperador Teodósio (r. 378–395) e Élia Flacila (r. 378–385) e irmão de Honório (r. 393–423).[3] Teodósio começou a educar o filho na arte do governo desde muito jovem; o seu precetor foi Arsênio, o Grande, que foi enviado a Constantinopla em 383 a pedido de Teodósio e permaneceu muitos anos junto da família imperial,[4] ou Temístio, que foi nomeado prefeito urbano da capital pelo imperador.[5] Aos 6 anos, em janeiro de 383, foi declarado augusto e co-regente da porção oriental do Império Romano.[6]

Em 385, ao lado de Flávio Bauto, foi nomeado cônsul.[6] No final dos anos 380, quando partiu em sua campanha contra Magno Máximo (r. 383–388), Teodósio I deixou Arcádio em Constantinopla sob tutela do recém-nomeado prefeito pretoriano do Oriente Eutôlmio Taciano. Esta nomeação inaugurou uma longa série de regências para Arcádio. Em 392, em decorrência de intrigas cortesãs, Eutôlmio Taciano foi destituído de seu posto pelo imperador e substituído por Rufino,[7] que no mesmo ano também o nomeou cônsul com Arcádio.[8]

Mandato de Rufino[editar | editar código-fonte]

Soldo de Arcádio (r. 395–408)

Em 393, quando os assuntos ocidentais novamente demandaram a atenção de Teodósio, ele viu a oportunidade de tomar controle de ambas as porções do império e, ao mesmo tempo, também nomear Honório como imperador. Com os pensamentos nesta direção, nomeou Honório augusto e partiu junto dele para o ocidente. Depois, em 394, nomeou-o cônsul ao lado de Arcádio e deixou o último novamente sob tutela de Rufino.[9] Com a morte de seu pai em 17 de janeiro de 395, o Império Romano foi dividido definitivamente em duas porções: uma Ocidental, governada por Honório, e outra Oriental, governada por Arcádio.[10] Como monarca, Honório foi controlado pelo mestre dos soldados (magister militum) de origem vândala Estilicão,[11] enquanto Arcádio pelo cônsul Rufino.[12]

Em abril de 395, Arcádio casou-se com Élia Eudóxia, a filha de Flávio Bauto.[13] Tal evento se deve à intervenção de Eutrópio, rival de Rufino, que impediu-o de cassar com sua antiga pretendente, a filha do prefeito pretoriano. Mais adiante neste ano, Rufino foi assassinado em um complô possivelmente arquitetado por Estilicão. O último foi acusado por alguns de querer o controle de ambos os imperadores, e é possível que tenha comprado o oficial gótico Gainas para matá-lo.[14] Embora a prova definitiva do envolvimento de Estilicão no assassinato não exista, a intensa competição e ciúmes político gerado por eles compõem o segmento principal da primeira parte do reinado de Arcádio.[12] Em 396, Arcádio tornou-se novamente cônsul, conjuntamente com Honório.[15]

Mandato de Eutrópio[editar | editar código-fonte]

Em 395, embora o Império Oriental tivesse se comprometido a pagar altas somas em ouro para aplacar os hunos, eles lançaram ataques aos romanos. Provenientes do Cáucaso, invadiram a Mesopotâmia sassânida e depois avançaram pelo território da Ásia Menor e Síria.[16] Eles foram parados em uma ousada campanha realizada pelo eunuco Eutrópio em 397.[12] Ao mesmo tempo da invasão huna, os visigodos de Alarico I (r. 395–410) ergueram-se em revolta e devastaram a Mésia, Macedônia e Trácia, avançando próximos aos muros de Constantinopla. Dali, marcharam pela Tessália e então para o sul da Grécia (396–397). De modo a conter os insurgentes góticos, Arcádio nomeou Alarico mestre dos soldados da Prefeitura pretoriana da Ilíria.[17]

Nesta época, com a morte de Rufino, Eutrópio tornou-se o novo conselheiro do Arcádio e o verdadeiro poder atrás do trono. Durante estes anos, em todos os verões, Arcádio ausentou-se da capital rumo a Ancira, na Galácia, por sugestão de Eutrópio.[18] Em 397/398, devido a seu sucesso contra os hunos, e com o apoio adquirido com a posse de João Crisóstomo como patriarca em 398, tornou-se cônsul e recebeu a dignidade de patrício em 399.[12]

Durante seu mandato, Estilicão manteve sua pretensão de controle da metade oriental do império. Eutrópio, nesse meio tempo, apoiou uma revolta na província da Mauritânia Cesariense do conde Gildão, porém tal empreitada fracassou e isso auxiliou em sua derrocada. Revoltas fomentadas por rebeldes ostrogóticos liderados por Tribigildo foram a causa maior de sua deposição. Tribigildo, que estava aliado com o general gótico Gainas, aceitou o fim das revoltas em troca da remoção de Eutrópio, uma exigência inclusive apoiada pela esposa de Arcádio, Élia Eudóxia (r. 395–404).[12]

Domínio de Élia Eudóxia[editar | editar código-fonte]

Crisóstomo e Élia Eudóxia. ca. 1880, por Jean-Paul Laurens
Dracma de Izdegerdes I (r. 399–420)

Um possível sucessor de Eutrópio foi o prefeito pretoriano do Oriente Aureliano, porém ele foi deportado por Gainas que ambicionava o trono. Em 400, uma série de godos federados estabelecidos na capital foram massacrados e os sobreviventes entraram em fuga sob o comando de Gainas para a Trácia, onde foram rastreados e abatidos pelas tropas imperiais e Gainas foi mandado para a Ásia onde os hunos o mataram; o rei Uldes (r. 390–411) enviou sua cabeça como presente para Arcádio.[19] Tal episódio ocorreu após uma tentativa de golpe arquitetada por Gainas.[12] A principal fonte para o caso é um documento de 400 de Sinésio de Cirene, Aegyptus sive de providentia, uma alegoria egipcianizada que personifica um relato encoberto dos eventos. O De regno de Sinésio, alegadamente dirigido a Arcádio, contém um discurso inflamado contra os godos.[20]

Em janeiro de 400, Élia Eudóxia foi nomeada augusta o que ampliou seu campo de influência sob o imperador, principalmente pois havia lhe dado cinco filhos (Flacila, Pulquéria, Arcádia, Marina e Teodósio II). Ela tornou-se, portanto, o novo poder atrás do trono. Em 401, os visigodos de Alarico I abandonaram a Ilíria em direção à Itália[17] e 402, um consulado conjunto foi selado entre Honório e Arcádio. No mesmo ano, Arcádio nomeou o xá sassânida Izdegerdes I (r. 399–420) como o protetor legal de Teodósio II.[21] [22] [b]

A influência de Eudóxia foi fortemente contestada por João Crisóstomo, que achava que ela havia usado a riqueza de sua família para obter controle sobre o imperador. Eudóxia usou sua influência para inflamar a hostilidade entre o clero contra Crisóstomo. Agindo sob intermédio do patriarca alexandrino Teófilo I (r. 385–412), um sínodo foi convocado pelo imperador em 403 e como resultado João Crisóstomo foi deposto e forçado ao exílio, no entanto, a agitação foi tanta que dias depois o bispo foi convocado de volta. A rivalidade de Eudóxia e Crisóstomo continuou até sua deposição final em 404. Neste mesmo ano Élia Eudóxia faleceu num aborto espontâneo.[12]

Mandato de Antêmio[editar | editar código-fonte]

Síliqua de Arcádio

Arcádio foi dominado pelo resto de seu reinado pelo prefeito pretoriano do Oriente Antêmio. Antêmio trabalhou para acabar com abusos governamentais, assim como ampliar a cristianização e a defesa do Oriente contra ataques. Leis contra o paganismo, judaísmo e heresias foram aprovadas e a paz foi selada com o Ocidente, especialmente depois da criação de um consulado conjunto entre Antêmio e Estilicão em 405. Ele combateu, sob comando de tropas góticas, as tribos isáurias que estavam desde 403 causando estragos nas províncias da Ásia Menor, e fortificou os muros de Constantinopla.[23]

Nessa época, os relatos a respeito do imperador são bastante irregulares, e ele parece ter desaparecido completamente, pelo menos simbolicamente, do cenário político, embora se saiba que tornou-se cônsul em 406 ao lado de Anício Petrônio Probo.[23] Ele faleceu em 1 de maio de 408, aos 31 anos, de causas desconhecidas. Foi sucedido por seu filho Teodósio II (r. 408–450).[12]

Características e legado[editar | editar código-fonte]

Desenho ilustrando parte dos frisos da Coluna de Arcádio

Segundo os relatos, Arcádio era fisionomicamente baixo, magro e de compleição escura.[12] Um monarca mais preocupado com sua aparência de cristão devoto do que com os assuntos políticos e militares,[1] foi durante todo seu reinado dominado por seus ministros. Porém, apesar de sua ineficiência, várias mudanças significativas ocorreram neste momento. A primeira delas foi a ênfase dada à "piedade do imperador", que veio a tornar-se uma importante característica da monarquia bizantina. A segunda foi o crescente distanciamento da figura do imperador da vida pública, até mesmo dentro da capital, o que reflete práticas cortesãs tipicamente "orientalizantes" que enfatizam a separação simbólica do monarca com o resto da sociedade. Diz-se, inclusive, que em certa ocasião as pessoas vieram correndo para ver o imperador pela primeira vez quando estava rezando em uma igreja.[12]

O maior tema de seu reinado foi a ambivalência sentida por proeminentes indivíduos e as partes da corte que se formaram e se reagruparam em torno dos bárbaros, que na capital nesta época significou godos. Seja pelo racismo ou pelo medo, esta situação levou o governo a adotar uma posição dura contra os oficiais germânicos, o que inibiu que alcançassem funções proeminentes nas fileiras do exército, diferente do ocorrido no Ocidente do século V. Isso também encorajou os monarcas sucessores de Arcádio a adotarem duras medidas contra outros povos, em especial os isáurios, hunos e persas.[12]

Talvez a mudança mais importante deste período foi a separação cultural e política entre o Oriente e Ocidente. Após a morte de Teodósio, o Império Romano foi definitivamente dividido sob seus filhos e nunca mais voltou a unir-se. Além disso, Constantinopla figurou como um dos principais centros do mundo romano. O imperador raramente deixou-a e os oficiais palacianos tornaram-se cada vez mais influentes.[12] Ela adquiriu monopólio na cunhagem das moedas imperiais,[24] [c] tornou-se um arcebispado e sob influência de Crisóstomo e outros oficiais eclesiásticos adquiriu primazia no Oriente. Outrossim, construções públicas e privadas embelezaram e aumentaram-a:[12] entre as construções proeminentes está um fórum novo construído em nome do imperador na sétima colina de Constantinopla, o Xerólofo (Xerolophos), no qual uma coluna foi iniciada para comemorar sua vitória sobre Gainas.[25]

Como um todo, a era de Arcádio foi mais importante que o próprio Arcádio. Ele talvez tinha as pretensões de seu pai, mas nenhuma das habilidades ou poderes necessários para deixar sua marca no império.
 

Filhos[editar | editar código-fonte]

Élia Eudóxia e Arcádio tiveram, pelo que sabe-se, cinco filhos:

Árvore genealógica[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

[a] ^ Este busto foi encontrado em junho de 1949, durante escavações das fundações dos novos edifícios da Universidade de Istambul, próximo ao Fórum do Touro. Seu mármore é proveniente do Monte Pentélico, na Grécia.[31]
[b] ^ Recentemente descobriu-se em escavações em Humaima, na Jordânia, um tesouro contendo soldos de Arcádio e dracmas de prata de Izdegerdes I datados da primeira década do século V. Tal descoberta dá evidências materiais para os relatos literários acerca das relações políticas, econômicas e eclesiásticas entre o Império Bizantino e o Império Sassânida neste momento.[32]
[c] ^ Tardiamente durante o reinado de Teodósio I (r. 378–395) ou no começo do de Arcádio e Honório o padrão de 1/144 libras foi praticamente suplantado por um mais leve de aparentes 1/192 libras.[33]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Cônsul do Império Romano
Vexilloid of the Roman Empire.svg
Precedido por:
Ricomero
com Clearco
Arcádio
385
com Flávio Bauto
Sucedido por:
Honório
com Evódio


Cônsul do Império Romano
Vexilloid of the Roman Empire.svg
Precedido por:
Taciano
com Símaco
Arcádio II
392
com Rufino
Sucedido por:
Teodósio II
com Eugênio


Cônsul do Império Romano
Vexilloid of the Roman Empire.svg
Precedido por:
Teodósio II
com Eugênio
e Abundâncio
Arcádio III
394
com Flaviano
Honório II
Sucedido por:
Olíbrio
com Probino


Cônsul do Império Romano
Vexilloid of the Roman Empire.svg
Precedido por:
Olíbrio
com Probino
Arcádio IV
396
com Honório III
Sucedido por:
Cesário
com Ático


Cônsul do Império Romano
Vexilloid of the Roman Empire.svg
Precedido por:
Vicente
com Fravita
Arcádio V
402
com Honório V
Sucedido por:
Teodósio I
com Rumorido


Cônsul do Império Romano
Vexilloid of the Roman Empire.svg
Precedido por:
Estilicão II
com Antêmio
Arcádio VI
406
com Probo
Sucedido por:
Honório VII
com Teodósio II


Referências

  1. a b c Norwich 2001, p. 49
  2. Downey 1959, p. 27
  3. Norwich 2001, p. 45
  4. Vuibert 1913
  5. Brauch 2001, p. 325-382
  6. a b Martindale 1971, p. 159
  7. Martindale 1971, p. 878
  8. Martindale 1971, p. 778
  9. Martindale 1971, p. 779
  10. Salles 2008, p. 319
  11. Ostrogorsky 1968, p. 47-48
  12. a b c d e f g h i j k l m n Nathan 1998
  13. Zósimo século VI, p. V.3
  14. Martindale 1971, p. 780
  15. Martindale 1971, p. 1045
  16. Helfen 1997, p. 38-43
  17. a b Kazhdan 1991, p. 52
  18. Martindale 1980, p. 441
  19. Zósimo século VI, p. 5.22.3
  20. Cameron 1993, p. 103
  21. Greatrex 2002, p. 32
  22. Sarris 2011, p. 126
  23. a b Martindale 1980, p. 914
  24. Hendy 2008, p. 398
  25. Croke 2001, p. 114
  26. Martindale 1980, p. 472
  27. Martindale 1980, p. 929-930
  28. Martindale 1980, p. 129
  29. Martindale 1980, p. 1100
  30. Martindale 1980, p. 723
  31. Nezih 1951, p. 67-71
  32. Greatrex 2002, p. 34
  33. Hendy 2008, p. 468

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Brauch, Thomas. (2001). "Patristic and Byzantine Witness to an Urban Prefectship of Themistius under Valens". Byzantion 71.
  • Cameron, A.; J. Long (1993). Barbarians and Politics at the Court of Arcadius (em inglês) California University Press [S.l.] ISBN 0520065506. 
  • Croke, Brian (2001). Count Marcellinus and his Chronicle (em inglês) Oxford University Press [S.l.] ISBN 0198150016. 
  • Downey, Glanville. (1959). "The Tombs of the Byzantine Emperors at the Church of the Holy Apostles in Constantinople". The Journal of Hellenic Studies 79 p. 27-51.
  • Greatrex, Geoffrey; Lieu, Samuel N. C. (2002). The Roman Eastern Frontier and the Persian Wars (Part II, 363–630 AD) Routledge [S.l.] ISBN 0-415-14687-9. 
  • Helfen, Otto Maenchen (1997). Die Welt der Hunnen [S.l.: s.n.] 
  • Hendy, Michael F. (2008). Studies in the Byzantine Monetary Economy c.300-1450 Cambridge University Press [S.l.] ISBN 0521088526. 
  • Kazhdan, Alexander Petrovich (1991). The Oxford Dictionary of Byzantium (Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press). ISBN 0-19-504652-8. 
  • Martindale, J. R.; A. H. M. Jones (1971). The Prosopography of the Later Roman Empire, Vol. I AD 260-395 Cambridge University Press [S.l.] 
  • Martindale, J. R.; Jones, Arnold Hugh Martin; Morris, John (1980). The prosopography of the later Roman Empire - Volume 2. A. D. 395 - 527 (Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press). 
  • Nezih, Firatli. (1951). "A Late Antique Imperial Portrait Recently Discovered at Istanbul" (em inglês). American Journal of Archaeology 55 (1).
  • Norwich, John Julius (2001). Bizâncio. Esplendor e decadência do império 330-1453 (em inglês) (Milão: Mondadori). ISBN 88-04-48185-4. 
  • Salles, Catherine (2008). Larousse das Civilizações Antigas. Vol. III - Das Bacanais a Ravena (O Império Romano do Ocidente) (São Paulo: Larousse). ISBN 978-85-7635-445-1. 
  • Sarris, Peter (2011). Empires of Faith: The Fall of Rome to the Rise of Islam, 500-700 Oxford University Press [S.l.] ISBN 0199261261. 
  • Zósimo (século VI). História Nova [S.l.: s.n.]