Leôncio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Leôncio (desambiguação).
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde junho de 2019). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Leôncio
Imperador dos Romanos
Solidus-Leontinus-sb1330.jpg
Leôncio representado com os símbolos do poder: a coroa, o orbe e a akakia. No reverso, uma cruz potente sobre três degraus.
Reinado 695698
Antecessor(a) Justiniano II
Sucessor(a) Tibério III
  Isáuria
Morte 15 de fevereiro de 706
  Constantinopla

Leôncio (em grego: Λεόντιος), (falecido em 15 de fevereiro de 706), foi imperador bizantino de 695 a 698. O seu nome verdadeiro e oficial era Leão (Λέων, Leōn), mas é referido pelo nome que lhe foi atribuído nas crónicas bizantinas.

História[editar | editar código-fonte]

Leôncio nasceu na Isáuria e era um general de sucesso no exército bizantino; o imperador Constantino IV nomeou-o estratego do Tema Anatólico, e foi Leôncio que Justiniano II escolheu para repelir os árabes na Geórgia e na Arménia em 686. Recorrendo a tácticas cruéis mesmo para os padrões da época, Leôncio não só os repeliu como invadiu o Azerbaijão e a Albânia no Cáucaso. Deveu-se à actuação de Leôncio o facto de o califa Abda Malique ibne Maruane renovar o tratado de paz com Bizâncio, oferecendo termos generosos. Leôncio foi posto a ferros por Justiniano II depois de ter sido derrotado pelos árabes na batalha de Sebastópolis em 692, quando um grande contingente de tropas eslavas desertou, mudando o destino do combate.

Durante a prisão de Leôncio a guerra contra os árabes recrudesceu, contra os objectivos de Justiniano. Por isso libertou Leôncio e pô-lo no comando do Tema da Hélade, mas Leôncio organizou imediatamente uma revolta contra o imperador. Com o auxílio da facção dos "Azuis", do patriarca de Constantinopla Calínico I e da sua própria fama como militar, Leôncio rapidamente triunfou e depôs Justiniano, exilando-o em Quérson na Crimeia (depois de ter mandado cortar-lhe o nariz).

Durante o seu impopular reinado, Leôncio evitou qualquer actividade militar, tentando reorganizar o império; esta inactividade e a postura defensiva levaram a que Abdal Malique enviasse uma expedição para tomar Cartago, que caiu em 697. Leôncio enviou então o drungário João, o Patrício para reconquistar a cidade; embora tivesse conseguido conquistar o porto e a maior parte da cidade, reforços árabes repeliram as suas forças até Creta. Receosos do castigo que Leôncio lhes infligiria, os soldados revoltaram-se contra João e aclamaram Tibério Apsímaro, o drungário dos cibirreotas, e declararam-se contra Leôncio em 698; tiveram êxito em tomar Constantinopla uma vez que a cidade varrida pela peste lhes abriu as portas. O imperador foi deposto, mutilado por Tibério III, e aprisionado no mosteiro de Psamácio em Constantinopla. Leôncio veio a ser exibido pelas ruas da cidade e executado quando Justiniano II foi restaurado em 705.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • The Oxford Dictionary of Byzantium, Oxford University Press, 1991.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Justiniano II
Imperador bizantino
695 — 698
Sucedido por
Tibério III