Constantino (filho de Leão V)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Simbácio (Constantino)
Coimperador bizantino
Soldo de Leão V, o Armênio e Constantino
Reinado 25 de dezembro de 813 - 25 de dezembro de 820
Nascimento 800/810
Morte século IX
Pai Leão V, o Armênio
Mãe Teodósia
Religião Cristianismo

Simbácio (em grego: Συμβάτιος; transl.: Symbatios, do armênio Smbat), Sabácio (em grego: Σαββάτιος; transl.: Sabbatios) ou Sambates (Σαμβάτης) em algumas fontes,[1] foi o filho mais velho do imperador bizantino Leão V, o Armênio (r. 813–820). Logo após a coroação de seu pai, foi coroado co-imperador e renomeado Constantino (Κωνσταντίνος). Reinou nominalmente junto com seu pai até a deposição final dele em 820, após a qual foi exilado para Prote como um monge.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Soldo de Miguel II, o Amoriano (r. 820–829) e seu filho Teófilo

Simbácio foi o filho mais velho de Leão e sua esposa, Teodósia (r. 813–820). Como era criança no tempo da ascensão de seu pai, nasceu em algum momento entre 800 e 810. O imperador anterior, Miguel I Rangabe (r. 811–813), foi provavelmente padrinho do garoto.[2] Após Leão depor Miguel I e ascender ao trono no Natal de 813, o jovem Simbácio foi coroado co-imperador e renomeado Constantino. O último nome não foi escolhido aleatoriamente: além de ser um tradicional nome imperial bizantino, as tropas reunidas agora publicamente aclamaram os imperadores "Leão e Constantino", evocando abertamente o imperador iconoclasta Leão III, o Isauro (r. 717–741) e seu filho Constantino V Coprônimo (r. 741–775). Isto foi uma clara declaração de intensões, não só contra inimigos externos como os búlgaros, a quem Constantino V repetidamente derrotou, mas também no fronte interno, pressagiando a readoção da iconoclastia de Leão como política oficial do Estado.[1][3]

Em 815, Constantino nominalmente presidiu, como representante de seu pai, sobre um Concílio da Igreja em Constantinopla, que reinstalou a proibição da veneração dos ícones.[1][4] Após o assassinato de seu pai em 25 de dezembro de 820, Constantino foi banido para a ilha de Prote junto com sua mãe e três irmãos. Lá, os quatro irmãos foram castrados e tonsurados. Eles gastaram o resto dos dias deles como monges, embora o imperador Miguel II, o Amoriano (r. 820–829) permitiu a eles manter parte dos rendimentos dos estados confiscados deles para a manutenção deles e de seus servos.[5][6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Miguel I
Coimperador bizantino
813 - 820
Sucedido por
Miguel II, o Amoriano

Referências

  1. a b c Winkelmann 2000, p. 560.
  2. Treadgold 1988, p. 197.
  3. Treadgold 1988, p. 202–203.
  4. Treadgold 1988, p. 213.
  5. Winkelmann 2000, p. 560–561.
  6. Treadgold 1988, p. 224.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Treadgold, Warren T. (1988). The Byzantine Revival, 780–842. Stanford, Califórnia: Stanford University Press. ISBN 0-8047-1462-2 
  • Winkelmann, Friedhelm; Lilie, Ralph-Johannes et al. (2008). Prosopographie der mittelbyzantinischen Zeit: I. Abteilung (641–867), 3. Band (em alemão). Berlim: Walter de Gruyter. ISBN 3-11-016673-9