Príncipe (Roma Antiga)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Busto de Augusto com a coroa cívica. Gliptoteca de Munique

Príncipe[1] (em latim: Princeps; plural: principes) é uma palavra de origem latina que significa "o primeiro no tempo ou no fim, o primeiro, chefe, o mais eminente, distinguido ou nobre, o primeiro homem, primeira pessoa".[2] Etimologicamente proveniente da frase latina primum caput, "a primeira cabeça", originalmente significou o mais antigo ou mais distinto senador cujo nome aparece primeiro na lista senatorial (príncipe do senado).[3] Durante o governo de Augusto (r. 27 a.C.–14 d.C.) passou a ser usado pelo imperador como um título quase real para um líder que era o primeiro encarregado.[4] Continuou em uso até o reinado de Diocleciano (r. 285–305) quando caiu em desuso, sendo substituído por domino ("senhor" ou "mestre").[5]

Durante a República e Império Romano, o título foi derivado e passou a ser atribuído a oficiais militares e administrativos: príncipe anterior (princeps prior; também centurio princeps prior), o comandante sênior do segundo manípulo (duas centúrias), e o príncipe posterior (princeps posterior; também centurio princeps posterior), seu vice-comandante;[6] príncipe dos pretorianos, centurião (geralmente o príncipe posterior) comandante da base militar ou forte e responsável pelo treinamento dos legionários;[7] príncipe dos ofícios (princeps officii), o chefe de um ofício palatino (residência imperial);[8]; príncipe dos peregrinos (princeps peregrinorum), centurião pelas tropas do acampamento dos peregrinos (não-itálicas);[9] príncipe do povo (princeps gentis), talvez equivalente ao príncipe dos peregrinos;[10] príncipe ordinário do vexilácio (Princeps ordinarius vexillationis), centurião no comando dum vexilácio. Ele também foi usado para distinguir alguns oficiais seniores, como no caso do decurião príncipe (decurio princeps).[11]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Amato, Raffale D' (2012). Roman Centurions 31 BC-AD 500: The Classical and Late Empire. Oxford: Osprey Publishing. ISBN 1780960395 
  • Berger, Adolf (1968). Encyclopedic Dictionary of Roman Law, Volume 43. Filadélfia: American Philosophical Society. ISBN 0871694328 
  • Boardman, John; Griffin, Jasper; Murray, Oswyn. «Princeps senatus». Oxford: Oxford University Press 
  • Eck, Werner (2003). Deborah Lucas Schneider (tradutora); Sarolta A. Takács (mais conteúdo), ed. The Age of Augustus. Oxford: Blackwell Publishing. ISBN 978-0-631-22957-5 
  • Fields, Osprey (2009). The Roman Army of the Principate 27 BC-AD 117. Oxford: Osprey Publishing. ISBN 1846033861 
  • Funari, Pedro Paulo A. (2003). A vida quotidiana na Roma antiga. São Paulo: Annablume. ISBN 8574193828 
  • Judson, Harry Pratt (1961). Caesar's Army: A Study of the Military Art of the Romans in the Last Days of the Republic. Nova Iorque: Biblo & Tannen Publishers. ISBN 0819601136 
  • Lewis, Charlton T.; Short, Charles (1849). «Princeps». A Latin Dictionary. Nova Iorque: Harper and Brothers 
  • Reid, James S. (2014). The Municipalities of the Roman Empire. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 1107683084 
  • Summer, Graham; Raffaele D'Amato (2009). Arms and Armour of the Imperial Roman Soldier. Barnsley: Frontline Books. ISBN 1473811899