Príncipe (Roma Antiga)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Busto de Augusto com a coroa cívica. Gliptoteca de Munique

Príncipe[1][2] (em latim: Princeps; plural: principes) é uma palavra de origem latina que significa "o primeiro no tempo ou no fim, o primeiro, chefe, o mais eminente, distinguido ou nobre, o primeiro homem, primeira pessoa".[3] Etimologicamente proveniente da frase latina primum caput, "a primeira cabeça", originalmente significou o mais antigo ou mais distinto senador cujo nome aparece primeiro na lista senatorial (príncipe do senado).[4] Durante o governo de Augusto (r. 27 a.C.14 d.C.) passou a ser usado pelo imperador como um título quase real para um líder que era o primeiro encarregado.[5] Continuou em uso até o reinado de Diocleciano (r. 285–305) quando caiu em desuso, sendo substituído por domino ("senhor" ou "mestre").[6]

Durante a República e Império Romano, o título de príncipe foi derivado e passou a ser atribuído a oficiais militares e administrativos: príncipe anterior (princeps prior; também centurio princeps prior), o comandante sênior do segundo manípulo (duas centúrias), e o príncipe posterior (princeps posterior; também centurio princeps posterior), seu vice-comandante;[7] príncipe dos pretorianos, centurião (geralmente o príncipe posterior) comandante da base militar ou forte e responsável pelo treinamento dos legionários;[8] príncipe dos ofícios (princeps officii), o chefe de um ofício palatino (residência imperial);[9]; príncipe dos peregrinos (princeps peregrinorum), centurião pelas tropas do acampamento dos peregrinos (não-itálicas);[10] príncipe do povo (princeps gentis), talvez equivalente ao príncipe dos peregrinos;[11]; príncipe ordinário do vexilacião (Princeps ordinarius vexillationis), centurião no comando dum vexilacião. Ele também foi usado para distinguir alguns oficiais seniores, como no caso do decurião príncipe (decurio princeps).[12]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Funari 2003, p. 92.
  2. Filho 1999, p. 62.
  3. Charlton T. Lewis, Charles Short. «Princeps» (em inglês). Consultado em 17 de agosto de 2014 
  4. «Princeps senatus» (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2014 
  5. Eck 2003, p. 50.
  6. Charlton T. Lewis, Charles Short. «Princeps (ancient Roma title)» (em inglês). Consultado em 17 de agosto de 2014 
  7. Judson 1961, p. 1961.
  8. Summer 2009.
  9. Berger 1968, p. 607.
  10. Amato 2012, p. 7.
  11. Reid 2014, p. 312.
  12. Fields 2009, p. 21.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Amato, Raffale D'. Roman Centurions 31 BC-AD 500: The Classical and Late Empire. [S.l.]: Osprey Publishing, 2012. ISBN 1780960395
  • Berger, Adolf. Encyclopedic Dictionary of Roman Law, Volume 43. [S.l.]: American Philosophical Society, 1968. ISBN 0871694328
  • Eck, Werner. In: Deborah Lucas Schneider (tradutora); Sarolta A. Takács (mais conteúdo). The Age of Augustus. Oxford: Blackwell Publishing, 2003. ISBN 978-0-631-22957-5
  • Fields, Osprey. The Roman Army of the Principate 27 BC-AD 117. [S.l.]: Osprey Publishing, 2009. ISBN 1846033861
  • Filho, Ives Gandra da Silva Martins. 500 anos de história do Brasil: resumo esquemático. [S.l.]: LTr, 1999.
  • Funari, Pedro Paulo A.. A vida quotidiana na Roma antiga. [S.l.]: Annablume, 2003. ISBN 8574193828
  • Judson, Harry Pratt. Caesar's Army: A Study of the Military Art of the Romans in the Last Days of the Republic. [S.l.]: Biblo & Tannen Publishers, 1961. ISBN 0819601136
  • Reid, James S.. The Municipalities of the Roman Empire. [S.l.]: Cambridge University Press, 2014. ISBN 1107683084
  • Summer, Graham; Raffaele D'Amato. Arms and Armour of the Imperial Roman Soldier. [S.l.]: Frontline Books, 2009. ISBN 1473811899