Imaginação ativa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Imaginação ativa (IA) é uma técnica reinventada por Carl Gustav Jung, que a trouxe de volta dos alquimistas. Consiste em uma interação com os conteúdos do inconsciente através de sua personificação[1]. Diferencia-se de uma interpretação dos conteúdos do inconsciente na medida em que não envolve uma explanação de suas figuras, mas de um relacionamento com elas. Dessa forma não compreenderíamos o inconsciente a partir de um ponto de vista intelectual, mas a partir do sentimento, de um embate, de um confronto com os problemas que se nos deparam a partir de dentro. Segundo Jung, a IA é a melhor maneira de se ativar a função transcendente, que envolve uma espécie de síntese das funções da consciência, um encontro e grande interação com a totalidade da psique (self ou "eu interior") e tudo o que ela representa[2][3].

Referências

  1. «PERSONIFICAÇÃO». Consultado em 23 de abril de 2019. Arquivado do original em 26 de janeiro de 2013 
  2. «IMAGINAÇÃO ATIVA». Consultado em 23 de abril de 2019. Arquivado do original em 11 de novembro de 2010 
  3. «Conceitos Jung - Voadores/Ajuda». www.voadores.com.br. Consultado em 23 de abril de 2019 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre psicologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre Magia do Caos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.