Filosofia iraniana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A expressão filosofia iraniana designa o histórico do desenvolvimento da filosofia no Irão. Também é, muitas vezes, chamada filosofia persa.[1]

História[editar | editar código-fonte]

É fundamentada em raízes indo-iranianas datadas de 1500 a.C., que viriam a ser, posteriormente, consideravelmente influenciadas pelas concepções de Zaratustra (660-583 a.C.). Embora haja relações antigas entre os Vedas indianos e o Avesta iraniano, as duas famílias principais das tradições filosóficas indo-iranianas foram caracterizadas por diferenças fundamentais sobre a posição do ser humano na sociedade e a sua visão do papel do homem no universo e no seu ambiente. A primeira carta de direitos humanos por Ciro, o Grande (século VI a.C.) é largamente vista como uma reflexão sobre perguntas e pensamentos expressos por Zaratustra. Ao longo da história iraniana e devido a notáveis modificações político-sociais (como as invasões da Macedônia, a árabe e a mongol), um amplo espectro de escolas de pensamento desenvolveu-se a partir do zoroastrianismo.

No século III, surgiu o maniqueísmo, escola filosófica criada por Mani que defendia a existência de uma dualidade no universo, composta por luz (bem) e trevas (mal). Santo Agostinho (354-430) foi maniqueísta antes de se converter ao cristianismo. Nos séculos V e VI, Mazdak criou o mazdaquismo, escola que é considerada uma precursora do socialismo e do comunismo. Logo após a invasão árabe, a filosofia iraniana ficou caracterizada por interações diferentes com a sua antiga linha, com a filosofia grega e com o desenvolvimento da filosofia islâmica. Em meados do século XII, o avicenismo (fusão entre o aristotelismo e o neoplatonismo realizada por Avicena) tornou-se a principal escola da filosofia islâmica. Posteriormente, o avicenismo combinou-se à filosofia iraniana antiga para formar o iluminacionismo. Já no século XVII, a ontologia foi desenvolvida pela escola da teosofia transcendente.[2]

Zoroastro (660-583 a.C.) é um dos nomes mais importantes da filosofia iraniana

Referências

  1. MATTAR, J. Introdução à Filosofia. Pearson Prentice Hall. São Paulo. 2010. p. 279, 280.
  2. MATTAR, J. Introdução à Filosofia. Pearson Prentice Hall. São Paulo. 2010. p. 279, 280.
Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.