Filosofia do despotismo oriental

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Filosofia do despotismo oriental refere-se a ideologias políticas na Ásia que aderiram às políticas de extrema direita, que ganharam popularidade em muitos países da região a partir da década de 1930 comparativamente as democracias ocidentais[1][2] por causa da economia monopolista de escala.[3] As teorias materialistas e ecológicas no despotismo oriental influenciaram antropólogos ecológicos e historiadores da economia global, embora alguns deles tenham encontrado falhas em sua metodologia e base empírica ou questionado os motivos políticos de Wittfogel.[4] O Wittfogel, que foi educado em centros alemães de sinologia e ingressou no Partido Comunista Alemão em 1920, estava insatisfeito com o debate sobre o modo de produção asiático (AMP) que remontava a Montesquieu e Hegel.[5] A Europa moderna, na formulação clássica de Marx, foi criada pelo conflito entre as classes burguesas e capitalistas industriais emergentes, de um lado, e o Antigo Regime de economia feudal, de outro.[6] Shmuel Eisenstadt considera esse teoria orientalista conforme também descreveu Edward Said.[7]

Irã[editar | editar código-fonte]

SUMKA copiou não só a ideologia do Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães mas também o estilo daquele grupo, adotando a suástica, a camisa preta e a saudação do chefe enquanto Monshizadeh até buscava cultivar uma aparência semelhante à de Adolf Hitler.[8] Também existe o MEK que é descrito como totalitário pela mídia ocidental.[9]

Israel[editar | editar código-fonte]

Maximalismo Revisionista[editar | editar código-fonte]

Achimeir era um fascista que se autodenominava que escreveu uma série de artigos em 1928 intitulada "Do Diário de um Fascista".[10] Achimeir rejeitou o humanismo, o liberalismo e o socialismo ; condenou os sionistas liberais por trabalharem apenas para judeus de classe média; e afirmou a necessidade de um integralista, "nacionalismo puro" semelhante ao da Itália fascista sob Benito Mussolini.[11] Achimeir recusou-se a fazer parte de coalizões reformistas sionistas e insistiu que apoiaria apenas sionistas revolucionários que estivessem dispostos a usar a violência.[12]

Líbano[editar | editar código-fonte]

Em 1936, o Partido Kataeb foi fundado por Pierre Gemayel e este grupo também se inspirou nos fascistas europeus, também usando a saudação romana e um uniforme de camisa marrom.[13] Este grupo também defendia um forte senso de nacionalismo libanês e um culto de liderança, mas não apoiava o totalitarismo e, como resultado, não podia ser caracterizado como totalmente fascista.[14][15]

Síria[editar | editar código-fonte]

O Partido Nacionalista Social Sírio foi fundado em 1932 por Antun Saadeh com o objetivo de restaurar a independência da Síria da França e assumir a liderança do fascismo.[16][17] Este grupo também usou a saudação nacional-socialista e um símbolo semelhante à suástica[18][19][20] enquanto Saadeh tomou emprestados elementos da ideologia nacional-socialista, notadamente o culto à personalidade e o anseio por uma idade de ouro mítica e racialmente pura.[21] Um grupo de jovens, baseado no modelo da Juventude Hitlerista, também foi organizado.[22]

O Estado Islâmico se encaixa também na maioria das definições de totalitárismo.[23]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Stanziani, Alessandro (31 de julho de 2014). After Oriental Despotism: Eurasian Growth in a Global Perspective (em inglês). [S.l.]: A&C Black 
  2. Thomas David DuBois (25 de abril de 2011), Religion and the Making of Modern East Asia, ISBN 978-1-139-49946-0, Cambridge University Press, pp. 176– 
  3. Chi, Chʻao-ting (1936). Key Economic Areas in Chinese History, as Revealed in the Development of Public Works for Water-Control. New York: Columbia University Press 
  4. Robbins, Paul (12 de dezembro de 2011). Political Ecology: A Critical Introduction (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons 
  5. For essays and readings on the AMP, see Bailey, Anne M.; Llobera, Josep R. (1981). The Asiatic Mode of Production: Science and Politics. London; Boston: Routledge & Kegan Paul. ISBN 9780429855344 
  6. Stanziani, Alessandro (31 de julho de 2014). After Oriental Despotism: Eurasian Growth in a Global Perspective (em inglês). [S.l.]: A&C Black 
  7. Eisenstadt, Shmuel Noah (2003). Comparative civilizations and multiple modernities. 1(2003) (em inglês). [S.l.]: BRILL 
  8. Hussein Fardust, The Rise and Fall of the Pahlavi Dynasty: Memoirs of Former General Hussein, p. 62
  9. Rubin, Elizabeth (13 de agosto de 2011). «An Iranian Cult and Its American Friends». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 26 de maio de 2021 
  10. Kaplan, Eran (2005). The Jewish Radical Right. [S.l.]: University of Wisconsin Press. ISBN 978-0299203801 
  11. Larsen, Stein Ugelvik (ed.). Fascism Outside of Europe. New York: Columbia University Press, 2001. ISBN 0-88033-988-8. pp. 364-365.
  12. Larsen, p. 377.
  13. Fisk, Robert (7 de agosto de 2007). «Lebanese strike a blow at US-backed government». The Independent. Consultado em 10 de abril de 2009 
  14. Reich, Bernard (1990). Political leaders of the contemporary Middle East and North Africa: a biographical dictionary. [S.l.]: Greenwood Publishing Group. pp. 203–204 / 557. ISBN 9780313262135 
  15. Entelis, John Pierre (1974). Pluralism and party transformation in Lebanon: Al-Kataʼib, 1936-1970. Col: Social, economic, and political studies of the Middle East. 10. [S.l.]: Brill. pp. 45 / 227. ISBN 9789004039117 
  16. Simon, Reeva S. (1996). Encyclopedia of the Modern Middle East. [S.l.]: Macmillan Reference USA. ISBN 0028960114. The Syrian Social Nationalist party (SSNP) was the brainchild of Antun Sa'ada, a Greek Orthodox Lebanese who was inspired by Nazi and fascist ideologies. 
  17. «Could a 'Nazi' Party Soon Rule Syria?». www.yahoo.com (em inglês). Consultado em 26 de maio de 2021 
  18. Ya’ari, Ehud (junho de 1987). «Behind the Terror». Atlantic Monthly. [The SSNP] greet their leaders with a Hitlerian salute; sing their Arabic anthem, "Greetings to You, Syria", to the strains of "Deutschland, Deutschland über alles"; and throng to the symbol of the red hurricane, a swastika in circular motion. 
  19. Pipes, Daniel (1992). Greater Syria. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 0195060229. The SSNP flag, which features a curved swastika called the red hurricane (zawba'a), points to the party's fascistic origins. 
  20. Rolland, John C. (2003). Lebanon. [S.l.]: Nova Publishers. ISBN 1590338715. [The SSNP's] red hurricane symbol was modeled after the Nazi swastika. 
  21. Johnson, Michael (2001). All Honourable Men. [S.l.]: I.B.Tauris. ISBN 1860647154. Saadeh, the party's 'leader for life', was an admirer of Adolf Hitler and influenced by Nazi and fascist ideology. This went beyond adopting a reversed swastika as the party's symbol and singing the party's anthem to Deutschland über alles, and included developing the cult of a leader, advocating totalitarian government, and glorifying an ancient pre-Christian past and the organic whole of the Syrian Volk or nation. 
  22. Becker, Jillian (1984). The PLO: The Rise and Fall of the Palestine Liberation Organization. [S.l.]: Weidenfeld and Nicolson. ISBN 0297785478. [The SSNP] had been founded in 1932 as a youth movement, deliberately modeled on Hitler's Nazi Party. For its symbol it invented a curved swastika, called the Zawbah. 
  23. «'Islamofascism': Four Competing Discourses on the Islamism-Fascism Comparison». brill. Consultado em 18 de março de 2021