Partido Social Nacionalista Sírio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Partido Social Nacionalista Sírio
الحزب السوري القومي الاجتماعي
Presidente Ali Qanso Líbano
Ali Haidar  Síria
Fundação 1932
Sede Beirute, Líbano Homs, Síria
Ideologia Nacionalismo sírio
Pan-sirianismo
Nacionalismo romântico
Irredentismo
Secularismo
Antissionismo[1]
Anti-imperialismo

Histórico:
Corporativismo
Anti-comunismo[2]
Fascismo[3][4] (negado pelo partido)[5]

Espectro político Terceira posição[6][7][8][9] nazismo[10][11]
Publicação Al-Binaa
Afiliação nacional Aliança 8 de Março, Líbano

Frente Progressista Nacional,  Síria

Ala militar Águias do Furacão
Cores Preto, Branco e Vermelho
Bandeira do partido
Flag of the Syrian Social Nationalist Party.svg
Página oficial
www.ssnp.net
www.esaadah.com
www.alqawmi.info

O Partido Social Nacionalista Sírio (PSNS) (em árabe: الحزب السوري القومي الاجتماعي, transliteração: Al-Ḥizb Al-Sūrī Al-Qūwmī Al-'Ijtimā'ī, muitas vezes referido em francês como Parti Populaire Syrien ou Parti Social Nationaliste Syrien), é um partido político nacionalista com presença no Líbano, Síria, Jordânia, Iraque e Palestina. Defende o estabelecimento de um estado-nação Sírio que abranja o Crescente Fértil, incluindo a actual Síria, Líbano, Iraque, Kuwait, Jordânia, Palestina, Israel, Chipre, Sinai, e sudeste da Turquia (Alexandrette e Cilícia), baseado em fronteiras geográficas e povos com história comum dentro dessas fronteiras.[12] O partido foi fundado por pessoas inspiradas no nazismo alemão na mesma época que ele chegou ao poder.[13]

Com mais de 100 000 membros,[14] é o segundo maior grupo político legal na Síria depois do Partido Socialista Ba'ath,[15] No Líbano, caracteriza-se pelo seu secularismo e pela sua elite altamente organizada na história política do país há mais de oitenta anos. Até recentemente, tem sido um grupo fundamental na Aliança 8 de Março. O auge do grupo incluso em suas relações internacionais e na proximidade com o governo foi em 1949 quando deu um golpe de Estado apesar de ter ficado pouco tempo no poder.[16]

Fundado em Beirute em 1932 como uma organização hostil anticolonialista e de libertação nacional contra o colonialismo francês, o partido teve um papel significativo nas políticas libanesas, e esteve envolvido em tentativas de golpes de Estado em 1949 e 1961, no seguimento dos quais foi fortemente reprimido. Teve um papel activo na resistência contra a invasão israelita do Líbano em 1982, e da subsequente ocupação da região sul deste país até 2000, enquanto mantinha o seu apoio à presença síria no Líbano. Neste país, o PSNS tornou-se uma força política de extrema-direita nos inícios da década de 1950, foi reprimida nos anos 1955-56. Apesar deste facto, manteve-se organizado, e, nos finais da década de 1960, juntou-se à esquerda e aliou-se à Organização para a Libertação da Palestina e ao Partido Comunista Libanês, apesar da rivalidade ideológica que se mantém entre eles. Em 2005, foi legalizado na Síria e juntou-se à Frente Progressista Nacional, liderada pelo Partido Baath. Entre 2012 e 6 de Maio de 2014,[17][18] o partido fez parte da Frente Popular para a Mudança e Libertação.[19] O partido adotou uma suástica[20] no seu hino tem referências ao hino do partido nazista[21] e acreditavam que faziam parte de uma raça superior.[22] Ele era de fato o único clone do fascismo europeu que permaneceu em terras islâmicas.[23] Esse partido foi o que favoreceu a fuga de Alois Brunner na Síria.[24] O partido já fez também inúmeras propagandas de Hitler na época.[25] Eles também buscaram cooperação com nazistas na Segunda Guerra Mundial para ajudar a emancipar a Síria[26] sob a liderança de Fawzi al-Qawuqji.[27]

Durante a Guerra Civil Síria, o partido viu a sua relevância crescer na Síria, onde cerca de 8000 soldados do braço armado do Partido, as Águias do Furacão, lutam ao lado das Forças Armadas da Síria contra a oposição síria e o Estado Islâmico.[28]

Resultados eleitorais[editar | editar código-fonte]

 Síria

Eleições presidenciais[editar | editar código-fonte]

Data Candidato

apoiado

CI. Votos %
Banido de 1963 a 2001
2007 Bashar al-Assad 1.º 11 199 445
99,8 / 100,0
2014 Bashar al-Assad[29] 1.º 10 319 723
88,7 / 100,0

Eleições legislativas[editar | editar código-fonte]

Data CI. Votos % Deputados +/- Status
1949 5.º N/D N/D
1 / 114
Oposição
1953 2.º N/D N/D
1 / 82
Estável Oposição
1954 6.º N/D N/D
2 / 142
Aumento1 Oposição
1961 7.º N/D N/D
0 / 172
Baixa2 Extra-parlamentar
Banido de 1963 a 2001
2003 Frente Progressista Nacional
3 / 250
Governo
2007
2 / 250
Baixa1 Governo
2012 Frente Popular para a Mudança e Libertação
4 / 250
Aumento2 Governo
2016 Frente Progressista Nacional
7 / 250
Aumento3 Governo

Líbano

Eleições legislativas[editar | editar código-fonte]

Data CI. Votos % Deputados +/- Status
1957 6.º N/D N/D
1 / 66
Oposição
1960 Não concorreu
1964
1968
1972 12.º N/D N/D
0 / 99
Extra-parlamentar
Não houve eleições após 1972 até 1992
1992 2.º N/D N/D
6 / 128
Governo
1996 3.º N/D N/D
5 / 128
Baixa1 Governo
2000 4.º N/D N/D
4 / 128
Baixa1 Governo
2005 Aliança 8 de Março
2 / 128
Baixa2 Oposição
2009
2 / 128
Estável Governo

Referências

  1. «"The Tenth Conference"». Consultado em 13 de fevereiro de 2018. Arquivado do original em 10 de novembro de 2017 
  2. «IDEOLOGY». SSNP. Consultado em 25 de maio de 2017. Arquivado do original em 12 de abril de 2016. Critics of the SSNP, particularly Marxists, 
  3. Paul Salem, Bitter Legacy: Ideology and Politics in the Arab World, Syracuse University Press, 1994. (p244)
  4. Cyprian Blamires, World Fascism: A Historical Encyclopedia - Volume 1, ABC-CLIO, 2006. (p84)
  5. «Could a 'Nazi' Party Soon Rule Syria?». Yahoo 
  6. Syrian National Socialist Party and His Coup Attempt In Lebanon 1961-1962
  7. GERMAN NEO-NAZI PARTY BUILDS ALLIANCE WITH ASSAD AND HEZBOLLAH
  8. Paul Salem, Bitter Legacy: Ideology and Politics in the Arab World, Syracuse University Press, 1994. (p244)
  9. Cyprian Blamires, World Fascism: A Historical Encyclopedia - Volume 1, ABC-CLIO, 2006. (p84)
  10. Nazism in the Syria and Lebanon
  11. «Could a 'Nazi' Party Soon Rule Syria?». Yahoo 
  12. Irwin, p. 24; ssnp.com Arquivado em 17 de maio de 2006, no Wayback Machine. "Our Syria has distinct natural boundaries…" (acesso em 30 de Junho de 2006).
  13. Dynamite for Social Relations
  14. «Social Nationalist Party mourns Two Fighters killed in Clash with Rebels SYRIA NEWS - ZAMAN ALWSL». SYRIA NEWS - ZAMAN ALWSL. Consultado em 11 de Abril de 2016 
  15. The SSNP is now Syria’s largest party after the ruling Ba'ath.
  16. 1949-1958, Syria: Early experiments in Covert Action
  17. «Cópia arquivada». Consultado em 25 de maio de 2017. Arquivado do original em 8 de maio de 2014 
  18. «Noticias de Prensa Latina». Consultado em 11 de Abril de 2016 
  19. «IDEOLOGY». Consultado em 11 de Abril de 2016. Arquivado do original em 12 de abril de 2016 
  20. Rolland, John C. (2003). Lebanon: current issues and background. [S.l.]: Nova Publishers. p. 192. ISBN 978-1-59033-871-1 
  21. Yapp, Malcolm (1996). The Near East since the First World War: a history to 1995. A history of the Near East,. [S.l.]: Longman Original (from the University of Michigan). p. 113. ISBN 978-0-582-25651-4 
  22. Pryce-Jones, David (2002). The closed circle: an interpretation of the Arabs G - Reference, Information and Interdisciplinary Subjects Series. [S.l.]: Ivan R. Dee. p. 201. ISBN 978-1-56663-440-3 
  23. Christophe Ayad, Gilbert Achcar ‘Sait-on qu ‘un Palestinien a créé un musée de l’Holocaust?, at Libération 27 March 2010.
  24. GERMAN NEO-NAZI PARTY BUILDS ALLIANCE WITH ASSAD AND HEZBOLLAH
  25. Stefan Wild (1985). «National Socialism in the Arab near East between 1933 and 1939». Die Welt des Islams: 128. JSTOR 1571079 
  26. Felmy, et al, , p. 12–13
  27. Collins & Lapierre, pp. 158–160
  28. «The Eagles of Whirlwind-Foreign Policy» 
  29. Saudi Arabia’s Arab Spring, at Last

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]