Reprodução e gravidez na ficção especulativa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Porque a ficção especulativa explora as variantes de reprodução, bem como possíveis futuros, os autores têm, muitas vezes, explorado questões sociais, políticas, tecnológicas e as consequências biológicas da gravidez e a reprodução.

Temas[editar | editar código-fonte]

Como no mundo real a reprodução com tecnologia tem avançado, obras de FE tornaram-se cada vez mais interessadas em representar modos alternativos de reprodução.[1] Entre os temas de usos da gravidez e reprodução frequentemente encontrados naficção científica são:

  • Outros modos de reprodução sexual;[1]
  • Reprodução partenogênica;[1]
  • Reprodução inter-espécies;
  • o uso da tecnologia na reprodução ;[2][3]
  • questões de gênero e os interesses políticos em torno de reprodução;
  • Infertilidade em grande escala;
  • temas de horror relacionados ao parasitismo e a escravidão.
  • Política de gênero.

O fenômeno da gravidez em si tem sido objecto de inúmeras obras, tanto de forma direta e metaforicamente. Estas obras podem referir-se a gravidez de parasitismo ou de escravidão, ou simplesmente usar a gravidez como um forte contraste com horror. Por exemplo, no filme o Bebê de Rosemary (1968) (baseado no romance de 1967 por Ira Levin) uma mulher é levada a uma gravidez satânica por seu marido.[4][5]

Híbridos aliens-humanos [editar | editar código-fonte]

Inter-espécies reprodução e híbridos humanos-aliens, ocorrem na ficção científica com frequência, e as mulheres sendo engravidas por estrangeiros é um tema comum no horror, incluindo I Married a Monster from Outer Space, Village of the Damned, Xtro, e Inseminoid.[1] O tema já foi parodiado, tais como o soft porn Wham Bang! Obrigado Mister Spaceman.[1] às vezes são usados como metáforas para a ansiedade social sobre miscigenação ou hibridação, e outras vezes, para explorar os limites da humanidade.[citação necessários]

Em Alien a Ressurreição, filme de 1997, Ellen Ripley tem sido clonada para facilitar o estudo do embrião da rainha alien, com o qual ela foi implantado[6][7][8] Na trilogia Lilith's Brood (1987, 1988, 1989), de Octavia E. Butler, fêmeas alienígenas e humanas, são impregnadas com o DNA de homens, pelo alienígena intermediário-do sexo dos indivíduos, em "fivesomes".[9][10]

Aliens[editar | editar código-fonte]

Ursula K. Le Guin, em The Left Hand of Darkness, de 1969, retrata o choque cultural entre um terráqueo e os andróginos habitantes do planeta Gethen, que são capazes de mudar de sexo.[11]

No romance de 1972 The Gods Themselves, Isaac Asimov retrata uma espécie alienígena de um universo paralelo composta por duas espécies, os Suaves (que são subdivididos em Emocionais, Parentais e Racionais) e os Duros, sendo que a interação sexual entre os Suaves se dá em tríade.[12]

Reprodução e tecnologia[editar | editar código-fonte]

Ficção especulativa em tecnologia de reprodução pode envolver clonagem e ectogenesis, isto é, reprodução artificial, ou tecnologias imaginárias.[2][3]

A parte da metade dá década de 2000 tem surgido filmese outras obras de ficção, representando lutas emocionais de tecnologia de reprodução assistida, na realidade contemporânea em vez de ser especulação.[13]

Infertilidade em grande escala ou crescimento da população[editar | editar código-fonte]

A fertilidade e a reprodução têm sido frequentes usada para exame das preocupações sobre o impacto do ambiente e da reprodução sobre o futuro da humanidade ou de uma civilização. Por exemplo,The Children of Men por P. D. James é apenas uma das muitas obras que têm considerado as implicações globais infertilidade; Make Room! Make Room! por Harry Harrison é um dos muitos trabalhos que analisaram o inverso, as implicações de uma enorme população humana. Inúmeras outras obras, tais como Venus Plus X e More Than Human por Theodore Sturgeon examinar o futuro da humanidade e como ela evolui, ou programas particulares de reprodução.

Política e políticas de gênero[editar | editar código-fonte]

Gravidez e controle da reprodução humana têm sido frequentemente utilizados como proxies para o tratamento de questões de gênero ou temas mais gerais de controle social; obras que lidar com a gravidez e a reprodução humana também tem sido utilizado para explorar as políticas de gênero. Por exemplo, "Gravidez masculina" tem sido usado para efeito de comédia na literatura e filmes mainstream como Junior (filme de 1994, dir. Ivan Reitman),[14][15] e tem desenvolvido um gênero de fanfic — "m-preg".[16]

O gênero de ficção científica feminista tem explorado reprodução de único-sexo em profundidade, particularmente partenogênese, bem como controle de gênero sobre a capacidade e o direito de se reproduzir. Existe também numerosas distopias sobre controle do estado n a reprodução, o aborto e controle de natalidade, como o The Handmaid's Tale de Atwood, ou sua curta história, "Freeforall". Estes trabalhos têm sido muitas vezes analisados como explorações de debates políticos contemporâneos sobre a reprodução e gravidez.[17][18]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e Kuhn, p. 215
  2. a b John Allman, "Motherless Creation: Motifs in Science Fiction", North Dakota Quarterly, v.58, n.2, pp. 124–132 (Spring 1990).
  3. a b Valerie Broege, "Views on Human Reproduction and Technology in Science Fiction", Extrapolation, v. 29, n.3, pp. 197–215 (Fall 1988).
  4. Lucy Fischer, "Birth Traumas: Parturition and Horror in Rosemary's Baby", Cinema Journal, v.31, n.3, pp. 3–16 (1992).
  5. Karyn Valerius, "Rosemary's Baby, Gothic Pregnancy, and Fetal Subjects", College Literature, v.32, no. 3, pp.116–135 (Summer 2005).
  6. A. Samuel Kimball, "Conceptions and Contraceptions of the Future: Terminator 2, The Matrix, and Alien Resurrection", Camera Obscura, v.17, n.2 (2002).
  7. Aline Ferreira, "Artificial Wombs and Archaic Tombs: Angela Carter's The Passion of New Eve and the Alien Tetralogy", FemSpec, v.4, n.1, pp. 90–107 (2002).
  8. Barbara Creed, "Alien and the Monstrous-Feminine: An Imaginary Abjection" in Alien Zone: Cultural Theory and Contemporary Science Fiction Cinema, ed.
  9. Eva Federmayer, "Octavia Butler's Maternal Cyborgs: The Black Female World of the Xenogenesis Trilogy", Hungarian Journal of English and American Studies, v. 6, n.1, pp. 103–118 (Spring 2000).
  10. Roger Luckhurst, "'Horror and Beauty in Rare Combination': The Miscegenate Fictions of Octavia Butler", Women: A Cultural Review, v.7, n.1, pp. 28–38 (Spring 1996).
  11. Rudy, Kathy (1 de janeiro de 1997). «Ethics, Reproduction, Utopia: Gender and Childbearing in "Woman on the Edge of Time" and "The Left Hand of Darkness"». NWSA Journal. 9 (1): 22–38 
  12. «Isaac Asimov's 'The Gods Themselves': An analysis of alien culture». Consultado em 15 de agosto de 2016 
  13. chicagotribune.com --> Heartache of infertility shared on stage, screen By Colleen Mastony, Tribune reporter.
  14. Amy Cuomo, "The Scientific Appropriation of Female Reproductive Power in Junior", Extrapolation, v.39, n.4, pp. 352–363 (Winter 1988).
  15. Robert J. Sawyer, Male Pregnancy
  16. "Within fan fiction, a number of subgenres are well recognized....mpreg, where a man gets pregnant."
  17. Spicer, Arwen (23 de janeiro de 2007). «Impossible, Yet Inevitable: Unintended Pregnancy in Farscape, Deep Space Nine, Star Wars, and The X-Files». Genre-Commentary.com. Consultado em 16 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 19 de dezembro de 2008 
  18. Linda Badley, "Scully Hits the Glass Ceiling: Postmodernism, Postfeminism, Posthumanism, and The X-Files", in Fantasy Girls: Gender in the New Universe of Science Fiction and Fantasy Television (2000), pp. 61–90.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Kuhn, Annette (2000). Cultural Theory and Contemporary Science Fiction Cinema. [S.l.]: Verso. ISBN 978-0-86091-993-3 
  • John Allman, "Motherless Creation: Motifs in Science Fiction", North Dakota Quarterly, v.58, n.2, pp. 124–132 (Spring 1990).
  • Marleen Barr, "Blurred Generic Conventions: Pregnancy and Power in Feminist Science Fiction", Reproductive and Genetic Engineering, v.1, n.2, pp. 167–174 (1988).
  • Jes Battis, Investigating Farscape: Uncharted Territories of Sex and Science Fiction (chapter on pregnancies)
  • Valerie Broege, "Views on Human Reproduction and Technology in Science Fiction", Extrapolation, v. 29, n.3, pp. 197–215 (Fall 1988).
  • Carol Clover, Men, Women, and Chainsaws: Gender in the Modern Horror Film (1992).
  • Jane Donawerth, "Illicit Reproduction: Clare Winger Harris's The Fate of the Poseidonia in Daughters of Earth, ed., Justine Larbalestier (2006), pp. 20–35.
  • Carol Duncan, "Black Women and Motherhood in Contemporary Cinematic Science Fiction", in Andrea O'Reilly, ed., Mother Matters: Motherhood as Discourse and Practice (2005), pp. 79–86.
  • Maria Aline Salgueiro Seabra Ferreira, I Am the Other: Literary Negotiations of Human Cloning (2005), including discussion of male pregnancy, sexual politics, and parthenogenesis
  • Dominick Grace, "Frankenstein, Motherhood, and Phyllis Gotlieb's O Master Caliban!" Extrapolation, v.46, n.1, pp. 90–102 (Spring 2005).
  • Zoë Sophia, "Exterminating Fetuses: Abortion, Disarmament, and the Sexo-semiotics of Extraterrestrialism" Diacritics, v. 14, n. 2, pp. 47–59 (Summer, 1984)