Syndicate

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para a canção gravada por The Fray, veja Syndicate (canção).

Agência distribuidora de material jornalístico,[1] ou simplesmente agência distribuidora,[2][3][4][5][6][7][8] ou ainda syndicate, [nota 1] é uma empresa responsável por distribuir conteúdo para jornais, revistas[10] e internet,[11] tais como tiras cômicas, artigos, palavras cruzadas e outros passatempos.[12] Assim, algumas dessas empresas se especializaram no conteúdo distribuído à imprensa, como agência distribuidora de tiras cômicas, de notícias ou de entretenimento em geral. No Brasil, a primeira empresa do setor foi a Distribuidora Record;[13] hoje, a Ediouro, editora que publica as Revistas Coquetel, também atua na distribuição de passatempos.[14]

Tiras cômicas[editar | editar código-fonte]

Os syndicates que distribuem tiras cômicas e cartuns para jornais funcionam como agências distribuidoras dos trabalhos de cartunistas,[15] que cedem seus direitos mediante licença e, com isso, o que produzem são enviados para e traduzidos nos jornais e meios correlatos do mundo inteiro que se interessarem em reproduzi-los.[16] A King Features Syndicate é uma das empresas mais tradicionais e conhecidas internacionalmente no segmento.[12]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História em quadrinhos no Brasil

A presença dos syndicates no Brasil se confunde com a própria história do jornalismo do país, sendo fundamentais nos negócios de grandes empresários da imprensa como Roberto Marinho, Assis Chateubriand, Victor Civita e Adolfo Aizen.

Em 1929, surge o primeiro tabloide de quadrinhos do Brasil, A Gazetinha, suplemento do jornal A Gazeta. A Gazetinha foi o primeiro veículo brasileiro a publicar personagens dos syndicates.[12][17]

Em 1933, o jornalista Adolfo Aizen trabalhava nas revistas O Malho e O Tico Tico (primeira revista em quadrinhos brasileira) e no jornal O Globo de Roberto Marinho. A convite do Comitê de Imprensa do Touring Club do Brasil, Aizen viajou aos Estados Unidos e lá conheceu os suplementos dominicais de quadrinhos. De volta ao Brasil, Aizen tentou convencer seu patrão no jornal O Globo, o jornalista Roberto Marinho, a lançar esses quadrinhos no país mas ele não gostou da ideia. Aizen resolveu procurar o jornal A Nação, por onde lançou o Suplemento Juvenil em 1934 com tiras do syndicate norte-americano King Features. Vendo o sucesso do Suplemento, Marinho não tardou em lançar O Globo Juvenil em 1937.[12]

Após 15 edições pelo jornal A Nação, Aizen cria sua própria editora, a "Grande Consórcio de Suplementos Nacionais". Em 1942, uma crise financeira fez com que Aizen vendesse a editora ao Governo Vargas. Ele passou a trabalhar para o jornal "A Noite" (fundado pelo pai de Roberto Marinho, Irineu Marinho, que acabara ficando para um sócio). Em 1945, cria a Editora Brasil-América Limitada (mais conhecida como EBAL), fundada por ele em 1945 e pela qual tornou-se um renomado editor e empresário.[12] Em 1939, porém, Marinho conseguiu tirar de Aizen todos os personagens da King Features.

A primeira publicação da EBAL foi em 1946: a revista Seleções Coloridas. Impressa na Argentina em parceria com a Editorial Abril do norte-americano César Civita, a revista trazia várias histórias protagonizadas por personagens Disney inclusive algumas de autoria de Carl Barks. Civita era o representante da Disney na América Latina e possuía uma moderna impressora colorida importada dos Estados Unidos. Em 1947, a EBAL lançaria a revista "O Herói", dessa vez impressa no Brasil.[12]

Em 1940, Alfredo Machado e Décio de Abreu fundaram a Record, primeira distribuidora brasileira de comics e que nos anos de 1960 se transformaria na Editora Record. Alfredo Machado havia trabalho como tradutor no Suplemento Juvenil de Aizen, dos doze aos dezessete anos. Em 1939 muda-se para O Globo Juvenil de Marinho, alegando que seu salário em Suplemento Juvenil, era baixo.[12] Em 1946, Luiz Rosemberg fundou a Agência Periodista Latino-Americana (APLA), que passaria a se chamar Ica Press em 1979. Apesar do nome, só atuava no Brasil e na Argentina. Com a morte de Rosemberg, em 1993, a agência foi desativada. Lourdes Belo Pereira, fundadora da Intercontinental, começou na APLA, em 1964 e diz que Roberto Marinho, mesmo após deixar suas funções no comando de "O Globo", sempre fez questão de renovar pessoalmente todos os contratos de compra de tiras em quadrinhos. Ao contrário dos outros jornais, que renovavam os contratos a cada um ou dois anos, os de Marinho sempre duraram 15 anos. "Ele publicava 40 personagens mas comprava 50. Eu perguntava por que fazia assim e ele respondia: 'Eu compro e meu concorrente não publica.' Eu dizia que ele tinha de publicar todos porque a agência internacional exigia isso. E ele: 'Tudo bem, a senhora me dá algum prazo e eu faço um revezamento dos personagens.".[18]

Em 1949, o irmão de César Civita, Victor Civita, se muda para o Brasil. Em maio de 1950, cria a Editora Primavera, cuja primeira revista era de quadrinhos, sendo chamada de Raio Vermelho, cujas histórias de origem italiana eram distribuídas pelo syndicate argentino Sudameris.[19] Logo depois, Civita adota o nome "Editora Abril", tal qual a editora do irmão, e lança, em julho do mesmo ano, a revista O Pato Donald. Como Raio Vermelho não obteve sucesso, Civita considerava a revista do pato como o marco zero da editora. A ele, é atribuída a frase "Tudo começou com um pato",[20] paráfrase de Walt Disney que dizia que tudo começara com um rato (Mickey Mouse).

Por conta de uma lei em vigor na época, tanto Aizen (um judeu nascida na Rússia) e Victor Civita (uma ítalo-americano nascido em Nova York) não poderiam ser donos de empresas de comunicação no Brasil por não serem naturais do país. Aizen escondeu por anos sua origem russa e dizia ter nascido nos Estado da Bahia e Civita se tornou sócio do mineiro (e como ele descendente de italianos) Giordano Rossi.

Em 1952, Roberto Marinho cria a Rio Gráfica Editora (inicialmente o nome da editora seria Editora Globo, porém foi impedido por causa existência da Livraria do Globo de Porto Alegre, que também atuava como editora. Marinho compraria a livraria em 1986 e passou a usar o nome Editora Globo desde então).

Na década de 1960, surgiu a CETPA (Cooperativa e Editora de Trabalho de Porto Alegre-RS), criada por Leonel Brizola, então governador do Rio Grande do Sul, a CETPA funcionaria não só como editora, como também atuaria como syndicate, distribuindo tiras de artistas brasileiros.[12] A ideia foi proposta por José Geraldo, e a editora publicou os trabalhos de Júlio Shimamoto, Getúlio Delphin, João Mottini,[21] e Renato Canini (Zé Candango).[22]

Ainda na década de 1960, Maurício de Sousa criou diversas tiras (que dariam origem a Turma da Mônica e criou seu próprio syndicate, chegando a distribuir para mais de 200 jornais,[23] ao lado de Lenita Miranda, coordena as tiras do suplemento Folhinha de São Paulo do jornal Folha de S.Paulo, o quadrinista Júlio Shimamoto criou a tira O Gaúcho, a pedido de Maurício.[24]

Em 1967, a APLA adquire a licença da Marvel com a americana Transworld Features Syndicate e negocia com a EBAL, a publicação de personagens da Marvel, que seriam exibidos no bloco de animações The Marvel Super Heroes, adquiridos pela Rede Bandeirantes, a editora forma parceria com o canal, com a fabricante de brinquedos Atma (que lança bonecos dos personagens) e os postos Shell, que através de uma campanha de marketing da Standard Propaganda,[25] distribuíram revistas promocionais para quem abastecesse no local.[26]


Em 1978, a Editora Abril lança o "Projeto Tiras", dirigido por Ruy Perotti e coordenado por Wagner Augusto. O projeto visava a criação de um syndicate: entre as tiras, estavam Carrapicho, de Carlos Avalone, Insecto City, de Claudino e Paulo Paiva, Tibica de Renato Canini, Bingo de Paulo José e O Veterinário de Primaggio Mantovi. Contudo, o projeto não durou muito tempo.[27]


Em 2001, havia cerca de 250 jornais com circulação diária no Brasil. O mercado de tiras que atingira seu ápice com a publicação dos "suplementos dominicais" infantis pelos principais periódicos, na virada do milênio foi reduzido. As tiras de Maurício de Sousa caíram de 14 para 3 e os jornais que as publicavam, de 80 a 100, para pouco mais de 20.

Os jornais tinham sido abastecidos por quase um século pelos syndicates americanos, que vendiam barato para lucrarem em escala. Até 1980, 80% das tiras de jornais brasileiros vinham de fora. Nessa época, surgiu a Fundação Nacional de Artes, destinada à distribuição de trabalhos de autores brasileiros, coordenada por Ziraldo. E, com isso, a situação se inverteu. Em 1990, o órgão federal foi extinto mas a Agência Pacatatu garantia ainda o fornecimento de 50% das tiras publicadas, produzidas por autores brasileiros.[18]

Mas, com a crise, uma das maiores distribuidoras brasileiras de tiras americanas — a carioca Record, deixou de existir. A agência Keystone também parou de vender o produto no país. Na década de 2000, as licenças estavam concentradas na Intercontinental Press, única a atuar no segmento com material estrangeiro, mantida ainda a concorrência da Pacatatu que distribuía autores nacionais. A Intercontinental possui um catálogo de mais de uma centena de personagens dos syndicates "United Media", "Editors Press Service" e "King Features" — o maior do mundo e o mais antigo no ramo. Entre eles, as muito conhecidas tiras de Calvin, Garfield, Snoopy,[28] Hagar e Recruta Zero. A Pacatatu distribuía Angeli (Chiclete com Banana), Laerte (Piratas do Tietê) e Fernando Gonsales (Níquel Náusea).

Em 2003, Roberto Marinho morre aos 98 anos.[12] Em 2007, a Turma da Mônica deixa de ser publicada pela Editora Globo e passa para a Panini Comics (uma editora de origem italiana),[29] os títulos de Mauricio de Sousa foram publicados durante 20 anos pela editora Globo e em outros 16 pela Editora Abril.[30]

Em 2008, a Editora Globo retira seus títulos de quadrinhos das bancas e foca apenas em lançamentos específicos para livrarias.[31]

A propósito desse ganho de destaque dos autores nacionais a partir da década de 1980, Ana Lúcia Pinta, diretora de agência, diz que "São raros os quadrinhos americanos que têm crítica social ou política, ao contrário de um artista como Nani, que faz charge política em forma de tira e agrada muito mais".[18]

Na década de 1970, o quadrinista Henfil assinou contrato com a Universal Press Syndicate. O syndicate distribuiu as tiras dos Fradinhos em 200 jornais dos Estados Unidos. O estilo ácido de Henfil não agradou o público americano e o cartunista começou a ter suas tiras censuradas pelo syndicate (prática comum na época).[32] e acabou por cancelar o contrato[33][34]

Maurício de Sousa vê a falta de interesse dos conglomerados de entretenimento como outra causa de as tiras nacionais conseguirem disputar os espaços dos jornais nacionais nos últimos anos: "Disney, Marvel e Hanna Barbera estão ligados a uma rede de negócios na qual os quadrinhos não são o mais importante. No nosso caso, mantemos nossa produção viva porque nossos personagens têm pais que cuidam deles."[18] Ainda no início da década de 2000, a Character Comércio e Serviços representava a DC Comics, que detinha os direitos de Batman e Superman.

Desde 2005, o jornal gaúcho O Sul publica um suplemento diário de quatro páginas no formato 22 x 6 centímetros contendo tiras brasileiras e estrangeiras, todas em cores.[35][36] Em 2006, as tiras do Cão Jarbas de Ruy Jobim Neto passaram a ser distribuídas internacionalmente pela International Press.[37]

Em 2009, com o sucesso de Turma da Mônica Jovem, série inspirada nos mangás japoneses, a Ediouro, através do selo Pixel Media, conseguiu a licença para publicar uma versão jovem da Turma da Luluzinha. Surgem, então, "Luluzinha Teen e sua Turma", com roteiros e artes do Estúdio Labareda Design.[38] O sucesso da revista gerou uma série de tiras,[39] que foram publicadas no site oficial da revista. Também ganhou versão impressa no jornal O Globo (que mantém a tradição de publicar tiras).[40]

Notas e referências

Notas

Referências

  1. Santos, Thiago Bruno dos (18 de outubro de 2011). Monografia (Bacharelado em Comunicação Social). «Dupla identidade: a cultura nacional nos quadrinhos de super-heróis brasileiros». Brasília: Universidade de Brasília, Faculdade de Comunicação, Departamento de Audiovisual e Publicidade. Consultado em 6 de junho de 2017 
  2. Santana, Erivelton Nonato de (2005). «Ideologia e poder nas histórias em quadrinhos: aspectos do micro-universo feminino na turma da Mônica.». Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da UFBA. Consultado em 6 de junho de 2017 
  3. contato@editoracras.com.br. «Linguagem HQ - Conceitos básicos - Editora Crás». Linguagem HQ - Conceitos básicos - Editora Crás. Consultado em 7 de junho de 2017 
  4. «Maurício de Souza tenta salvar mercado de tirinhas de quadrinhos». Gazeta Mercantil. www.terra.com.br. 6 de julho de 2001. Consultado em 7 de junho de 2017 
  5. «A diferença entre baixa cultura e alta cultura | Digestivo Cultural». www.digestivocultural.com. Consultado em 7 de junho de 2017 
  6. Costa, Rodney Querino Ferreira da (16 de dezembro de 2016). «As representações sociais transmitidas nas histórias em quadrinhos de super-heróis». Revista de Psicologia da Unesp. 9 (2) 
  7. Michaelis, David (9 de dezembro de 2015). Schulz & Peanuts: A Biografia do Criador do Snoopy. [S.l.]: Editora Seoman. ISBN 9788555030291 
  8. SANTOS, Marlus Rogério. Quadrinhos em História. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 22., 2003, João Pessoa. Anais do XXII Simpósio Nacional de História: História, acontecimento e narrativa. João Pessoa: ANPUH, 2003.
  9. Sônia Luyten (1985). Coleção Primeiros Passos. Volume 44 - O que é historia em quadrinhos. [S.l.]: Editora Brasiliense 
  10. Sidney Gusman (7 de junho de 2001). «Opera Graphica vai lançar diversos materiais da King Features». Universo HQ. Consultado em 17 de maio de 2010 
  11. Sérgio Codespoti (28 de fevereiro de 2011). «Andrews McMeel terceirizará distribuição de tiras da United Features». Universo HQ 
  12. a b c d e f g h i Gonçalo Junior (2004). A Guerra dos Gibis - a formação do mercado editorial brasileiro e a censura aos quadrinhos, 1933-1964. [S.l.]: Companhia das Letras. ISBN 8535905820 
  13. Foguel, Israel (16 de novembro de 2016). A Magia Da Nona Arte. [S.l.]: Clube de Autores 
  14. Josué Machado (2011). «Palavras Cruzadas». Editora Segmento. Revista Língua Portuguesa (72) 
  15. Sérgio Codespoti (7 de fevereiro de 2007). «Faleceu, na França, Georges Troisfontaines». Universo HQ 
  16. Marcus Ramone (15 de julho de 2005). «Crossover histórico entre os personagens da King Features». Universo HQ 
  17. Roberto Elísio dos Santos (13 de Janeiro de 2010). «80 anos de quadrinhos Disney». Omelete 
  18. a b c d Gonçalo Junior. (06 de julho de 2001). Maurício de Sousa tenta salvar mercado de tirinhas de quadrinhos. Gazeta Mercantil.
  19. Gonçalo Júnior (outubro de 2006). «Do fundo do baú - Raio Vermelho, a primeira revista da Abril». Revista Crash (1). Editora Escala 
  20. Marcus Ramone (13 de janeiro de 2010). «Os 80 anos dos quadrinhos Disney». Universo HQ. Consultado em 19 de março de 2010 
  21. Sidney Gusman (14 de setembro de 2007). «Um site para homenagear o talento de João Mottini». Universo HQ 
  22. Entrevista:Júlio Shimamoto
  23. Maurício de Sousa Estadão
  24. «O Gaúcho, antes de tudo um aventureiro». Universo HQ 
  25. Gonçalo Júnior e Fernando Lopes (2007). «A História Secreta da Marvel no Brasil». Marvel 40 anos. [S.l.]: Panini Comics Brasil 
  26. Grandes coleções Marvel e DC no Brasil
  27. Nobu Chine (2014). Primaggio Mantovi - O mestre de estilo versátil. Col: Série Recordatório. [S.l.]: Marsupial Editora. pp. 63–65. ISBN 978-85-66293-21-0 
  28. Bolívar Torres (3 de fevereiro de 2010). «Com humor delicado, a tirinha 'Os passarinhos' vira febre». Jornal do Brasil 
  29. Érico Assis e Pedro Hunter (13 de Dezembro de 2001). «Conheça a Panini - A Marvel italiana». Omelete 
  30. Marcus Ramone (8 de janeiro de 2007). «Turma da Mônica chega às bancas pela Panini Comics». Universo HQ 
  31. Sidney Gusman (28-01-08). Globo tira os quadrinhos das bancas e foca o trabalho em livrarias. Universo HQ
  32. Sérgio Codespoti (8 de maio de 2008). «Quando a nomenclatura faz a diferença». Universo HQ. Consultado em 16 de maio de 2010 
  33. Andréa Pereira (6 de setembro de 2007). «Henfil - A resistência do humor». HQManiacs 
  34. (1993) Piracema: revista de arte e cultura (Edições 1-3). Instituto Brasileiro de Arte e Cultura
  35. Ruy Jobim Neto (19 de junho de 2006). «A hora e a vez das tirinhas brasileiras». Bigorna.net 
  36. Sidney Gusman (Fevereiro de 2005). "Wizard Brasil #17 - Jornal Gaúcho aposta nas tiras. Panini Comics. ISSN 1679-5598"
  37. press release (6 de julho de 2006). «Jarbas terá tiras distribuídas pela Ipress». HQManiacs 
  38. Marcelo Naranjo (1 de junho de 2009). «Confira a capa do primeiro número de Luluzinha Teen». Universo HQ 
  39. «Tirinhas da Lulu». Luluteen 
  40. Sidney Gusman (14 de maio de 2010). «Jornal O Globo reformula sua página de tiras». Universo HQ 

Ver também[editar | editar código-fonte]