Jornalismo cívico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde setembro de 2015)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Chama-se Jornalismo Cívico, ou também de Jornalismo Público, o movimento que busca inserir o jornalista e sua audiência, os leitores, nos processos políticos e sociais, em detrimento da condição de meros espectadores dos fatos.

Note-se a diferença fundamental do Jornalismo Cívico com o Jornalismo cidadão, feito essencialmente por não-jornalistas, mas pessoas comuns de qualquer profissão ou formação educacional, exercendo o jornalismo amadoristicamente e fora da regulamentação pública. Também é um movimento distinto do jornalismo comunitário, que é feito a partir de trabalho de capacitação de jornalistas dentro de uma comunidade.

O que é o jornalismo[editar | editar código-fonte]

Antes de explicarmos o que é o jornalismo, é necessário que se faça entender qual é o verdadeiro exercício da profissão, procurando buscar através da informação, os acontecimentos que envolvem questionamentos de, caráter político, educacional, ambiental, social, dentre outros. No Brasil, presume-se que o jornalismo seja uma reprodução do modelo independente norte-americano, configurando-se como uma instituição social. Para Jean Chalaby (2003)[1],"o jornalismo como instituição social é uma invenção anglo-americana do século XIX, que não se configura somente a partir das possibilidades tecnológicas oferecidas pelos séculos anteriores, mas na conjunção de determinadas condições históricas e sociais".

Sobre Jornalismo Público[editar | editar código-fonte]

O jornalismo público, também conhecido como jornalismo cívico, é um conceito que surgiu na década de 90, nos Estados Unidos, como uma tentativa de resgatar a credibilidade dos jornais americanos perante os cidadãos. Este novo posicionamento foi necessário por causa da desconfiança gerada em relação aos meios de comunicação de massa durante as eleições. O movimento ocorrido nos Estados Unidos, liderado por jornalistas, professores e profissionais da mídia, tentou demonstrar e questionar, através de projetos, conceitos fundamentais do jornalismo e propor uma nova atitude de relacionamento com os sujeitos. O que ocorre é uma falta de cumprimento com as obrigações relativas à vida pública e a profissão para conseguir esse objetivo. O jornalismo público não é um novo jornalismo, mas uma forma de cumprir mais fundamentada, participativa, voltada para o interesse do cidadão.

Os fundamentos do jornalismo público estão relacionados à formação do papel de formação política a ser desempenhados pelos veículos de massa, propondo um diferente relacionamento entre a prática do Jornalismo e a atividade cidadã em uma república autogovernada. Enquanto o Jornalismo convencional, típico das redações, em muitos países exige que os jornalistas se distanciem da vida cívica das comunidades em busca da imparcialidade, o jornalismo cívico incentiva os profissionais a se inserir nela em busca de guias sobre quais tópicos e assuntos são importantes para a comunidade. De forma que o jornalista esteja integrado diretamente com a comunidade.

Para Danilo Rothberg[1], o Jornalismo Cívico recebe críticas e ressalvas. Os jornalistas poderiam não perceber a existência de interesses escondidos sob a face idealizada das discussões "democráticas" em um fórum comunitário e acabar servindo de instrumento para busca de propósitos particulares. Outra crítica apontada por Rothberg é a existência de pouca transparência da metodologia utilizada para obtenção de sugestões de pautas. No Brasil, o Jornalismo Público ainda é recente, mas espera-se que ao longo do tempo ele seja aprimorado, tanto pelos profissionais da Comunicação, como o público, além da interrelação entre esses dois atores sociais.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • DORNELLES, Beatriz Corrêa Pires. Jornalismo Solidário. Porto Alegre: GCI/CNPq, 2006.
  • GOMES, Itânia Maria Mota (2006). Telejornalismo de Qualidade. Pressupostos teórico metodológicos para análise. Disponível em: http://www.compos.org.br/seer/index.php/e-compos/article/viewFile/80/80. Último acesso: 07 de outubro de 2012.
  • ROTHBERG, Danilo. Jornalismo Público: informação, cidadania e televisão. São Paulo: Ed Unesp 2011.
    • ROTHBERG, Danilo (2011). Jornalismo Público: informação, cidadania e televisão. (São Paulo: Unesp).