Revistas Coquetel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Coquetel é uma divisão da Ediouro Publicações voltada exclusivamente para a área de passatempos. Publica revistas de palavras-cruzadas, caça-palavras, sudoku, entre outros .

Existe desde 1948, quando foi lançada a primeira revista de palavras cruzadas pela editora Ediouro, grupo ao qual pertence e que na época ainda chamava-se Editora Gertum Carneiro S.A. A publicação inaugurou um ramo editorial até então carente no Brasil.

Atualmente, são publicadas mais de 90 revistas mensais com os mais variados tipos de passatempos, desde palavras cruzadas e jogo dos erros, até jogos de lógica e desafios numéricos. As revistas são abrangentes, pois possuem diversos títulos voltados para públicos específicos, como, por exemplo, o infantil, suprido por revistas como “Picolé” e “Brincando e Aprendendo”. As edições variam por níveis de dificuldade, formatos e tipos de passatempos.

A empresa cultiva, paralelamente, um programa solidário chamado “Coquetel nas escolas”, que tem como objetivo auxiliar crianças de todo o Brasil a aprimorar o aprendizado com a ajuda dos passatempos das revistas Coquetel. Cerca de 10.000 instituições de ensino utilizam as revistas como forma de ensinar através do lúdico matérias da grade curricular.

A Editora também atua como syndicate,[1] produzindo passatempos para mais de 600 jornais do Brasil.[2]

Em 2005, lançou no país, o popular quebra-cabeças matemático, o Sudoku.[3]

Em 2006, Coquetel entrou para o Guinness Book, o livro dos recordes. A conquista ocorreu graças à produção da “Maior Palavra Cruzada Direta do Mundo”, que possui medidas gigantescas: 25 m de largura por 1,30 m de altura e 16 mil quadrinhos com cerca de 3 mil definições. O feito pôde ser visto por inúmeras pessoas que visitaram a 19a edição da Bienal do Livro de São Paulo.

Nesse mesmo ano, com o sucesso do Sudoku, lançou a revista Logic Pix, trazendo jogos de lógicas japoneses.[4]

Em 2007, foi escolhida pela World Puzzle Federation para organizar o World Puzzle Championship pela primeira vez no país.[5]

Referências

  1. Gonçalo Junior (2004). A Guerra dos Gibis - a formação do mercado editorial brasileiro e a censura aos quadrinhos, 1933-1964. A formação do mercado editorial brasileiro e a censura aos quadrinhos, 1933-1964. [S.l.]: Companhia das Letras. 116 páginas. ISBN 8535905820 
  2. «Palavras Cruzadas». Revista Língua Portuguesa (72). 2011  |coautores= requer |autor= (ajuda)
  3. Juliana Freire (19 de setembro de 2005). «Sudoku no Brasil». Anime Pró 
  4. «Cultura: Novos passatempos japoneses». Anime Pró. 21 de julho de 2006. Arquivado do original em 15 de setembro de 2007 
  5. Fadua Matuck (26 de março de 2007). «Escolas particulares podem se inscrever em Campeonato Estudantil de Passatempos». O Globo 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]