Revistas Coquetel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Coquetel é uma divisão da Ediouro Publicações voltada exclusivamente para a área de passatempos. Publica revistas de palavras-cruzadas, caça-palavras, sudoku, entre outros .

Existe desde 1948, quando foi lançada a primeira revista de palavras cruzadas pela editora Ediouro, grupo ao qual pertence e que na época ainda chamava-se Editora Gertum Carneiro S.A. A publicação inaugurou um ramo editorial até então carente no Brasil.

Atualmente, são publicadas mais de 90 revistas mensais com os mais variados tipos de passatempos, desde palavras cruzadas e jogo dos erros, até jogos de lógica e desafios numéricos. As revistas são abrangentes, pois possuem diversos títulos voltados para públicos específicos, como, por exemplo, o infantil, suprido por revistas como “Picolé” e “Brincando e Aprendendo”. As edições variam por níveis de dificuldade, formatos e tipos de passatempos.

A empresa cultiva, paralelamente, um programa solidário chamado “Coquetel nas escolas”, que tem como objetivo auxiliar crianças de todo o Brasil a aprimorar o aprendizado com a ajuda dos passatempos das revistas Coquetel. Cerca de 10.000 instituições de ensino utilizam as revistas como forma de ensinar através do lúdico matérias da grade curricular.

A Editora também atua como syndicate,[1] produzindo passatempos para mais de 600 jornais do Brasil.[2]

Em 2005, lançou no país, o popular quebra-cabeças matemático, o Sudoku.[3]

Em 2006, Coquetel entrou para o Guinness Book, o livro dos recordes. A conquista ocorreu graças à produção da “Maior Palavra Cruzada Direta do Mundo”, que possui medidas gigantescas: 25 m de largura por 1,30 m de altura e 16 mil quadrinhos com cerca de 3 mil definições. O feito pôde ser visto por inúmeras pessoas que visitaram a 19a edição da Bienal do Livro de São Paulo.

Nesse mesmo ano, com o sucesso do Sudoku, lançou a revista Logic Pix, trazendo jogos de lógicas japoneses.[4]

Em 2007, foi escolhida pela World Puzzle Federation para organizar o World Puzzle Championship pela primeira vez no país.[5]

Referências

  1. Gonçalo Junior (2004). A Guerra dos Gibis - a formação do mercado editorial brasileiro e a censura aos quadrinhos, 1933-1964. A formação do mercado editorial brasileiro e a censura aos quadrinhos, 1933-1964. [S.l.]: Companhia das Letras. 116 páginas. ISBN 8535905820 
  2. «Palavras Cruzadas». Revista Língua Portuguesa (72). 2011  |coautores= requer |autor= (ajuda)
  3. Juliana Freire (19 de setembro de 2005). «Sudoku no Brasil». Anime Pró 
  4. «Cultura: Novos passatempos japoneses». Anime Pró. 21 de julho de 2006 
  5. Fadua Matuck (26 de março de 2007). «Escolas particulares podem se inscrever em Campeonato Estudantil de Passatempos». O Globo 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]