Aventura (gênero de histórias em quadrinhos)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Aventura (Adventure Strip, literalmente tira de aventura) é um gênero de histórias em quadrinhos caracterizado pela existência de heróis e vilões, o gênero teria surgido com a publicação de tiras na década de 1920.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Tarzan All Story.jpg
Airlordsofhan.png
Warlord of Mars-1919.jpg
Tarzan, Buck Rogers e John Carter, três personagens oriundos dos pulps

Em 1923, os japoneses Oda Nobutsune (roteiro) e Katsuichi Kabashima (desenhos) iniciam a tira "As aventuras de Sho-chan" (正チヤンの冒険, Shōchan no bōken??) para o jornal Asahi Graph.[1] Em 1927, é lançada a prancha dominical Connie, criada por Frank Godwin para o Ledger Syndicate e no ano seguinte, Jane Arden, criada por Monte Barrett e artist Frank Ellis para o Register and Tribune Syndicate, enquanto que Connie surgiu como uma debutante e a partir de 1934 começou como uma repórter e depois detetive, Jane Arden já começou como repórter, ambas são apontadas como as primeiras mulheres a protagonizarem histórias em quadrinhos de aventura[2] e antecedem outras repórteres como Lois Lane (das histórias do Superman) e Brenda Starr.[3]

Em Outubro de 1928, a revista semanal inglesa Tit-Bits publica pela primeira vez as tiras de Tarzan por Hal Foster, criado em 1912 por Edgar Rice Burroughs para as revistas pulps, o herói já vinha sendo adaptado para os cinemas, as tiras do personagem só viriam a ser publicadas nos Estados Unidos em 7 de janeiro de 1929, curiosamente, no mesmo dia estreava a tira diária Buck Rogers por Dick Calkins, também baseado em uma história oriunda dos pulps,[4] o romance de ficção científica Armageddon 2419 A.D. de Philip Francis Nowlan, publicado a partir de 1928 na revista Amazing Stories. Em 10 de janeiro de 1929, Hergé lança As Aventuras de Tintim no suplemento juvenil Le Petit Vingtième, do jornal belga Le Vingtième Siècle.[5] Naquele mesmo ano, a série Tubinho (Wash Tubbs), criado em 1924 por Roy Crane, começou a ir em direção ao novo gênero, com a inclusão de Capitão César (Captain Easy) entre os protagonistas,[6] quatro anos depois, ele ganha a própria prancha dominical "Captain Easy, Soldier of Fortune".[7] Em 1931 surge o detetive Dick Tracy de Chester Gould, em 1933, surge um novo herói de ficção científica Brick Bradford, de William Ritt (roteiro) e Clarence Gray (desenho)[8] e o primeiro herói de aventura criado exclusivamente para uma revista em quadrinhos, Dan Dunn, nitidamente inspirado em Dick Tracy, Dunn foi criado por Norman Marsh e publicado pela primeira vez na revista "Detective Dan, Secret Operative No. 48", que teve apenas uma edição,[9] o personagem acabou migrando para as tiras de jornal,[10] no ano seguinte surgem o Mandrake, o Mágico de Lee Falk (roteiro) e Phil Davis (desenho), Terry e os Piratas de Milton Caniff, Alex Raymond cria as séries Flash Gordon, Jim das Selvas e Agente Secreto X-9 (roteirizada pelo escritor de romances policias, Dashiell Hammett) para a King Features Syndicate, criadas para concorrer com Buck Rogers (ficção científica), Tarzan (aventuras nas selvas) e Dick Tracy (histórias policias).[11] Inicialmente, a King Features Syndicate planejava adaptar outro personagem de Edgar Rice Burroughs, John Carter de Marte da série literária Barsoom, no entanto, o syndicate não conseguiu chegar a um acordo com Burroughs, com isso, a King Features escalou Alex Raymond parar criar uma nova série de ficção científica espacial,[12] [13] além de Barsoom, para criar Flash Gordon, Raymond também se inspirou em outro romance de ficção científica When Worlds Collide de Philip Wylie e Edwin Balmer de 1933, onde há um planeta órfão que entra em rota de colisão com o Planeta Terra, e um herói atlético, sua namorada, e um cientista viajar para um novo planeta usando um foguete espacial.[14] John Carter só foi ganhar histórias em quadrinhos em 1939, nas páginas da revista The Funnies da Dell Comics, entre 1941 e 1943, o filho de Edgar Rice Burroughs, John Coleman Burroughs produziu as pranchs dominicais do herói.[15]


Em 1935, Jesús Blasco lança na Espanha, Cuto.[16] Em 1936, Lee Falk cria uma série de aventuras nas selvas, O Fantasma, ilustrada por Ray Moore, em 1937, Hal Foster lança sua própria série dominical, Príncipe Valente, ambientada nos tempos do lendário Rei Arthur,[17] tal como Tarzan, os quadrinhos de Sheena de Will Eisner estrearam primeiro na revista britânica Wags #46 (1937) e no ano seguinte, passa a ser publicada nos Estados Unidos pela editora Fiction House.[18] Em 1938, é lançada a revista belga Jornal Spirou, publicando series americanas como Brick Bradford e Red Ryder e uma serie própria Spirou, criada por Rob-Vel, mais tarde renomeada como "Spirou e Fantásio", graças a adição do personagem criado por Jijé em 1943.[19]

Referências[editar | editar código-fonte]

Notas
  1. Shunsuke Tsurumi. A Cultural History of Postwar Japan: 1945-1980. [S.l.]: Routledge, 2010. 9781136917660
  2. Philippa Gates. Detecting Women: Gender and the Hollywood Detective Film. [S.l.]: SUNY Press, 2011. 108 p. 9781438434056
  3. Steve Duin e Mike Richardson. Comics: Between the Panels. [S.l.]: Dark Horse, 1998. 9781569713440
  4. Alberto Becattini, Edgar Rice Burroughs in the Funnies!, vol. 3, nº 129, TwoMorrows Publishing, novembro de 2014.
  5. Sérgio Codespoti (12 de janeiro de 2009). Tintim completa 80 anos de aventuras Universo HQ.
  6. Waldomiro Vergueiro (21 de Fevereiro de 2002). As histórias em quadrinhos e seus gêneros - Parte 6 Omelete.
  7. Waldomiro Vergueiro (29/03/2002). Roy Crane e Wash Tubbs Omelete.
  8. Alexandre Lobão. Tecnologia e Futurologia nas Histórias em Quadrinhos Conhecimento Prático Literatura - Editora Escala/UOL.
  9. Jones, Gerard. Homens do Amanhã - geeks, gângsteres e o nascimento dos gibis. [S.l.]: Conrad Editora, 2006. 110 p. ISBN 85-7616-160-5
  10. Robert C. Harvey. The Art of the Funnies: An Aesthetic History. [S.l.]: Univ. Press of Mississippi, 199. 127 p. 9780878056125
  11. Maria Beatriz Furtado Rahde. Imagem: estética moderna & pós-moderna - Volume 7 de Coleção Comunicação. [S.l.]: EDIPUCRS, 2000. 54 p. 9788574301426
  12. Peter Poplaski, "Introduction" to Flash Gordon Volume One: Mongo, the Planet of Doom by Alex Raymond,edited by Al Williamson.Princeton, Wisconsin. Kitchen Sink Press, 1990. ISBN 0878161147 (6 p.)
  13. Doug Murray, "Birth of a Legend", in Alex Raymond and Don Moore, Flash Gordon : On the Planet Mongo: Sundays 1934-37. London : Titan Books, 2012.ISBN 9780857681546 (10-15 p.).
  14. "Raymond levou a premissa básica de Philip Wylie do When Worlds Collide, que estava sendo reproduzida na revista Blue Book naquela época, e é usado como ponto de partida para a aventura". Al Williamson e Peter Poplaski, "Introdução" para Alex Raymond, Flash Gordon:Mongo, the Planet of Doom. Princeton, Wis. : Kitchen Sink Press. 1990. ISBN 0878161147 (p. 5).
  15. Kevin Hile. Authors & Artists for Young Adults. [S.l.]: Gale, 1993. 47 p. 9780810380257
  16. David A. Roach, Jon B. Cooke. The Warren Companion: The Definitive Compendium to the Great Comics of Warren Publishing. [S.l.]: TwoMorrows Publishing, 2001. 264 p. 9781893905085
  17. Eclipse Quadrinhos - Especial Kaboom #1"O Início das HQs", Editora Eclipse, 2005
  18. Randy Duncan, Matthew J. Smith. Icons of the American Comic Book: From Captain America to Wonder Woman, Volume 1. [S.l.]: ABC-CLIO, 2013. 667 p. 9780313399237
  19. The Comics Journal, Edição 114;Edições 123-125, Comics Journal, Incorporated, 1987. 31 p.
Bibliografia
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Aventura