Octavio Aragão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde novembro de 2016) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Octavio Carvalho Aragão Júnior mais conhecido simplesmente por Octavio Aragão, [1] (Rio de Janeiro, 1964) é designer gráfico, professor universitário e escritor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Graduado pela Escola de Belas Artes da UFRJ, depois de trabalhar em várias agências de publicidade e escritórios de design, com uma rápida passagem como desenhista de produção de cinema, especializou-se durante a década de 1990 na produção de infografias, gráficos informativos veiculados em grandes jornais e revistas cariocas. Depois de passagens pela UniBennett e pelos cursos de extensão das faculdades Hélio Alonso – FACHA, foi empossado como professor do departamento de desenho industrial da UFES, Universidade Federal do Espírito Santo, onde lecionou História das Técnicas do Desenho Industrial, Projeto de Design e Tópicos Especiais (Arte Sequencial). Hoje, depois de outro concurso, é professor adjunto da Escola de Comunicação da UFRJ, onde ministra as cadeiras de Jornalismo Gráfico 1 e 2 e um dos coordenadores da Semana Internacional de Quadrinhos da UFRJ.[2]

Foi coordenador de arte de O Globo, sub-editor de arte de O Dia e editor de arte da linha de revistas de informática da Ediouro Publicações.

Em 1998 estreou profissionalmente como escritor, com o conto Eu Matei Paolo Rossi.[3] Dois anos mais tarde, deu início ao projeto Intempol, portal temático na internet.

Intempol é um dos primeiros projetos multimédia de arte fantástica brasileira, pólo de produção cultural, principalmente no campo literário e da arte seqüencial. Foi citado por publicações francesas e norte-americanas como um projeto inédito e relevante no gênero, além de ganhar os prêmios Argos, do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica), e SBAF (Sociedade Brasileira de Arte Fantástica), em 2001 e 2003.

Em 2000, retornou ao ambiente acadêmico para cursar a pós-graduação na mesma instituição onde se formou em 1987, a EBA. No Mestrado, pesquisou a vida e obra de Angelo Agostini, um dos pioneiros das história em quadrinhos no Brasil, também colaborou com o site Universo HQ, especializado em histórias em quadrinhos.[4]

Em 2002, ao lado de Carlos Orsi Martinho, Aragão publicou o artigo "From Russia with Madness" no site do escritor americano Philip José Farmer,[5] Em 2004, ambos entrevistaram o autor para o site Intempol.[6][7]

Em 2005, participou da antologia de artigos Imaginário Brasileiro e Zonas Periféricas – Algumas Proposições da Sociologia da Arte, editado pela professora doutora Rosza W. vel Zoladz, publicado pela editora 7Lettras e pela FAPERJ, além de assinar artigos acadêmicos nas revistas Arte/Ensaios, da UFRJ, e Nossa História. No mesmo ano é publicada a graphic novel "The long yesterday - Intempol" publicada pela editora Comic Store, o álbum foi escrito por Osmarco Valladão e desenhado por Manoel Magalhães, baseado no universo ficcional Intempol criado por Aragão.[8]

O romance A Mão que Cria foi publicado em 2006, pela Editora Mercuryo, o livro surgiu como uma fanfic protagonizada pelo herói Aquaman da DC Comics e publicada no site Hyperfan, nele o autor cria uma história alternativa com elementos de steampunk, o romance mistura personagens reais e fictícias, dentre eles o escritor francês Jules Verne e até mesmo alguns personagens do autor e de outros autores, tal prática já era comum em obras de Philip José Farmer e Kim Newman.[9] Nesse mesmo ano, a revista Wizard Brasil #31 da Panini Comics publica a história em quadrinhos "Belvedere Blues"ambientada no universo de Intempol, roteirizada por Osmarco Valladão e arte de Manoel Magalhães[10]

Em 16 de agosto de 2007, defendeu tese de doutorado, pelo Programa de Pós-Graduação da Escola de Belas Artes, UFRJ, sobre a charge política contemporânea nos jornais diários e sua influência na visão do público a respeito do presidente Luis Inácio Lula da Silva.

Em 2010, participou da antologia Vaporpunk – Relatos ‘steampunk’ publicados sob as ordens de Suas Majestades da Editora,[11] no mesmo ano realiza o copidesque do livro Uma Princesa de Marte de Edgar Rice Burroughs pela editora Aleph.[12]

Em 2011, participou das antologias Ficção de Polpa Volume 4: Crime! publicada pela Não Editora[13] e Sherlock Holmes - Aventuras Secretas da Editora Draco,[14] em ambas as antologias, escreveu histórias do detetive inglês criado por Arthur Conan Doyle,[15] atualmente em domínio público,[16] em 2012, também pela Draco participou da antologia Dieselpunk – Arquivos confidenciais de uma bela época [17] e publicou a álbum Para Tudo Se Acabar Na Quarta-Feira, a história é ambientada no universo ficcional de Intempol e teve roteiros do próprio Octavio e arte de Manoel Ricardo, o universo ficcional já havido sido explorado em histórias em quadrinhos, na webcomics A maldita maldição da múmia,[18] em uma história curta intitulada Belvedere Blues, publicada na revista Wizard Brasil e no álbum The Long Yesterday, essa foi primeira HQ roteirizada pelo próprio Octavio.[19]

Em 2012, novamente com Carlos Orsi Martinho, Octavio se envolvem com obra de Philip José Farmer no conto "The Last of The Guaranys" na antologia The Worlds of Philip José Farmer: Portraits of a Trickster da Meteor House, no ano seguinte o conto é republicado na antologia Tales of the Wold Newton Universe pela editora Titan Books,[20] o conto coloca os personagens Ceci e Peri do livro O Guarani de José de Alencar ao Wold Newton universe de Farmer,[6] que conecta personagens como Sherlock Holmes, Tarzan, entre outros.[21][22] No mesmo ano apresentou a tese de pós-doutorado Visões do Futuro do Pretérito: a ficção científica nos quadrinhos brasileiros e seu impacto no imaginário do séc. XX. supervisionado por Heloisa Buarque de Hollanda.[23] Publica um conto na antologia "Space Opera – Jornadas inimagináveis em uma galáxia não muito distante" da Draco.[24] Publica o ensaio Brazilian Science Fiction and the Visual Arts: From Political Cartoons to Contemporary Comics no livro "Latin American Science Fiction: Theory and Practice", organizado por J. Andrew Brown.

Em Agosto de 2013, Aragão participa da Comissão Científica da 2as Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos, organizado na USP,[25] no mesmo evento é lançado o livro "Os Quadrinhos na Era da Digital – Hqtrônicas, webcomics e cultura participativa" publicado pela Marsupial Editora, organizado por Lucio Luiz, o livro traz textos de Aragão, Edgar Franco, Roberto Elísio dos Santos, Victor Corrêa, Marcel Luiz, Pedro de Luna, Vítor Nicolau, Henrique Magalhães, Paulo Ramos, Renata Prado, Reinaldo Pereira de Moraes e do próprio Lucio Luiz.[26] Ainda em 2013, publica outro livro ambientado no universo de Intempol: Reis de todos os mundos possíveis, publicado pela Draco,[27] pela mesma editora participa da antologia Excalibur – histórias de reis, magos e távolas redondas[28]

Em 2016, publicou um artigo no livro Enquadrando o Real - ensaios sobre quadrinhos biográficos, históricos e jornalísticos, organizado por Waldomiro Vergueiro, Paulo Ramos e Nobu Chien publicado pela Criativo Editora.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • "A fazenda-relógio" (Vaporpunk – Relatos ‘steampunk’ publicados sob as ordens de Suas Majestades, Draco, 2010)
  • "O caso do americano audaz" (Ficção de Polpa - Volume 4: Crime!, Não Editora, 2011)
  • Para Tudo Se Acabar Na Quarta-Feira (Draco, 2011)
  • "MD." (Sherlock Holmes - Aventuras Secretas, Draco, 2011)
  • "O dia em que Virgulino cortou o rabo da cobra …"' (Dieselpunk – Arquivos confidenciais de uma bela época, Draco, 2011)
  • "The Last of The Guaranys", em parceira com Carlos Orsi Martinho (The Worlds of Philip José Farmer: Portraits of a Trickster, Meteor House, 2012 e Tales of Wold Newton Universe, Titan Books, 2013)
  • Os Quadrinhos na Era da Digital – Hqtrônicas, webcomics e cultura participativa (Organizado por Lucio Luiz, Marsupial Editora, 2013)
  • Enquadrando o Real - ensaios sobre quadrinhos biográficos, históricos e jornalísticos. (Organizado por Waldomiro Vergueiro, Paulo Ramos e Nobu Chien, publicado pela Criativo Editora, 2016)

Premiações[editar | editar código-fonte]

Em 2014, foi agraciado com o primeiro lugar do Prêmio Argos por seu conto, "Viragem".

Referências

  1. «Currículo Lattes -Octavio Carvalho Aragão Júnior». Cnpq 
  2. Semana Internacional de Quadrinhos da UFRJ
  3. Romeu Martins (28 de Janeiro de 2007). «Omelete entrevista Octavio Aragão». Omelete 
  4. Octavio Aragão. Homens de Aço e Ícones de Marfim: Supreme e a reconstrução do herói (em português). Universo HQ.
  5. Octavio Aragão e Carlos Martinho (27 de maio de 2002). «From Russia with Madness». PjFarmer.com/Internet Archive 
  6. a b Carey, Christopher Paul. «Tales of the Wold Newton Universe, Part 2 of 4». Black Gate (em inglês). Consultado em 30 de outubro de 2013. 
  7. «Interviews with PJF». Philip José Farmer - International Bibliography 
  8. Roberto Elísio dos Santos (7 de Junho de 2005). «HQ: The long yesterday - Intempol». Omelete 
  9. Romeu Martins (28 de Janeiro de 2007). «A mão que cria». Omelete 
  10. «Superman, X-Men, Intempol e mais na Wizard Brasil 31». Universo HQ 
  11. «Vaporpunk – Relatos 'steampunk' publicados sob as ordens de Suas Majestades». Draco. 13 de agosto de 2010 
  12. «Trecho de Uma Princesa de Marte» (PDF). Editora Aleph 
  13. Roberto de Sousa Causo (21 de maio de 2011). «Drops». Portal Terra 
  14. «Sherlock Holmes – Aventuras Secretas». Livraria da Folha 
  15. «Seis contos policiais». Correio do Povo. 23 de Março de 2011 
  16. «Domínio público, meu caro Watson? Ação questiona direitos autorais de obras sobre Sherlock Holmes». O Globo. 16 de fevereiro de 2013 
  17. Luiz Felipe Vasques (26 de janeiro de 2012). «Dieselpunk: Relatos confidenciais de uma bela época (resenha)». RedeRPG 
  18. Intempol: Para Tudo se Acabar na Quarta-Feira
  19. Marcus Vinicius de Medeiros. «Para Tudo Se Acabar Na Quarta-Feira». Universo HQ 
  20. «Bibliography: The Last of the Guaranys». Internet Speculative Fiction Database 
  21. Mitografia sequencial: fabulação, pastiche e o universo de Wold Newton nos quadrinhos americanos das últimas cinco décadas
  22. André Forastieri (13 de abril de 2010). «Invente a sua saga» 
  23. «Projetos - Em Andamento». Programa Avançado de Cultura Conteporânea - UFRJ. 9 de abril de 2012 
  24. «Space Opera – Jornadas inimagináveis em uma galáxia não muito distante». Draco 
  25. «Comissão Científica». 2as Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos/ECA-USP 
  26. Samir Naliato (16 agosto, 2013). «Livro aborda o papel dos quadrinhos na era digital». Universo HQ  Verifique data em: |data= (ajuda)
  27. «Reis de todos os mundos possíveis, Octavio Aragão». Draco 
  28. «Excalibur – histórias de reis, magos e távolas redondas». Draco 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.