Joe Shuster

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Joseph Shuster
Shuster em uma foto de divulgação da DC Comics, 1975
Conhecido(a) por co-criador do Superman
Nascimento 10 de julho de 1914
Toronto, Ontário, Canadá
Morte 30 de julho de 1992 (78 anos)
Los Angeles, Califórnia, EUA
Nacionalidade Canadá canadense
Ocupação Ilustrador e desenhista
Prémios Will Eisner Award Hall of Fame (1992)
Joe Shuster Canadian Comic Book Creator Hall of Fame (2005)

Joseph "Joe" Shuster (Toronto, 10 de Julho de 1914Los Angeles, 30 de Julho de 1992) foi um ilustrador e desenhista canadenseque junto de Jerry Siegel, criou na década de 1930, o famoso personagem de histórias em quadrinhos Superman.

Junto de Jerry Siegel, Joe esteve envolvido em várias batalhas legais pelos direitos do personagem Superman.[1] Depois de criar o famoso personagem, sua carreira nos quadrinhos não foi bem sucedida e na década de 1970, Joe parou de trabalhar com quadrinhos devido a problemas de visão.[2][3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Joseph Shuster nasceu em Toronto, no Canadá, em uma família judia, vinda da Holanda, onde seus pais se conheceram.[2][4][5][6] Seu pai, Julius Shuster (originalmente Shusterowich), era de Roterdã e ao chegar em Toronto abriu uma alfaiataria. Sua mãe, Ida Shuster, veio de Kiev, na Ucrânia.[2][7][8] Um de seus primos foi o comediante Frank Shuster, da trupe de comédia canadense Wayne and Shuster.[9] Desde criança, gostava de histórias em quadrinhos e antes mesmo de aprender a ler, seu pai tirava as páginas com as tirinhas dos jornais e lia com o filho.[2]

Na adolescência, Joe trabalhou entregando jornais. A família precisava se mudar constantemente quando tinham dificuldades de pagar o aluguel.[2][10] Em 1924, a família se mudou para Cleveland, Ohio.[2][5][9] Foi no ensino médio que Joe conheceu aquele que seria seu amigo de longa data e colega de trabalho, Jerry Siegel, o caçula de uma família da Lituânia[2], com quem começou a publicar em um fanzine de ficção científica, chamado Science Fiction. Os dois se tornaram amigos rapidamente, tendo os mesmos gostos para histórias em quadrinhos, que iam de temas de aventura, detetive e aventuras espaciais.[2][1] Jerry gostava de recontar as histórias que lia, inventando as suas próprias.[2]

A dupla tentava emplacar na indústria de quadrinhos, tendo feito publicações por conta própria, mas não conseguiam contratos. Foi através de um contrato com a National Allied Publications (a futura DC Comics), do major e veterano de guerra Malcolm Wheeler-Nicholson, que os dois ganharam uma chance. Eles foram contratados para colaborar com a New Fun, primeira revista seriada em quadrinhos com conteúdo original, ao invés de republicar tiras de jornais. Os dois estrearam na ediçaõ de número 6 da New Fun, em outubro de 1935.[1][2]

A criação do Superman[editar | editar código-fonte]

Joe e Jerry tinham criado um vilão telepático que queria dominar o mundo e matou seu criador, ficando depois sem a fórmula secreta e voltando a ser um sujeito comum. O título da história era "The Reign of the Superman", publicado por Jerry no fanzine Science Fiction #3, de 1933.[2][10][11] O personagem não foi bem sucedido e Jerry acabou sendo aconselhado a criar uma versão mais familiar do personagem. Joe se inspirou no físico do ator Douglas Fairbanks para compor o Superman, enquanto seu alter ego Clark Kent foi inspirado em Harold Lloyd[1] e no próprio Joe Shuster, com o nome do jornalista fictício "Clark Kent" derivado dos nomes dos atores Clark Gable e Kent Taylor.[10][11] Lois Lane foi inspirada na modelo Joanne Carter, com quem Joe saiu brevemente e depois se casou com Jerry Siegel.[2][5]

The Reign of the Super-Man, conto escrito por Siegel e ilustrado por Shuster e publicado em Science Fiction: The Advance Guard of Future Civilization#3 (1933)

O fato de Superman/Clark Kent ser um alienígena (alien em inglês descreve tanto um extraterrestre quanto um imigrante) pode ter sido influenciado pelo fato de tanto Joe quanto Jerry virem de famílias judias e imigrantes da Europa para os [[[Estados Unidos]]. Os valores defendidos pelo personagem mostrariam uma necessidade de se ajustar à cultura norte-americana e de ser reconhecido como um membro da nação.[12]

Joe e Jerry começaram uma saga de seis anos até conseguir uma editora para publicar o Superman.[13] Em 1938, o editor Vin Sullivan escolheu o personagem para ser a capa da edição de junho. No ano seguinte, as tirinhas do Superman começaram a ser republicadas por todo o país.[2][1]

Como parte do acordo com a Action Comics para a publicação do Superman, Joe e Jerry venderam os direitos para a empresa por 130 dólares e assinaram um contrato para produzir material para a editora.[2][14][15] Quando Clark Kent apareceu pela primeira vez, ele trabalhava para o jornal Daily Star, nomeado por Joe como homenagem ao Toronto Daily Star, onde trabalhou na adolescência. O horizonte de Metropolis também foi inspirada em sua cidade natal, Toronto. Quando as tirinhas do Superman começaram a ser publicadas no exterior, o jornal passou a se chamar oficialmente de Daily Planet.[1][10][11]

Batalha legal[editar | editar código-fonte]

Em 1946, próximo ao fim do contrato de publicação por 10 anos, Joe e Jerry processaram a Detective Comics, Inc. para anularem o contrato e reaverem assim os direitos do Superman. No ano seguinte, a Corte do Estado de Nova York decidiu que a editora tinha adquirido os direitos de publicação legalmente quando comprou a primeira história do Superman, alegando que a dupla transferiu para a editora todos os direitos das tiras, incluindo o título, nomes, personagens e enredo.[16] Eles também processaram pela propriedade do Superboy, que foi publicado sem o consentimento de Jerry Siegel, a quem a Detective Comics pagou cerca de 94 mil dólares.[2][3][5] Depois do processo, todas as menções a Joe e Jerry foram removidas das tirinhas do Superman.[17][16]

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Depois do fracasso do Rigolô em 1947, um personagem cômico publicado em conjunto com o antigo editor Vin Sullivan, Joe continuou trabalhando com quadrinhos, ainda que de pouca expressão. Nos anos 1950, escreveu histórias de terror e de conteúdo erótico e violento, com BDSM e fetiche.[2] Apesar de não se sentir muito orgulhoso do que desenhava, era o que ainda pagava as contas, e assim ele se manteve anônimo.[2]

Em 1964, Joe morava com a mãe idosa em Long Island, onde trabalhava como cartunista freelancer, porém sua visão começou a se desgastar rapidamente, o que o obrigou a parar de desenhar. Para não ficar sem emprego, começou a trabalhar como entregador.[2][16]

Em 1967, quando os direitos do Superman seriam renovados, Jerry Siegel se lançou em um segundo processo contra a editora, mas perdeu.[2] Em 1975, Jerry enviou várias cartas indignadas aos meios de imprensa, contanto sobre o tratamento que lhes foi dado pelos executivos da editora DC Comics, pedindo que boicotassem a nova produção cinematográfica que estava em pré-produção. A propaganda negativa levantada pelos dois e o apoio da comunidade de quadrinhos, levou a Warner Communications, dona da DC, a reconhecer a autoria de Shuster e Siegel e lhes garantiu uma pensão anual de 20 mil dólares, mais plano de saúde.[1][2][11] Seus nomes também voltaram para as revistas do herói.[18]

Apesar da pensão, Joe estava com dívidas altas quando morreu, que a Warner concordou em pagar em troca de um acordo com os herdeiros de não mais contestar os direitos do Superman na justiça.[19]

Morte[editar | editar código-fonte]

Em 1976, Joe estava quase que completamente cego, morando em uma casa de repouso na Califórnia.[2] Ele era hipertenso e morreu em decorrência de uma insuficiência cardíaca em 30 de julho de 1992, aos 78 anos, em sua casa em Los Angeles.[3][20] Seu corpo foi cremado e as cinzas entregues à família.[21]

Referências

  1. a b c d e f g Stern, Roger (2006). Superman: Sunday Classics: 1939 – 1943. [S.l.]: DC Comics / Kitchen Sink Press / Sterling Publishing. 204 páginas. ISBN 978-1402737862 
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u Voloj, Julian; Campi, Thomas (2018). A história de Joe Shuster: O artista por trás do Superman. Traduzido por Marcia Men. São Paulo: Aleph. p. 192. ISBN 978-8576574200 
  3. a b c Burt A. Folkart (ed.). «Joe Shuster, Co-Creator of Superman, Dead at 78». Los Angeles Times. Consultado em 16 de novembro de 2018. 
  4. Blair Kramer (ed.). «Superman». Jewish Virtual Library. Consultado em 16 de novembro de 2018. 
  5. a b c d Mário Latino e Marcio Baraldi (ed.). «A triste história de Joe Shuster, o homem que criou o Superman!». Bigorna. Consultado em 16 de novembro de 2018. 
  6. Rafael Medoff (ed.). «Superman: Saving his Jewish creators». Jewish News Service. Consultado em 16 de novembro de 2018. 
  7. Norwood, Stephen Harlan; Pollack, Eunice G. (2008). Encyclopedia of American Jewish history, Volume 1. Santa Bárbara, Califórnia: ABC-CLIO. 471 páginas. ISBN 1-85109-638-8 
  8. Ricca, Brad (2014). Super Boys: The Amazing Adventures of Jerry Siegel and Joe Shuster - the Creators of Superman. Londres: Macmillan. 464 páginas. ISBN 978-1250049681 
  9. a b Alan Hustak (ed.). «Joe Shuster». The Canadian Encuclopedia. Consultado em 16 de novembro de 2018. 
  10. a b c d SHUSTER, Joe; YOE, Craig (2009). Secret Identity: The Fetish Art of Superman's Co-creator Joe Shuster. Nova Iorque, EUA: Harry N. Abrams. p. 160. ISBN 978-0810996342 
  11. a b c d Daniels, Les (1998). Superman: The Complete History: The Life and Times of the Man of Steel. São Francisco, Califórnia: Chronicle Books. p. 192. ISBN 978-0811821629 
  12. «"From Superman to Superbland: The Man of Steel's Popular Decline Among Postmodern Youth"» (PDF). Arquivado do original (PDF) em 15 de novembro de 2009 
  13. Bob Hughes (ed.). «Who Drew the Superman? Joe Shuster!». DC Comics Artists. Consultado em 16 de novembro de 2018. 
  14. Barbara Goldberg (ed.). «Check that bought Superman rights for $130 sells for $160,000». Agência Reuters. Consultado em 16 de novembro de 2018. 
  15. «A cronologia dos super-heróis». Super Interessante. Julho de 2012. Consultado em 24 de dezembro de 2014. 
  16. a b c «Siegel & Shuster». Drew Friedman. Consultado em 16 de novembro de 2018. 
  17. Michael Ciepley (ed.). «Ruling Gives Heirs a Share of Superman Copyright». The New York Times. Consultado em 9 de dezembro de 2014. 
  18. McAvennie, Michael; Dolan, Hannah, ed. (2010). «1970s». DC Comics Year By Year A Visual Chronicle. [S.l.]: Dorling Kindersley. p. 170. ISBN 978-0-7566-6742-9. For the first time since 1947, Jerry Siegel and Joe Shuster's names were back in Superman comics, and listed as the Man of Steel's co-creators. 
  19. Dominic Patten (ed.). «Warner Bros Wins Superman Copyright Battle As Heirs Denied Rehearing». Deadline. Consultado em 16 de novembro de 2018. 
  20. JOE MCGASKO (ed.). «The Superman Curse». The Biography Channel. Consultado em 16 de novembro de 2018. 
  21. «Joe Shuster». Find a Grave. Consultado em 16 de novembro de 2018. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Joe Shuster