O Tambor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura filme de Volker Schlöndorff (1979), veja O Tambor (filme).
Die Blechtrommel
O tambor
Autor (es) Günter Grass
Idioma língua alemã
País  Alemanha Ocidental
Género Realismo mágico
Série Trilogia Danzig
Arte de capa Günter Grass
Editora Hermann Luchterhand Verlag
Lançamento 1959
Edição portuguesa
Tradução Augusto Abelaira
Editora Estúdios Cor
Lançamento 1964
Páginas 553
Edição brasileira
Tradução Lúcio Alves
Editora Nova Fronteira
Lançamento 1982
Páginas 738
Cronologia
Último
Katz und Maus
Próximo

Die Blechtrommel é um romance de crítica social publicado em 1959 pelo intelectual e escritor alemão Günter Grass (ou Günter Graß).

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O livro conta toda a história da vida de Oskar, um interno de um hospício que narra a história, nascido na cidade livre de Dantzig que tendo origem cassubiana vive toda uma trama que expressa uma acirrada crítica social da pequena burguesia da época.

Oskar deseja não crescer e de fato vive muitos anos tendo o corpo de um menino de três anos de idade. Alguns trechos denotam forte crítica a sociedade como, por exemplo, a voz vitrícida que derrubava os vidros ou furava o suficiente a superfície para que fosse possível a prática de um roubo e que não consegue destruír os vitrais da Igreja do Sagrado Coração de Jesus, sendo talvez uma forma de expressar que na época a influência da Igreja era muito grande e que nenhuma tentativa conseguia derrubá-la.

A narrativa acelerada leva o leitor a um estado de euforia e ânsia por continuar a leitura, principalmente em partes em que ele descreve o cerco a sede do correio polonês ou a decadência da vida de um músico que tinha mudado de vida para se tornar um SA.

Toda a história é narrada pelo Oskar interno em um hospício sempre contando o que os seus visitantes, seu enfermeiro ou ele mesmo acha da história descrita. O tambor é um símbolo bem enigmático sendo polimorfo nas idéias e metáforas que exprime.

No romance Oskar se confunde com o tambor, expressando a este como se fosse a si ou se descrevendo como se fosse o tambor.

Ver artigo principal: Günter Grass

A História parece ser baseada na vida do próprio escritor, tendo Oskar a mesma origem materna casúbia que Grass, vivendo na mesma cidade de Dantzig e também sendo filho de donos de mercearia.

Personagens[editar | editar código-fonte]

  • Oskar

Personagem que narra o romance já descrito acima.

  • Bruno Münsterberg

O Enfermeiro que observa e trata de Oskar, solteiro sempre recebe estímulos de Oskar para iniciar a vida amorosa, como na compra de papel em que Oskar manda ele pronunciar a frase: "Ih, Bruno, você me compraria quinhentas folhas de papel virgem? - Ele, olhando para o teto(...) replicou: - De papel branco, sr Oskar?" e insiste até que ele compra fazendo a solicitação conforme ordenado e com isso inicia uma conversação com a vendedora.

  • Anna Bronski

Avó de Oskar, tem suas quatro sais bem narradas sendo o interior dela onde seu avô se refugiou quando era fugitivo e onde Oskar gostava de ficar. Em baixo das saias de sua avó (não são anáguas, Oskar deixa claro que são quatro saias mesmo) ele se refugia e sente o cheiro de manteiga e encontra um ambiente rançoso.

  • Joseph Koljaiczek

Avô de Oskar, incendiário foragido se esconde e adota a identidade de Wranka e viveu com sua avó.

  • Alfred Matzerath

O pai de Oskar apesar da desconfiança de que ele seja filho de Jan. É um exemplo das pessoas que deram força a Adolf Hitler.

  • Jan Bronski

Suposto pai de Oskar ele tem um caso extraconjugal com a mãe de Oskar.

A trilogia[editar | editar código-fonte]

O Tambor inicia a trilogia seguido da novela Katz und Maus e Hundejahre. Katz und Maus retrata e analisa a juventude de classe média baixa de Danzig. Hundejahre exibe crimes nazistas e a prosperidade germânica nos anos que se seguiram à guerra.

Ver também[editar | editar código-fonte]