Final Fantasy VII

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Final Fantasy VII
Desenvolvedora(s) SquareSoft
Publicadora(s) SquareSoft
Sony Computer Entertainment
Eidos Interactive
Diretor(es) Yoshinori Kitase
Produtor(es) Hironobu Sakaguchi
Escritor(es) Kazushige Nojima
Yoshinori Kitase
Programador(es) Ken Narita
Compositor(es) Nobuo Uematsu
Artista(s) Yusuke Naora
Tetsuya Nomura
Plataforma(s) PlayStation
Microsoft Windows
Série Final Fantasy
Data(s) de lançamento PlayStation
  • JP 31 de janeiro de 1997
  • AN 7 de setembro de 1997
  • PAL 14 de novembro de 1997
Microsoft Windows
  • AN 31 de maio de 1998
  • EU 25 de junho de 1998
Gênero(s) RPG eletrônico
Modos de jogo Um jogador
Último
Final Fantasy VI
Final Fantasy VIII
Próximo

Final Fantasy VII (ファイナルファンタジーVII, Fainaru Fantajī Sebun?) é um jogo eletrônico de RPG desenvolvido e publicado pela SquareSoft originalmente para o PlayStation e Microsoft Windows. Ele foi lançado em 1997 e é o sétimo jogo principal da série Final Fantasy, o primeiro da franquia a utilizar gráficos computadorizados tridimensionais, possuindo personagens totalmente renderizados em cenários pré-renderizados. A história segue Cloud Strife, um mercenário que se junta à organização ecoterrorista AVALANCHE a fim de impedir que a megacorporação Shinra drene toda a vida do planeta com o objetivo de usá-la como fonte de energia. Cloud e seus aliados se envolvem em um conflito muito maior que ameaça todo o mundo e enfrentam Sephiroth, o principal antagonista.

O desenvolvimento de VII começou em 1994 logo após a finalização de Final Fantasy VI. Ele foi originalmente pensado para ser lançado nos consoles da Nintendo, porém foi transferido para o PlayStation porque os cartuchos utilizados pela Nintendo não possuíam o espaço interno necessário para uma grande quantidade de imagens pré-renderizadas, como era o desejo da Square e da equipe de desenvolvimento. O jogo foi dirigido por Yoshinori Kitase, escrito por Kazushige Nojima e Kitase e produzido pelo criador da série Hironobu Sakaguchi. A música foi composta pelo veterano de Final Fantasy Nobuo Uematsu, enquanto Tetsuya Nomura substituiu Yoshitaka Amano como o desenhista de personagens.

Impulsionado por uma grande campanha de divulgação, VII se tornou um enorme sucesso comercial e de críticas, sendo o jogo Final Fantasy mais vendido da história. Ele foi muito elogiado por sua história, gráficos, jogabilidade e música, com as críticas se concentrando em sua localização para o inglês. Desde seu lançamento ele já foi relançado diversas vezes em diferentes plataformas. VII é creditado por ter impulsionado as vendas dos consoles PlayStation e ter popularizado os RPGs japoneses fora do Japão. Ele é amplamente reconhecido como um dos melhores jogos eletrônicos já produzidos, com sua grande popularidade ao longo dos anos gerando uma série de prequelas e sequências reunidas coletivamente na Compilation of Final Fantasy VII. Uma recriação para o PlayStation 4 está atualmente em desenvolvimento.

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

A jogabilidade de Final Fantasy VII é dividida principalmente de três grandes áreas: um mapa do mundo de jogo, mapas de campo e telas de batalha. O mapa do mundo é uma representação tridimensional em escala de todo o mundo ficcional do jogo, pelo qual o jogador pode viajar entre as diferentes localidades existentes. Assim como nos jogos Final Fantasy anteriores, a travessia pode ser feita a pé, montando chocobos (aves galiformes recorrentes da série), dirigindo um pequeno buggy, pilotando uma aeronave ou por mar através de um submarino ou barco.[1]

Nos mapas de campo os personagens são direcionados por ambientes em uma escala realista em relação aos seus tamanhos, consistindo em fundos pré-renderizados bidimensionais que representam locais como cidades e florestas.[2] O jogador inicialmente fica restrito apenas dentro da cidade de Midgard, porém todo o mundo torna-se disponível ao progredir pela história do jogo.[1] A progressão pelo enredo central ocorre principalmente através de sequências roteirizadas, apesar de cutscenes cinemáticas pré-renderizadas também estarem presentes em diversos pontos da história.[3]

Combate[editar | editar código-fonte]

O sistema de combate "Active Time Battle", mostrando o jogador selecionando uma opção de ordem para o personagem Cloud Strife.

As batalhas em Final Fantasy VII podem ocorrer randomicamente ou iniciadas por algum evento específico, colocando o grupo do jogador contra um ou mais inimigos. Vencer uma batalha ao derrotar todos os oponentes gera como recompensa experiência, itens e gil (a moeda do jogo). Entretanto, se todos os membros do grupo forem abatidos ou deixados incapazes de continuar no combate, o jogo termina e o jogador deve recomeçar a partir de seu último salvamento. A tela de batalha é uma representação tridimensional da área, como o interior de um edifício ou o meio de uma floresta, em que o jogador comanda os personagens em combates contra inimigos controlados pela inteligência artificial.[4] Apesar dos personagens aparecerem super deformados nos mapas de jogo, seus modelos são apresentados de maneira realista e em escala normal durante as batalhas.[3] Final Fantasy VII foi o primeiro jogo da franquia a utilizar modelos de personagem renderizados totalmente com polígonos. O jogo utiliza o tradicional sistema de combate "Active Time Battle", introduzido pela primeira vez em Final Fantasy IV. Diferentemente de jogos anteriores, em que até cinco personagens participavam dos confrontos, em Final Fantasy VII esse número é limitado a três.[5]

O sistema de habilidades de Final Fantasy VII é construído ao redor das Matérias: orbes mágicas compostas pela energia vital condensada do planeta, chamada de Mako. Elas são colocadas em espaços especiais de armas e armaduras, permitindo que os jogadores customizem as habilidades de seu grupo a fim de usar mágica, convocações e habilidades especiais. A Matéria é dividida em cinco categorias: Verde Magia para feitiços defensivos e ofensivos, Amarelo Habilidade que concede novas perícias, Vermelho Convocação que permite que monstros entrem no combate, Roxo Suporte que confere aumentos temporários nas estatísticas do personagem e Azul Junção que melhora outras Matérias ao ser colocado em espaços conectores (por exemplo, ligar Matéria de Fogo com Matéria Geral permite que o jogador ataque todos os inimigos simultaneamente com um feitiço de fogo). Porém, a maioria das magias baseadas em Matérias também diminui os atributos físicos do personagem em questão. Matéria e os personagens podem subir de nível com pontos de experiência, disponibilizando habilidades e funcionalidades mais fortes, com novas Matérias sendo criadas assim que chegarem no nível máximo.[6] Os feitiços de convocação também são equipáveis assim como a Matéria, com ataques elaborados podendo ser realizados. Uma versão modificada dos "Desperation Attacks" de Final Fantasy VI aparece em Final Fantasy VII na forma dos "Limit Breaks": cada personagem possui uma barra que gradualmente se enche a medida que sofrem danos em batalha; quando ela se enche, o personagem pode lançar seu Limit Break, uma ataque especial que inflige grandes danos nos oponentes ou que ajuda os outros membros do grupo.[3]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Mundo[editar | editar código-fonte]

O mundo de jogo é semelhante ao daquele de Final Fantasy VI, em que é muito mais avançado tecnologicamente do que nos cinco primeiros jogos da série. De forma geral, a tecnologia e a sociedade são semelhantes ao meio social de uma ficção científica industrial ou pós-industrial.[7] O mundo de Final Fantasy VII é chamado dentro de jogo de simplesmente "o Planeta", porém foi retroativamente nomeado Gaia e é formado por três massas continentais principais. O continente do leste é onde fica a cidade de Midgar, uma metrópole industrial que serve como capital e abriga a sede da Shinra Electric Power Company, uma poderosa empresa de energia que chega a operar como o verdadeiro governo do mundo.[8] Outros lugares no continente do leste incluem Junon, uma base militar da Shinra;[9] Fort Kondor, uma fortificação que esconde um reator Mako;[10] um rancho chocobo, onde diferentes tipos de animais podem ser criados;[11] e Kalm, um vilarejo perto de Midgar.[12]

O continente do oeste possui o Gold Saucer, um grande parque de diversões[13] com a Prisão Corel estando localizada bem abaixo;[14] a Costa Del Sol, um resort à beira mar;[15] Gongaga, um pequeno vilarejo que contém os restos de um reator Mako;[16] Nibelheim, a cidade natal de Cloud e Tifa;[17] e o Cosmo Canyon. As tribos que vivem nesta última estão em harmonia com a natureza e se dedicam ao bem estar de Gaia. Seu assentamento possui um observatório e serve como local de pesquisa para aqueles que desejam participar do "Estudo da Vida do Planeta", um estilo de vida que encoraja respeito pela natureza e ensina que o planeta possui uma energia própria.[18]

Em uma ilha perto do continente do oeste fica o vilarejo de Wutai.[19] O continente mais ao norte é coberto por glaciais e tem alguns assentamentos como Bone Village, um local de escavação para um suposto tesouro enterrado;[20] Icicle Inn, um resort de esqui;[21] a mítica Cidade dos Antigos, localizada no meio de um vale.[22]

Personagens[editar | editar código-fonte]

Ilustração de Tetsuya Nomura dos nove personagens jogáveis. Esquerda para direita: Red XIII, Cait Sith, Barret Wallace, Aerith Gainsborough, Cloud Strife, Cid Highwind, Tifa Lockhart, Yuffie Kisaragi e Vincent Valentine.

Final Fantasy VII possui nove personagens principais jogáveis: Cloud Strife, o protagonista e um mercenário antissocial que afirma ser um ex-membro da 1ª Classe da unidade SOLDIER da Shinra;[23] Barret Wallace, o líder do grupo terrorista anti-Shinra chamado AVALANCHE;[24] Tifa Lockhart, um artista marcial membro da AVALANCHE e amiga de infância de Cloud;[25] Aerith Gainsborough, uma vendedora de flores que está sendo perseguida por uma unidade de operações especiais da Shinra desde sua infância;[26] Red XIII, uma criatura semelhante a um leão que foi alvo de experimentos por parte dos cientistas da Shinra;[27] Cait Sith, um gato robótico adivinho que anda montado em um boneco moogle animado;[28] Cid Highwind, um piloto e mecânico que sonhava em ser o primeiro homem no espaço;[29] Yuffie Kisaragi, uma jovem ninja e ladra habilidosa;[30] e Vincent Valentine, um ex-membro da unidade Turks da Shinra que passou por experimentações trinta anos antes do início do jogo.[31] O principal antagonista da história é Sephiroth, um antigo membro da SOLDIER que reaparece vários anos depois de sua suposta morte.[32]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Cloud Strife, um mercenário, ajuda um grupo ecoterrorista conhecido como AVALANCHE a atacar um reator Mako dentro da cidade de Midgar, que é controlada por uma companhia chamada Shinra. Barret Wallace, o líder da equipe, acredita que a energia Mako que os reatores consomem é na verdade a força vital do planeta, e consequentemente os reatores a Shinra o estão destruindo. Tifa Lockhart, uma amiga de infância de Cloud, também faz parte do grupo. Apesar da missão ser bem sucedida, a AVALANCHE é emboscada no reator seguinte. Cloud acaba jogado nas favelas de Midgar depois da explosão do reator. Ele é encontrado por Aerith Gainsborough, uma garota vendedora de flores que ele havia conhecido anteriormente durante sua primeira missão com a AVALANCHE. A unidade de operações especiais Turks da Shinra chega para capturar Aerith, com Cloud concordando em atuar como seu guarda-costas e defendê-la do ataque. Enquanto isso a Shinra descobre a localização do esconderijo da AVALANCHE no Setor 7, subsequentemente destruindo-o ao derrubar o setor em cima da favela e matando sua população. Os Turks capturam Aerith, que revela-se ser a última dos Cetra, uma antiga tribo que era muito conectada ao planeta. O Presidente Shinra e o Professor Hojo acreditam que ela é a chave para encontrar a chamada Terra Prometida, um lugar mítico de fertilidade que eles veem como uma fonte abundante de Mako. Barret, Cloud e Tifa se infiltram na Shinra para resgatar Aerith, no processo encontrando espécimes simplesmente marcados como "Jenova". O grupo consegue alcançar Aerith com a ajuda de Red XIII, porém acabam capturados pelos Turks durante a fuga e são aprisionados dentro do edifício. Na manhã seguinte eles encontram suas celas abertas e maioria do pessoal da Shinra mortos: o autor de tudo parece ser Sephiroth, um lendário líder da SOLDIER que supostamente morreu décadas antes. O grupo também descobre que os espécimes Jevona desapareceram.[33]

Sephiroth matando Aerith.

Rufus Shinra, filho do presidente, assume o comando da companhia e o resto do grupo foge de Midgar para perseguir Sephiroth. Eles recebem a companhia de Cait Sith, Yuffie Kisaragi, Vincent Valentine e Cid Highwind. A equipe acaba encontrando Sephiroth em um templo Cetra e ele revela seu plano: se o planeta for danificado o suficiente a Corrente da Vida, feita a partir de Mako puro, irá se reunir em uma tentativa de curar a ferida. Sephiroth então planeja usar a lendária Matéria Negra para usar um feitiço chamado "Meteoro" e causar um ferimento enorme, permitindo sua fusão com a energia Mako e seu renascimento como um deus. O grupo consegue derrotar Sephiroth e adquirir a Matéria Negra. Aerith parte para derrotá-lo sozinha enquanto o resto da equipe se recupera do confronto. O grupo a persegue até uma cidade Cetra e a encontra rezando pela ajuda do planeta. Entretanto, Sephiroth aparece e a mata perfurando-a com sua espada. Cloud e os outros seguem para a Cratera do Norte, descobrindo durante a viagem que Jenova era uma criatura interestelar que caiu no planeta duzentos anos antes. Apesar da maioria dos humanos terem fugido, os Cetra conseguiram derrotar a criatura e enterrar seus restos. Algumas décadas antes do início dos eventos do jogo, os restos de Jenova foram encontrados pelo Professor Gast, um pesquisador da Shinra. Ele erroneamente achou que era um Cetra, tentando assim cloná-lo com a ajuda de Hojo. Gast abandonou o projeto mas Hojo conseguiu usar um filho ainda não nascido de uma assistente no experimento: Sephiroth. Cinco anos antes do presente Sephiroth encontrou em Nibelheim os espécimes do experimento de Hojo, descobrindo também sobre sua própria origem. Erroneamente achando que ele e Jenova eram Cetras, Sephiroth ficou insano e destruiu a cidade em um ato de vingança contra os humanos normais. Cloud e Tifa o confrontaram durante o massacre, com Sephiroth desaparecendo em seguida e sendo presumido como morto.[33]

O grupo encontra Sephiroth na Cratera do Norte e descobrem que ele é apenas um de vários clones Jenova criados por Hojo a partir de animais e humanos. Ele tem matado e absorvido os outros clones a fim de criar uma "reunião" das células de Jenova. Cloud acaba manipulado a entregar a Matéria Negra para uma quimera de Sephiroth, com todas essas aparições sendo o metamorfo Jenova empregando seu espectro para destruir o mundo. O ato mostra que Cloud também é um clone, uma evidência que Sephiroth usa para exibir memórias do massacre de Nibelheim em que um outro membro da SOLDIER aparece em seu lugar. Sephiroth então lança Meteoro instantaneamente, convocando os gigantes protetores do planeta, mas fazendo com que eles o ignorassem como a principal ameaça. O terremoto que se segue separa Cloud do resto da equipe e ele cai na Corrente da Vida. O resto do grupo e os Turks que os seguiram escapam de dirigível, com todos da AVALANCHE sendo presos. Os gigantes protetores se voltam contra a humanidade enquanto Meteoro se aproxima do planeta, com eles tentando devolver o máximo de Mako possível para a Corrente da Vida a fim de ajudar o planeta. A Shinra volta seus esforços para salvar as pessoas e tenta destruir Meteoro diretamente, algo que custa a vida da maioria do pessoal da companhia. Tifa, Barret e os outros são sentenciados a morte, porém conseguem escapar. Eles encontram Cloud catatônico em um hospital de um ilha e Tifa decide ficar com ele e ajudá-lo a se recuperar enquanto o resto da equipe continuam sua luta contra a Shinra. Os gigantes atacam e destroem a ilha, jogando Cloud e Tifa de volta para a Corrente da Vida. Lá, ela o ajuda a reconstruir suas memórias e descobrir a verdade sobre o passado.[33]

Descobre-se que Cloud nunca entrou para a SOLDIER e que a pessoa nas visões de Sephiroth era na verdade Zack Fair, amigo de Cloud e o primeiro amor de Aerith. Os dois amigos estavam presentes no massacre de Nibelheim, com Cloud tendo conseguido ferir Sephiroth gravemente, que sobreviveu graças às células de Jenova. Zack e Cloud acabaram seriamente feridos, mais tarde presos e usados por Hojo a fim de aprimorar seus experimentos. Os dois tentaram fugir, porém Zack acabou morto por soldados da Shinra. Cloud se recuperou, ficou com a espada do amigo e foi para Midgar; suas aspirações em se tornar um SOLDIER e a história de Zack se combinaram na sua cabeça através dos experimentos Jenova, criando uma falsa personalidade. Ele consegue se recuperar depois de perceber e aceitar seu passado. Cloud e Tifa saem da Corrente da Vida e se reúnem com o resto do grupo, descobrindo que Aerith estava tentando em seus últimos momentos usar o feitiço "Sagrado" para parar Meteoro. No final ela conseguiu conjurar o feitiço, porém Sephiroth estava desde então impedindo seu lançamento. A equipe primeiro decide cuida dos ataques dos gigantes, ao mesmo tempo confrontando Hojo, que revela ser o pai biológico de Sephiroth e que estava desde então alimentando seu filho com energia Mako. Ele entra em uma mutação com as células Jenova, porém é derrotado e morto. O grupo então parte para um ataque final contra Sephiroth, que acaba derrotado por Cloud após uma série de lutas. A equipe escapa da cratera de onde Sagrado é lançado, porém Meteoro já está perto demais para ser impedido sozinho. A Corrente da Vida acaba erguendo-se do planeta e ajuda Sagrado a destruir Meteoro. Quinhentos anos depois, Red XIII junto com dois filhotes olha para as ruínas de Midgar coberta por vegetação, mostrando que o planeta se recuperou.[33]

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Hironobu Sakaguchi, produtor de Final Fantasy VII.

Os planejamentos iniciais de Final Fantasy VII começaram em 1994, logo depois do lançamento de Final Fantasy VI. Na época, a intenção era fazer um jogo com gráficos bidimensionais para o Super Nintendo Entertainment System.[34] Hironobu Sakaguchi, criador da série Final Fantasy, originalmente planejou uma história para o jogo, porém esse primeiro roteiro era completamente diferente do produto final. Tetsuya Nomura, desenhista de personagens, disse que Sakaguchi "queria fazer algo parecido com uma história de detetive". A primeira parte envolvia um personagem "temperamental" chamado de Detetive Joe perseguindo os personagens principais após estes terem explodido a cidade de Midgar, com conceitos como a Corrente da Vida já estando presentes nessa primeira versão. A história mudou com a chegada de Nomura e dos roteiristas Yoshinori Kitase e Kazushige Nojima, com estes dois últimos introduzindo a Shinra e a AVALANCHE, além da história de Cloud Strife e sua relação com Sephiroth.[35] Masato Kato foi mais tarde também trazido para o projeto e contribuiu escrevendo três cenas para o jogo.[36]

Entretanto, vários membros da equipe também estavam trabalhando paralelamente em Chrono Trigger, com o desenvolvimento de Final Fantasy VII precisando ser interrompido quando esse projeto tornou-se grande o bastante para precisar da ajuda de Kitase e outros projetistas. Por causa disso, algumas ideias originalmente pensadas para Final Fantasy VII acabaram usadas no próprio Chrono Trigger. Outras ideias, como uma personagem feiticeira chamada Edea, não foram usadas até projetos posteriores como Final Fantasy VIII.[37]

O desenvolvimento recomeçou no final de 1995,[38] necessitando dos esforços de aproximadamente 120 artistas e programadores.[39] A equipe trabalhou tanto nos escritórios da SquareSoft no Japão quanto no novo escritório em Los Angeles, Estados Unidos, com este segundo grupo ficando encarregado principalmente dos cenários das cidades.[40] Final Fantasy VII foi o jogo eletrônico mais caro da história até então, com seu orçamento de desenvolvimento estando por volta de 45 milhões de dólares em valores da época.[41] Kitase estava preocupado que a franquia poderia ficar para trás caso não fizesse a transição para os gráficos tridimensionais que outros jogos estavam começando a usar,[42] assim os desenvolvedores decidiram criar um pequeno demo experimental produzido com as estações de trabalho SGI Onyx. O vídeo, chamado de Final Fantasy SGI, mostrava personagens de Final Fantasy VI lutando em tempo real contra um golem, todos modelados tridimensionalmente.[43]

O demo causou boa impressão na equipe e foi decidido usar a tecnologia tridimensional para Final Fantasy VII, com várias das mecânicas de projeto sendo integradas ao jogo. Devido a grande quantidade de dados e memória necessária, apenas o formato CD-ROM possuía a capacidade de receber o projeto.[38] [44] Entretanto, a Nintendo, para qual a Square havia desenvolvido todos os Final Fantasy anteriores, havia decidido continuar a usar cartuchos para o novo console Nintendo 64. Isso acabou criando uma disputa entre as duas empresas que acabou resultando na Square encerrando sua relação com a Nintendo. Foi depois anunciado em 12 de janeiro de 1996 que Final Fantasy VII seria lançado exclusivamente para o PlayStation da Sony.[44] Executivos da Square também explicaram que nem mesmo o Nintendo 64DD possuía capacidade de armazenamento suficiente, já que mais de trinta discos seriam necessários para guardar todos os dados do jogo.[40]

Desenho[editar | editar código-fonte]

Yoshinori Kitase, diretor e roteirista de Final Fantasy VII.

A transição para ambientes tridimensionais mostrou-se um desafio para a equipe, com personagens renderizados em tempo real precisando ser integrados em ambientes pré-renderizados. Para auxiliar nessa tarefa os desenvolvedores empregaram os softwares PowerAnimator e Softimage, os melhores do gênero disponíveis na época. A equipe alternadamente adotou cenários tridimensionais pré-renderizados e ambientes desenhados à mão pelos artistas do jogo, tudo com o objetivo de alcançar um produto final mais realista e detalhado do que os jogos anteriores da série; este processo de criação foi descrito posteriormente por Kitase como "uma tarefa muito difícil".[45]

Pela primeira vez desde o Final Fantasy original, Sakaguchi deu prioridade aos sistemas de jogabilidade sobre a história devido a inexperiência da equipe com os gráficos tridimensionais.[46] Segundo Kitase, "a partir do momento que foi tomada a decisão de usar o CD, [Sakaguchi] estabeleceu um procedimento para a equipe: 'se o jogador ficar ciente do tempo que está jogando, teremos fracassado'". Dessa forma os desenvolvedores concentraram-se em criar um mundo de jogo envolvente: além da quase onipresença da música, vários eventos foram programados para atrair a atenção dos jogadores e distraí-los enquanto outros dados estavam sendo carregados.[45] A grande capacidade de armazenamento do CD-ROM permitiu a inclusão de mais de quarenta minutos de full motion video, criando uma dificuldade a mais de garantir que a inferioridade clara da qualidade dos gráficos de jogo não fosse tão óbvia quando comparados às animações.[38]

Yoshitaka Amano, o desenhista de personagens desde o primeiro título da franquia, saiu de sua posição habitual porque o estilo de suas ilustrações não foi considerado muito compatível e adaptável com o novo formato tridimensional do jogo. Nomura acabou assumindo a posição de desenhista de personagens chefe, com Amano ficando responsável foi projetar o mapa do mundo e desenhar o logotipo.[47] O primeiro personagem que Nomura criou foi Cloud, com a aparência dele mudando no decorrer da produção: no desenho original ele tinha um cabelo negro, liso e penteado para trás que tinha a intenção de servir como contraste aos cabelos longos e prateados de Sephiroth. Porém, ele temeu que o personagem não era muito heróico e assim mudou a aparência para a versão final em que o cabelo é loiro e pontudo. Em seguida Nomura cuidou de Barret Wallace e Aerith Gainsborough.[3]

Kitase e Sakaguchi acharam que o elenco ainda era muito pequeno, então Nomura adicionou vários outros personagens. Tifa Lockhart tinha a intenção de ser um contraponto claro à Aerith, com Nomura passando muito tempo trabalhando nas cores de sua roupa e no comprimento de sua saia. Vincent Valentine mudou de pesquisador para detetive e depois químico até chegar na figura de um ex-Turk com um passado trágico. Red XIII foi criado com tatuagens no estilo nativo-americano e depois ganhou uma cauda em chamas para maior personalidade. Cid Highwind manteve a tradição da série de sempre ter um personagem com o nome Cid, enquanto Yuffie Kisaragi e Cait Sith foram criados para adicionar um "fator fofo". Nomura também redesenhou os chocobos e assumiu as animações das convocações e Limit Breaks.[3]

História[editar | editar código-fonte]

O diretor de arte Yusuke Naora descreveu a atmosfera do jogo como "sombria e estranha",[48] que foi alcançada graças aos novos efeitos gráficos que possibilitavam "evocar uma luz saindo das trevas".[49] Segundo os desenvolvedores, a história de Final Fantasy VII tinha a intenção de ser mais realista e era inspirada em diversas lendas e conceitos religiosos e filosóficos, "[utilizada] como uma estrutura para aspirações éticas nobres e preocupações ecológicas".[45] Esses conceitos também foram levados em conta na criação de nomes de personagens e lugares, como por exemplo Sephiroth e Midgar.[50] Em especial foi a personificação do planeta como Gaia, em referência direta à hipótese de Gaia, através da Corrente da Vida (consciência) e Mako (energia). Nomes e conceitos também fazem várias referências ao cristianismo, mitologia nórdica e xintoísmo.[51]

Desde os estágios iniciais de produção o roteiro previa a morte de um dos personagens principais. Para Nomura não poderia ser Cloud por causa de se papel como protagonista, assim como Barret que poderia parecer muito clichê para a série Final Fantasy e para a ficção em geral. Ele também expressou suas críticas quanto a frequente apresentação da morte de um personagem apenas para que os roteiristas posteriormente voltassem atrás e o trouxessem de volta, que se enquadrava em uma visão romântica do sacrifício e ressurreição. Foi decidido que seria Aerith a personagem a morrer e que sua morte seria irrevogável, assumindo que os jogadores não esperariam tal virada e ficariam surpresos pela forma cruel e irreversível do acontecimento,[42] algo que daria continuidade à atmosfera séria do jogo. Isso também permitiu que os desenvolvedores dessem mais espaço para Tifa como a principal heroína feminina.[47]

Os membros da equipe tinham o desejo de deixar em aberto alguns aspectos da história a fim que os jogadores tirassem suas próprias interpretações sobre seu significado.[52] Nojima também afirmou que desejava que os jogadores se sentissem encorajados a especular sobre os pensamentos pessoais de Cloud durante certos momentos da história, ao invés de fornecer indicações claras.[45] Por exemplo, o epílogo, em que Red XIII olha para as ruínas de Midgar cobertas pela vegetação, tinha intenção de deixar ambíguo o destino da humanidade já que não há vestígios de atividade ou presença humana.[53] Anos depois do lançamento do jogo, Kitase comentou que a última cena poderia significar que a humanidade foi extinta,[42] porém Nomura afirma que o epílogo simboliza que o homem encontrou um modo de viver em harmonia com a natureza.[45]

Música[editar | editar código-fonte]

Nobuo Uematsu, compositor da música de Final Fantasy VII.

A trilha sonora de Final Fantasy VII foi composta por Nobuo Uematsu, que também havia cuidado da música de todos os jogos anteriores da série. Uematsu compôs a trilha inteira em menos de um ano, ao contrário de Final Fantasy VI que demorou praticamente dois anos para ser finalizada. Apesar da transição para o CD-ROM ter permitido a criação de músicas com maior qualidade, o compositor decidiu usar sons gerados através de MIDI.[54] Essa escolha foi creditada como tendo dado "um sentimento e humor bem distinto" à trilha, formando assim uma forte associação dos ouvintes entre a música e o jogo.[55] Uematsu posteriormente afirmou que a transição para a "era PlayStation" causou "definitivamente a maior mudança" na música dos jogos eletrônicos, já que os compositores podiam usar sons criados em estúdio ao invés de sintetizadores.[56] A primeira peça composta foi o tema de abertura; Kitase havia mostrado a Uematsu a cena inicial e pediu para que este começasse a partir desse ponto. A faixa foi bem recebida dentro da Square, algo que fez o compositor sentir que "este seria um projeto muito bom".[57] Uematsu mais tarde comentou que a trilha sonora de Final Fantasy VII foi sua "melhor colheita" até aquele momento.[58]

Final Fantasy VII foi o primeiro jogo da franquia a ter uma faixa com vocais digitalizados, "One-Winged Angel" (片翼の天使, Katayoku no Tenshi?). Muitos críticos e fãs já afirmaram que esta é a "contribuição mais reconhecível" de Uematsu para a série Final Fantasy,[57] apesar do compositor nunca ter esperado que ela ganhasse tanta popularidade.[59] A peça já foi descrita como "uma fanfarra para desgraça iminente" e que ela não "segue nenhuma regra normal do gênero", sendo "possivelmente a ideia mais inovadora da história musical da série".[54] A letra de "One-Winged Angel", um coral em latim que toca durante a última batalha do jogo, foi tirada do mesmo poema medieval que Carl Orff se baseou para criar Carmina Burana, especialmente "Estuans Interius", "O Fortuna", "Veni, Veni, Venias" e "Ave Formosissima".[60] Uematsu afirmou que o começo da faixa é baseado na canção "Purple Haze" de Jimi Hendrix e que a peça gira ao redor da imagem de Sephiroth,[59] com o compositor dizendo que considera a música uma "peça de rock" apesar do coral e da orquestra.[57] Ele também afirmou que "One-Winged Angel" é sua música favorita da trilha[61] e seu tema de batalha favorito de todos os jogos Final Fantasy em que trabalhou.[62] Havia planos para utilizar uma "vocalista famosa" para uma canção tema colocada no final do jogo, porém a ideia foi abandonada por questões de tempo e temores sobre a coesão temática.[57] O compositor disse que a trilha tinha um sentimento "realista", o que o impediu de usar "músicas exorbitantes e malucas".[63]

A trilha sonora cobre uma variedade de gêneros musicais, incluindo rock, techno, orquestral e coral,[54] apesar da trilha como um todo ser principalmente orquestral.[55] Muitas das faixas tinham a intenção de servir como músicas de fundo, porém várias delas também carregam grandes pesos emocionais como "Aerith's Theme" (エアリスのテーマ, Earisu no Tēma?), que toca durante a cena de sua morte[64] e é considerada como uma das peças mais memoráveis da trilha. Outro tema notável é "Main Theme of Final Fantasy VII" (F.F.VIIメインテーマ, F. F. VII Mein Tēma?), cuja melodia é reutilizada em várias faixas da trilha.[54]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Final Fantasy VII wordmark.svg

Devido à dimensão do projeto e o grande número de novas técnicas empregadas, além de ter sido apenas o segundo jogo da Square produzido para o PlayStation, Final Fantasy VII foi originalmente agendado para ser lançado no Japão em dezembro de 1996. Entretanto, o data foi adiada para 31 de janeiro do ano seguinte, depois do período de férias da companhia, que geralmente era muito benéfico na indústria de jogos eletrônicos.[2] Um disco de demonstração chamado Square's Preview foi lançado no início de agosto de 1996 como um bônus do jogo Tobal No. 1. O disco continha o primeiro demo jogável de Final Fantasy VII e prévias de outros jogos como Bushido Blade e SaGa Frontier. O demo permitia que os jogadores jogassem pelo início da seção de Midgar, porém com diferenças notáveis, como por exemplo Aerith estar presente no grupo desde o início e a impossibilidade de usar as Convocações, que nessa altura ainda não haviam sido implementadas.[65]

A Sony Computer Entertainment cuidou do lançamento tanto na América do Norte quanto na Europa, sendo também a primeira vez que um jogo Final Fantasy foi lançado neste último território.[39] O lançamento na América do Norte foi precedido por uma enorme campanha de divulgação que durou três meses, consistindo em três comerciais de televisão de trinta segundos de duração transmitidos nas principais emissoras, uma trailer teatral de um minuto, uma promoção especial junto com a Pepsi e anúncios publicados em grandes revistas como a Rolling Stone, Details, Spin e Playboy, também em quadrinhos da Marvel Comics e DC Comics.[66] Várias adições de jogabilidade e história foram feitas para a versão norte-americana, como por exemplo uma troca mais fácil de Matéria, setas que indicavam saídas nas telas de campo[2] e uma cutscene extra, o que fez com que o jogo fosse depois relançado no Japão com o nome de Final Fantasy VII International.[67]

Uma conversão para Microsoft Windows foi lançada em 1998, publicada pela Eidos Interactive.[68] Essa versão possuía gráficos melhorados e correções na tradução, escrita e problemas de jogabilidade. Entretanto, a qualidade do áudio foi diminuída por causa do uso do formato MIDI e havia erros em alguns dos full motion videos quando rodados em certos chipsets gráficos.[69] Esses erros ocorreram principalmente devido a problemas inerentes à arquitetura dos PCs, e pelo fato de Final Fantasy VII originalmente não ter sido pensado para rodar em outras plataformas além do PlayStation. Além disso, a equipe encarregada da conversão era completamente diferente daquela que havia desenvolvido o jogo, com muitos dos recursos não estando disponíveis.[70]

Além do lançamento original para PlayStation e Microsoft Windows, Final Fantasy VII foi disponibilizado na PlayStation Network em 2009. A versão lançada no Japão era a International.[71] O lançamento foi baixado mais de cem mil vezes apenas durante as duas primeira semanas, tornando-se o jogo mais rapidamente vendido do PlayStation dentro da PlayStation Network.[72] Uma versão melhorada para a alta definição, junto com troféus integrados, foi lançada em 5 de dezembro de 2015 para o PlayStation 4.[73] Ela é baseada na versão melhorada de Microsoft Windows originalmente lançada em 2013 na Steam.[74]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Vendas[editar | editar código-fonte]

Final Fantasy VII quebrou vários recordes de vendas. Ele já havia vendido 2,3 milhões de unidades apenas três dias após seu lançamento japonês.[3] Tamanha popularidade fez com que muitos revendedores norte-americanos disponibilizassem o jogo antes de seu lançamento agendado em 7 de setembro a fim de suprir a grande demanda.[75] Sua estreia nos Estados Unidos aconteceu com 330 mil cópias vendidas,[76] com esse número chegando a quinhentas mil unidades em menos de três semanas.[77] Os grandes números estabelecidos em sua primeira semana continuaram pelos meses seguintes, com a Sony anunciando em dezembro de 1997 que o título já havia vendido um milhão de cópias na América do Norte. Esses números fizeram com que o analista de negócios Edward Williams da firma Monness, Crespi, Hardt & Co. comentasse que "A Sony redefiniu a categoria do jogo de RPG e expandiu o público convencional com o lançamento de Final Fantasy VII".[78]

O jogo já havia vendido 9,8 milhões de cópias mundialmente até 25 de dezembro de 2005,[79] tornando-se o título Final Fantasy mais vendido da história.[80] Apenas o relançamento japonês da versão internacional vendeu 158 mil cópias até o final de 2006.[81] Final Fantasy VII foi creditado como "o jogo que vendeu o PlayStation", além de ter sido o RPG que abriu o mercado de jogos desse gênero fora do Japão. Até maio de 2010, mais de dez milhões de unidades já haviam sido vendidas.[82] A versão para Microsoft Windows vendida através da Steam vendeu até 2015 pouco menos de um milhão de cópias,[83] com o número total de vendas já alcançado onze milhões.[84]

Crítica[editar | editar código-fonte]

 
Resenha crítica
Publicação Nota
1UP.com PS: A+[85]
Computer Gaming World PC: 4 de 5 estrelas.[86]
Computer and Video Games PS: 5 de 5 estrelas.[87]
PC: 9/10[88]
Edge PS: 9/10[89]
Electronic Gaming Monthly PC: 38/40[90]
Famitsu PS: 38/40[91]
Game Informer PS: 9,75/10[92]
GamePro PS: 5 de 5 estrelas.[93]
PC: 4.5 de 5 estrelas.[69]
GameSpot PS: 9,5/10[2]
PC: 8/10[94]
IGN PS: 9,5/10[5]
PC: 8,2/10[95]
Official U.S.
PlayStation Magazine
PS: 5 de 5 estrelas.[96]
PC Gamer PC: 90%[97]
PlayStation Magazine PS: 5 de 5 estrelas.[98]
Computer Games
Strategy Plus
PC: 4 de 5 estrelas.[99]
RPGamer 10/10[100]
8/10[101]
Pontuação global
Publicação Nota média
GameRankings PS: 92,35%[102]
PC: 86,3%[103]
Metacritic PS: 92/100[104]

Final Fantasy VII foi aclamado pela crítica especializada ao ser lançado. A revista GameFan o chamou de "muito possivelmente, o melhor jogo já feito".[105] Greg Kasavin da GameSpot comentou que "nunca antes a tecnologia, jogabilidade e narrativa combinaram tão bem quanto em Final Fantasy VII", expressando elogios especiais para os gráficos, áudio e história.[2] Jay Boor da IGN afirmou que os gráficos estavam "anos-luz além de qualquer coisa vista no PlayStation", também considerando seu sistema de batalha como o ponto mais forte do jogo.[5] A revista Computer and Video Games elogiou a história, dizendo que "muitos personagens que vem e vão pela história são bem desenvolvidos, e os jogadores sentem os autos e baixos dos protagonistas como se estivessem em um filme", complementando que "a estrutura da história é tal que, bem quando você pensa que já viu de tudo, algo ainda mais incrível aparece e te derruba totalmente".[88] A revista Edge salientou que "há muito 'filme interativo' tem sido um termo sujo para qualquer um que valoriza um jogo eletrônico, porém FFVII é bem sucedido ao se aproximar mais disso do que qualquer outro título", em que a "história melodramática e altamente complexa é excelentemente orquestrada por uma música chip", combinando "para fazer os jogadores sentirem verdadeira empatia com os personagens", uma "tarefa geralmente evitada por aventuras gráficas ocidentais orientadas para a ação/comédia".[106] A RPGamer elogiou a trilha sonora, tanto em variedade como em volume, dizendo que "Uematsu fez seu trabalho excepcionalmente bem [...] sendo talvez seu melhor".[101] O painel de quatro avaliadores da Electronic Gaming Monthly deram duas notas de 9,5 e duas de 10, fazendo para um total de 38/40.[90]

A conversão para PC também foi elogiada, porém criticada pela qualidade baixa do áudio e dos cenários pré-renderizados, por problemas de contagem de quadros e de instalação.[86] [97] [107] Steve Bauman da revista Computer Games Magazine afirmou que "[nenhum] outro jogo recentemente" teve tal "tendência a falhar em funcionar em qualquer capacidade em vários [computadores]".[99] Thierry Nguyen da Computer Gaming World reclamou que a "música, apesar de lindamente composta, é esquartejada por ser dependente da sua placa de som",[86] enquanto a Next Generation achou que os fundos pré-renderizados eram significantemente menos impressionantes do que aqueles na versão para PlayStation. Porém, esta última achou que as batalhas em maior resolução eram "absolutamente incríveis",[107] com Bauman escrevendo que elas "[mostram] o poder de [um] PC equipado com uma placa 3D".[99] As três publicações concluíram suas resenhas elogiando o jogo apesar de suas falhas.[86] [99] [107] Michael Wolf da PC Gamer resumiu que, apesar da "Square aparentemente ter feito apenas o que era necessário para levar este jogo do PlayStation a funcionar no Windows", Final Fantasy VII "mesmo assim é uma vitória no PC".[97]

Apesar de todos os elogios, Final Fantasy VII também recebeu críticas negativas. O anúncio original de que o jogo seria produzido para a Sony ao invés da Nintendo inicialmente causou descontentamento entre alguns jogadores.[43] [44] A Official U.S. PlayStation Magazine (OPM) e a GameSpot questionaram a progressão linear do título.[2] [96] A OPM também considerou que a tradução para o inglês foi "um pouco lamacenta" e que as animações das convocações eram repetitivas.[96] A RPGamer comentou que a tradução estava "cheia de erros de digitação e outros que obscureciam ainda mais um enredo que já é bem confuso".[101] Peter Olafson da GamePro considerou a tradução para o inglês como uma das maiores fraquezas do título,[69] enquanto Boor considerou que a limitação de apenas três personagens jogáveis por vez era "o único ponto fraco do jogo".[5]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Final Fantasy VII venceu vários prêmios de "Melhores do Ano" em 1997. Ele venceu o primeiro prêmio da Academy of Interactive Arts & Sciences nas categorias de "Jogo de Aventura para Console" e "RPG de Console", sendo também indicado nas categorias de "Título Interativo", "Realização em Arte/Gráficos" e "Realização em Projeto Interativo".[108] No Origins Award, ele venceu em "Melhor RPG de Computador de 1997".[109] Pelos prêmios da Electronic Gaming Monthly, Final Fantasy VII venceu em "Jogo do Ano em Todas as Plataformas", "Jogo PlayStation do Ano" e "RPG do Ano".[110]

Desde 1997, Final Fantasy VII já foi escolhido por diversas publicações como um dos melhores jogos eletrônicos da história. Em 2001 ele ficou na 91ª posição na lista da Electronic Gaming Monthly dos 100 melhores jogos,[111] enquanto alcançou a quarta posição na lista da Retro Gamer em 2004.[112] Em 2005 ele apareceu tanto na lista da IGN quanto da PALGN, respectivamente na 88ª e terceira posições.[113] [114] No ano seguinte, Final Fantasy VII foi incluído nas listas da GameSpot[64] e na da Empire, ficando na segunda posição desta última entre os cem maiores jogos.[115] A GameSpot em 2007 o colocou na segunda posição dos jogos mais influentes de todos os tempos,[116] enquanto ele ficou na 14ª posição tanto na lista de mais importantes quanto na de mais inovadores compilada pela GamePro.[117] [118]

O título também já apareceu em outras listas. Ele foi premiado em 2007 pela revista Dengeki PlayStation como o jogo de "Melhor História", "Melhor RPG" e "Melhor Jogo Geral" do PlayStation original.[119] A GamePro o nomeou em 2008 como o melhor RPG de todos os tempos.[120] Ele ficou na sexta posição em 2012 na lista da GamesRadar dos jogos mais tristes.[121] Por outro lado, a GameSpy colocou Final Fantasy VII em 2003 na sétima posição dos jogos mais supervalorizados,[122] enquanto Jim Sterling da Destructoid escreveu um artigo em 2011 defendendo o ponto do "por que Final Fantasy VII não é supervalorizado".[123]

Legado[editar | editar código-fonte]

Compilação[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Compilation of Final Fantasy VII

A Compilation of Final Fantasy VII é o título formal de uma série de jogos, filmes e contos baseados ao redor do mundo de Final Fantasy VII. Ela consiste em diversos títulos em várias plataformas, todos sendo extensões da história original.[124] O primeiro lançamento de Compilation foi o jogo para celulares Before Crisis: Final Fantasy VII, que se foca nas atividades dos Turks seis anos antes do jogo original, incluindo seu primeiro encontro com a AVALANCHE.[125] O segundo lançamento foi o filme de animação em computação gráfica Final Fantasy VII: Advent Children, que se passa dois anos depois do jogo, tendo também sido o primeiro título anunciado da série. As edições especiais em DVD vinham com o OVA Last Order: Final Fantasy VII, que recontava a destruição de Nibelheim.[126] Dirge of Cerberus: Final Fantasy VII foi um jogo de tiro em terceira pessoa que se passa três anos depois dos eventos de Final Fantasy VII e se focam em Vincent Valentine, entrando em detalhes sobre sua história.[127] O último lançamento da Compilation foi a prequela Crisis Core: Final Fantasy VII, que gira em torno do passado de Zack Fair.[128] Também incluídos na série está On the Way to a Smile, uma coleção de sete contos escritos por Kazushige Nojima que se passam entre o final do jogo original e o início de Advent Children.[129]

Remake[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Final Fantasy VII Remake

Desde o anúncio do desenvolvimento da Compilation of Final Fantasy VII, surgiram vários rumores e especulações sobre uma recriação do Final Fantasy VII original. Entretanto, membros da Square Enix sempre afirmaram que nenhuma recriação estava sendo desenvolvida.[130] [131] [132] Apesar das demandas e rumores contínuos, a equipe principal e executivos da empresa deram vários motivos do por que o jogo não estava em desenvolvimento: elas incluíam querer produzir um título contemporâneo para alcançar as vendas e popularidade de VII, o desejo de se concentrar em jogos novos, a necessidade de deletar partes do original para que o projeto pudesse ser gerenciável, a dificuldade do desenvolvimento em consoles como o PlayStation 3 e o tempo de desenvolvimento necessário ser muito longo.[133] [134] [135] [136] [137]

Final Fantasy VII Remake foi finalmente revelado durante a conferência de imprensa da Sony na Electronic Entertainment Expo de 2015, com Nomura assumindo a posição de diretor e desenhista de personagens, Kitase passando para o posto de produtor e Nojima retornando como roteirista, com o jogo inicialmente estando destinado para plataforma PlayStation 4.[138] A produção havia começado pouco antes de dezembro de 2014, com a Square Enix anunciando que a decisão fora tomada para impulsionar as vendas do console no Japão e porque membros importantes da equipe original estariam envolvidos.[139] Nomura afirmou que o jogo não seria uma "simples recriação" e que Nojima estava trabalhando em novos conteúdos para a história.[140]

Referências

  1. a b SquareSoft (1997). Final Fantasy VII North American instruction manual Sony Computer Entertainment [S.l.] p. 15, 44–46. 
  2. a b c d e f Kasavin, Greg (29 de setembro de 1997). «Final Fantasy VII Review». GameSpot. Consultado em 13 de março de 2016. 
  3. a b c d e f McLaughlin, Rus (30 de abril de 2008). «IGN Presents: The History of Final Fantasy VII». IGN. Consultado em 13 de março de 2016. 
  4. SquareSoft (1997). Final Fantasy VII North American instruction manual Sony Computer Entertainment [S.l.] p. 20–25. 
  5. a b c d Boor, Jay (3 de setembro de 1997). «Final Fantasy VII Review». IGN. Consultado em 14 de março de 2016. 
  6. SquareSoft (1997). Final Fantasy VII North American instruction manual Sony Computer Entertainment [S.l.] p. 35. 
  7. (agosto de 2001) "". Official U.S. PlayStation Magazine (47) p. 16. Ziff Davis.
  8. «Shinra Electric Power Company». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  9. «Junon Harbor». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  10. «Fort Kondor». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  11. «Chocobo Ranch». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  12. «Kalm». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  13. «Gold Saucer». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  14. «Corel Prison». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  15. «Costa Del Sol». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  16. «Gongaga Village». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  17. «Nibelheim». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  18. Final Fantasy VII Ultimania Omega (Tóquio: Square Enix). 2005. p. 217. ISBN 4-7575-1520-0. 
  19. «Wutai». Consultado em 14 de março de 2016. 
  20. «Bone Village». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  21. «Icicle Inn». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  22. «City of the Ancients». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  23. «Cloud Strife». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  24. «Barret Wallace». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  25. «Tifa Lockhart». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  26. «Aerith Gainsborough». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  27. «Red XIII». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  28. «Cait Sith». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  29. «Cid Highwind». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  30. «Yuffie Kisaragi». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  31. «Vincent Valentine». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  32. «Sephiroth». Giant Bomb. Consultado em 14 de março de 2016. 
  33. a b c d Cheshire, Sophie (9 de agosto de 2003). «Final Fantasy VII - Plot Analysis». IGN. Consultado em 15 de março de 2016. 
  34. (maio de 2008) "Yoshinori Kitase interview". Level (25). Reset Media.
  35. «FFVII Not Being Remade -- Nomura». IGN. 4 de junho de 2007. Consultado em 17 de março de 2016. 
  36. Mitsuda, Yasunori (novembro de 1999). «My Friends: Masato Kato». Our Millennial Fair. Arquivado desde o original em 27 de janeiro de 2011. Consultado em 17 de março de 2016. 
  37. Bjarneby, Tobias. (abril de 2006). "De missanpassade". Level (1): 38–46. Reset Media.
  38. a b c «The Making Of: Final Fantasy VII». Edge. 9 de junho de 2009. Arquivado desde o original em 9 de maio de 2012. Consultado em 17 de março de 2016. 
  39. a b Vestal, Andrew. «The History of Final Fantasy: Final Fantasy VII». GameSpot. Arquivado desde o original em 4 de maio de 2003. Consultado em 17 de março de 2016. 
  40. a b (maio de 1996) "Exclusive Preview! Final Fantasy VII". Electronic Gaming Monthly (82): 78–79. Ziff Davis.
  41. Maragos, Nick. «The Essential 50 Part 38: Final Fantasy VII». 1UP.com. Consultado em 17 de março de 2016. 
  42. a b c (outubro de 2005) "". Electronic Gaming Monthly (196): 104–106. Ziff Davis.
  43. a b «Final Fantasy SGI Demo». RPGamer. Consultado em 17 de março de 2016. 
  44. a b c Sutherland, Kenny (2003). «Elusions: Final Fantasy 64». Lost Levels. Consultado em 17 de março de 2016. 
  45. a b c d e Watanabe, Yukari (2006). Final Fantasy VII Advent Children – Reunion Files (Tóquio: SoftBank). p. 105. ISBN 4-7973-3498-3. 
  46. Iwata, Satoru. «Iwata Asks: 1. ´A NES Game with the Latest Technology´». Nintendo. Consultado em 17 de março de 2016. 
  47. a b Knight, Sheila (13 de outubro de 2010). «Tetsuya Nomura's 20s». Flare Gamer. Consultado em 18 de março de 2016. 
  48. Coxon, Sachi. «Interview with Yoshinori Kitase, Tetsuya Nomura e Yusuke Naora». PlayStation Japan. Consultado em 18 de março de 2016. 
  49. «Final Fantasy VIII Kitase, Nojima, Naora and Nomura Interview». Final Fantasy Shrine. Consultado em 18 de março de 2016. 
  50. (1997) "Final Fantasy VII Kaitai Shinsho". Famitsu p. 26.
  51. Ong, Alicia (22 de março de 2001). «The Religions Behind Final Fantasy» (PDF). Arquivado desde o original (PDF) em 2007. Consultado em 18 de março de 2016. 
  52. Knight, Sheila (10 de outubro de 2005). «The Second Coming». Flare Gamer. Consultado em 18 de março de 2016. 
  53. Alley, Jake. «Final Fantasy VII - Review». RPGamer. Consultado em 18 de março de 2016. 
  54. a b c d Schweitzer, Ben; Gann, Patrick (17 de junho de 2006). «Final Fantasy VII OST». RPGFan. Consultado em 18 de março de 2016. 
  55. a b Scherzo, Philip. «Final Fantasy VII Original Soundtrack». Square Enix Music Online. Consultado em 18 de março de 2016. 
  56. «Interview With A Black Mage». Eurogamer. 25 de fevereiro de 2005. Consultado em 18 de março de 2016. 
  57. a b c d Mielke, James (15 de fevereiro de 2008). «A Day in the Life of Final Fantasy's Nobuo Uematsu». 1UP.com. Consultado em 18 de março de 2016. 
  58. Uematsu, Nobuo (1997). Final Fantasy VII Original Soundtrack liner notes. DigiCube. SSCX-10004.
  59. a b North, Dale (17 de abril de 2009). «Destructoid interview: Final Fantasy composer Nobuo Uematsu». Destructoid. Consultado em 18 de março de 2016. 
  60. Ashmore, Patrick. «One Winged Angel Translation and Background». RPGamer. Arquivado desde o original em 28 de setembro de 2012. Consultado em 18 de março de 2016. 
  61. Bramwell, Tom; Fahey, Rob (25 de fevereiro de 2005). «Focus On: Final Fantasy composer Nobuo Uematsu». GameIndustry.biz. Consultado em 18 de março de 2016. 
  62. Bramwell, Tom (8 de dezembro de 2004). «Final Fantasy VII: Advent Children». Eurogamer. Consultado em 18 de março de 2016. 
  63. Coxon, Sachi (8 de julho de 2000). «Nobuo Uematsu Interview». RPGamer. Consultado em 18 de março de 2016. 
  64. a b Gouskos, Carrie. «The Greatest Games of All Time – Lucky Seven: Final Fantasy VII». GameSpot. Arquivado desde o original em 20 de março de 2013. Consultado em 18 de março de 2016. 
  65. SquareSoft (6 de agosto de 1996). Square's Preview Extra. PlayStation.
  66. «PlayStation's Final Fantasy VII Marketing Blitz Continues; Consumers Gain First Glimpse of the Most Anticipated Videogame of 1997 Through Massive Advertising Campaign». The Free Library. Business Wire. 27 de agosto de 1997. Consultado em 18 de março de 2016. 
  67. «Final Fantasy VII - International Version». RPGamer. Consultado em 18 de março de 2016. 
  68. «Eidos and SquareSoft Announce the Release of Final Fantasy VII for the PC; Epic Summer Blockbuster Sets a New Standard for Role-Playing Games on the PC». Business Wire. 25 de junho de 1998. Consultado em 19 de março de 2016. 
  69. a b c Olafson, Peter (24 de novembro de 2000). «Review: Final Fantasy VII». GamePro. Arquivado desde o original em 23 de outubro de 2008. Consultado em 19 de março de 2016. 
  70. Walker, Joshua. «Why The FF7PC Port Sucked». Q-Gears. Consultado em 19 de março de 2016. 
  71. «ファイナルファンタジーVII インターナショナル». PlayStation. Sony. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  72. Burt, Andy (23 de junho de 2009). «Final Fantasy VII downloaded 100,000 times in two weeks». GamePro. Arquivado desde o original em 28 de junho de 2009. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  73. Seto, Dan (5 de dezembro de 2015). «Final Fantasy VII Remake Details, Original Launches Today on PS4». PlayStation Blog. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  74. McWhertor, Michael (6 de dezembro de 2014). «Final Fantasy 7 is coming to PlayStation 4 next year». Polygon. Consultado em 12 de maio de 2016. 
  75. «Retailers Nationwide Break Official Release Date of PlayStation's "Final Fantasy VII" Videogame». Business Wire. 4 de setembro de 1997. Arquivado desde o original em 2007. 
  76. «PlayStation's "Final Fantasy VII" Breaks Industry Records in Debut Weekend». Business Wire. 9 de setembro de 1997. Arquivado desde o original em 2007. Consultado em 19 de março de 2016. 
  77. «PlayStation's Final Fantasy VII Has Sold More Than Half a Million Copies to Date». Business Wire. 25 de setembro de 1997. Arquivado desde o original em 2007. Consultado em 19 de março de 2016. 
  78. «Final Fantasy VII For PlayStation Hits Million-Unit Mark». Business Wire. 4 de dezembro de 1997. Arquivado desde o original em 2007. Consultado em 19 de março de 2016. 
  79. «The ultimate mystery from FINAL FANTASY VII will finally be revealed here. The fourth installment of the COMPILATION of FINAL FANTASY VII explodes onto the PSP™!». Square Enix. 2006. Arquivado desde o original em 1 de agosto de 2008. Consultado em 19 de março de 2016. 
  80. McCarthy, Dave (28 de abril de 2008). «Crisis Core: Final Fantasy VII UK Interview». IGN. Consultado em 19 de março de 2016. 
  81. «2006年テレビゲームソフト売り上げTOP500(ファミ通版)». Geimin.net. 2007. Consultado em 19 de março de 2016. 
  82. Webster, Andrew (7 de maio de 2010). «Masterpiece: Final Fantasy VII». Ars Technica. Consultado em 19 de março de 2016. 
  83. «FINAL FANTASY VII». Steam Spy. Consultado em 19 de março de 2016. 
  84. «FINAL FANTASY VII». iTunes. Consultado em 19 de março de 2016. 
  85. «Final Fantasy VII Review». 1UP.com. 1 de janeiro de 2000. Consultado em 19 de março de 2016. 
  86. a b c d Nguyen, Thierry (25 de setembro de 1998). «Final Fantasy VII». Computer Gaming World. Arquivado desde o original em 1 de outubro de 2000. Consultado em 19 de março de 2016. 
  87. (novembro de 1997) "Final Fantasy VII". Computer and Video Games (192) p. 55.
  88. a b «Final Fantasy VII Review». Computer and Video Games. 14 de novembro de 2001. Arquivado desde o original em 29 de novembro de 2014. Consultado em 19 de março de 2016. 
  89. «SquareSoft». Edge. Arquivado desde o original em 13 de julho de 2011. Consultado em 19 de março de 2016. 
  90. a b (1998) "Video Game Buyer's Guide". Electronic Gaming Monthly p. 72.
  91. «Final Fantasy». Famitsu Scores Archive. Arquivado desde o original em 14 de julho de 2008. Consultado em 19 de março de 2016. 
  92. (setembro de 1997) "Final Fantasy VII". Game Informer (53): 10–11.
  93. (outubro de 1997) "Final Fantasy VII". Official U.S. PlayStation Magazine (109): 46–47.
  94. Dulin, Ron (7 de julho de 1998). «Final Fantasy VII Review». GameSpot. Consultado em 19 de março de 2016. 
  95. «Final Fantasy VII». IGN. 12 de agosto de 1998. Consultado em 19 de março de 2016. 
  96. a b c Kennedy, Sam; Steinman, Gary. (agosto de 2001). "Final Fantasy VII". Official U.S. PlayStation Magazine (47) p. 98.
  97. a b c Wolf, Michael (setembro de 1998). «Final Fantasy VII». PC Gamer. Arquivado desde o original em 29 de fevereiro de 2000. Consultado em 19 de março de 2016. 
  98. Frost, Stephen. (setembro de 1997). "Final Fantasy VII". PlayStation Magazine (1) p. 18.
  99. a b c d Bauman, Steve (27 de julho de 1998). «Final Fantasy VII». Computer Games Strategy Plus. Arquivado desde o original em 25 de fevereiro de 2002. Consultado em 19 de março de 2016. 
  100. Highwind, Dan. «Final Fantasy VII - Review». RPGamer. Consultado em 19 de março de 2016. 
  101. a b c «FInal Fantasy VII- Review». RPGamer. Consultado em 19 de março de 2016. 
  102. «Final Fantasy VII for PlayStation». GameRankings. Consultado em 19 de março de 2016. 
  103. «Final Fantasy VII for PC». GameRankings. Consultado em 19 de março de 2016. 
  104. «Final Fantasy VII PlayStation». Metacritic. Consultado em 19 de março de 2016. 
  105. (setembro de 1997) "Final Fantasy VII". GameFan 9 (9).
  106. (novembro de 1997) "Final Fantasy VII Review" (51).
  107. a b c «Final Fantasy VII». Next Generation. 24 de junho de 1998. Arquivado desde o original em 5 de dezembro de 1998. Consultado em 20 de março de 2016. 
  108. «1998 1st Interactive Achievement Awards». Academy of Interactive Arts & Sciences. Consultado em 26 de março de 2016. 
  109. «Origins Awards winners». RPGnet. 6 de julho de 1998. Consultado em 26 de março de 2016. 
  110. (março de 1998) "Readers' Choice Awards". Electronic Gaming Monthly (104) p. 100.
  111. «Top 100 Games of All Time». Electronic Gaming Monthly. 2001. Arquivado desde o original em 20 de junho de 2003. Consultado em 31 de março de 2016. 
  112. (2004) "Top 100 Games". Retro Gamer (9) p. 61.
  113. «IGN's Top 100 Games of All Time». IGN. 2005. Arquivado desde o original em 12 de março de 2010. Consultado em 31 de março de 2016. 
  114. Leigh, Chris (14 de novembro de 2005). «The Greatest 100 Games Ever». PALGN. Arquivado desde o original em 17 de junho de 2014. Consultado em 31 de março de 2016. 
  115. «The 100 Greatest Games: 2. Final Fantasy VII». Empire. 2006. Arquivado desde o original em 6 de julho de 2011. Consultado em 31 de março de 2016. 
  116. «15 Most Influential Games of All Time». GameSpot. 2007. Arquivado desde o original em 20 de maio de 2007. Consultado em 19 de abril de 2016. 
  117. «The 52 Most Important Video Games of All Time (page 4 of 8)». GamePro. 25 de abril de 2007. Arquivado desde o original em 13 de setembro de 2008. Consultado em 19 de abril de 2016. 
  118. «20 Games That Changed Gaming Forever». GameSpot. PCWorld. 24 de junho de 2009. Consultado em 19 de abril de 2016. 
  119. Gantayat, Anoop (22 de novembro de 2007). «Nomura Talks FFXIII». IGN. Consultado em 8 de maio de 2016. 
  120. «The 26 Best RPGs of All Time». GamePro. 5 de novembro de 2008. Arquivado desde o original em 29 de setembro de 2011. Consultado em 8 de maio de 2016. 
  121. «The saddest video games that will actually make you cry». GamesRadar. 12 de março de 2012. Consultado em 8 de maio de 2016. 
  122. «Top 25 Most Overrated Games». GameSpy. 2003. Consultado em 8 de maio de 2016. 
  123. Sterling, Jim (3 de julho de 2011). «Final Fantasy VII is not overrated». Destructoid. Consultado em 8 de maio de 2016. 
  124. Gantayat, Anoop (27 de outubro de 2004). «New Final Fantasy VII For PSP». IGN. Consultado em 28 de abril de 2016. 
  125. Gantayat, Anoop (27 de maio de 2004). «Before Crisis FF7 Details». IGN. Consultado em 28 de abril de 2016. 
  126. Watanabe, Yukari (ed.) (2006). Final Fantasy VII Advent Children - Reunion Files (Tóquio: SoftBank). ISBN 4-7973-3498-3. 
  127. Dunham, Jeremy (11 de agosto de 2006). «Dirge of Cerberus: Final Fantasy VII Review». IGN. Consultado em 28 de abril de 2016. 
  128. «Crisis Core FFVII Update». IGN. 17 de maio de 2006. Consultado em 28 de abril de 2016. 
  129. Nojima, Kazushige (2009). 小説 On the Way to a Smile ファイナルファンタジーVII (Tóquio: Square Enix). ISBN 978-4-7575-2462-0. 
  130. Allen, Jason (16 de maio de 2005). «E3 2005: Eyes-on the Final Fantasy VII Tech Demo». IGN. Consultado em 14 de junho de 2016. 
  131. Orry, James (5 de junho de 2007). «Final Fantasy VII remake isn't happening». VideoGamer.com. Consultado em 14 de junho de 2016. 
  132. Dunham, Jeremy (23 de maio de 2006). «Square Enix Responds to PS3 FF7 Rumors». IGN. Consultado em 14 de junho de 2016. 
  133. Nunnaley, Stephany (20 de fevereiro de 2010). «Kitase: Final Fantasy VII to be remade only if takes a year to do so». VG24/7. Consultado em 14 de junho de 2016. 
  134. Hillier, Brenna (26 de junho de 2012). «Wada: Final Fantasy VII remake would kill franchise». VG24/7. Consultado em 14 de junho de 2016. 
  135. Gantayat, Anoop (16 de maio de 2012). «Nomura: New Titles Take Priority Over Final Fantasy VII Remake». Andriasang. Consultado em 14 de junho de 2016. 
  136. Evans-Thirlwell, Edwin (28 de novembro de 2011). «"If I remade Final Fantasy VII, I'd be tempted to delete things" - FFXIII-2 producer». Official Xbox Magazine. Arquivado desde o original em 30 de novembro de 2011. Consultado em 14 de junho de 2016. 
  137. Pigna, Kris (21 de fevereiro de 2010). «FFVII Remake 'Looking Pretty Unrealistic'». 1UP.com. Consultado em 14 de junho de 2016. 
  138. Romano, Sal (15 de junho de 2015). «Final Fantasy VII remake announced for PS4». Gematsu. Consultado em 19 de março de 2016. 
  139. Robinson, Martin (17 de junho de 2015). «Final Fantasy 7 remake was underway before the PS4 PC port was announced». Eurogamer. Consultado em 19 de março de 2016. 
  140. Sato (17 de junho de 2015). «Final Fantasy VII Remake Will Have More Work Done To Its Story». Siliconera. Consultado em 19 de março de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]