RPG eletrônico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura outros significados da sigla RPG, veja RPG.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2015).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde junho de 2016). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Vg icon.svg
Jogos eletrônicos
Exemplo de RPG para computador

Um RPG eletrônico [nota 1] é um gêneros de jogo em que o jogador controla as ações de um personagem imerso num mundo definido, incorporando elementos dos RPGs tradicionais, compartilhando geralmente a mesma terminologia, ambientações e mecânicas de jogo. Outras similaridades com os RPGs de mesa incluem a ampla progressão de história e elementos narrativos, o desenvolvimento dos personagens do jogador, além de complexabilidade e imersão. Não existe um consenso claro sobre a definição do escopo exato do termo, especificamente variando se o foco na jogabilidade ou na história deve ser o elemento definidor.[1]

Características[editar | editar código-fonte]

RPG's eletrônicos são em geral inspirados em clássicos de papel e lápis[2] como Dungeons & Dragons[3][4], utilizando as mesmas terminologias, localizações e mecânicas de jogo. Os personagens possuem status, que são, de um modo geral, o HP (Health Points - Pontos de Vida), o MP (Magic/Mana Points - Pontos de Magia), Ataque, Defesa, Agilidade e Inteligência. Nos CRPG's existe o sistema de níveis, no qual a cada batalha vencida, ou missão terminada, se recebe experiência, e uma certa quantidade de experiência leva o personagem ao próximo nível: o personagem fica mais forte, pode aprender magias novas, pode equipar novos tipos de armadura, etc. Geralmente existe um personagem principal para o jogo e um grupo que o acompanha. A história típica envolve um grupo de heróis obrigado a unir forças para cumprir uma missão (geralmente salvar um reino ou o mundo), passando por diversos desafios pelo caminho, como inimigos e monstros (sendo esses na maioria mitológicos ou inspirados na ficção científica).

Personagens[editar | editar código-fonte]

Os personagens têm uma história de fundo e habilidades, itens e estatísticas únicas. O jogador deve escolher as combinações certas para fortalecer seu personagem. Em alguns jogos, é necessário se criar um personagem do nada, escolhendo sua raça (elfos, humanos, etc) e sua profissão (cavaleiro, arqueiro, mago, etc), que define o caminho, itens e habilidades que o personagem possuirá. É possível, por exemplo, criar um grupo focado no ataque, com Cavaleiros, Arqueiros, Ninjas e afins, ou um grupo focado em magia, com Magos de Ataque (com magias de ataque, como Fogo e Gelo), Magos de Satus (com magias que alteram os status, como Mais Agilidade ou Mais Força), clérigos (com magias de cura) e feiticeiros (com magias como Paralisar ou Cegar), existem várias estratégias para ter um melhor desempenho nesse tipo de jogo como por exemplo: ter um grupo equilibrado, para que você possa deixar seus cavaleiros mais fortes com magias de status e assim o ataque deles (que já é grande) ser maior, e ao mesmo tempo curar e/ou usar magias de ataque ou feitiços.

Cenários[editar | editar código-fonte]

Geralmente CRPGs são ambientados na idade média, num clima de fantasia. Outro gênero comum é o futurista (Wasteland, Fallout, Front Mission). Esses gêneros permitem que os personagens façam coisas que não conseguiriam na vida real e ajudam os jogadores a acreditar nessas habilidade e na rápida evolução dos personagens. Raros jogos se passam em períodos modernos (EarthBound, Persona 3). Muitos tem viagem no tempo como tema.

Navegação[editar | editar código-fonte]

Explorar o mundo é uma importante característica da maioria dos RPGs. Longas distâncias são viajadas, geralmente a pé. Vários tipo de veículos também podem ser usados, como aeronaves, animais (tradicionais como cavalos ou fictícios como os chocobos) e barcos. Geralmente uma parte da tela mostra um mapa-múndi para orientação.

Há três tipos de lugar: mundo, cidade (onde se conversa com as pessoas e compram-se itens) e calabouço (labirínticos e cheios de monstros).

Batalha[editar | editar código-fonte]

Geralmente, em jogos mais antigos, as batalhas são iniciadas por meio de encontros aleatórios (random encounters) no mapa ou nos calabouços. Em jogos modernos existem monstros perambulando pelo cenário. Após uma vitória em batalha, normalmente os personagens recebem pontos de experiência para aumentar sua força (nível), dinheiro e itens. Além disso há chefes inevitáveis, geralmente nos calabouços, e os jogos terminam com uma "batalha definitiva".

Além do típico modo de batalha baseado em turnos, há também jogos no sistema Active Time Battle, em que cada personagem espera um período em pseudo tempo real para atacar. Este sistema estreou em Final Fantasy IV.

História[editar | editar código-fonte]

Os primeiros RPGs eletrônicos surgiram em 1975, nos gigantescos computadores PDP-10 e Unix. Os primeiros eram inspirados em D&D, um chamado Dungeon e outro d&d. Os primeiros para computador pessoal foram Akalabeth (que começou a conhecida série Ultima) e Wizardry, para o Apple II.

Os RPGs de videogame começaram com AD&D (Advanced Dungeons & Dragons): Treasure of Tarmin (1982), para o Intellivision. O gênero realmente começou seu sucesso com Dragon Quest (1986 - lançado nos EUA como Dragon Warrior), da produtora Enix para o NES. Seguiram-se conversões dos jogos de PC Wizardry e Ultima III, e Final Fantasy (1987), da produtora Square. Final Fantasy e Dragon Quest começaram duas séries bem-sucedidas, a primeira (já no 14º capítulo) mais popular nos EUA e a segunda (9º capítulo) mais popular no Japão.

O RPG de computador Diablo (1996) marcou a estreia do multiplayer, no qual jogadores podem cooperar entre si. Isso mais tarde geraria o gênero MMORPG (Massively Multiplayer Online RPG).

Uma entrada interessante foi Pokémon (1996), centrado em caçar criaturas com poderes especiais, capturá-las e treiná-las para batalhar e evoluir (crescer). A série de jogo foi adaptada para mangá, anime, e muitos outros produtos.

Recente é comum programas para gerar jogos como o RPG Maker, Aurora Toolset, Unreal. Alguns como o RPG Maker gera jogos semelhantes aos de Super NES e do Sega Mega Drive ou seja, isométricos. Outros como o Unreal gera jogos 3D.

Recentemente, jogos fora do gênero RPG assimilam muitos elementos deste gênero, tornando difícil a distinção. Exemplos disso são o atirador Deus Ex e o RTS Warcraft III.

Diferenças[editar | editar código-fonte]

Oriente[editar | editar código-fonte]

Séries japoneses de RPG incluem Final Fantasy, Dragon Quest, Phantasy Star, Grandia, Lunar, Suikoden e Persona. O clima geralmente é de fantasia, em um mundo paralelo. Raras referências são feitas à cultura ocidental, a maior inspiração são animê (desenhos animados) e mangá (quadrinhos). Também são comuns misturas de fantasia com ficção científica, como em Star Ocean, Phantasy Star e Final Fantasy.

Os personagens costumam ser bondosos e sérios, no estilo de animê. A história geralmente tem tom épico, com grandes lutas de bem contra o mal. Geralmente os jogáveis são humanos, e raramente pode se escolher a raça (sendo essas raramente estilo Tolkien, como anões e elfos). Os jogos costumam alterar o sistema a cada sequência, e os personagens começam no nível 1 e não costumam passar do nível 99.

Ocidente[editar | editar código-fonte]

No ocidente (norte-americano), os melhores exemplos de RPG são Baldur's Gate, Diablo e Neverwinter Nights. Os jogos são mais góticos, com clima mais de horror. Os personagens são mais realistas, e as armas e equipamento são inspirados em objetos verdadeiros da Idade Média. Os personagens não costumam ser apenas bons ou maus - e geralmente as tramas vão seguindo massacres com dificuldade para chegar ao final.

As raças mostradas no jogos são inspiradas em D&D e em J. R. R. Tolkien, com dragões, elfos, anões, etc., e o sistema de batalha é baseado em D&D, podendo até mostrar dados rolando.

O aumento de níveis não é tão rápido quanto o japonês (devido à baixa experiência conseguida em batalha), e alguns jogos costumam ter um limite de 6-8. Ao subir um nível, pode-se aumentar um atributo (defesa, ataque, velocidade).

Notas

  1. Mais conhecido previamente como computer role-playing game (CRPG).

Referências

  1. Mauricio Pacces Vicente, Mauricio; Augusto Dinamarca Barna, Luiz; Fachinetto, Lisiane (2016). É difícil definir o que torna um jogo eletrônico como sendo do gênero RPG uma vez que o mesmo normalmente não contem a parte de interpretação de papeis. Porém no geral é classificado como RPG eletrônico qualquer jogo que tenha em sua mecânica similaridades com as mecânicas presentes normalmente nos jogos de RPG. Esta similaridade se vê no comportamento da mecânica no decorrer do jogo, se o personagem possui habilidades mensuráveis que definem o que ele pode ou não fazer, se o personagem possui pontos de vida como nos jogos de RPG de mesa e principalmente se existem níveis de progressão de personagem. Porém contrariando esta ideia, alguns críticos de jogos consideram como sendo um jogo eletrônico de RPG qualquer jogo que tenha semelhanças narrativas ao RPG de mesa. Esta definição torna ainda mais difícil tangir o que torna o jogo eletrônico um RPG uma vez que depende muito das ideias e da experiência de cada pesquisador.. «Mecânica genérica de jogos aplicadas em diferentes plataformas» (PDF). Revista Tecnológica da Fatec Americana. 4 (2): 148-152. ISSN 2446-7049. Consultado em 16 de dezembro de 2016 
  2. Adams, Ernest; Rollings, Andrew (2003). Andrew Rollings and Ernest Adams on game design. [S.l.]: New Riders Publishing. p. 347. ISBN 1592730019 
  3. L. Hosch, William. «Electronic role-playing game». Encyclopædia Britannica. Consultado em 2 de Junho de 2016 
  4. Barton, Matt (23 de Fevereiro de 2007). «The History of Computer Role-Playing Games Part 1: The Early Years (1980-1983)». Gamasutra. Consultado em 2 de Junho de 2016