Role-playing game no Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Autores JM Trevisan, Leonel Caldela e Marcelo Del Debbio na Nação HQ-2008

O Role-playing game (RPG) tem seu uso amplamente incentivado pelo Ministério da Educação (MEC) como método de ensino.[1][2][3][4] É usado para aguçar a cooperação mútua e o raciocínio lógico dos estudantes.

Embora não sejam obras audiovisuais, os RPGs estão sujeitos ao Sistema de Classificação Indicativa Brasileiro.[5][6]

História[editar | editar código-fonte]

Década de 1980[editar | editar código-fonte]

No início dos anos 80, os RPGs ainda não tinham sido lançados oficialmente no Brasil, os jogadores que cresciam em número tinham que esperar que um amigo ou parente fosse para fora do país para poder conseguir títulos ainda distantes das prateleiras. Nesse turbilhão de dificuldades para conseguir um livro de RPG nasceu uma geração que alguns chamam de geração xerox, devido à forma como obtinha os títulos importados.[7] Em 1986, a Rede Globo estreia a animação Caverna do Dragão (Dungeons and Dragons no original, adaptação do RPG de mesmo nome.[8]

Nos final dos anos 80 era possível achar ou encomendar livros de RPG através de grandes livrarias em São Paulo e no Rio de Janeiro, porém havia alguns obstáculos a serem transpostos. Os livros, por serem importados, não eram baratos. Além disso era necessário saber um pouco de inglês para poder jogar. Os RPGs desta época mais jogados eram o Dungeons & Dragons, Middle-Earth Role Playing (ou Merp) e Rolemaster. Em 1989, uma versão portuguesa de Dungeon and Dragons, publicada pela Sociedade Tipográfica S.A.[9][10] Jogos de ficção científica, como Traveller e Spacemaster também estavam no mercado.

Isto perdurou até o lançamento dos livros-jogos Aventuras Fantásticas pela Marques Saraiva (que também lançou as adaptações para RPG)[11].

Década de 1990[editar | editar código-fonte]

Em 1991 é lançado o Tagmar, o 1º RPG Brasileiro, editado pela GSA. Com uma ambientação inspirada nos livros de J.R.R Tolkien, foi acusado injustamente de ser baseado no D&D, mas na verdade tinha um sistema bem diferente. O jogo chegou a fazer sucesso, mas a editora fechou no fim dos anos 90.[12] No mesmo ano, é lançado o GURPS pela Devir Livraria.[13] No ano seguinte a GSA lança O Desafio dos Bandeirantes de Carlos Klimick, Luiz Eduardo Ricon e Flávio Andrade,[14] a Grow lança Classic Dungeon e DragonQuest, jogos de tabuleiro com elementos de RPG da TSR, Inc (mesma empresa de Dungeons & Dragons),[15] no ano seguinte, lança a primeira versão de Dungeons & Dragons no país.[16] A empresa também publicou um jogo de tabuleiro baseado em Caverna do Dragão, À Procura do Dungeonmaster (Quest for the Dungeonmaster) publicando originalmente pela TSR Inc em 1984, curiosamente, foi usado o nome original do Mestre dos Magos (Dungeon Master).[17]

Em 1994, a Estrela lança HeroQuest, outro jogo de tabuleiro com elementos de RPG,[18] e no Rio de Janeiro surge a editora Nova Vecchi com o RPG nacional de humor " Monstros", além da revista Black Lotus dirigida a cardgame e RPG, esta última editada por Alexandre Cabral, responsável pela reformulação de quadrinhos do jornal O Globo. Enquanto isto, em São Paulo, a Editora Trama lança a revista Dragon, depois renomeada para Dragão Brasil, editada por Marcelo Cassaro[19] e no mesmo ano a IDD lançou a revista Dragão Dourado[20], um misto de revista em quadrinhos e RPG. [21]

Em 1995, a Editora Abril Jovem conseguiu uma licença para publicar o AD&D no Brasil, mas como o RPG era um jogo considerado demasiado "cult", a editora decidiu lançar primeiro a versão simplificada das regras do AD&D 2ª Edição, o First Quest.[22][23] A editora também publicaria o jogo de cartas colecionáveis Spellfire, a revista Dragon.[24] e os livros-jogos "Você é o herói" (Endless Quest no original)[25]

Em 1995, é lançado pela Talismã a primeira edição de Arkanun, um RPG criado por Marcelo Del Debbio, colaborador da revista Dragão Brasil, e logo em seguida a editora publicaria Trevas, do mesmo autor, um RPG lançado na forma de revista. Em outubro de 1995, é lançada nas páginas da revista Dragão Brasil Especial nº 1, a primeira versão de Defensores de Tóquio de Marcelo Cassaro, um sistema simples que parodiava animes, tokusatsus e vídeo games,[26] Defensores de Tóquio foi planejado para ser um suplemento para Toon - No Mundo Dos Desenhos da Steve Jackson Games, que foi lançado pela Devir no ano seguinte, contudo, as negociações não foram bem-sucedidas.[27][28]

Uma outra grande editora entra no mercado, a Ediouro, que lança Shadowrun, um misto de fantasia e cyberpunk e Middle-Earth Role Playing publicado como nome de "Senhor dos Anéis - Jogos de Aventura",[29] quatro volumes da série de livro-jogos "Aventuras na Terra-Média", versão de Middle-earth Quest[30][31] e a revista especializada The Universe of RPG,[32] assim como a Abril, a Ediouro não dá continuidade na linha, em 1996, Shadowrun é republicado pela Devir, que também publica Cyberpunk 2020.[28]

Em 1997, é lançada a linha de RPGs educativos "Jogos de RPG - Português em Outras Palavras", publicados pela Editora Scipione, que visavam empregar a mecânica do RPG em atividades didáticas. Foram lançados a,[33] Eles surgiram principalmente como uma resposta a acusações de que o RPG teria um efeito negativo nos seus jogadores, podendo até levar a crimes (as ligações entre o RPG e esses crimes foram posteriormente desmentidas.[34]) A editora Akritó lança um outro RPG brasileiro, Era do Caos[28] de Carlos Klimick e Flávio Andrade.[35] A Editora Escala publica a revista Saga, que dura apenas três edições.[36][37]

Publicado na Dragão Brasil Especial nº 7, de outubro de 1998, surge a terceira versão de Defensores de Tóquio, conhecida como 3D&T, que passou a ser o nome oficial do sistema, que deixa de ser restrito a paródias de produções orientais e passa a ser um sistema genérico.[38][39] Nesse mesmo, ano, consegue a licença do Street Fighter: The Storytelling Game da White Wolf, publicado com o nome de Street Fighter: O Jogo de RPG,[40] A Devir lança Castelo Falkenstein[28]

Em 1999, inspirado no GURPS Lite, a Devir lança o Mini-Gurps, uma versão compacta do sistema,[41][42] para essa versão, são lançados suplementos com temas brasileiros: Mini-GURPS O descobrimento do Brasil, Mini-Gurps Entradas e Bandeiras e Mini-GURPS Quilombo dos palmares, todos escritos por Luiz Eduardo Ricon e publicados pela Devir Livraria.Vale ressaltar que, nesta época e graças as traduções de vários livros, várias listas de compra afirmavam a popularidade nacional dos mesmos, onde ainda hoje o país perdura entre os 50 maiores consumidores de produtos oriundos do Role-play gaming. [43] Em maio 1999, Cassaro, Trevisan e Saladino, lançam o cenário de Tormenta,[44] como encarte especial da edição 50 da Dragão Brasil,[45] logo ficariam conhecidos como Trio Tormenta.[46] A Devir assume AD&D,[47] que agora pertencia a Wizards of the Coast,[48] dona do jogo de cartas colecionáveis Magic: The Gathering, que também é publicado pela Devir desde 1995.[49]

Década de 2000[editar | editar código-fonte]

Em 2001, a Devir lança a Terceira Edição de Dungeons & Dragons, lançada no ano anterior, a versão do jogo traz uma novidade, uma licença que permite que outras empresas usem regras de Dungeons and Dragons em seus jogos, mesmo que se distanciem da temática medieval, surgem assim a Open Game License (OGL) e o Sistema d20.[50]

Em 2002, uma lei de Vila Velha, Espírito Santo, proibida a venda de livros de RPG na cidade.[51]

Em 2003, é lançado o site Dark Sun Brasil, uma versão do site Athas.org, um fansite americano autorizado pela Wizards of the Coast de Dark Sun, um cenário de campanha criado para a AD&D.[52] No mesmo ano, no site Rede RPG, o blogueiro David Valiant elege São Jorge como padroeiro do RPG no Brasil.[53]

A Editora Comic Store lança em 2004 o OPERA RPG, que além de apresentar regras lógicas e ágeis para se jogar RPG em qualquer cenário, ensina como funciona a sua estrutura básica, permitindo que qualquer jogador possa criar novas regras compatíveis com seu sistema. A Devir lança D&D 3.5.[54] A Manticora produz o RPG Power Cars para a Fundação Volkswagen, lançado no Salão do Automóvel de São Paulo, o jogo guarda semelhanças com a franquia Transformers da Hasbro.[55]

Em 2005 é lançado o RPGQuest, sistema para iniciantes, retornando às origens de jogos de tabuleiro misturados com interpretação e jogos de contar histórias, com distribuição em bancas de jornais e lojas de brinquedos,[56] pela Talismã (novo nome da editora Trama), Cassaro lança Ação!!!, utilizando uma licença OGL, o jogo é inspirado no D20 Modern,[57] o Trio Tormenta sai da Talismã e deixa a revista Dragão Brasil, surge duas outras revistas de RPG para outras editoras, a RPGMaster (dedicada a 3D&T) para a Mythos Editora[58] e Dragon Slayer para a Manticora, dedicada a D20 e OGL, a revista conta com a participação da equipe da D20 Saga, também publicada pela editora,[59] inspirado no D&D publicado pela Grow, Cassaro lança pela Manticora o Primeira Aventura, que chegou a ser comparado com First Quest[60] a Dragão Brasil é assumida pela equipe do site Rede RPG, um dos mais conhecidos portais de RPG na internet[61] ainda em 2005, o Tagmar retornou ao público totalmente remodelado em uma versão livre (usando uma licença Creative Commons) para download pela internet, sendo um marco de pioneirismo no RPG brasileiro. A Devir traduz o o GURPS Lite Quarta Edição, que é distribuído gratuitamente durante o Sampa RPG, logo em seguida é encartado na revista Dragão Brasil nº 115,[62] e disponibilizado em formato e-book nos site oficiais da Steve Jackson Games e da Devir,[63][64]

Em 2006, a Editora JBC publica 4D&T de Cassaro, uma adaptação do sistema D20 com dados de seis lados,[65] a Editora Escala passa a publicar a Dragon Slayer,[38][66] também 2006, a RedeRPG deixa a revista Dragão Brasil,[67] A Caladwin Editora lança uma adaptação para sistema D20 de um livro da série Aventuras Fantásticas, O Feiticeiro da Montanha de Fogo de Ian Livingstone e Steve Jackson (um escritor e designer britânico, homônimo do criador do GURPS),[68] adaptado por Jamie Wallis e publicado originalmente em 2003 pela editora inglesa Myriador,[69] no ano seguinte, a revista Dragão Brasil é assumida por Sílvio Compagnoni Martins, ex-editor da Devir,[70] a Caladwin anuncia a publicação de "Réia – Cenário de Campanha" de Marcelo Telles do site Rede RPG, o cenário havia sido apresentado por Marcelo na revista Dragão Brasil nº 117.[71] Telles também organizou Crônicas da 7a Lua publicado pela Conclave, que também iria ser apresentado na revista, mas acabou não se concretizando,[72] ambos os cenários foram criados para o Sistema d20.[73]

Em 2008, a revista Dragão Brasil é cancelada após 123 edições, um marco de revistas do gênero no país,[70] 3D&T volta a ser publicado pela Jambô com o título de 3D&T Alpha,[38] em 2009, a Devir lança a Quarta Edição de Dungeons & Dragons, que trouxe ao país a licença GSL (Game System License), que revogava a licença OGL,[74][75] a Caladwin publica a segunda adaptação de um livro-jogo da série Aventuras Fantásticas As Cavernas da Feiticeira da Neve,[76] no ano seguinte publica a Quarta Edição de GURPS,[77] a Dragon Slayer passa a trazer matérias sobre 3D&T Alpha,[78][79] em 2009, o SRD do Fate 2.0, traduzido por Fábio Emílio Costa é liberado gratuitamente na internet.[80] Em 2010, a Redbox Editora lança Old Dragon, um RPG "old school", inspirado em D&D, [81] diferente dos retroclones, o jogo não se baseia em uma versão específica de Dungeons & Dragons, as regras são oriundas de várias edições do jogo, por conta disso, a editora define o jogo como um retro-golem.[82]

Década de 2010[editar | editar código-fonte]

Em 2011,a partir da edição 24 a produção da Dragon Slayer ficou a cargo da Jambô Editora, editora que assumiu os títulos de Tormenta, os autores Guilherme Dei Svaldi, Gustavo Brauner e Leonel Caldela assumindo o lugar do Trio Tormenta como editores[83] e passam ser conhecidos "Trio Tormenta Ultimate".[84] Foi neste ano também, no mês de agosto, que o primeiro financiamento coletivo de um RPG indie brasileiro apareceu, Violentina, de autoria de Eduardo Caetano despontou no movere.me, e foi um sucesso, iniciando a corrente de RPGs indies no país. Em 2012, a Retropunk inicia um financiamento coletivo para publicar Savage Worlds, um RPG genérico da Pinnacle Entertainment Group.[85]

Em 2013, a revista foi cancelada na edição 40, a Jambô divulgou que passaria a publicar material diretamente no seu site oficial.[86] A Devir anuncia a publicação do Pathfinder RPG da Paizo,[87] a editora publicava as revistas "Dungeon" e "Dragon" sob licença da Wizards of the Coast (que agora é uma subsidiária da Hasbro),[74] porém, com o lançamento da Quarta Edição de Dungeons & Dragons, o contrato foi rescindido, além disso, a nova licença GSL, restringiu mais ainda o trabalho da editora,[88] Pathfinder é inspirado nas regras de D&D 3.5, o que lhe rendeu o apelido de "D&D 3.75".[89]

Em 2014, a Galápagos Jogos publica o RPG de Star Wars da Fantasy Flight Games, [90] a Solar Entretenimento lança um projeto de financiamento de coletivo para publica a mais recente edição de FATE.[91]

Em 2015, a New Order Editora publica Legend of the Five Rings,[92] embora o jogo de cartas colecionáveis originais permaneça inédito no país, a Devir publicou em 2005, a segunda edição do suplemento Oriental Adventures (traduzido como "Aventuras Orientais") para a terceira edição Dungeons and Dragons que utilizou o cenário do jogo, Rokugan.[93]

Em 2016, a Jambô Editora retorna com a Dragão Brasil, mas desta vez em formato digital, através de financiamento coletivo,[94] e publicou Dragon Age RPG, baseado na franquia videogames de mesmo nome da BioWare,[95] Shadowrun volta ao país pela New Order.[96] Neste mesmo ano surge mais uma editora brasileira - Lampião Game Studio[97]- um coletivo de autores independentes que lança neste ano o RPG Déloyal[98]. Nos próximos anos a Lampião Game Studio iria lançar mais de 20 RPG no mercado.

Em 2017, a Devir deixa de publicar GURPS no país.[99] A editora Fire on Board anuncia o lançado da 5ª Edição de Dungeons & Dragons,[100] porém, após uma disputa entre editoras, a publicação foi suspensa.[101] A Jambô anuncia o lançamento de romances de Dungeons and Dragons.[102] Em outubro do mesmo ano, morre Douglas Quinta Reis, um dos fundadores da Devir,[103], no ano seguinte, o dia 24 de fevereiro, data de nascimento de Reis é escolhida como o Dia Nacional do RPG.[104][105] Uma nova versão do RPGQuest intitulada RPGQuest – A Jornada do Herói, foi publicada através um financiamento coletivo na plataforma Catarse.[106]

Em Maio de 2018 é lançado o Tagmar 3[107], que é segunda versão lançada pelo Projeto Tagmar[108]. Em novembro, a New Order Editora lança uma campanha de financiamento coletivo de Starfinder Roleplaying Game, cenário de space opera e fantasia científica da Paizo.[109] Em dezembro, a Galápagos Jogos anunciou que publicará a 5ª Edição de Dungeons and Dragons, com lançamento previsto para o segundo semestre de 2019.[110]

Em maio de 2019, Starfinder é finalmente lançado pela New Order,[109] em comemoração aos 20 anos de Tormenta, a Jambô lança no site Catarse, uma campanha de financiamento coletivo de Tormenta 20.[111]

Década de 2020[editar | editar código-fonte]

Em 2020, a lei que impedia a venda de livros de RPG em Vila Velha foi revogada.[51] Em março de 2022, a Wizards of the Coast anunciou que ela mesma publicaria Dungeons & Dragons no país.[112] Em agosto de 2023, a Jambô lança uma campanha de uma nova versão 3D&T, chamada 3DeT Victory.[113]

Em fevereiro de 2024, a Wizards of the Coast anunciou que iria descontinua Dungeons and Dragon[114] e Magic: The Gathering no país.[115]

Publicações[editar | editar código-fonte]

Obras brasileiras[editar | editar código-fonte]

  • Tagmar, o 1º RPG Brasileiro[116], atualmente está na sua 3ª versão (1991).[117]
  • O Desafio dos Bandeirantes, o 1º com ambientação baseada no folclore brasileiro (1992).
  • Calíope, RPG medieval usando D6, D10 e D20 (1993).
  • Demos Corporation, voltado para espionagem (1995).[118]
  • Monstros, um RPG de sátira e humor (1995)[119].
  • Millenia na linha de ficção científica/space opera (1995).[120]
  • Arkanun RPG de horror que utiliza o Sistema Daemon (1995)[121]
  • Era do Caos - Retratando o Colapso das metrópoles brasileiras no início do Séc.XXI (1997)[122]
  • SIGNUS RPG - Sistema Genérico - Níveis variados e sistema de personalidade. (1997)
  • Defensores de Tóquio, RPG de super-heróis japoneses (1995)[123] . Agora está na sua sexta versão conhecida como 3DeT Victory.
  • A Lenda de Kalahad (2000), cenário literário e sistema medieval.
  • Utopia, Usa o sistema d10 (2003).
  • Tormenta, cenário de campanha criado na Dragão Brasil, foi adaptado para 3D&T, Daemon, D20 e ganhou um sistema OGL (2003)[124]
  • OPERA RPG - Regras práticas e ajustáveis de RPG que permitem a criação de qualquer cenário de jogo (2004).[125]
  • Invasão, misturando Arquivo X com história brasileira (2004).
  • Clavius, um sistema de RPG gratuito (2004).[126]
  • Nexus D6 (2005)[127]
  • RPGQuest Sistema para iniciantes que mistura RPG com jogo de tabuleiro (2005)[128]
  • Power Cars (2006)[129]
  • RPG Desafios, RPG para uso terapêutico para prevenção e tratamento do uso de drogas na adolescência (2009).[130]
  • Old Dragon Sistema de RPG OGL, baseado em jogos "Old School" (2010).[131]
  • Ohmtar, primeiro cenário de RPG nacional voltado para D&D 4.0 (2012)[132]
  • United Earth Defence, RPG de ficção científica pós apocalíptico sobre humanos sobrevivendo após uma invasão alienígena. (2013)[133]
  • Déloyal - Um RPG sobre resistência e liberdade contra poderes opressores. (2016)[134]
  • Pesadelos Terríveis - Um RPG de horror psicológico que expande o universo dos quadrinhos Beladona. (2017)[135]
  • Duello - Um RPG sobre a jornada de combatentes e seu legado na Cidade Iluminada. (2017)
  • Saqueadores do Destino - Um RPG narrativo de exploração de masmorras com regras leves e alta letalidade.  (2017)
  • Causos - Um RPG sobre mistério, investigação e folclore nacional. (2017)
  • NeoGhaluni - Fantasia urbana heroica em um RPG de ação e aventura.  (2017)[136]
  • Belregard - Horror medieval em um RPG de fantasia sombria. (2018)[137]
  • Arquivos Paranormais - Um RPG de investigação de casos Insólitos.  (2018)[138]
  • Pacha - Um RPG de ficção científica baseado em culturas andinas.  (2018)
  • SeanchaS - Um RPG narrativo sobre mitos,  lendas e identidade. (2018)
  • Encantos - Garotas mágicas e super sentai em um RPG de humor infanto-juvenil.  (2019)
  • Chumbo Grosso - Um RPG de caipiras detonando alienígenas. (2019)
  • Ceifadores - Um RPG narrativo sobre matadores em sua jornada de dramas. (2019)
  • Asas da Vizinhança - Um RPG sobre aves, dramas, poesia e lirismo.  (2019)
  • Magos Lacunares da Torre Púrpura - Descoberta e aprendizagem em um RPG sobre uma escola de magia bem divertida.  (2020)
  • Serviço de Manutenção do Domo - Um RPG de ficção científica ecofuturista e decolonial.  (2020)
  • Amores da Vila do Caju - Amor, emoção e poesia em um RPG sobre autodescoberta.  (2021)
  • Valkíria RPG - Um RPG narrativo sobre um Brasil alternativo e pós-apocalíptico, ambientado no universo dos quadrinhos homônimos de Alex Mir e Alex Genaro. (2021)
  • A Tensão - Um robô aprende sobre drama humanos neste RPG. (2022)
  • Patas da Vizinhança - Um RPG sobre insetos, dramas, poesia e lirismo.  (2022)
  • O Bonde Fantástico - Um RPG de fantasia periférica, um RPG favelocentrado. (2022)
  • Lições RPG - Um RPG narrativo sobre viagens para mundos paralelos, sobre narrativas isekai. (2022)
  • Herdeiros dos Antigos - Horror social e cósmico que rasura os mitos de Cthulhu e toda a tradição lovecraftiana.  (2022)
  • Terrores Insólitos - Um RPG de mistério, horror e sobrevivência.  (2022)[139]
  • Sob a Sombra dos Chifres - Um RPG solo de fantasia sombria sobre maculados encarando demônios. (2022)
  • Abandonai toda esperança - Um RPG sobre a jornada pelos círculos infernais da Divina Comédia. (2023)[140]
  • Breu - Um RPG de fantasia que une a tradição de RPGs narrativos às demandas presentes. (2023)[141]

Obras estrangeiras[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Portal do Professor - MEC - Criação de um texto cooperativo - RPG (Role Playing Game» 
  2. «Portal do Professor - MEC - RPG – Criação de um Personagem» 
  3. «Portal do Professor - MEC - Iniciação ao RPG: os contos de fadas» 
  4. «Portal do Professor - MEC - A narrativa e o hipertexto nos jogos de RPG» 
  5. «Classificação Indicativa». Ministério da Justiça 
  6. «Debate Online - Classificação - Jogos de RPG e Classificação Indicativa». Ministério da Justiça 
  7. Ana Alayde Saldanha e José Roniere Morais Batista. «A Concepção do Role-Playing Game (RPG) em Jogos Sistemáticos» (PDF). Universidade Federal da Paraíba/Scielo 
  8. "Caverna do Dragão - A aventura favorita dos RPGistas completa 20 anos de exibição no Brasil". Dragon Slayer (9). Editora Escala.
  9. Marcelo Cassaro (22 de maio de 2014). «nº ArsenalDay - Não espere que os poderosos façam o seu trabalho». Jambô Editora. Arquivado do original em 5 de junho de 2014 
  10. Talude (8 de agosto de 2005). «Primeira Aventura (resenha)». RedeRPG 
  11. Marcelo Cassaro. (1994). "Aventuras Fantásticas" (em português). Dragão Brasil (4). São Paulo, Brasil: Trama.
  12. Gustavo Brauner. (Novembro de 2011). "Tagmar - 20 anos do primeiro RPG brasileiro" (em português). Dragon Slayer (35). São Paulo, Brasil: Editora Escala. ISSN 1808-1584.
  13. Marcelo Telles (22 de junho de 2010). «EXTRA: A verdade revelada: GURPS 4ª Edição em português!». RedeRPG 
  14. Luiz Eduardo Ricon (13 de dezembro de 2012). «Desafio dos Bandeirantes: 20 anos». RedeRPG 
  15. Roberto de Moraes. (1994). "Dungeons & Dragons" (em português). Dragão Brasil (1). São Paulo, Brasil: Trama Editorial.
  16. Visão , Edições 20-23. [S.l.: s.n.], 1993.
  17. «À Procura do Dungeon Master». BoardGameGeek 
  18. Roberto de Moraes. (1994). "Especial HeroQuest" (em português). Dragão Brasil (3). São Paulo, Brasil: Trama Editorial.
  19. Gustavo Brauner (12 de julho de 2006). «Entrevista com Marcelo Cassaro». Sobrecarga 
  20. «Revista Dragão Dourado» 
  21. Jogos de Interpretação e Educação
  22. «First Quest"». Consultado em 25 de setembro de 2009 
  23. «First Quest"». Consultado em 25 de setembro de 2009 
  24. «Entrevista com Rogério Saladino». RedeRPG. 5 de maio de 2003 
  25. Grahal. (1995). "Especial - Advanced Dungeons and Dragons" (em português). Dragão Brasil (8). São Paulo, Brasil: Trama Editorial.
  26. Conforme anunciado na página nº 5 da Dragão Brasil nº 07 (publicada em outubro de 1995) e do editorial da Dragão Brasil Especial nº 07, que afirma que a publicação foi em 1995.
  27. J.D Nunes (Novembro de 2000). "Defensores de Tóquio". Dragão Brasil nº 67. Editora Trama
  28. a b c d Rafael Carneiro Vasques (2008). «As potencialidades do RPG (Role Playing Game) na Educação Escolar» (PDF). Unesp/Araraquara 
  29. Grahal Benatti (1995). «Outros sistemas - Senhor dos Anéis». São Paulo, Brasil: Trama. Dragão Brasil (10) 
  30. (2001). "Arca do Tesouro". Dragão Brasil (80). Editora Trama
  31. «Aventuras na terra-media». Gamebooks.org 
  32. «Sai 2ª edição de 'Shadowrun'». Folhateen/Folha de S.Paulo. 27 de março de 1995 
  33. Adilson Citelli (1999). Comunicação e Educação -. [S.l.]: Editora Senac. 197 páginas. 9788573590982 
  34. «Crimes relacionados ao RPG são desmentidos». www.daemon.com.br. Consultado em 25 de setembro de 2009 
  35. Carlos Klimick (6 de maio de 2003). «Onde está o herói?». RedeRPG 
  36. Ofeliano de Almeida. «Ofeliano de Almeida - O desenhista». Leão Negro.com 
  37. Gonçalo Junior (2006). Biblioteca dos Quadrinhos. [S.l.]: Opera Graphica. 314 páginas. 8589961850 
  38. a b c Marcelo Cassaro. «A volta de 3D&T». Jambô Editora 
  39. «Títulos 3D&T». site oficial da revista Dragão Brasil 
  40. Marcelo Cassaro (Março de 2008). Revista Dragon Slayer nº 19 - Street Fighter RPG, Editora Escala
  41. Marcelo Cortimiglia e Pablo Raphael (18 de março de 2004). «Agora é Oficial: GURPS Quarta Edição!». RedeRPG 
  42. May 16, 1998: GURPS Lite. Steve Jackson Games
  43. Richard Garrel (12 de maio de 2003). «As Cruzadas». RedeRPG 
  44. Press release (26 de maio de 2006). «Inimigo do Mundo (release)». RedeRPG 
  45. Érico Borgo (31 de Março de 2003). «Omelete entrevista: Marcelo Cassaro fala sobre Dungeon Crawlers». Omelete 
  46. Carlos Costa (2 de fevereiro de 2004). «Entrevista: Cassaro». HQ Maniacs. Arquivado do original em 6 de julho de 2011 
  47. (Outubro de 1999). "Nova Safra". Dragão Brasil (55). Editora Trama
  48. Bill Slavicsek, tradução: Eduardo Carvalho (24 de junho de 2011). «Bill Slavicsek sai da Wizards!». RedeRPG 
  49. Demóstenes (2006)"Hiden City - Era uma vez uma pequena editora de RPG..."Dragão Brasil (116). Editora Talismã
  50. Wagner Luiz Schmit (25 de julho de 2008). «RPG e Educação: alguns apontamentos teóricos» (PDF). Universidade Estadual de Londrina 
  51. a b «Justiça volta a permitir comercialização de livros de RPG em Vila Velha». www.agazeta.com.br. Consultado em 29 de julho de 2020 
  52. «F.A.Q. - Projeto Dark Sun Brasil». Dark Sun Brasil. Arquivado do original em 29 de novembro de 2014 
  53. Salve São Jorge, Padroeiro do RPG Brasileiro!
  54. Addison Araújo (14–16 de junho de 2012). «Roleplaying Game: uma aventura, um aprendizado» (PDF). Intercom 
  55. «Retrospectiva RPG 2004». RedeRPG. 13 de janeiro de 2005 
  56. «RPG Quest"». Consultado em 24 de setembro de 2009 
  57. press release (17 de janeiro de 2004). «RPG: Ação!!! : Ação!!!». RedeRPG 
  58. Talude (27 de julho de 2005). «RPGMaster nº 01 - Tópico a Tópico». RedeRPG 
  59. Raphael Di Cunto (30 de maio de 2005). «Entrevista com a equipe da Dragon Slayer». Sobrecarga. Arquivado do original em 29 de novembro de 2006 
  60. «Cassaro tira mais dúvidas». RedeRPG. 20 de março de 2005 
  61. Rafael Cardoso (14 de junho de 2005). «Caçador Vs. Dragão: o novo panorama do RPG». Sobrecarga. Arquivado do original em 9 de junho de 2011 
  62. Talude (03/12/2005). Dragão Brasil nº 115 - Tópico a Tópico. RedeRPG
  63. GURPS Lite Quarta Edição Arquivado em 28 de outubro de 2014, no Wayback Machine. Devir
  64. Marcelo Telles e Marcelo Cortimiglia. (20/11/2006) GURPS Lite 4a Edição em português para download gratuito RedeRPG
  65. «Editora JBC lança o livro Defensores de Tóquio - Manual 4D&T». site da revista Henshin. 4 de julho de 2006. Arquivado do original em 19 de março de 2007 
  66. Fabiano "lordmon" Silva (22 de fevereiro de 2007). «O retrato da indústria em 2006 – Nacional (Parte II)». Rede RPG 
  67. Tarvon (5 de Novembro de 2006). «RedeRPG abandona a Dragão Brasil». RPG Online. Arquivado do original em 17 de setembro de 2011 
  68. Fabiano "lordmon" Silva (10 de dezembro de 2006). «Aventuras Fantásticas: O Feiticeiro da Montanha de Fogo». RedeRPG 
  69. «Review of The Warlock of Firetop Mountain - RPGnet» 
  70. a b «Carta Aberta do Ex-Editor da Dragão Brasil». Rpgista. 6 de Fevereiro de 2008 
  71. Calawin Editora & Marcelo Telles (13 de maio de 2005). «Réia será lançado pela Caladwin». RedeRPG 
  72. «Crônicas da Sétima Lua – Cenário de Campanha (Resenha)». RedeRPG. 19 de janeiro de 2008 
  73. Marcelo Telles (12 de fevereiro de 2007). «Domínios e Magias Adicionais para Réia e C7L». RedeRPG 
  74. a b «Rede RPG faz concurso de aventuras de D&D». Bigorna.net 
  75. «Notícias do Bardo - OGL, GSL, SRD... PQP!». Editora Escala. Dragon Slayer (24). 2009 
  76. Adriana (29 de fevereiro de 2008). «Aventuras Fantásticas: As Cavernas da Feiticeira da Neve». Rede RPG 
  77. Marcelo Telles (12/09/2010)Lançamento do Módulo Básico: Personagens RedeRPG
  78. «DragonSlayer nº 31». Jambô Editora. Arquivado do original em 28 de outubro de 2014 
  79. DragonSlayer nº 32 Arquivado em 28 de outubro de 2014, no Wayback Machine.. Jambô Editora
  80. «Fate em Português». RedeRPG. 6 de agosto de 2009 
  81. Talude (8 de janeiro de 2011). «Old Dragon (resenha)». Rede RPG 
  82. Redbox Editora. «Old School». Consultado em 19 de agosto de 2012. Arquivado do original em 13 de maio de 2012 
  83. Equipe Dragon Slayer (turbinada) [et al.] (2009). «Editorial». Editora Escala. Dragon Slayer (24) 
  84. Marcelo Lacerda (16 de janeiro de 2011). «Tormenta RPG e Valkária: Como fragmentar um sistema fragmentado». Rede RPG 
  85. Mau Faccio (6 de novembro de 2012). «Savage Worlds pode ter uma edição brasileira». Jovem Nerd 
  86. Leonel Caldela (10 de julho de 2013). «A Busca pela DragonSlayer Perdida». Jambô Editora. Arquivado do original em 26 de outubro de 2014 
  87. «Confirmado: pathfinder em português!». RedeRPG. 21 de setembro de 2013 
  88. Tzimisce (23 de outubro de 2010). «Pathfinder Roleplaying Game Core Rulebook (resenha)». RedeRPG 
  89. Victor Caminha/Luiz Felipe Vasques (tradução) (30 de março de 2008). «Pathfinder RPG: o D&D 3.75». RedeRPG 
  90. «Galápagos Jogos anuncia lançamentos para 2014». RedeRPG. 22 de janeiro de 2014 
  91. Marcelo Telles (30 de dezembro de 2014). «Falta pouco para o FATE em português: ajude na reta final!». RedeRPG 
  92. Marcelo Telles (15 de abril de 2015). «Últimas 48 horas da pré-venda de Lenda dos Cinco Anéis RPG». RedeRPG 
  93. (2005)."Aventuras Orientais" Dragão Brasil (114). Editora Talismã
  94. Revista Dragão Brasil está de volta por meio de financiamento coletivo
  95. RPG de mesa de "Dragon Age" chegará ao Brasil em dezembro
  96. Shadowrun RPG de volta pela New Order!
  97. «Sobre». Lampião Game Studio 
  98. «Déloyal». Lampião Game Studio. Consultado em 16 de agosto de 2023 
  99. GURPS acabou no Brasil: Hora de buscar outro sistema?
  100. Novo "Dungeons & Dragons" chega ao Brasil envolvido em disputa judicial
  101. Lançamento do D&D 5ª Edição em português é suspenso!
  102. Jambô lançará os romances de D&D
  103. Morre Douglas Quinta Reis, fundador da Editora Devir
  104. Comemore o Dia Nacional do RPG no próximo sábado!
  105. Dia nacional do RPG terá atividades em Belo Horizonte
  106. A volta do RPGQuest
  107. «Tagmar - Tagmar 3.0 lançado!». tagmar.com.br. Consultado em 27 de fevereiro de 2020 
  108. «Tagmar - Projeto Tagmar». tagmar.com.br. Consultado em 27 de fevereiro de 2020 
  109. a b Starfinder RPG: Starfinder em português saindo da Deriva!
  110. É oficial D&D 5ª Edição em portugês pela Galápagos
  111. Tormenta 20
  112. «Wizards of the Coast é a nova publicadora de Dungeons & Dragons no Brasil - NerdBunker». Jovem Nerd. Consultado em 15 de março de 2022 
  113. «3DeT Victory». Catarse. Consultado em 5 de agosto de 2023 
  114. «Change to Supported Languages in D&D Product». Change to Supported Languages in D&D Product (em inglês). Consultado em 25 de fevereiro de 2024 
  115. «Alterações nos idiomas de produtos de Magic em 2024». MAGIC: THE GATHERING. Consultado em 25 de fevereiro de 2024 
  116. «RPG Encyclopedia: T» 
  117. «Regras do Tagmar». Tagmar. Consultado em 12 de outubro de 2023 
  118. «Demos Corporation». Ludopedia. Consultado em 13 de agosto de 2023 
  119. «Nova editora estreia com 'Monstros', RPG nacional». Folha Teen. 14 de agosto de 1995. Consultado em 15 de agosto de 2023 
  120. Gustavo Brauner (2011). «Millenia - Em 2995, o homem vive a sua aventura». Editora Escala. Dragon Slayer (33) 
  121. Debbio, Marcelo Del (1995). Daemon – Arkanun 1e. São Paulo - SP: Trama Editorial. pp. 2–3 
  122. Klimick Pereira, Carlos Eduardo (1997). Era do Caos – Módulo Básico. Rio de Janeiro - RJ: Akritó Editora. p. 2. ISBN 85-86321-05-2 
  123. Cassaro, Marcelo (1995). «Defensores de Tóquio (1ª Edição)». Ludopedia. Consultado em 27 de agosto de 2023 
  124. «Tormenta (2003)». RPGG 
  125. «Sobre o OPERA». Opera RPG 
  126. de Oliveira, Cristiano (2004). Clavius – A Chave de Todas as Aventuras. Juiz de Fora - MG: Conclave. p. 3. 1 páginas 
  127. «[Ed. Nexus] Nexus D6 (Nexus D6)». Consultado em 15 de agosto de 2023 
  128. «RPGQuest». Consultado em 28 de maio de 2010 
  129. «Novidades no artigo "Sistemas OGLs nacionais"». RPGNews. 6 de fevereiro de 2010. Consultado em 13 de agosto de 2023 
  130. «RPG Desafios» 
  131. «Old Dragon RPG». Consultado em 25 de fevereiro de 2014 
  132. Rodrigo Tolentino (11 de Agosto de 2011). «Ohmtar Editorial - Quando o Medo toma conta». Spell RPG. Consultado em 25 de fevereiro de 2014 
  133. «UED – Você é a resistência (resenha)». RedeRPG. 30 de novembro de 2016. Consultado em 14 de junho de 2017 
  134. «Déloyal: um jogo narrativo sobre resistência & liberdade». Ludopedia. Consultado em 17 de agosto de 2023 
  135. «Pesadelos Terríveis - Beladona RPG». Ludopedia. Consultado em 20 de agosto de 2023 
  136. «Lançamento: NeoGhaluni RPG». RPG News. 29 de abril de 2017. Consultado em 16 de agosto de 2023 
  137. Neves, Jefferson; Araújo, Rafão (2018). «Belregard». New Order Editora. ISBN 9788568458402. Consultado em 17 de setembro de 2023 
  138. Valpaços, Jorge (2018). «Arquivos Paranormais». Ludopedia. AVEC Editora e Lampião Game Studio. Consultado em 10 de setembro de 2023 
  139. S. Bernard, Diego; Valpaços, Jorge (2022). «Terrores Insólitos». Ludopedia. Lampião Game Studio. Consultado em 12 de outubro de 2023 
  140. Neves, Jefferson (2021). «Abandonai Toda Esperança». Ludopedia. Cabeça de Cão. Consultado em 17 de setembro de 2023 
  141. Araújo, Rafão; Bassinello, Diego (2023). «BREU». Ludopedia. Editora Luz Negra. Consultado em 1 de outubro de 2023