Shadowrun

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Shadowrun
Autor Jordan Weisman
Bob Charrette
Paul Hume
Tom Dowd
L. Ross Babcock III
Sam Lewis
Dave Wylie
Mike Mulvihill
Quarta Edição:
Rob Boyle
Adam Jury
Steve Kenson
Michelle Lyons
et al.
Editora(s) FASA Corporation
Fantasy Productions
Catalyst Game Labs
Lançamento Estados Unidos1989 (primeira edição)
1992 (segunda edição)
1998 (terceira edição)
2005 (quarta edição)
2009 (Edição comemorativa de 20 anos)
Brasil 1995 (Ediouro)[1] 1996 (Devir Livraria)[2]
Gênero cyberpunk
fantasia científica
Sistema próprio

Shadowrun é um jogo de RPG de fantasia científica ambientado em um universo ficcional de um futuro próximo em que a cibernética e criaturas mágicas coexistem. Ele combina os gêneros de cyberpunk, fantasia urbana e da criminalidade, com elementos ocasionais de conspiração, horror e espionagem. Desde a sua criação em 1989, Shadowrun se manteve entre os RPGs mais populares. Ele gerou uma grande franquia que inclui uma série de romances, um jogo de cartas colecionáveis, dois WarGames, e vários vídeo games. O título é tirado de uma das principais premissas do cenário - onde a espionagem corporativa corre solta no futuro próximo. Shadowrun - um roubo de dados bem-sucedida ou um arrombamento em uma corporação rival ou organização - é uma das principais ferramentas utilizadas por ambos os rivais corporativas e figuras do submundo. Deckers (hackers) futuristas que podem entrar em um ciberespaço imersivo, tridimensional guardado por deckers rivais e letais, inteligencias artificiais chamadas de "Intrusion Countermeasure Electronics", também conhecidas pela sigla "ice" são protegidas por lutadores de rua e/ou mercenários, muitas vezes com implantes ciborgues (chamado Cyberware), magos, e outras figuras exóticas, em tais missões como eles buscam o acesso, físico ou remoto, para as estruturas de poder de grupos rivais. A Magia também voltou ao mundo depois de uma série de pragas distópicas; dragões que podem tomar forma humana e são comumente encontrados em altas posições de poder corporativo.

No Brasil, o jogo foi editado pelas editoras Ediouro e Devir Livraria[3] .

O jogo foi também adaptado para o Windows, Super Nintendo, Sega Genesis, Sega Mega-CD (somente no Japão, produzido pelo Group SNE). Todas as três dessas adaptações são jogos inteiramente diferentes com histórias diferentes apesar de que todas elas tomam lugar no universo de Shadowrun.

Esses jogos são fiéis à versão "papel e caneta", apesar de o grau de fidelidade variar. Todas as versões mostram uma influência japonesa significante. Existe também um jogo de cartas colecionáveis baseado em Shadowrun.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Veja, Edições 9-13 - Debates, jogos e até um CD-ROM abordam RPG. [S.l.]: Editora Abril, 1995. 37, 180, 181 p.
  2. Rafael Carneiro Vasques (2008). As potencialidades do RPG (Role Playing Game) na Educação Escolar Unesp/Araraquara.
  3. Ubiratan P. Alberton (01/06/2003). Shadowrun 3a Edição RedeRPG.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Role Playing Game é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.