United 93

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
United 93
Voo 93 (PT)
Voo United 93 (BR)
 Estados Unidos
2006 • cor • 152 min 
Direção Paul Greengrass
Produção Paul Greengrass
Tim Bevan
Eric Fellner
Lloyd Levin
Roteiro Paul Greengrass
Género Drama
Idioma Inglês
Árabe
Música John Powell
Cinematografia Barry Ackroyd
Edição Clare Douglas
Rick Pearson
Christopher Rouse
Estúdio StudioCanal
Working Title
SKE Entertainment
Distribuição Universal Pictures
Lançamento Estados Unidos 28 de Abril de 2006
Portugal 26 de Agosto de 2006
Brasil 1 de Setembro de 2006[1]
Orçamento $15,000,000
Receita $76,286,096
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

United 93 (Voo United 93 no Brasil e Voo 93 em Portugal) é um filme norte-americano do gênero drama baseado nos atentados terroristas ocorridos nos Estados Unidos no dia 11 de setembro de 2001. Foi dirigido por Paul Greengrass e estrelado por Christian Clemenson.

O filme mostra o drama vivido pelos passageiros do suposto voo 93 da companhia aérea United Airlines no dia 11 de setembro de 2001 que teria sido abatido pelos próprios passageiros.

O filme teve sua estréia na América do Norte em 28 de Abril de 2006. Dez por cento de sua receita nos três primeiros dias de exibição foram doados para a criação de um memorial as vítimas do voo United 93.[2] United 93 arrecadou um total de $31,483,450 nos Estados Unidos, e $76,286,096 mundialmente.[3] [4]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O filme começa na madrugada de 11 de Setembro de 2001, com os seqüestradores Ahmeds al-Nami e al-Haznawi rezando em seus quartos de hotel, o líder do grupo Ziad Samir Jarrah lendo o Corão e Saeed al-Ghamdi raspando seus pelos, e então partindo para o Aeroporto Internacional de Newark. No aeroporto, os passageiros e tripulação do Voo 93 da United Airlines embarcam no avião. O avião entra em uma longa fila de espera para decolagem e a saída do voo atrasa 30 minutos. Os outros três aviões decolam.

Controladores de tráfego aéreo monitorando todos os voos em andamento notam que o Voo 11 da American Airlines, um Boeing 767, fez uma curva para o sul em direção à Cidade de Nova Iorque. Logo depois, ele desce na direção de Lower Mahattan e colide com Torre Norte do World Trade Center, embora os controladores ainda não saibam disso. Vinte minutos depois, uma gravação contendo a frase de Mohamed Atta "We have some planes, just stay quiet and you'll be okay. We are going back to the airport." (Nós temos uns aviões, fiquem quietos e vocês ficarão bem. Nós estamos voltando para o aeroporto.). Os controladores não sabem ao certo a qual aeroporto o seqüestrador se refere. O conteúdo da gravação é enviado ao Gerente de Operações Nacionais da Federal Aviation Administration, Bem Sliney (interpretado por ele mesmo). A CNN então transmite as primeiras imagens da Torre Norte em chamas, e enquanto os controladores de voo tentam saber o quê aconteceu com o Voo 11, o Voo 175 da United Airlines começa a descer na direção de Nova Iorque, o que os leva a crer que se trata de um seqüestro. O Voo 77 da American Airlines também é seqüestrado. Os controladores alertam a Força Aérea Americana, que discute sobre derrubar ou não os aviões seqüestrados. Então, os controladores e a Força Aérea assistem ao Voo 175 colidindo na Torre Sul ao vivo pela CNN.

Enquanto isso, no Voo 93, uma mensagem de advertência é enviada ao cockpit avisando aos pilotos sobre o WTC e sobre a possibilidade de haver uma invasão no cockpit. Na área dos passageiros, Ahmed al-Nami insistentemente conversa com Ziad, dizendo que a hora chegou e não há mais tempo a perder, e Ahmed al-Haznawi arma uma bomba dentro do banheiro do avião. O seqüestro então começa, e enquanto Saeed rende uma aeromoça, Ahmed al-Haznawi esfaqueia um passageiro e deixa sua bomba à mostra. Ziad ordena que a aeromoça os leve para dentro do cockpit, e uma vez lá dentro, executam os dois pilotos e assumem controle da aeronave. Ziad cola no manche uma foto do Capitólio, o provável alvo deles. Enquanto isso, seus dois colegas controlam os passageiros. À essa altura, o Voo 77 colide com o Pentágono.

Logo, controladores numa torre de controle em Cleveland acham que o Voo 1989 da Delta Air Lines também foi seqüestrado, mas foi logo riscado da lista, enquanto o Voo 93 altera sua rota para ir em direção à Washington D.C. Enquanto isso, a Força Aérea tem dificuldades em arranjar aviões para uma manobra militar, pois não há aeronaves preparadas e armadas disponíveis. Bem Sliney decide então fechar todo o espaço aéreo em território americano, ordenando que todos os aviões em espaço aéreo americano aterrissem, e que os voos internacionais com destino em solo americano voltem para o lugar de onde vieram.

No avião, os seqüestradores não impedem as pessoas de fazerem ligações em telefones. Após descobrirem sobre os aviões que bateram no WTC e no Pentágono, os passageiros e a tripulação acreditam que se não fizerem nada, também morrerão. Decidem então reagir, desarmar os terroristas e assumir controle da aeronave. Uma última série de ligações é feita para familiares com o objetivo de relatar as intenções e as últimas despedidas. As aeromoças reúnem tudo o quê podem usar como armas: facas, copos, garrafas, extintores, etc. Sabendo que um dos passageiros pode pilotar aviões de pequeno porte, o grupo decide tentar colocá-lo no lugar dos terroristas, com a ajuda de um outro passageiro que já foi controlador. Eles também debatem se a bomba é real ou falsa. A movimentação é observada por Ahmed al-Nami, que avisa os comparsas sobre um possível motim e tenta repreender seus reféns pelas conversas, sem muito efeito.

O motim então começa, e os passageiros matam Ahmed al-Haznawi, enquanto Todd Beamer destrói a bomba, dizendo que é falsa. Ahmed al-Nami corre para avisar seus comparsas sobre o motim e tenta barrar os passageiros com um carrinho de comida. Enquanto isso, Ziad manobra o avião de maneira a sacudi-lo violentamente e derrubar os passageiros. Contudo, eles ainda conseguem imobilizar Ahmed e arrombam a porta do cockpit com o carrinho de comida. Quando a porta é destruída, Ziad compreende que não há mais meio de prosseguir com seus planos e joga o nariz do avião em direção ao chão, iniciando uma descida em parafuso. O filme termina com uma imagem através do vidro do cockpit de um campo que se aproxima girando, e a tela escurece a centímetros do solo, deixando claro o fim que a aeronave levou.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Fatos históricos[editar | editar código-fonte]

O verdadeiro avião do voo 93 da United Airlines, foi um Boeing 757-222 que voava regularmente no Aeroporto Internacional de Newark (agora conhecido como Aeroporto Internacional de Newark), em Newark, New Jersey, a San Francisco International Airport em San Francisco, Califórnia. Em 11 de setembro de 2001, a aeronave do voo foi um dos quatro aviões seqüestrados como parte do plano terroristas de 11 setembro, possivelmente destinados a colidir e destruir o edifício do Capitólio em Washington, DC. Foi o único dos quatro aviões que não atingiu seu alvo, batendo perto de Shanksville, na Pensilvânia, cerca de 150 quilômetros a noroeste de Washington.

Sobre o filme[editar | editar código-fonte]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Muitos muçulmanos e associações norte-americanas muçulmanas se preocupam que este filme possa estimular sentimentos antimuçulmanos dentro dos Estados Unidos.

Há uma associação civil formada por norte-americanos processando o governo dos Estados Unidos alegando ser ele o responsável pelos atentados ocorridos em 11 de setembro de 2001. O documentário Loose Change lançado em 2006 reúne diversas provas e afirmações que validam esse pensamento.

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

O filme foi indicado aos prêmios Oscar de melhor direção e edição. No entanto, perdeu ambos os prêmios para Os infiltrados. Venceu os BAFTA Film Awards de melhor direção e edição.

Lançamento[editar | editar código-fonte]

O filme foi lançado nos Estados Unidos em Abril de 2006, na França em Maio, em Portugal em Agosto e no Brasil em Setembro desse ano.

3 edições do filme foram lançadas em DVD (DVD duplo, Full Screen e Widescreen) no mesmo dia (5 de Setembro de 2006)

Na televisão aberta[editar | editar código-fonte]

No Brasil, o filme foi exibido pela Rede Record, no dia 11 de setembro de 2008, no programa Super Tela. Nesse mesmo dia, os atentados do 11/09 haviam completado 7 anos. Muitos telespectadores acreditaram não serem verdadeiras as chamadas da emissora quando anunciava o filme como inédito. Isto porque, a Rede Globo exibira curiosamente três dias antes um filme parecido, que trata do mesmo assunto, o Flight 93 (Warner Bros), levando alguns a confundi-lo com o United 93 (Universal Pictures).[7] Vale lembrar que a Rede Record possui um acordo com a Universal Pictures (distribuidora do filme) para transmitir qualquer filme da empresa. Este acordo está firmado desde 2005.

A segunda vez que o filme foi exibido foi em 8 de maio de 2011, em conta da morte de Osama Bin Laden, terrorista que idealizou os ataques do 11 de setembro.

A terceira vez que o filme foi apresentado pela TV aberta foi no dia 10 de setembro de 2011, novamente pela TV Record, em razão do memorial de 10 anos do 11 de setembro.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]