Un prophète

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Un prophète
No Brasil O Profeta
Em Portugal Um Profeta
França
2009 •  cor •  150 min 
Direção Jacques Audiard
Roteiro Jacques Audiard
Thomas Bidegain
Abdel Raouf Dafri
Nicolas Peufaillit
Elenco Tahar Rahim
Niels Arestrup
Adel Bencherif
Música Alexandre Desplat
Cinematografia Stéphane Fontaine
Edição Kristina Boden
Lançamento
  • 16 de maio de 2009 (França)
  • 31 de dezembro de 2009 (Portugal)
  • 30 de abril de 2010 (Brasil)
Idioma francês
corso
árabe

Un prophète (bra: O Profeta; prt: Um Profeta)[1][2] é um filme de ação e crime, dirigido por Jacques Audiard. Foi a escolha da França para o Oscar 2010 de Melhor Filme Estrangeiro.[3]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Condenado a seis anos de prisão, Malik El Djebena, de ascendência árabe, é semi-analfabeto. Ao chegar à prisão, totalmente sozinho, ele parece mais jovem e mais frágil do que os outros presos. Ele está com 19 anos. O líder dos corsos, que tem o controle da prisão, ameaça Malik em troca de "proteção". Sem opção, Malik acaba coagido a colaborar com os corsos. Malik aprende muitas coisas na prisão, e aos poucos vai arquitetando planos para se libertar dos corsos.[carece de fontes?]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Audiard afirmou que ao fazer o filme pretendia "criar ícones, imagens para quem não tem imagem no cinema, como os árabes na França",[4] embora também tenha afirmado que o filme "não tem nada a ver com sua visão da sociedade", e é uma obra de ficção.[5]

Audiard estava pensando em fazer um filme ambientado na prisão depois de assistir à exibição de um de seus filmes em uma dessas instituições e ficar chocado com as condições desses locais. O roteiro do filme foi submetido a eles por um produtor e retrabalhado por Audiard e Thomas Bidegain.[5][6]

Audiard escalou Niels Arestrup como o chefe do crime da Córsega César Luciani, depois de apresentá-lo em seu filme anterior, The Beat That My Heart Skipped . Ele conheceu Tahar Rahim, que interpreta Malik, quando eles dividiram um passeio de automóvel em outro set de filmagem. Para garantir a autenticidade da experiência na prisão, Audiard contratou ex- presidiários como conselheiros e figurantes.[6]

Recepção[editar | editar código-fonte]

No agregador de críticas Rotten Tomatoes, que categoriza as opiniões apenas como positivas ou negativas, o filme tem um índice de aprovação de 97% calculado com base em 160 comentários dos críticos que é seguido do consenso: "Apresentando uma impressionante atuação de estrela do recém-chegado Tahar Rahim, A Prophet é um filme de gângster francês repleto de detalhes imediatos e impressionantes."[7] Já no agregador Metacritic, com base em 100 opiniões de críticos que escrevem em maioria para a imprensa tradicional, o filme tem uma média aritmética ponderada de 90 entre 100, com a indicação de "aclamação universal".[8]

Referências

  1. «I Profeta». Portal Exibidor. Consultado em 20 de outubro de 2021 
  2. «Um Profeta». CineCartaz. Consultado em 20 de outubro de 2021 
  3. «Un prophete retenu pour les oscars». Le figaro (em inglês). Consultado em 22 de outubro de 2021 
  4. «Entretien avec Jacques Audiard, réalisateur d'Un prophète». Cinemotions (em inglês). Consultado em 16 de outubro de 2021. Arquivado do original em 8 de junho de 2010 
  5. a b «Cannes Favorite: Jacques Audiard's "The Prophet"». The Huffington Post (em inglês). Consultado em 22 de outubro de 2021 
  6. a b «Jacques Audiard's 'A Prophet' has a buzz building». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 22 de outubro de 2021 
  7. «A Prophet (Un prophete)». Rotten Tomatoes (em inglês). Fandango. Consultado em 20 de outubro de 2021 
  8. «A Prophet Reviews, Ratings, Credits, and More at Metacritic». Metacritic (em inglês). Red Ventures. Consultado em 20 de outubro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]