JOTA (site)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

JOTA.info é um veículo de imprensa fundado por jornalistas especializados no acompanhamento jurídico e institucional do Brasil. Em 2019, foi eleito a melhor startup de mídia digital do mundo[1]. Os outros dois concorrentes ao prêmio foram a startup americana Axios e o site Abacus, ligado ao South China Morning Post, de Hong Kong. O foco inicial de cobertura foi o Poder Judiciário, mas ao longo dos últimos quatro anos a empresa expandiu sua atuação ao âmbito institucional, com coberturas no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Anvisa.[2] A empresa ainda conta com setoristas no Congresso Nacional, acompanhando o dia a dia do Legislativo.

História[editar | editar código-fonte]

O JOTA.info foi ao ar em setembro de 2014.[carece de fontes?]

Em 3 de fevereiro de 2016, o JOTA firmou uma parceria com o portal UOL,[3] com estreia em 25 de fevereiro do mesmo ano.[4]

O nome do blog "JOTA" se refere à escrita e pronúncia da primeira letra do tema principal tratado: "J" de JUSTIÇA, Justiça se escreve com JOTA, essa foi a inspiração para os criadores nomeá-lo como Jota, mostrando desde a escolha do nome que inovariam e trariam algo diferente do convencional.

MP-SP pede prisão de Lula[editar | editar código-fonte]

No dia 10 de março, o JOTA.info foi o site responsável por dar, no jargão jornalístico, o "furo" do pedido de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelos promotores de Justiça do Ministério Público de São Paulo. [5]

Vídeo do ex-presidente do Brasil Lula[editar | editar código-fonte]

A Revista Época publicou uma reportagem em 5 de março de 2016 que fala sobre um vídeo publicado pela deputada federal do PCdoB Jandira Feghali gravado em 4 de março de 2016, onde é possível ver o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva desabafando com xingamentos sobre possivelmente processos em que é investigado. O vídeo na reportagem foi citado como tendo sido divulgado por JOTA.[6]

Equipe[editar | editar código-fonte]

Sócios[editar | editar código-fonte]

  • Felipe Recondo
  • Felipe Seligman
  • Fernando Mello
  • Laura Diniz
  • Marc Sangarné

Repórteres e editores[editar | editar código-fonte]

  • Alexandre Leoratti (São Paulo)
  • Bárbara Mengardo (Brasília)
  • Bruna Borges (Brasília)
  • Gabriela Guerreiro (Brasília)
  • Gustavo Cantois (Brasília)
  • Guilherme Jardim Duarte (São Paulo)
  • Guilherme Mendes (Brasília)
  • Guilherme Pimenta (São Paulo)
  • Hyndara Freitas (Brasília)
  • Jamile Racanicci (Brasília)
  • Kalleo Coura (São Paulo)
  • Luiz Orlando Carneiro (Brasília)
  • Luís Viviani (São Paulo)
  • Márcio Falcão (Brasília)
  • Mateus Vargas (Brasília)
  • Matheus Teixeira (Brasília)
  • Patrícia Gomes (Rio de Janeiro)
  • Raquel Alves (Brasília)
  • Raquel Salgado (São Paulo)
  • Valentina Trevor (Brasília)

Referências

  1. «JOTA vence prêmio de melhor startup de informação digital do mundo». JOTA Info. 2 de junho de 2019. Consultado em 13 de julho de 2019 
  2. «Quem somos». JOTA. Consultado em 9 de março de 2016. Arquivado do original em 11 de março de 2016 
  3. «Mensagem aos leitores: Parceria com o UOL». JOTA. 3 de fevereiro de 2016. Consultado em 9 de março de 2016. Arquivado do original em 11 de março de 2016 
  4. UOL (25 de fevereiro de 2016). «Estreia no UOL o site de informações jurídicas JOTA». UOL. Consultado em 9 de março de 2016 
  5. «MP-SP pede prisão preventiva de Lula». JOTA. Consultado em 8 de agosto de 2017 
  6. «Em vídeo, Lula desabafa após depoimento À PF». Revista Época. 5 de março de 2016. Consultado em 9 de março de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]