Nokia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura cidade finlandesa, veja Nokia (cidade).
Nokia Corporation
Nokia wordmark.svg
NSN headquarters
Slogan "Connecting People" (em Inglês)

“Conectando Pessoas”(em Português)
Cotação NYSE: NOK, Euronext: NOKIA
Indústria Telecomunicações
Tecnologia
Software
Fundação Nokia,  Finlândia (1865)
Fundador(es) Fredrik Idestam
Leo Mechelin
Eduard Polón
Sede Espoo,  Finlândia
Área(s) servida(s) Mundo
Presidente Rajeev Suri
Pessoas-chave Rajeev Suri (Presidente e CEO)
Risto Siilasmaa (Chairman)
Kristian Pullola, (CFO)
Empregados 97 000 em Março de 2013
Produtos Torre de Dados 4G-3G, Sistemas Wireless
Bancos de dados Wireless
Switches Wireless
Lucro Aumento € 6,5 bilhões (2014)
Faturamento Aumento € 281 milhões (2014)
Website oficial nokia.com

A Nokia Corporation (pronúncia em finlandês: [ˈnɔkiɑ], nóquia), vulgarmente conhecida como Nokia, é uma empresa multinacional finlandesa de telecomunicações e tecnologia, fundada em 1865, que tem sede em Keilaniemi, Espoo, cidade vizinha a Helsínquia, capital da Finlândia.[1] Em 2007 era líder mundial no fabrico de telemóveis, com aproximadamente 40% do mercado de telecomunicações. Em 2014, a Nokia empregava 61,656 pessoas, em 120 países, operava em mais de 150 e tinha receitas anuais de cerca de 12,73 mil milhões de euros. A empresa transaciona as suas ações na Helsinki Stock Exchange e na New York Stock Exchange, tendo sido considerada a 274.ª maior empresa mundial em 2013, de acordo com as suas receitas, pela Fortune Global 500. Faz ainda parte do índice Euro Stoxx 50.[7]

A companhia focou-se em vários ramos de negócios ao longo dos seus mais de 150 anos de história. Originalmente, começou como uma fábrica de papel, focando-se atualmente em infraestruturas de telecomunicações em larga escala e no desenvolvimento de tecnologia avançada e licenciamento de patentes. A Nokia é também um dos maiores contribuidores para o setor de telefonia móvel, tendo ajudado a desenvolver as redes standard de GSM e LTE, e sido também, por um grande período de tempo, a maior fabricante de telemóveis no mundo, bem como de smartphones, nos primeiros tempos do Symbian O.S.. Neste ramo, veio a ser ultrapassada pelos seus rivais, entrando num acordo com a Microsoft, em 2011, para utilizar exclusivamente a plataforma Windows Phone nos seus telemóveis inteligentes. As vendas de telemóveis e o valor de suas ações em Bolsa vieram a cair a pique, pelo que a divisão de dispositivos e serviços da empresa começou a apresentar elevados prejuízos para toda a corporação. Por isso, o quadro de diretores da empresa acordou, a 3 de setembro de 2013, a venda da divisão de aparelhos móveis da Nokia por cerca de US$ 7,2 mil milhões de dólares[2] à Microsoft. [3]

A Microsoft passou a controlar a Divisão de Dispositivos e Serviços da Nokia a partir do dia 25 de abril de 2014, que foi renomeada de Microsoft Mobile Oy[4]. Em outubro de 2014, a Microsoft anunciou que o Nokia Lumia 730/735 e o Nokia Lumia 830 seriam os últimos smartphones fabricados pela empresa a ostentar o nome Nokia.[5] A marca finlandesa continuou, no entanto, a ser utilizada nos telemóveis básicos.

Desde a venda da sua divisão de telemóveis, a Nokia começou a dar mais foco ao seu negócio de infraestruturas de telecomunicações, marcado pela venda da divisão HERE, e pela compra da Alcatel-Lucent, por 15,6 mil milhões de euros, tornando-se a maior fornecedora mundial de equipamentos móveis. A par disto, a companhia desenvolveu o seu negócio de patentes e tecnologia avançada, focando-se na realidade virtual, com o lançamento da primeira câmara especialmente concebida para o efeito, o OZO, e na aposta em tecnologia da saúde, com a compra da empresa francesa Withings, por exemplo.

Mais recentemente, a Nokia anunciou o regresso ao mercado de telemóveis ao abrigo de um acordo de licenciamento de marca e de patentes à HMD Global. Fundada por antigos funcionários da Nokia, a HMD Global compromete-se a fazer renascer a mítica marca de telemóveis, com a apresentação de novos dispositivos no próximo dia 26 de fevereiro de 2017, no MWC2017.

História[editar | editar código-fonte]

1865-1967[editar | editar código-fonte]

Rolos de papel produzidos pela Nokia em 1960. Museum Centre Vapriikki, Tampere

A Nokia tem uma longa história que remonta a 1965, quando Fredrik Idestam, um engenheiro de minas, criou uma fábrica de papel perto da cidade de Tampere, na Finlândia(que à época estava integrada no Império Russo. Uma segunda fábrica foi construída em 1968 perto da cidade de Nokia. Em 1871, Idestam em conjunto com o seu amigo Leo Mechelin formaram uma empresa conjunta e deram-lhe o nome de Nokia, inspirado no nome da cidade onde se situava a segunda fábrica. Nos 90 anos que se seguiram, a Nokia constituiu-se como uma empresa virada para a indústria florestal e para a indústria energética.

Em 1922, a Nokia era gerida em conjunto pela Finnish Cable Works e pela Finnish Rubber Works. A primeira produzia telefones e cabos elétricos, ao passo que a segunda se dedicava ao fabrico de galochas e otros produtos a partir da borracha.

1967-1990[editar | editar código-fonte]

Em 1967, as três empresas Nokia Aktiebolag (Nokia Company), Suomen Kaapelitehdas e Suomen Kumitehdas fundiram-se e criaram a nova e atual Nokia Corporation. Na época, a Nokia Corporation dedicava-se a muitos setores distintos tais como a borracha, exploração florestal, cabos elétricos, eletricidade e eletrónica. Em 1970, o recém formado conglomerado de empresas entrou no setor das redes e da rádio. A Nokia começou também a fazer equipamento militar para as forças de defesa da Finlândia, tais como o Sanomalaite M/90 communicator em1983 e a máscara de gás M61 de 1960. Em paralelo, a companhia começou também a produzir telefonias móveis profissionais, interruptores telefónicos, condensadores e computadores químicos e pessoais sob o nome MikroMikko (pela divisão de dados da Nokia) de 1981 a 1991. Em 1979, a Nokia fez uma parceria com a empresa de televisores Salora, a fim de criar a linha de telemóveis Mobira que, a posteriori, veio a dar origem à divisão de telemóveis. Em 1981, Mobira lançou o serviço Nordic Mobile Telephone (NMT), a primeira rede internacional de telemóveis e a primeira a possibilitar roaming internacional. No ano seguinte, em 1982, a Mobira lançou o telemóvel de carro Mobira Senator (Talkman), que pode ser considerado o primeiro telemóvel feito pela Nokia. Na altura, porém, a companhia não tinha qualquer interesse no ramo dos telemóveis e a direção da empresa considerava-os como um mero gadget à "James Bond".

Em 1987, a Finnish Cable Works descontinuou a produção de cabos elétrico na sua fábrica de Helsínquia, terminando obicialmente com a sub-divisão da empresa. A Nokian Tyres (Nokian Renkaat), uma fabricante de pneus que foi originalmente formada com a subdivisão Finnish Rubber Works em 1932, separou-se da Nokia Corporation em 1988. Dois anos depois, em 1990, a Finnish Rubber Works seguiu o mesmo destino. Isto permitiu à Nokia focar-se somente nas telecomunicações. Jorma Ollila tornou-se CEO em 1992.

Televisão I1990-201419TT-Nokia com um VHS ITT-Nokia.

1990-2014[editar | editar código-fonte]

O primeiro dispositivo móvel totalmente portátil da Nokia (depois do telefone de automóvel Mobira Senator de 1982) foi o Mobira Cityman 900 em 1987. A Nokia foi parte ativa no desenvolvimento da rede padrão GSM na década de 80 e desenvolveu ainda a primeira rede GSM com a Siemens AG, que acabaria por se tornar na antecessora da Nokia Siemens Networks. A primeira chamada através de uma rede GSM foi feita pelo primeiro-ministro finlandês Harri Holkeri no dia 1 de julho de 1991. usando um equipamento da Nokia, na banda dos 900 MHz também ela construída pela empresa e operada pela operadora finlandesa Radiolinja. Em novembro de 1992, o Nokia 1011 foi o primeiro telemóvel da companhia disponível para as massas. Em 1998, a Nokia ultrapassou a Motorola e tornou-se a empresa com o maior volume de vendas na indústria dos telemóveis.

Até ao fim do milénio, a Nokia manteve algumas das suas outras indústrias para além da dos telemóveis, tais como as de ecrãs para PC's (até 2000, adquirida pela ViewSonic), modems DSL, aparelhos descodificadores de televisão por cabo, tanto digitais como analógicos, componentes para computadores e televisões.Muitos conheceram o seu fim no seio da corporação na década de 2000.

Os telemóveis da Nokia demonstraram-se espetacularmente bem sucedidos na Europa, África, Ásia e na Oceânia. A Nokia foi também uma pioneira no que concerne à introdução de jogos em equipamentos móveis, dentre os quais se destaca o famoso jogo Snake, que estava pré-carregado em muitos dos seus produtos. O Nokia 3310 é um dos produtos mais famosos da empresa junto do público, sendo-lhe destacadas a sua durabilidade e resistência. A Nokia foi também quem criou o telemóvel mais vendido de sempre, o Nokia 1100 em 2003.

Nokia 1011

O primeiro Nokia com uma câmara foi o Nokia 7650, e o seu sucessor, o Nokia 3600/3650 foi o primeiro telemóvel com câmara na América do Norte. Em 2006, o Nokia N93 tinha uma avançada câmara, com um design robusto e fora do comum; O Nokia N95 tinha um sensor de alta resolução com 5 MP. e flash; o Nokia N82, por sua vez, detacava-se pelo seu flash de xénon; o Nokia N8 tinha uma câmara com 12 MP; o Nokia 808 PureView carregava uma extraordinária câmara com 41 MP; o Nokia Lumia 920 trazia avançados algoritmos de imagem, publicitados com a marca Pureview. A primeira patente de fotografia da Nokia foi solicitada em 1994, e revelada em 2013.

Em 2003, a Nokia fez uma tentativa de entrar no mercado de videojogos móveis ao lançar o aclamado Nokia N-Gage, que se veio a revelar um fracasso a desafiar a supremacia da Nintendo.

Os smartphones mais avançados da Nokia, baseados no Symbian 60, alcançaram grande popularidade desde meados de 2005 até ao final da década.Por muitos anos, o sistema operativo foi líder na Europa e na Ásia(mas acabou por ficar para trás de outros sistemas operativos na América do Norte). Entre os mais famosos contam-se o Nokia N95 e o Nokia E71, lançado em 2008.

Mais tarde, o Symbian começou a tornar-se menos robusto e mais difícil de adapatar a novas funcionalidade e aplicações, ficando para trás de outras plataformas, após o advento do Iphone e do Android. Para contrariar estes efeitos, a empresa começara a desenvovle rum sistema operativo totalmente novo, o MeeGo, em 2010. Contudo, em fevereiro de 2011, Stephon Elo, o novo CEO da Nokia, enveredou por uma parceria com a Microsoft para que a Nokia utilizasse o Windows Phone nos seus dispositivos móveis, relegando o Symbian para os modelos de entrada. Apesar do Nokia N9, o único telemóvel comercialmente lançado com o MeegoOS, ter sido um grande sucesso, aclamado pela crítica como o derradeiro Iphone killer, a empresa decidiu encerrar o seu desenvolvimento para se focar apenas no Windows Phone. Após o anúncio da parceria, as ações da Nokia caíram a pique porque os operadores de telecomunicações não estavam dispostos a comprar telemóveis Symbian quando estest ficariam rapidamente sem suporte por parte da sua criadora. O primeiro telemóvel com Windows Phone da Nokia foi o Nokia Lumia 800, que começou a ser comercializado em novembro de 2011. A queda das vendas em 2011, que não melhoraram muito com a linha Lumia em 2012, levaram a grandes perdas trimestrais à empresa. Em meados de 2012, com o valor das ações abaixo dos 2 dólares, a Nokia quase que enfrentou a bancarrota.

O Nokia Lumia 920 foi anunciado em setembro de 2012, e foi visto pela imprensa especializada como o primeiro Windows Phone capaz de ombrear com os seus rivais da altura, sobretudo a muitas funcionalidades inovadoras e características avançadas. Em simultâneo, a gama Asha da Nokia, desenhada especificamente para os países emergentes, estava a ganhar terreno. Apesar da quota de mercado dos smartphones Nokia ter recuperado em 2013, tal não foi suficiente para melhorar a situação financeira da empresa, que tinha apresentado prejuízos durante dois anos consecutivos. Por isso, em setembro de 2013, a Nokia anunciou a venda da sua divisão de dispositivos e serviços à Microsoft. A venda foi positiva para a Nokia na medida em que impediu a falência da empresa, e também para a visão do então CEO da Microsoft, Steve Balmer, que a queria tornar numa companhia de "hardware e software". O negócio foi concluído a 25 de abril de 2014, pelo que a Microsoft Mobile se tornou a sucessora natural da divisão de dispositivos e serviços da Nokia. Em simultâneo, a Nokia comprou as ações pertencentes à Siemens na NSN em julho de 2013 por 2 mil e 200 milhões de dólares, pelo que foi renomeada para Nokia Networks. Após o fim da Idade do Ouro, naquele que se revelou um mau momento financeiro para a Nokia, foi o lucro da divisão de redes que permitiu à Nokia não abrir falência, pelo que a compra à Siemens se revelou profícua para toda a corporação.

2014-presente[editar | editar código-fonte]

Depois da venda da divisão de dispositivos móveis à Microsoft, a Nokia passou a focar-se nas suas três divisões:

  • a Nokia Networks, a principal e maior divisão da empresa, que se dedica ao desenvolvimento de redes de telecomunicações sobre vários suporte, desde as grandes empresas até ao consumidor final, tais como o 4G, 5G, fibra ótica, etc.;
  • o HERE, a divisão de mapas da empresa que renascera das cinzas da Navteq, que havia sido adquirida pela Nokia em 10 de julho de 2008, e renomeada em 2012; foi entretanto vendida, a 3 de dezembro de 2015, a um consórcio automobilístico alemão: BMW, Daimler e Audi;
  • a Nokia Technologies, que foi criada após a venda, procedendo à gestão do imenso portfólio de patentes da empresa criados a partir de mais de 30 anos em investigação e desenvolvimento na área dos telemóveis, bem como incubadora de novas áreas de negócio lucrativas para a corporação.

No dia 18 de novembro de 2014, a Nokia anunciou, naquilo que foi uma surpresa, o Nokia N1, um tablet Android desenhado pela Nokia Technologies e fabricado pela Foxconn. Foi somente vendido na China e em Taiwan, mas mesmo assim um sucesso. Entretanto, esta estratégia para regressar ao mercado viria a ser abandonada.

A 15 de abril de 2015, a Nokia anunciou outro grande passo na sua reestruturação, pois anunciou uma fusão/venda com a Alcatel-Lucent por 15 mil e 600 milhões de euros. A aquisição teve como principal objetivo criar um forte rival contra a Huwaei e a Ericson. os resultados conjuntos das duas empresas ultrapssavam os da empresa líder de mercado, a Ericson. Os acionistas da Nokia detêm 66,5% da nova empresa e os da Alcatel-Lucent 33.5%. Os Bell Labs mantiveram-se na nova empresa e, tal como todas as suas subdivisões, passaram a ostentar a marca Nokia. A compra ficou concluída a 14 de janeiro de 2016

A 28 de julho de 2015, a Nokia Technologies anunciou o OZO, uma câmara de realidade virtual com 8 sensores com resolução 2k. A Nokia declarou que o OZO, e toda o suporte que teria, consituíriam a mais avançada plataforma de Realidade Virtual em todo o mundo, para além de constituir um primeiro passo da subdivisão de Realidade Virtual da empresa no mercado profissional. O preço de lançamento foi de 60.000€, estando atualmente nos 50.000€.

No dia 26 de abril de 2016, a Nokia anunciou que iria adquirir a start-up francesa de saúde digital Withings por 191 milhões de euros. A empresa foi integrada na nova sub-divisão de saúde da Nokia Technologies. No decorrer de 2017, espera-se que a marca Nokia venha a substituir a marca Withings.

A 18 de maio de 2016, a Microsoft anunciou a venda da divisão de telemóveis básicos, bem como a licença que tinha para utilizar a marca Nokia ensses mesmos dispositivos, à HMD Global, e as fábricas da antiga Nokia à FIH Mobile, uma subsidiária da Foxconn. Em simultâneo, a HMD Global, uma start-up finlandesa formada por antigos empregados da Nokia, acordou com a empresa o direito de utilização da marca Nokia, bem como das suas patentes, em smartphones Android. A Nokia terá um lugar assegurado no Quadro de DIretores da HMD e poderá, assim, controlar a qualidade dos novos dispositivos. Os novos telemóveis inteligentes serão lançados no dia 26 de fevereiro de 2017, no MWC 2017.

A Casa Nokia, sede da Nokia no Golfo da Finlândia, em Keilaniemi, Espoo, foi construído entre 1995 e 1997. É o local de trabalho de mais de 1000 trabalhadores da Nokia.
Evolução do tamanho dos modelos de celular Nokia

Referências

  1. «Nokia in brief (2007)» (PDF). 2008  Parâmetro desconhecido |publicdo= ignorado (ajuda);
  2. Nilton Kleina (3 de Setembro de 2013). «Microsoft compra divisão de celulares da Nokia por R$ 17 bilhões». Consultado em 02 de outubro de 2013.  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  3. R7 Notícias TECNOBLOG: Por dentro da fábrica da Nokia em Manaus
  4. «Nokia vai mudar de nome para Microsoft Mobile Oy» 
  5. «Adeus telemóveis Nokia. Olá Microsoft Lumia» 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Nokia