Xiaomi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Xiaomi Inc.
Razão social Xiaomi Technology Co., Ltd
Tipo Privada
Indústria Hardware
eletrônica de consumo
Fundação 6 de abril de 2010
Fundador(es) Lei Jun
Sede Pequim, China
Presidente Lin Bin
Vice-presidente Xiang Wang
Pessoas-chave Lei Jun (diretor executivo)
Empregados Aproximadamente 5 000
Produtos Telefone celular
smartphones
tablets
Website oficial br.mi.com www.xiaomi.com.br

Xiaomi Inc. (pronunciado [/ɕjɑʊmi/], chinês: 科技pinyin: Xiǎomĭ Kējì, literalmente "Xiaomi Tech")[1][2] é uma empresa chinesa de produtos eletrônicos com sede em Pequim, na China.

Terceira maior distribuidora de smartphones do mundo, a Xiaomi projeta, desenvolve e vende celulares, aplicativos móveis e eletrônicos de consumo.[3] Desde o lançamento de seu primeiro smartphone em agosto de 2011, a empresa ganhou participação de mercado na China continental e expandiu-se ao desenvolvimento de uma ampla gama de produtos eletrônicos de consumo, incluindo um dispositivo de ecossistema para casas inteligentes.[4][5][6][7] O fundador e diretor executivo da empresa é Lei Jun, a 6ª pessoa mais rica da China, segundo a Forbes. A empresa vendeu mais de 60 milhões de telefones celulares em 2014.[8]

A empresa tem mais de 5 000 funcionários, principalmente na China, Malásia,[9] e Singapura, e está se a expandir mundialmente, como Índia[10] e Indonésia, e nas Filipinas.[11] De acordo com a IDC,[12] a companhia hoje é o terceiro maior fabricante de smartphones do mundo, seguido pela Lenovo e LG em quarto e quinto lugar, respectivamente. A Samsung permanece em primeiro lugar, apesar da diminuição do volume de embarque, seguida pela Apple Inc. em segundo lugar. Xiaomi também se tornou o maior fornecedor de smartphones do mundo em 2014, tendo ultrapassado a Samsung, de acordo com um relatório da IDC.[13]

No final de Novembro de 2014, se tornou a empresa recém-lançada de tecnologia mais valiosa do mundo depois de ter recebido 4.1 biliões de dólares de financiamento por parte dos investidores, fazendo com que valorizasse para mais de 46 biliões de dólares.[14]

Em 2017, a Xiaomi foi eleita pelo ranking BrandZ como a 5ª marca chinesa com maior presença global, atrás da Lenovo, Huawei, Alibaba e Elex Tech[15].

Mercado brasileiro[editar | editar código-fonte]

No dia 29 de junho de 2015, a Xiaomi, gigante do mundo dos celulares, chegou ao Brasil.[16]

Apostou no desenvolvimento de uma ampla gama de produtos eletrônicos de consumo.[17] Após aproximadamente 1 ano de sua chegada ao Brasil, a empresa deixou de trazer seus lançamentos, dando sinais que não tinha planos de seguir atuando no país. A Xiaomi encerrou suas atividades no Brasil no segundo semestre de 2016. Desde então, os consumidores da marca chinesa precisam procurar outros meios para adquirir os produtos, como a importação.

Referências

  1. «User Agreement» (em inglês). Xiaomi. Consultado em 22 de fevereiro de 2015 
  2. Mozur, Paul (08 de outubro de 2013). «How Upstart Xiaomi Rattled China's Smartphone Race». Dow Jones & Company. The Wall Street Journal. Consultado em 22 de fevereiro de 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  3. «小米47寸电视真机照曝光». MyDrivers.com (em chinês). 驱动之家. 17 de junho de 2013. Consultado em 22 de fevereiro de 2015 
  4. Bischoff, Paul. «Xiaomi unveils sensor panels for its smart home ecosystem» (em inglês). Tech in Asia. Consultado em 22 de fevereiro de 2015 
  5. Lococo, Edmond (18 de janeiro de 2015). «Xiaomi Unveils Smart Home Suite With Security Features» (em inglês). Bloomberg Business. Consultado em 22 de fevereiro de 2015 
  6. Kan, Michael (15 de janeiro de 2015). «Xiaomi looks beyond smartphones to smart home products» (em inglês). PC World. Consultado em 22 de fevereiro de 2015 
  7. Song, Huei. «XIAOMI ANNOUNCES NEW SMART HOME GADGETS – WEBCAM, POWER PLUG, LIGHTBULB AND REMOTE CENTER» (em inglês). lowyat.net. Consultado em 22 de fevereiro de 2015 
  8. Russell, Jon (03 de janeiro de 2015). «Xiaomi Confirms It Sold 61M Phones In 2014, Has Plans To Expand To More Countries». TechCrunch. Consultado em 22 de fevereiro de 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  9. Eilers, Chris (24 de junho de 2014). «How China's Xiaomi Beats Huawei in Malaysia» (em inglês). Oizoioi Malaysia Tech Blog. Consultado em 22 de fevereiro de 2015 
  10. Saha, Debjit (17 de julho de 2014). «Xiaomi Makes Grand Entry in India». DM (em inglês). Gadgetizor. Consultado em 22 de fevereiro de 2015 
  11. Shu, Catherine (28 de agosto de 2013). «Xiaomi, What Americans Need To Know». AOL (em inglês). TechCrunch. Consultado em 22 de fevereiro de 2015 
  12. Shu, Catherine (29 de outubro de 2014). «Xiaomi Now The World's Third Biggest Smartphone Maker, Says IDC» (em inglês). TechCrunch. Consultado em 22 de fevereiro de 2015 
  13. «The China Smartphone Market Picks Up Slightly in 2014Q4, IDC Reports» (em inglês). IDC. 17 de fevereiro de 2015. Consultado em 22 de fevereiro de 2015 
  14. Macmillan, Douglas (19 de dezembro de 2014). «Xiaomi raises another $1.1 billion to become most-valuable tech start-up» (em inglês). MarketWhatch. Consultado em 22 de fevereiro de 2015 
  15. «Kantar - BrandZ: Lenovo, Huawei e Alibaba entre marcas chinesas com maior presença global». br.kantar.com (em bretão). Consultado em 15 de fevereiro de 2017 
  16. «MOBILE TIME - Xiaomi chega ao Brasil com smartphone Redmi 2 por R$ 499». Consultado em 1 de julho de 2015 
  17. «Xiaomi revolucionando mercado com dispositivos baratos, com qualidade e baixo preço». Consultado em 11 de agosto de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Xiaomi