Segurança de computadores

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde dezembro de 2013). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.

Cibersegurança é o termo que designa o conjunto de meios e tecnologias que visam proteger, de danos e intrusão ilícita, programas, computadores, redes e dados. Também conhecida como segurança do ciberespaço, a cibersegurança tem se tornado uma preocupação para muitas pessoas e nações. Os riscos a que os usuários de sistemas informatizados se submetem aumentam diariamente e políticas de segurança apropriadas são necessárias. Muitos governos estão investindo pesadamente na pesquisa e aquisição de novas tecnologias de segurança da informação em virtude do crescimento da presença de dispositivos computacionais interconectados e, por consequência, do aumento dos riscos associados a esse crescimento. Os chamados ciberataques são responsáveis por sérias consequências a empresas, pessoas e países. Existem três aspectos importantes em cibersegurança, a saber: Integridade, Confidencialidade e Disponibilidade.

Conceitos de cibersegurança[editar | editar código-fonte]

Os debates em torno da cibersegurança, assim como a conhecemos, intensificaram-se em meados dos anos 1990 nos Estados Unidos, se espalhando para outros países desenvolvidos e se manifestando em políticas de segurança em uma variedade de formas. Tais debates são produto da Revolução da informação ou Terceira Revolução Industrial, onde se observa a presença das tecnologias da informação e comunicação em larga escala, envolvidas em vários aspectos da atividade humana. A criação de incentivos para motivar todas as partes da economia da Internet a fazer investimentos apropriados em segurança requer medidas técnicas e políticas públicas cuidadosamente equilibradas para aumentar a segurança sem criar barreiras à inovação, ao crescimento econômico e ao fluxo livre de informações.

Os diversos conceitos de cibersegurança habitualmente incorporam as seguintes definições:

  1. Conjunto de atividades e outras medidas, técnicas ou não-técnicas, que visam proteger computadores, redes de computadores, hardware e software relacionados.
  2. O grau de proteção resultante da aplicação dessas atividades e medidas.
  3. A pesquisa e análise que visam implementar essas atividades e melhorar sua qualidade.

Aspectos de cibersegurança[editar | editar código-fonte]

A cibersegurança possui três aspectos muito importantes: Confidencialidade, Integridade e Disponibilidade. Além desses, outros dois aspectos também estão sendo postos em discussão: a Legitimidade e a Autenticidade.

Confidencialidade[editar | editar código-fonte]

Significa que nenhum acesso a informação deve ser provido a sistemas ou usuários não-autorizados. Em outras palavras, apenas usuários e sistemas com os privilégios adequados (entidades legítimas) podem ter acesso a informação. A norma ISSO-17799 define confidencialidade como sendo a garantia de que a informação seja acessível apenas àqueles autorizados a ter acesso. Graças às técnicas de criptografia moderna, por exemplo, a confidencialidade já é uma realidade. Com a garantia da confidencialidade, terceiros que obtenham a informação entre um remetente e um destinatário não serão capazes de extrair conteúdo compreensível da mesma.

Integridade[editar | editar código-fonte]

Aspecto que se preocupa com a confiança que pode ser depositada em uma informação obtida. A informação não pode ser modificada por partes não-autorizadas. A integridade é quebrada quando partes não-autorizadas modificam a informação. A quebra da integridade de uma informação pode ser feita a partir da alteração do conteúdo da informação ou a partir da alteração das estruturas que fornecem suporte ao armazenamento do conteúdo. A integridade é dependente da confidencialidade, pois se alguma informação confidencial for perdida, os mecanismos de integridade podem ser desativados. A confidencialidade é dependente da integridade, pois se a integridade de um sistema for perdida, os mecanismos que controlam a confidencialidade não são mais confiáveis.

Disponibilidade[editar | editar código-fonte]

O objetivo da disponibilidade é garantir o acesso de usuários autorizados a um determinado serviço ou recurso, assim que forem requisitados.

Principais tipos de ciberataques[editar | editar código-fonte]

Os ciberataques surgiram com o objetivo de desestruturar sistemas que controlam serviços essenciais à vida de pessoas ou aos recursos de uma organização. Os serviços financeiros e administrativos estão entre os alvos mais visados por este tipo de ataque. Redes bancárias, ministérios, redes de comunicações, redes de distribuição de energia e água e redes de direção de tráfego aéreo controladas por computadores são prováveis alvos. Entre os principais tipos de ciberataques, podemos citar: ataque de negação de serviço (DoS), malwares, ataques em redes sociais, botnets e Zombies e scarewares.

Negação de Serviço (DoS)[editar | editar código-fonte]

Refere-se ao ataque que impede ou prejudica a funcionalidade de redes, sistemas ou aplicações, esgotando seus recursos. Portanto, a negação de serviço não é um ataque de invasão e sim de sobrecarga. O atacante pode também obstruir o meio de comunicação existente entre os clientes e o sistema, prejudicando a comunicação. Os alvos dos ataques de negação de serviço incluem, além dos alvos finais, máquinas que servem como agentes de ataque (Zombies).

Malwares[editar | editar código-fonte]

Spywares, vírus de computador e worms são considerados malwares. Os malwares são popularmente conhecidos por se espalhar rapidamente em e-mails e programas de mensagens instantâneas, além de infectar websites.

Ataques em Redes Sociais[editar | editar código-fonte]

As redes sociais constituem alvo frequente de ataques por comportar um grande volume de usuários e dados pessoais. O roubo de identidade é um dos objetivos desse tipo de ataque. Ataques de spam através de redes sociais cresceram bastante entre abril e junho de 2011.

Botnets e zombies[editar | editar código-fonte]

Botnets são uma coleção de agentes de software (bots) que comprometem máquinas com o objetivo de capturar informações e enviá-las para um cliente específico. As máquinas infectadas recebem o nome de Zombies.

Scarewares[editar | editar código-fonte]

Programas que são vendidos ou divulgados como proteção para um computador, mas que na verdade são criados para infectá-lo. O software de segurança adquirido pode deixar de alertar sobre possíveis vírus na sua existência, ou fazer alertas falsos.

Breve histórico de ciberataques[editar | editar código-fonte]

Os primeiros ataques de negação de serviço surgiram em meados da década de 90. Em 1996, hackers já exploravam falhas existentes no protocolo da Internet mais utilizado, o TCP/IP, para investir em ataques. Em 2000, vários sites robustos de multinacionais como eBay, Yahoo, Amazon e CNN sofreram ataques de negação de serviço, resultando em uma perda de aproximadamente 1,7 milhões de dólares. Em 2007, uma série de ataques contra a Estônia afetou de forma grave os sites do primeiro-ministro estoniano, bancos e sites de menor tráfego. Os hackers utilizaram vários computadores como zombies e enviaram uma grande demanda de mensagens a uma taxa de envio muito alta aos sites alvo. Alguns pesquisadores acreditaram que este seria o começo de uma guerra cibernética e especularam que os russos teriam sido os autores dos ataques. Em julho de 2009, sites financeiros e de mídia foram atacados nos Estados Unidos e na Coreia do Sul. Em janeiro de 2010, a Google reportou que os ataques contra a sua estrutura corporativa (dezembro de 2009), que levou ao roubo de propriedade intelectual da empresa, originaram-se na China. Em setembro de 2010, a usina nuclear de Natanz, no Irã, foi alvo de ataques do worm Stuxnet, um dos malwares mais avançados que se tem conhecimento. Em novembro de 2010, o governo dos Estados Unidos admitiu que parte do seu tráfego na Internet foi desviado para China por um período de aproximadamente 18 minutos. Os chineses negaram a acusação. Em 2011, foi descoberta uma série contínua de ataques cibernéticos, iniciada em meados de 2006, contra governos e organizações como as Nações Unidas. Em maio de 2012, um vírus denominado Flame foi descoberto e pode ser considerado um dos mais avançados da história da computação. Em junho de 2012, pesquisadores da fabricante de antivírus Kapersky Lab confirmaram uma ligação entre o Flame e o Stuxnet. O Flame, no entanto, não tem o objetivo de destruir sistemas, mas apenas capturar dados.

O Stuxnet[editar | editar código-fonte]

Segundo uma reportagem de junho de 2012 do jornal americano The New York Times foram os Estados Unidos e Israel os responsáveis pelo Stuxnet. O ciberataque foi projetado para impedir que o Irã produza armas nucleares e para isso o ataque foi feito à usina nuclear iraniana de Natanz. Esse ataque, somado ao ataque do Flame, pode ser considerado como começo de uma possível ciberguerra, o que preocupa autoridades de todo o mundo.

Operação Aurora[editar | editar código-fonte]

A Operação Aurora foi uma série de ataques realizados em meados de 2009 que se aproveitou de uma falha de segurança do navegador Internet Explorer. Os ataques visavam o roubo de informação online e controle sem autorização de sistemas informatizados. Mais de 30 empresas americanas sofreram ataques, como a Adobe e a Google. Em janeiro de 2010, a empresa Google relatou que foi vítima dos ciberataques, originados na China. Em seu blog, a empresa ainda confirmou que várias contas de usuários do Gmail da Europa, Estados Unidos e China foram acessadas por terceiros, ressaltando que tais invasões não se aproveitaram de alguma falha de segurança da empresa, mas sim consequência de golpes de pishing e malwares.

Padrões de cibersegurança[editar | editar código-fonte]

Padrões de cibersegurança são padrões de segurança utilizados por organizações para minimizar o número de ciberataques. Os padrões ISO27002, SoGP, NERC, NIST, ISO15408, RFC2196 e ISA99 são alguns dos mais importantes padrões conhecidos.

Políticas de cibersegurança[editar | editar código-fonte]

Uma política de cibersegurança define as diretrizes referentes à segurança da informação em uma instituição ou governo. Com uma política de cibersegurança, o governo ou instituição firma um compromisso com a segurança de seus dados. Tais diretrizes devem ser registradas em forma de um documento sucinto, de fácil entendimento. Os mecanismos de segurança são responsáveis por forçar a utilização das políticas de segurança. O uso de um mecanismo de segurança só é efetivo se existir uma clara política de segurança. Usuários, equipes e gerentes devem estar atentos quanto à política de segurança adotada em sua empresa, bem com as obrigações que devem ter para seguir essa política.

Referências

  1. A Comparative Analysis of Cybersecurity Initiatives Worldwide
  2. Obama Ordered Wave Of Cyberattacks Against Iran
  3. Cybersecurity Risks
  4. Types of Cyber Attacks and How to Recognize Them
  5. History of Computer Hacking