Rede Brasil de Televisão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Rede Brasil)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: "Rede Brasil" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Rede Brasil (desambiguação).
Rede Brasil de Televisão
Sistema Pantanal de Produção e Comunicação - EIRELI - EPP
Tipo Rede de televisão aberta comercial
País Brasil
Fundação 7 de abril de 2007
Presidente Marcos Tolentino[1]
Cidade de origem Campo Grande, MS
Sede Campo Grande, MS
São Paulo, SP
Estúdios São Paulo, SP
Slogan Uma TV ligada em você.
Formato de vídeo 1080i (HDTV)
Afiliações
Cobertura 95% do território nacional[2]
Emissoras afiliadas Lista de emissoras
Página oficial rbtv.com.br
Disponibilidade aberta e gratuita
Analógico
Digital
Disponibilidade por satélite
Claro TV
Canal 13
Vivo TV
Oi TV
Algar TV
Canal 717
Sky
Canal 17
StarOne C1
3976 MHz @ 5000 ksps, Horizontal (HDTV)
Disponibilidade por cabo
NET
Canal 13
Cabo Telecom
Canal 30
Jundicabo TV
Canal 47
Supermidia
Canal 81
BVCi
Canal 727
Disponibilidade digital
RBTV.com.br
Assistir ao vivo

Rede Brasil de Televisão (também conhecida por Rede Brasil ou simplesmente por RBTV) é uma rede de televisão aberta comercial brasileira. Foi inaugurada em 7 de abril de 2007, e é presidida pelo advogado tributarista Marcos Tolentino. A rede é oriunda de Campo Grande, capital do estado do Mato Grosso do Sul, e está sediada em São Paulo, capital do estado homônimo.[1]

História[editar | editar código-fonte]

A emissora entrou no ar em 7 de abril de 2007.[3] Conta com apresentadores como Nahim, Décio Piccinini, Lucimara Parisi, Amanda Françozo, Magno Malta, Lauriete, Nani Venâncio, Ney Gonçalves Dias, Ivo Morganti, João Leite Neto, Luciano Faccioli e Evê Sobral.[4][5] . Em 2014, Fernando Vannucci foi contratado para apresentar o programa de esportes, sendo a maior contratação do canal daquele ano.[6] Todos os anos a Rede Brasil de Televisão transmitia o Teleton, de 2014 até então, a Rede Brasil deixou de transmitir o Teleton com o objetivo de cumprir seus compromissos comerciais em sua programação.[7]

A Rede Brasil possui estúdios na cidade de São Paulo (SP).[8] Em setembro de 2016, assinou contrato com a Toei Animation e adquiriu da produtora japonesa os animes Os Cavaleiros do Zodíaco e Dragon Ball Z.[9] O canal estreou os dois animes em 31 de outubro, dentro da Sessão Oriental e junto estreou o programa Senpai TV, sendo exibidos em uma versão remasterizada em alta definição.[10] Em outubro de 2017, a emissora anunciou a aquisição de Os Cavaleiros do Zodíaco: The Lost Canvas e As Aventuras do Pequeno Príncipe.[11] No dia 13 de abril de 2018, a emissora anunciou uma parceria com o site de streaming de animes Crunchyroll para exibir animes legendados no canal a partir do dia 21 do mesmo mês. As atrações principais são Re:Zero e Black Clover. As transmissões serão exibidas em um bloco separado e na íntegra, ou seja, sem censura, como exibidas em território japonês e no site.[12] A partir do dia 1º de junho, o canal passou a transmitir 12 horas para TV Plenitude, de propriedade da Igreja Apostólica Plenitude do Trono de Deus. Em 28 de julho, a emissora arrenda 11 horas de programação dos sábados para a Igreja Plenitude, e em 31 de julho, deixa de exibir os animes Cavaleiros do Zodíaco e Dragon Ball Z por uma semana, para exibir a programação religiosa, fazendo com que a emissora tivesse 16 horas de programação independente (somando também os infomerciais e caça-níqueis).

Antigo logotipo da emissora, usado entre 2009 e 2012.

Sinal[editar | editar código-fonte]

Em 5 de setembro de 2012, iniciou testes com sinal digital na cidade de São Paulo no canal 56 UHF (10.1 virtual).[7] Em 2014 iniciou suas transmissões em HDTV para São Paulo e demais operadoras de TV por Assinatura.[7] Através do site, a emissora transmite sua programação ao vivo de forma gratuita via streaming.[2]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Direitos autorais[editar | editar código-fonte]

O canal tem sido acusado de exibir séries de televisão e desenhos animados ilegalmente, sem pagar pelos direitos de transmissão. O primeiro caso deste foi quando a emissora exibiu séries da Warner Bros. e Fox, que na época, pertenciam a SBT e Rede Globo, respectivamente. Neste caso, a emissora recebeu uma notificação da justiça, retirando as séries do ar.[13]

No dia 2 de abril de 2013, a emissora estreou a série de anime Os Cavaleiros do Zodíaco, gerando uma grande repercussão nas redes sociais, já que na época o anime pertencia a Rede Bandeirantes.[14] Em menos de um mês, a RBTV retirou o anime da programação. No entanto, três anos depois, o canal anuncia a reestreia de Os Cavaleiros do Zodíaco junto com a estreia de Dragon Ball Z, porém desta vez exibindo legalmente, após um contrato com a Toei Animation.[9]

Em julho de 2014, a emissora anunciou o lançamento de Mighty Morphin Power Rangers na grade, sem ter qualquer direito de exibição. A produtora Saban Brands, que detém os direitos da série, informou na época que iria processar a emissora, caso ela exibisse o produto.[15]

Intervenção judicial[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2016, devido o dono da emissora, Marcos Tolentino, ser amigo e sócio de Celso Russomano nas empresas Paz e Bell Hel, que estavam sendo investigadas na Operação Ararath da Polícia Federal, foi decretada uma intervenção judicial para o afastamento dos diretores da emissora. A decisão pedia que Fernando Claro Iglesias, um administrador judicial, assumisse a gestão da empresa. Foi ordenada também a busca e apreensão de documentos de arquivos da empresa. A Rede Brasil de Televisão, divulgou uma nota esclarecendo que tomou medidas judiciais, apresentando garantias e efetuando pagamentos, evitando a concretização da intervenção. Também afirmou que a Justiça foi levada ao erro devido as alegações da defesa da produtora Paparazzi de Comunicações, sendo esta a responsável por pagar a condenação.[16]

Notas

  1. Canal 3 em Distrito Federal, Fortaleza e São Luís.

Referências

  1. a b Dino (13 de janeiro de 2016). «Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão – RBTV». Exame. Cópia arquivada em 1 de maio de 2001 
  2. a b «RBTV». rbtv.com.br. Consultado em 6 de abril de 2019 
  3. RetrôTV. «Televisão: Novo pacote de séries clássicas estreia na Rede Brasil». Consultado em 26 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 26 de fevereiro de 2015 
  4. Wandreza Fernandes (12 de Setembro de 2018). «Evê Sobral Estréia novo cenário do Programa Em Revista». Consultado em 28 de Março de 2019 
  5. Rede Brasil de Televisão (20 de Setembro de 2012). Chamada Evê Sobral Rede Brasil de Televisão. YouTube. Consultado em 28 de Março de 2019 
  6. Gabriel Vaquer. «Afastado da TV, Fernando Vanucci acerta retorno com a Rede Brasil». Consultado em 5 de abril de 2016 
  7. a b c Marcos Tolentino. «Rede Brasil». Consultado em 5 de abril de 2016 
  8. Paula Maciulevicius (6 de dezembro de 2013). «Rede Brasil de Televisão abre transmissão em Campo Grande». www.campograndenews.com.br. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  9. a b Matheus Sousa (29 de setembro de 2016). «CDZ e DBZ: animes em outubro na Rede Brasil». ANMTV. Consultado em 29 de setembro de 2016 
  10. Matheus Sousa (20 de outubro de 2016). «CDZ e DBZ: chamada de estreia na Rede Brasil e versão HD». ANMTV. Consultado em 20 de outubro de 2016 
  11. Nielsen Souza (19 de outubro de 2017). «Rede Brasil exibirá Lost Canvas e Pequeno Príncipe». ANMTV. Consultado em 19 de outubro de 2017 
  12. «Bloco Crunchyroll TV estreia na Rede Brasil no dia 21 de abril». Crunchyroll 
  13. ANMTV. «Os Cavaleiros do Zodíaco: Rede Brasil exibe anime sem autorização». Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  14. NaTelinha. «Emissora UHF exibe "Os Cavaleiros do Zodíaco" sem possuir os direitos». Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  15. NaTelinha. «Rede Brasil anuncia "Power Rangers" sem direitos; produtora ameaça processo». Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  16. «Emissora de TV de sócio de Celso Russomano tem intervenção judicial». glamurama.uol.com.br. 22 de junho de 2016. Consultado em 6 de novembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]