Ilusões Perdidas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre uma telenovela brasileira. Para a obra de Balzac, veja Illusions perdues.
Ilusões Perdidas
Informação geral
Formato Telenovela
Criador(es) Enia Petri
País de origem  Brasil
Idioma original (português brasileiro)
Produção
Diretor(es) Líbero Miguel
Sérgio Britto
Elenco
Exibição
Emissora de televisão original Rede Globo
Transmissão original 26 de abril de 196530 de julho de 1965
N.º de episódios 56

Ilusões Perdidas é uma telenovela brasileira, sendo a primeira produzida e exibida pela Rede Globo entre 26 de abril e 30 de julho de 1965 em 56 capítulos, sendo substituída por Marina. Foi escrita por Enia Petri, dirigida por Líbero Miguel e Sérgio Britto.

Foi produzida pela TV Globo de São Paulo, antiga TV Paulista, na época recém-comprada por Roberto Marinho. No Rio de Janeiro, foi inicialmente exibida às 19h30, de segunda a quarta-feira. A partir de maio passou a ocupar o horário das 22 horas, de segunda a sexta-feira. Dessa forma, foi também a "novela das dez" exibida pela emissora.

Trama[editar | editar código-fonte]

A novela trazia Leila Diniz em seu elenco. A atriz interpretava uma vilã, que fazia par com o personagem de Reginaldo Faria. O ator Osmar Prado fazia o irmão de Leila na história.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator/Atriz Personagem
Reginaldo Faria Peixoto
Leila Diniz
Norma Blum
Joana Duarte
Miriam Pires
Osmar Prado
Emiliano Queiroz
Marcos Granado
Monah Delacy

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Inicialmente, Ilusões Perdidas teve direção de Líbero Miguel, substituído por Sérgio Britto.
  • A TV Paulista, que posteriormente foi comprada pelo empresário Roberto Marinho, já havia exibido, ao vivo, uma versão de Ilusões Perdidas, sob a direção do mesmo Líbero Miguel. Osmar Prado fazia parte do elenco dessa produção.
  • No Rio de Janeiro, a novela era exibida às 19h30, de segunda a quarta-feira. A partir de maio, passou para as 22h, de segunda a sexta-feira.
  • A autora Enia Petri e o diretor Líbero Miguel, que foram casados, já haviam trabalhado juntos na TV Paulista, em novelas como Eu Amo Esse Homem e Tortura d'Alma, ambas exibidas em 1964.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]