Esperantina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Esperantina (Piauí))
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde maio de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Disambig grey.svg Nota: Para município localizado no Tocantins, veja Esperantina (Tocantins).
Município de Esperantina
[[Ficheiro:
Bandeira do Município de Esperantina
|125px|none|border|Bandeira de Esperantina]]
[[Ficheiro:
Brasão do Munícipio de Esperantina
|85px|none|Brasão de Esperantina]]
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 28 setembro
Fundação Sendo primeiro elevado a nível de Vila em 25 de junho de 1920. Em 15 de dezembro de 1938 é elevada a Cidade. Mas somente em 30 de dezembro de 1943 é mudado o topônimo Boa Esperança para Esperantina.
Gentílico esperantinense
Localização
Localização de Esperantina
Localização de Esperantina no Piauí
Esperantina está localizado em: Brasil
Esperantina
Localização de Esperantina no Brasil
03° 54' 07" S 42° 14' 02" O03° 54' 07" S 42° 14' 02" O
Unidade federativa  Piauí
Mesorregião Norte Piauiense IBGE/2008[1]
Microrregião Baixo Parnaíba Piauiense IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Morro do Chapéu do Piauí, Joaquim Pires, São João do Arraial, Batalha, Campo Largo do Piauí e Barras.
Distância até a capital aproximadamente 180 km
Características geográficas
Área 911,213 km² [2]
População 37 765 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 41,44 hab./km²
Altitude 59 m
Clima Segundo o Instituto De Geografia e Estatística (IBGE), predomina na cidade de Esperantina o clima Tropical Megatérmico, dos mais quentes do Brasil e sub-úmido.
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,605 médio PNUD/2000[4]
PIB R$ 120 014,281 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 3 223,50 IBGE/2008[5]
Página oficial

Esperantina é um município brasileiro do estado do Piauí.

  Histórico 

Data de 13 de julho de 1739 a carta que conferiu o sítio Boa Esperança ao português Miguel Carvalho e Silva, que aí fixou residência e constituiu numerosa família. Outro português, João Antônio dos Santos, possuidor da Fazenda Urubu, construiu casas e currais em local próximo ao mencionado sítio, dando à localidade o nome de Retiro. Originou-se daí o nome de Retiro da Boa Esperança. O pai de João Antônio dos Santos, possuidor de vários escravos, construiu três tanques de pedra do urubu, à margem do rio Longá, solicitando aos filhos que não os incluíssem no seu inventário e sim, ficassem como bem comum. O local, pela qualidade do solo, atraiu moradores, dedicados à lavoura e à criação de ovelhas. 

Em 1847, foi concluída a construção da Capela de Nossa Senhora da Boa Esperança, onde, após sua demolição, se edificou uma Igreja. 

Retiro de Boa Esperança passou a chamar-se Boa Esperança, em 1920, quando adquiriu categoria de Vila, instalada no mesmo ano com patrimônio de subscrição pública. Em 1943, por haver duplicidade de topônimos, Boa Esperança foi mudado para Esperantina. 

Gentílico: esperantinense 

Formação AdministrativaElevado à categoria de vila a denominação de Retiro da Boa Esperança, pela lei estadual nº 970, de 25-06-1920. Pelo decreto estadual nº 1279, de 26-06-1931, a vila de Boa Esperança ex-Retiro da Boa Esperança é extinto, sendo seu território anexado ao município de Barras do Marataoan. Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, Boa Esperança figura como simples distrito de Barras do Marataoan. Pelo decreto estadual nº 1575, de 17-08-1934, desmembra do município de Barras ex-Barras do Marataoan, o distrito de Boa Espeança. Elevado novamente à categoria de município. Em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, o município é constituído do distrito sede. Pelo decreto estadual nº 754, de 30-12-1943, o município de Boa Esperança passou a denominar-se Esperantina. Em divisão territorial datada de 01-VII-1960, o município já denominado Esperantina é constituído do distrito sede. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2005. 

Alteração toponímica municipal 

Boa Esperança para Esperantina alterado, pelo decreto-lei estadual nº 754, de 30-12-1943.

Lista de prefeitos de Esperantina[editar | editar código-fonte]

Criada a vila de Boa Esperança em 1920 foram intendente e prefeitos de Esperantina:

01º – Manoel Lages Rebêlo (1921 – 1924)

02º – Manoel Lages Rebêlo (1925 – 1928)

03º – José Fortes Castelo Branco (1929 – 1930)

Com a extinção do cargo de intendentes foram nomeados prefeitos:

01º – Manoel Lages Rebêlo (09.10.1930 – 31.05.1931)

02º – José Felipe de Madeira Campos (01.06.1931 – 01.07.1931)

03º – Manoel Carvalho Ramos (18.09.1934 – 26.03.1936)

04º – Antonio Diniz Chaves (27.03.1936 – 10.11.1937)

05º – Antonio Diniz Chaves (01.12.1937 – 23.11.1945)

06º – Gonçalo Furtado Filho (24.11.1945 – 23.12.1945)

07º – Manoel Lages Rebêlo (24.l2.l945 – 23.12.l945)

08º – Edson Rebêlo de Carvalho (23.03.1943 – 11.05.1947)

09º – Wager de Sousa Campos (12.05.1947 – 27.01.1948)

10º – Claudemira Regina de Carvalho Fortes (28.01.1948 – 08.02.1948)

11º Francisco de Sousa Fortes (09.02.1948 – 20.04.1948)

Prefeitos eleitos em pleito popular:

12º – Joaquim Batista Amorim (21.04.1948 – 31.01.1951)

13º – José Nogueira da Aguiar (1.02.1951 – 30.01.1959)

14º – Harmi1ton de Melo Rebêlo (31.0l.1955 – 30.01.1959)

15º – Antônio Diniz Chaves (31.01.1959 – 30.01.1963)

16º – José Patriotino Rebêlo (31.01.1963 – 30.01.1967)

17º – Edson Rebêlo de Carvalho (31.01.1967 – 30.01.1971)

18º – Luís Gonzaga Rebêlo (31.01.1971 – 30.01.1973)

19º – Zoraide Fernandes de Carvalho (31.01.1973 – 31.01.1977)

20º – Francisco das Chagas Rebêlo (01.02.1977 – 31.12.1982)

21º – Manoel Lages Filho (01.01.1983 – 31.12.1988)

22º – Joe Alves de Alcântara (01.01.1989 – 31.12.1992)

23º – José Ivaldo Franco (01.01.1993 – 31.12.1996)

24º – Francisco das Chagas Rebêlo (01.01.1997 – 20.02.2000)

25º – Alfredo Castro Filho (10.03.2000 – 31.12.2000)

26º – José Ivaldo Franco (01.01.2001 – 31.12.2004)

27º – Antonio Felipe Santolia Rodrigues (01.2005 – 30.10.2008)

29º – Francisco Antônio de Sousa Filho (01.01.2009 – 31.12.2012)

30° - Lourival Bezerra Freitas (01.01.2013 - 31.12.2016)

Biblioteca pública municipal[editar | editar código-fonte]

A biblioteca pública municipal possui um acervo de 8500 peças, tendo uma frequencia média mensal de 164 usuários e tem uma área construída de 400 metros quadrados. O acervo é catalogado segundo os códigos AACR2 e AACR; situa-se à praça Diógenes Rebelo, 868, no centro da cidade.

Comunicações[editar | editar código-fonte]

Estações de rádios[editar | editar código-fonte]

Consulte abaixo a listagem das rádios que são captadas em Esperantina:


Emissoras de TV[editar | editar código-fonte]

Consulte abaixo a listagem dos canais de televisão que são captadas em Esperantina:

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010. 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010. 

6. http://cidades.ibge.gov.br/painel/historico.php?codmun=220370

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Piauí é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.