Exército Brasileiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Exército do Brasil)
Ir para: navegação, pesquisa
Exército Brasileiro
Coat of arms of the Brazilian Army.svg
Símbolo do Exército Brasileiro
País  Brasil
Corporação Forças Armadas do Brasil
Subordinação Ministério da Defesa
Missão Força Terrestre
Sigla EB
Criação 1822
Aniversários 19 de abril (Batalha dos Guararapes, em 1648)[1]
Patrono Luís Alves de Lima e Silva
Marcha Canção do Exército
Lema Braço forte, mão amiga
Cores      Verde oliva
Mascote Jaguar
História
Guerras/batalhas

Missões da ONU

Logística
Efetivo 219 663 militares[2]
Insígnias
Brasão de armas Coat of arms of the Brazilian Army.png
Bandeira Flag of the Brazilian Army.png
Comando
General de exército Eduardo Dias da Costa Villas Bôas
Comandante supremo[3] Presidente Michel Temer
Sede
Quartel General Brasília, DF
Bairro Setor Militar Urbano
Internet www.eb.mil.br

Exército Brasileiro (EB) é uma das três Forças Armadas do Brasil, responsável, no plano externo, pela defesa do país em operações eminentemente terrestres e, no interno, pela garantia da lei, da ordem e dos poderes constitucionais. O Comandante Supremo é o Presidente da República. Entre 1808 e 1967, o responsável pela gestão do Exército foi o Ministério da Guerra. De 1967 a 1999, passou a ser denominado Ministério do Exército. Desde 1999, na estrutura do Governo do Brasil, o exército está enquadrado no Ministério da Defesa, ao lado da Marinha e da Força Aérea.

Em tempos de paz, as tropas do exército estão continuamente preparando-se para atuar em situações de conflito ou guerra. Além disso, são empregadas para a defesa da faixa de fronteira (tarefa conjunta com a força aérea) e para levar alimentos e serviços médicos a pontos isolados do território, participação e coordenação de campanhas sociais e pesquisas científicas (como as desenvolvidas no Centro Tecnológico do Exército (CTEx) e garantir a democracia brasileira, apoiando as eleições. Na área da educação, cita-se como exemplo o Instituto Militar de Engenharia (IME).

Além de possuir o segundo maior efetivo entre os exércitos da América Latina (atrás da Colômbia), com 219 585 soldados, e uma reserva de 280 000 homens, que são convocados anualmente para apresentação, durante os cinco anos subsequentes ao desligamento (reserva que pode chegar a quase quatro milhões, se considerarmos os brasileiros em idade para prestar o serviço militar), o Exército Brasileiro também possui a maior quantidade de veículos blindados da América do Sul, somados os veículos blindados para transporte de tropas e carros de combate principais.[4] Possui uma grande unidade de elite, com efetivos de comandos e de forças especiais, especializada em missões não convencionais, o Comando de Operações Especiais, única na América Latina,[5][6][7] além de uma Força de Ação Rápida Estratégica, formada por unidades de elite altamente mobilizáveis e preparadas (Brigada de Operações Especiais, Brigada de Infantaria Paraquedista,[8][9] 1.º Batalhão de Infantaria de Selva[10] e 12.ª Brigada de Infantaria Leve (Aeromóvel)[11] para atuar em qualquer parte do território nacional, em curto espaço de tempo, na hipótese de agressão externa.[12]

Além disso, possui unidades de elite especialistas em combates em biomas característicos do território brasileiro como o pantanal (17.º Batalhão de Fronteira),[13] a caatinga (72.º Batalhão de Infantaria Motorizado),[14][15] a montanha (11.º Batalhão de Infantaria de Montanha)[15] e a selva. Tais unidades de selva são formadas por militares da região amazônica e oriundos de outras regiões, profissionais especialistas em guerra nesse tipo de bioma,[16] pelo Centro de Instrução de Guerra na Selva sendo enquadradas pelas 1.ª, 2.ª, 16.ª, 17.ª e 23.ª Brigada de Infantaria de Selva.

História

Ver artigo principal: História do Exército Brasileiro

Origem

A história do Exército Brasileiro começa oficialmente com o surgimento do Estado brasileiro, ou seja, com a independência do Brasil. Entretanto, mobilizações de brasileiros para guerra existem desde a colonização do Brasil. A data da primeira Batalha dos Guararapes (19 de abril de 1648), no contexto da Insurreição Pernambucana, na qual o exército adversário dos Países Baixos foi formado genuinamente por brasileiros (brancos, negros e ameríndios), é tida como a origem do Exército Brasileiro.[17]

Em 1822 e 1823, o recém-criado Exército Brasileiro derrotou a resistência portuguesa à independência, nas regiões Norte e Nordeste do país e na província da província Cisplatina,[18] assim como evitando a desfragmentação do território nacional nos anos seguintes.[19]

Império

Ver artigo principal: Exército Imperial Brasileiro
Uniforme das tropas brasileiras do Exército Imperial na Guerra do Paraguai, 1866

O Exército Nacional (ou Imperial como costumeiramente era chamado) durante a monarquia era dividido em dois ramos: o de 1.ª Linha, que era o exército de fato; e o de 2.ª Linha, a Guarda Nacional, formada em 1831 pelas antigas milícias paramilitares e ordenanças herdadas dos tempos coloniais, comandadas por líderes regionais, grandes latifundiários e proprietários de escravos conhecidos a partir da independência, pelo título genérico de Coronel.[20][21]

Durante o processo da Independência do Brasil, o Exército era inicialmente composto de brasileiros, mercenários portugueses e estrangeiros. A maioria dos seus comandantes era composta por mercenários e oficiais portugueses leais ao então príncipe regente Dom Pedro e depois imperador D. Pedro I.[22] Ao longo de 1822 e 1823, o Exército Brasileiro conseguiu derrotar a resistência portuguesa, especialmente no Norte do país e na Cisplatina, evitando também a fragmentação do então recém-criado Império do Brasil após sua independência.[23]

Depois de vencer a Guerra da Independência, o Exército, apoiado pela Guarda Nacional, eliminou as tendências separatistas dos primeiros anos, reforçando a autoridade central da Império, durante o período da Regência no país, reprimindo em todo o Brasil uma série de movimentos populares para a autonomia política ou contra a escravidão e o poder dos coronéis.[24]

Durante os anos 1850 e início da década de 1860, o Exército, juntamente com a Armada Imperial, entrou em ação contra as forças argentinas e uruguaias, que se opunham aos interesses do Império do Brasil. O sucesso brasileiro com tal "Diplomacia das Armas" acabou por levar a um choque de interesses com outro país com aspirações semelhantes, o Paraguai, em dezembro de 1864. Em 1 de maio de 1865, o Brasil, Uruguai e Argentina assinaram a Tríplice Aliança para se defenderem contra a agressão do Paraguai, que era governado pelo ditador Francisco Solano López. As tropas de López, depois de invadirem o território brasileiro, através da província de Mato Grosso, e o norte da Argentina, estavam indo para o Sul do Brasil e o Norte do Uruguai. Muitos escravos foram incorporados nas forças brasileiras para enfrentar a situação cada vez mais grave. Como resultado de seu sólido desempenho durante o conflito, as Forças Armadas desenvolveram um forte sentido contra a escravidão. Depois de cinco anos de uma guerra terrível (a maior da história sul-americana), a aliança liderada pelo Brasil Império derrotou López.[25][26]

Alto comando do Exército Imperial Brasileiro em 1885

Durante a Guerra do Paraguai, o Exército Imperial brasileiro mobilizou cerca de 200 000 homens para a guerra, divididos nas seguintes categorias: 18 000 militares que estavam no Uruguai em 1864; 2 047 na província de Mato Grosso; 56 000 Voluntários da Pátria; 62 000 Guardas Nacionais; 11 900 ex-escravos; e mais 22 mil guardas nacionais que permaneceram no Brasil para defender seu país.[27]

Em novembro de 1889, após um longo atrito com o regime monárquico aprofundado pela abolição da escravidão, o exército impõe a república através de um golpe de Estado. A implementação da primeira ditadura civil-militar brasileira (que terminou apenas em 1894) seguiu-se de uma grave crise econômica, que se aprofundou em uma crise institucional com o Congresso e a Marinha, que degenerou em uma guerra civil restrita à região Sul.[28]

Século XX

Oficiais do Exército Brasileiro, Primeira Guerra Mundial
Soldados do Exército Brasileiro recebidos como libertadores. Norte da Itália, final de setembro de 1944, durante a Segunda Guerra Mundial.

Entre 1893 e 1927, no primeiro período republicano, o Exército teve que lidar com vários movimentos: alguns eram derivados da Marinha e do Corpo de Exército que estavam insatisfeitos com o regime e clamando por mudanças democráticas, enquanto outros tinham origens populares sem intenções políticas convencionais e guiados por líderes messiânicos, como em Canudos e na Guerra do Contestado.[29]

Durante a Primeira Guerra Mundial, o governo brasileiro enviou três pequenos grupos militares à Europa logo após declarar a guerra às Potências Centrais em outubro de 1917. As duas primeiras unidades eram do Exército; uma consistia de pessoal médico e outro de um corpo de sargento-oficiais, sendo que ambas foram anexadas ao Exército Francês na Frente Ocidental em 1918.[30][31]

De outubro de 1930 a 1945, o exército e as elites ligadas a ele pela segunda vez assumiram o controle do país, tendo o líder político de oposição, Getúlio Vargas, à frente do movimento. Neste período, o Exército derrotou a Revolta Constitucionalista de 1932 e duas tentativas de golpe de Estado: os comunistas em novembro de 1935 e os fascistas em maio de 1938. O Exército também ajudou a formalizar a ditadura em 1937.[32][33][34]

Em agosto de 1942, depois de submarinos alemães e italianos afundarem navios mercantes brasileiros, a mobilização popular forçou o governo brasileiro a declarar guerra à Itália fascista e à Alemanha nazista. Em julho de 1944, após quase dois anos de pressão pública e negociações com as autoridades dos Estados Unidos, uma Força Expedicionária Brasileira foi enviada para se juntar às forças dos Aliados na Campanha da Itália. A parte relativa ao Exército era composta por uma Divisão de Infantaria completa (cerca de 25 000 homens, substituições incluídas), comandada pelo major-general (depois marechal) João Batista Mascarenhas de Morais, que na Itália era anexada ao IV Corps no 5.º Exército dos EUA, no 15.º Grupo Aliado do Exército.[35]

Com a derrota dos regimes totalitários de direita na Segunda Guerra Mundial, Vargas foi removido pelo chefe do exército, general Eurico Gaspar Dutra, que venceu a disputa eleitoral contra o marechal Eduardo Gomes, durante as eleições presidenciais de 1945. Após o suicídio de Vargas (que sucedeu Dutra em 1950), devido a uma crise institucional, os setores do exército liderados pelo marechal Henrique Teixeira Lott asseguraram a inauguração do mandato de Juscelino Kubitschek, eleito em 1955.[36]

General alemão Otto Fretter-Pico se rendendo à Força Expedicionária Brasileira em abril de 1945, durante a Segunda Guerra Mundial.
Tanques em frente ao Congresso Nacional patrulham a Esplanada dos Ministérios, em Brasília, após o golpe militar de 1964.

Com a renúncia de Jânio Quadros, que sucedeu a Kubitschek, abre-se uma nova crise institucional, exacerbada pelo contexto da Guerra Fria, e no final de março - início de abril de 1964, o Exército Brasileiro (então liderado pelo general Humberto de Alencar Castelo Branco) aplica o seu terceiro golpe de Estado, inaugurando outro período ditatorial, que durou 21 anos.[37]

Este golpe foi o primeiro de uma série de golpes de Estado na América do Sul que substituíram governos democraticamente eleitos por ditaduras militares, que dominaram o continente até a década de 1980. Nesse período, o Exército Brasileiro reprimiu duramente grupos militantes dissidentes: mudou a lei, restringiu direitos políticos, perseguiu, torturou e aprisionou dissidentes; e militarmente, com o apoio das forças policiais e milícias, avançou com métodos contraguerrilhas e contra-insurgentes para derrotar os movimentos guerrilheiros que tentavam combater o regime pela força. Os guerrilheiros urbanos estavam ativos no Brasil entre 1968 e 1971, enquanto em zonas rurais os dois principais movimentos subjugados pelo Exército eram, respectivamente, um na região onde hoje se encontram o Parque Nacional do Caparaó (1967) e o outro na região do rio Araguaia (1972-74).[38][39]

Internacionalmente, em 1965 o Exército Brasileiro uniu forças com os marines dos Estados Unidos e interveio na República Dominicana, na Operação Powerpack. Durante os anos 1970, reforçou o intercâmbio e os laços de cooperação com exércitos de outros países da América do Sul, dando e recebendo assessoria sobre métodos contraguerrilheiros e contra-insurgentes, como por exemplo na Operação Condor, uma coordenação processual entre países do Cone Sul para encontrar, capturar e eliminar dissidentes políticos no continente. A partir do período de Geisel, a terceira ditadura militar brasileira buscou maior independência em sua política externa, deixando de se alinhar automaticamente com os interesses dos Estados Unidos, especialmente em relação à África subsaariana e ao Oriente Médio.[40][41][42][43]

Em meados da década de 1970, apesar da dissidência anulada (por eliminação, detenção ou exílio), com a guerrilha de esquerda derrotada e a oposição legal domada, a repressão não foi reduzida. Isto somou-se aos vícios e ao desgaste de anos de poder autoritário, mais os efeitos da então crise do petróleo e da crise da dívida externa latino-americana, no final dos anos 1970 e início dos anos 1980, levaram a pressões sociais crescentes por democracia que lentamente forçaram o Exército a retornar a suas atividades profissionais.[44]

Século XXI

O Comandante da Força da MONUSCO, general Carlos Alberto dos Santos Cruz, durante uma missão de observação na Brigada de Intervenção da ONU.
Soldado brasileiro da MINUSTAH durante uma patrulha em Cité Soleil, Porto Príncipe, Haiti.

Desde o final da década de 1950, o Exército participou em algumas missões de paz da ONU, como por exemplo: em Suez (1956-67), Timor-Leste (1999-2004), Moçambique (1992-1994), Angola (1995-1997) e Haiti desde 2004, sendo a mais recente intervenção externa nacional, bem como a operação de maior duração na história do Exército Brasileiro fora do país. No ano de 2001, Jean-Bertrand Aristide venceu as eleições presidenciais do Haiti, mas a oposição negava-se a aceitar o resultado, criando um impasse. Após anos de crise política, a situação resultou em violência e forças rebeldes ocuparam as principais cidades do país. Com a renúncia de Aristide, o Conselho de Segurança das Nações Unidas solicitou a criação de uma força internacional para assegurar a ordem e a paz no Haiti. Entretanto, o ex-presidente denunciou que tinha sido forçado a renunciar por um grupo de haitianos e civis estadunidenses, informação negada pelos Estados Unidos. Esta ação também teria tido o apoio do governo francês. Após negociações, e por ter o maior contingente, o Brasil assumiu o cargo de coordenação da recém-formada Missão das Nações Unidas para a estabilização no Haiti, ou simplesmente MINUSTAH. No grande terremoto de 2010 que ocorreu no Haiti em 12 de janeiro, dezoito soldados brasileiros morreram.[45]

O Exército Brasileiro está tentando renovar seus equipamentos e fazer uma redistribuição de seus quartéis em todas as regiões brasileiras, priorizando a Amazônia. O Exército, presente na região amazônica desde o início do século XVII, vem ampliando seu dispositivo pela instalação de diversas unidades de fronteira. Tais unidades representam polos de crescimento, em torno dos quais, como ocorreu no passado, crescem núcleos habitacionais. Atualmente, a Força dispõe de cerca de 25 000 militares servindo na região amazônica, e já há planos concretos previstos pela Estratégia Nacional de Defesa, para aumentar em curto prazo o efetivo para 30 000 soldados na região, foi aprovado pelo Ministério da Defesa, o plano com orçamento de 1 bilhão de reais para praticamente dobrar o número de unidades na fronteira até 2018, com a criação de vinte e oito novos pelotões especiais de fronteira, serão prioritariamente células de vigilância militar, deixando a preocupação de vivificação da fronteira em segundo plano, no mesmo plano, também está previsto a modernização por 140 milhões de reais dos pelotões já existentes.[46]

Após a promulgação da Estratégia de Defesa Nacional, em dezembro de 2008, o governo brasileiro indicou estar interessado na modernização das Forças Armadas. Em 2010, durante a crise de segurança no Rio de Janeiro, o Exército Brasileiro enviou 800 paraquedistas para combater o narcotráfico no Rio de Janeiro. Após a invasão, cerca de 2 000 soldados do Exército foram enviados para ocupar o Complexo do Alemão. Em 2014, 2 050 soldados do exército invadiram um complexo de favelas na cidade do Rio de Janeiro com veículos blindados de transporte de pessoal e helicópteros, em uma tentativa de melhorar a segurança dois meses antes do início da Copa do Mundo da FIFA de 2014.[47] Devido ao torneio, o Exército Brasileiro ofereceu mais de 50 mil homens para a segurança no evento, a maior força militar empregada na segurança de uma Copa do Mundo da FIFA.[48]

Paraquedistas durante a ocupação do Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro

Em 2012, no entanto, alguns generais relataram uma situação de sucateamento, quando alegaram que o Exército tinha munição disponível para cerca de uma hora de guerra e que usa o mesmo fuzil, o FN FAL, fabricado pela empresa brasileira IMBEL, há mais de 45 anos. O índice de obsolescência dos meios de comunicações ultrapassa 92% - sendo que mais de 87% dos equipamentos nem pode mais ser usado, segundo documento do Exército. Nos últimos 10 anos, a percentagem do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil investido em defesa gira em torno de 1,5%, segundo números do Ministério da Defesa - em 2011, o valor foi de 61,787 bilhões de reais. O maior percentual foi registrado em 2009, quando 1,62% do PIB foram destinados para o setor. Em 2012, o Exército receberá cerca de 28,018 bilhões de reais, mas 90% serão destinados ao pagamento de pessoal. Desde 2004, varia entre 9% e 10% o montante disponível para custos operacionais e investimentos.[49]

Em fevereiro de 2016, o governo federal brasileiro mobilizou 60% das Forças Armadas, ou cerca de 220 mil soldados (estes mais de 140 mil soldados do Exército Brasileiro), para ir "de casa em casa" na batalha contra o surto do vírus zika.[50]

Em julho de 2016, o Exército forneceu mais de 21 mil soldados, 28 helicópteros do exército e 70 veículos blindados para garantir a segurança da cidade do Rio de Janeiro durante os Jogos Olímpicos de Verão de 2016. Outros 20 000 soldados estiveram de plantão nas cinco cidades que co-organizam o torneio olímpico Rio 2016: Belo Horizonte, Brasília, Manaus, Salvador e São Paulo. 14 800 soldados do Exército na cidade do Rio de Janeiro para atuar durante os Jogos Olímpicos.[51] No entanto, moradores de favelas ocupadas fizeram críticas contra a atuação dos militares, pela falta de protocolo no relacionamento com os moradores e o despreparo do Exército para a atuação na segurança pública.[52]

Projetos de modernização

Um VBTP-MR Guarani no desfile de 7 de Setembro
Barco de patrulha LPR-40

O Exército Brasileiro pretende criar uma Força Expedicionária (F EXPD) para dar apoio permanente à participação do país em missões estrangeiras. As autoridades das Forças Armadas esperam que a F EXPD responda rapidamente, sozinha ou em cooperação com forças de segurança de países parceiros, para salvaguardar os interesses nacionais e realizar um amplo espectro de operações, como ações humanitárias e missões de paz. Cumprirá as disposições do Capítulo 1 do Livro Branco sobre a Defesa Nacional, publicado em 2012 e que abrange as funções e ações das forças de defesa do país. Com o objetivo de implantar a força até 2022.[53] Inicialmente, espera-se que a Força Expedicionária (F EXPD) seja composta por um batalhão, com 1 000 soldados, em seu primeiro ano de operação em 2022. Na última fase, prevista para 2030, espera-se que evolua para uma brigada, com 3 000 soldados que aumentariam as capacidades, como a infantaria, o apoio ao fogo e a logística. A F EXPD também utilizará veículos blindados para aumentar sua capacidade operacional e suas possibilidades de desempenho.[54]

Para se adequar a Estratégia Nacional de Defesa, lançada pelo Ministério da Defesa, o exército apresentou a "Estratégia Braço Forte", um plano de reequipamento e modernização que irá investir 150 bilhões de reais.[55] Está em andamento no exército, o projeto do sistema Combatente Brasileiro do Futuro (COBRA),[56] que visa equipar os soldados de infantaria do Exército Brasileiro com sistemas de armas, comunicações, localização, e visão noturna, tudo integrado, o que permitiria que os militares do mesmo pelotão se comunicassem a distância, percebessem a presença do inimigo através de infravermelho, e várias outras funções, tudo integrado ao equipamento e armamento, este projeto vai se basear no sistema FELIN do Exército Francês.[57]

A Estratégia Braço Forte também prevê a substituição dos fuzis utilizados pelo exército, adotando-se um novo modelo de calibre 5,56 mm, sendo o moderno fuzil de assalto brasileiro IMBEL IA2, o mais cogitado para a substituição, já que o fabricante é a empresa IMBEL, estatal administrada pelo próprio Exército Brasileiro. A previsão inicial seria a aquisição de 200 mil unidades.[58] Com tecnologia inteiramente nacionais, o exército desenvolveu e já está em produção um lote inicial da Arma Leve Anticarro (ALAC), também chamado no EB de Canhão Sem Recuo Descartável 84 mm, armamento criado para proteger os soldados de infantaria brasileiros contra blindados inimigos, é capaz de perfurar blindagens de aço com espessura de até 250 mm. Atinge um alvo com precisão a até 300 metros de distância em apenas um segundo e meio.[59] Outro armamento com tecnologia desenvolvida pelo Centro Tecnológico do Exército é o Míssil MSS 1.2 AC, que possui alcance útil de até 2 000 metros de distância e pode ser usado contra casamatas, barcos, pequenas edificações e helicópteros.[60]

Dentre alguns projetos em andamento da estratégia, já foi firmado contrato com a empresa italiana Iveco, para a construção com projeto nacional de propriedade do EB, de dois mil blindados VBTP-MR Guarani, para transporte de tropas.[58][61] Também já foram entregues pela Alemanha, encomenda de duzentos e cinquenta carros de combate Leopard 1A5[62] que irão compor as unidades de cavalaria. Já está em produção, um lote inicial do veículo de reconhecimento Gaúcho, que é aerotransportável e foi desenvolvido em parceria entre o Exército Brasileiro e o Exército Argentino, visando o emprego de forças especiais.[63] Também já foram encomendadas cento e vinte unidades da viatura de reconhecimento Marruá junto a empresa brasileira Agrale.

O exército determinou a elaboração do Projeto Estratégico ASTROS 2020, a fim de dotar a Força Terrestre de meios capazes de prestar um apoio de fogo de longo alcance, com elevada precisão e letalidade. O Projeto ASTROS 2020 contém no seu escopo e estrutura as seguintes etapas: criação e implantação de uma Unidade de Mísseis e Foguetes; um Centro de Instrução de Artilharia de Mísseis e Foguetes; um Centro de Logística de Mísseis e Foguetes; uma Bateria de Busca de Alvos; paióis de munições; uma Base de Administração e um Campo de Instrução de Formosa (CIF). O plano também prevê a modernização do atual 6.º Grupo de Lançadores Múltiplos de Foguetes, transformando-o em 6.º Grupo de Mísseis e Foguetes, além do desenvolvimento de dois novos armamentos: o foguete guiado (através da concepção do atual foguete SS 40, da família de foguetes do sistema ASTROS II, em uso pelo Exército Brasileiro) e o míssil tático de cruzeiro com alcance de 300 quilômetros. Por fim, o projeto integra a construção de Próprios Nacionais Residenciais (PNR) e outras instalações necessárias ao bem-estar da família militar na Guarnição de Formosa (GO). As duas Unidades de Mísseis e Foguetes estarão estruturadas com um Comando e Estado-Maior, uma Bateria Comando e três Baterias de Mísseis e Foguetes mobiliadas com viaturas e equipamentos em fase de desenvolvimento com base no atual sistema ASTROS II. O sistema ASTROS 2020 possibilitará a realização do lançamento, partindo das plataformas da nova viatura lançadora múltipla universal na versão MK-6, dos vários foguetes da família ASTROS e também do míssil tático de cruzeiro de 300 quilômetros. Toda esta estrutura estará subordinada ao Comando de Artilharia do Exército, aquartelado no Forte Santa Bárbara, em Formosa.[64]

Organização

Quartel General do Exército, em Brasília
Solenidade de passagem de cargo dos comandantes da 2.ª Região Militar e da 2.ª Divisão de Exército no QG do Comando Militar do Sudeste (CMSE)
Soldados do Exército Brasileiro durante o desfile militar do Dia da Independência de 2003 em Brasília.
Mapa (em inglês) dos pelotões de fronteira do Exército Brasileiro nos estados de Roraima, do Amazonas, do Acre e de Rondônia.
Soldados com sistema Igla
Soldados operando sistema AT-4

O Exército está enquadrado no Ministério da Defesa, ao lado da Marinha e da Força Aérea, desde 1999 na estrutura do Governo do Brasil. No topo da organização está o Comandante Supremo, posto civil exercido pelo Presidente da República. Abaixo dele está o Comandante do Exército. Em seguida estão os maiores escalões organizacionais nas chefias dos órgãos de direção geral, setorial e operacional. A direção geral é atribuída ao Estado-Maior do Exército e os órgãos de direção setorial e operacional são:[65]

Órgãos de direção geral
Estado-Maior do Exército
Órgãos de direção setorial e operacional
Coter.png Comando de Operações Terrestres
DGP.png Departamento-Geral do Pessoal
Departamento de Educação e Cultura do Exército
DCT.png Departamento de Ciência e Tecnologia
Comando Logístico
DEC.png Departamento de Engenharia e Construção
SEF.gif Secretaria de Economia e Finanças

Subordinado ao Comando de Operações Terrestres, o braço operacional do exército é denominado Força Terrestre. Ele é constituído pelas divisões de exército, brigadas, unidades de combate e de apoio ao combate, os quais estão agrupados de forma regionalizada em comandos militares.[65]

Comandos Militares

O exército está organizado em vários Grandes Comandos, unidades e subunidades espalhadas por todo o Brasil. O território nacional é dividido, conforme a área de atuação de cada uma, em:[65]

Comando Militar Quartel-general Jurisdição
Brasão do Comando Militar da Amazônia.jpg Comando Militar da Amazônia (CMA) Manaus (AM) 12.ª Região Militar[65]
CMNBrazil.png Comando Militar do Norte (CMN) Belém (PA) 8.ª Região Militar[65]
CMNE.png Comando Militar do Nordeste (CMNE) Recife (PE) 6.ª, 7.ª e 10.ª regiões militares[65]
CMO - 2.png Comando Militar do Oeste (CMO) Campo Grande (MS) 9.ª Região Militar[65]
CMP.png Comando Militar do Planalto (CMP) Brasília (DF) 11.ª Região Militar[65]
CML.png Comando Militar do Leste (CML) Rio de Janeiro (RJ) 1.ª e 4.ª regiões militares[65]
CMSE.png Comando Militar do Sudeste (CMSE) São Paulo (SP) 2.ª Região Militar[65]
DistCMS.jpg Comando Militar do Sul (CMS) Porto Alegre (RS) 3.ª e 5.ª regiões militares[65]

Regiões militares

O território brasileiro é dividido em regiões militares cujo número e limites são fixados pelo Presidente da República, por proposta do Ministro da Guerra. A Região Militar constitui um comando territorial subordinado ao Comando do Exército que o guarnece.[66]

Região Militar Quartel-general Jurisdição
1rm.png 1.ª Região Militar Rio de Janeiro (RJ) Rio de Janeiro e Espírito Santo[65]
Simbolo 2rm.png 2.ª Região Militar São Paulo (SP) São Paulo[65]
3rm.gif 3.ª Região Militar Porto Alegre (RS) Rio Grande do Sul[65]
4rmde.png 4.ª Região Militar Belo Horizonte (MG) Minas Gerais, exceto a área do Triângulo Mineiro[65]
5RMpequeno.jpg 5.ª Região Militar Curitiba (PR) Paraná e Santa Catarina[65]
Brasão da 6ª Região Militar do Exército Brasileiro.jpg 6.ª Região Militar Salvador (BA) Bahia e Sergipe[65]
7rmde.png 7.ª Região Militar Recife (PE) Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Alagoas[65]
8csm.png 8.ª Região Militar Belém (PA) Pará, Amapá, Maranhão e a área do Tocantins limitada ao sul pelos municípios de Wanderlândia, Babaçulândia e Xambioá (estes inclusive)[65]
9rm.JPG 9.ª Região Militar Campo Grande (MS) Mato Grosso do Sul e Mato Grosso[65]
Logo10rm.jpg 10.ª Região Militar Fortaleza (CE) Ceará e Piauí[65]
11rm.png 11.ª Região Militar Brasília (DF) Distrito Federal, Goiás, Tocantins (exceto a área sob jurisdição da 8.ª Região Militar) e área do Triângulo Mineiro[65]
12rm.png 12.ª Região Militar Manaus (AM) Amazonas, Acre, Roraima e Rondônia[65]
Estrutura do Exército Brasileiro

Armas, quadros e serviços

Os subtenentes e sargentos do Exército Brasileiro estão divididos em Armas, Quadros e Serviços, da mesma forma que os oficiais, contudo com qualificações militares (QMs) específicas às atividades da Força.[67]

Educação

O Exército Brasileiro mantém um dos mais estruturados sistemas educacionais de ensino superior do Brasil, com atuação nos mais diversos ramos.[68]

Entre suas principais instituições de ensino superior, estão: Escola Preparatória de Cadetes do Exército (EsPCEx); Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN); Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO); Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME); Instituto Militar de Engenharia (IME); Escola de Formação Complementar do Exército (EsAEx/EsFCEx) e Escola de Saúde do Exército (EsSEx).[68]

Além dessas, possui importantes centros de formação, como a Escola de Sargentos das Armas (EsSA); a Escola de Sargentos de Logística (EsSLog); a Escola de Aperfeiçoamento de Sargentos das Armas (EASA); a Escola de Instrução Especializada (EsIE); a Escola de Artilharia de Costa e Antiaérea (EsACosAAe); a Escola de Comunicações (EsCom); a Escola de Educação Física do Exército (EsEFEx); o Centro de Instrução de Aviação do Exército (CIAvEx); os Centros de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR); os Núcleos de Preparação de Oficiais da Reserva (NPOR); os Tiros de Guerra e os Colégios Militares.[68]

Desde 1992, as mulheres obtiveram o direito de ingressar no Exército Brasileiro. A primeira turma feminina formou-se naquele ano na Escola de Administração do Exército, atual Escola de Formação Complementar do Exército. A partir de 1997, as mulheres tiveram acesso à Escola de Saúde do Exército e ao Instituto Militar de Engenharia.[68]

Nos níveis fundamental e médio, mantém o Sistema Colégio Militar, integrado por doze estabelecimentos de ensino, com turmas entre o sexto ano do ensino fundamental e o terceiro ano do ensino médio.[68]

Efetivo

Jovens se apresentando para recrutar o Exército Brasileiro, em 2014.
Tiros de Guerra ao redor do Brasil

O Exército Brasileiro tinha uma força registrada de 219 585 soldados ativos em 2014.[2] Outra estimativa do IISS em 2014 colocou esse número em 190 mil soldados ativos, sendo 70 mil deles recrutas.[69] Além disso, havia aproximadamente 1 340 000 de homens na reserva em 2014.[69] Este número foi menor que os 1 800 000 de homens na reserva em 2008.[70] Em princípio, a constituição brasileira de 1988 designa a Polícia Militar do Brasil como uma força de reserva do exército, embora na prática permaneçam entidades separadas.[71]

Conscrição

De acordo com o artigo 143 da constituição brasileira de 1988, o serviço militar é obrigatório para os homens, mas a objeção de consciência é permitida. Mulheres e clérigos estão isentos do serviço militar obrigatório. No ano em que terminam a idade de 18 anos, os homens são requeridos a registrarem-se e devem servir quando alcançarem a idade de 19 anos. Cerca de 95% dos inscritos são dispensados.[72] Um número crescente de recrutas são voluntários, representando cerca de dois terços do total. Aqueles que servem geralmente passam um ano de alistamento regular em uma guarnição do exército perto de sua casa. Alguns são permitidos nove meses termos de serviço, mas são esperados para concluir o ensino médio, ao mesmo tempo. Estes são chamados de "Tiros de Guerra", que são para garotos do ensino médio em cidades médias de interior, dirigido pelo suboficial do exército.[73] Nas Forças Armadas Brasileiras, os primeiros sargentos podem ser promovidos ao Posto de Oficiais, como Segundo-Tenente, Primeiro-Tenente e Capitão, passando a fazer parte do Corpo de Oficiais Auxiliares. O exército é o único serviço com um grande número de recrutas; a marinha e a força aérea têm muito poucos.[74][75]

O sistema de conscritos é basicamente um meio de fornecer treinamento militar básico a um grupo considerável de jovens que retornam à vida civil e são mantidos na reserva até os 45 anos. O exército reconhece que presta um serviço público ao ensinar um grande número de conscritos habilidades básicas que podem ser valiosas para a economia em geral quando os jovens retornam à vida civil.[76]

Mulheres

Mulheres do exército brasileiro marchando.

As mulheres não participaram das forças armadas do Brasil até o início dos anos 1980. O Exército Brasileiro tornou-se o primeiro exército da América do Sul a aceitar as mulheres nas fileiras permanentes e de carreira.[77]

Para começar uma carreira com o exército, as mulheres devem ter concluído um diploma de bacharel. O concurso tem alcance nacional e nenhum requerente pode ter mais de 36 anos de idade. Aquelas aceitas no programa de estudo na Escola de Formação Complementar do Exército (antiga Escola de Administração do Exército) em Salvador, começam como primeiras tenentes (reserva). A Escola de Formação Complementar está também aberta aos homens. No final do curso de um ano, o graduado é promovido a primeiro tenente nas fileiras permanentes.[78]

Hierarquia, uniformes e insígnias

Ver artigo principal: Hierarquia militar do Brasil
Uniforme padrão exército brasileiro.

O comandante mais graduado no Exército Brasileiro é o General de Exército, general de quatro estrelas. Em tempos de guerra, ou em circunstâncias excepcionais, uma quinta estrela pode ser usada pelo oficial de mais alto escalão do exército, que é então promovido a Marechal do Exército. Os oficiais do exército brasileiro usam insígnias de posto no ombro e o exército tem dez fileiras de oficiais.[79][80]

Um General de Brigada tem duas estrelas, o seguinte grau mais alto, o General de Divisão, usa três. O próximo grau mais alto, designado por quatro estrelas, é o "General de Exército". O marechal usa cinco estrelas, mas esta posição é alcançada raramente no dever ativo.[79][80]

O mais alto escalão alistado do Exército Brasileiro é Subtenente. Os outros suboficiais são Primeiro-Sargento, Segundo-Sargento e Terceiro-Sargento. Depois, há o Cabo, agindo como o Líder da Esquadra. O Soldado designa o posto mais baixo e/ou inicial da categoria militar.[79][80]

Força de Ação Rápida Estratégica

As Forças de Ação Rápida Estratégica são formadas por unidades de elite altamente mobilizáveis e preparadas para atuar em qualquer parte do território nacional, em curto espaço de tempo, na hipótese de agressão externa.[81]

12bdalv.png Brigada de Infantaria Leve (Aeromóvel)

Treinamento de infantaria aeronáutica
Tropas aeromóveis

A 12.ª Brigada de Infantaria Leve (Aeromóvel) é uma importante unidade de elite do Exército Brasileiro. Com sede em Caçapava, em São Paulo. Sua área de operação abrange todo o país. Está sob a 2a Divisão de Exército/Comando Militar do Sudeste, com sede em São Paulo.[82]

É organizada, equipada e treinada para missões de resposta rápida em qualquer ponto do país. Elas podem se deslocar via aérea usando jatos de negócios e aeronaves civis, mas o principal meio de transporte são a aeronave giratória da Força Aérea Brasileira, do Comando de Aviação do Exército, geralmente baseada perto de seus quartéis. Ao realizar sua principal função, o assalto aéreo, a Brigada Aeromóvel constitui um instrumento efetivo e permanentemente disponível de alcance estratégico, sendo uma unidade integral da Força de Ação Rápida Estratégica do Exército Brasileiro.[82]

Bol avex.png Comando de Aviação do Exército

Helicóptero de ataque do Exército Brasileiro.
Black Hawk na região amazônica
Ver artigo principal: Comando de Aviação do Exército

O Comando de Aviação do Exército, também conhecido como Brigada Ricardo Kirk, é uma brigada do Exército Brasileiro, localizada em Taubaté, São Paulo, ligada ao Comando de Operações Terrestres e ao Comando Militar do Sudeste. Seu nome histórico é uma referência ao Capitão Ricardo Kirk, pioneiro da aviação militar no Brasil, morto em batalha na Guerra Contestado.[83]

A tarefa do Comando de Aviação do Exército Brasileiro é fornecer apoio aéreo às forças terrestres, fornecendo apoio aéreo tático, apoio aéreo próximo e reconhecimento aéreo.[83]

Brasão 11ª Brigada de Infantaria Leve.jpg Brigada de Operações de Garantia da Lei e da Ordem

Brigada de Operações de Leis e Ordens

A 11.ª Brigada de Infantaria é uma das brigadas que operam no Exército Brasileiro. Sua sede está localizada em Campinas, São Paulo. Esta brigada de infantaria é especializada em operações em terrenos urbanos, podendo atuar em casos de grave instabilidade ou perigo para a ordem pública. A brigada é frequentemente utilizada no Brasil em ações contra o crime organizado e o tráfico de drogas, especialmente em grandes centros urbanos.[84]

É treinada para operar em caso de motins e na luta contra o crime organizado e o tráfico de drogas, quando os órgãos locais de aplicação da lei são incapazes de fazê-lo por si mesmos. Nos anos 2000, atuou ao lado de outras forças do exército de elite na pacificação de favelas cariocas que anteriormente estavam sob controle de narcotraficantes no Rio de Janeiro.[84]

BRASÃO DO CIGS.png Brigadas de Infantaria de Selva

Brigadas de Infantaria de Selva

O Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), também conhecido como Coronel Jorge Teixeira, é uma organização militar com sede em Manaus, destinada a qualificar os líderes militares de pequenos grupos, como guerreiros selvagens, combatentes capazes de realizar missões de natureza militar nas áreas mais inóspitas da floresta tropical brasileira.[85]

Os cursos são ministrados em cenários de operações na selva em diferentes categorias - Oficiais Superiores, Oficiais, Oficiais Não Comissionados Seniores, Oficiais Não Comissionados, Pessoal Médico e de Saúde e pequenos cursos para militares, policiais e civis. Seu símbolo é o jaguar.[85]

Soldado com camuflagem facial

O Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS) é estruturado como o Departamento de Educação, um Departamento de Doutrina e Pesquisa, uma Divisão de Estudantes, um Departamento de Medicina Veterinária, um Departamento de Administração e uma Empresa de Apoio.[86]

Embora oficiais e suboficiais de todo o Brasil possam se inscrever para cursar cursos no CIGS, a maioria dos soldados que apoiam o treinamento são locais, os nativos da área são principalmente os soldados e os cabos. Porque são adaptados às condições da vida dentro da floresta, são mais capazes de executar uma vasta gama de atividades, tais como a caça, escondendo e movendo-se através da floresta com facilidade. Muitos estrangeiros e militares brasileiros que passaram por treinamento no CIGS descreveram as impressionantes habilidades mostradas por esses soldados durante as operações. Sua experiência e habilidades na sobrevivência da selva certamente ajudam a moldar as Brigadas Brasileiras de Guerra na Selva em unidades mais mortíferas de seu tipo no mundo.[86]

As brigadas também têm experiência em combate. Envolvidos na proteção das fronteiras setentrionais do Brasil, as tropas estão constantemente expostas a ataques de guerrilheiros, traficantes de drogas e criminosos de todos os tipos. O Exército Brasileiro comumente atua junto com outras organizações de aplicação da lei, a fim de combater não só o tráfico de drogas, mas também animais, armas, pessoas e várias outras ações ilegais.[85]

Bdainfpqdt.gif Brigada de Infantaria Paraquedista

Exercício da Brigada de Infantaria Paraquedista
Botas marrons dos paraquedistas do Exército Brasileiro

A Brigada de Infantaria Paraquedista é uma das principais unidades de elite do Exército Brasileiro. Sua sede está localizada em Vila Militar, na cidade do Rio de Janeiro. Subordinado ao Comando Militar do Leste, com sede no Rio de Janeiro, em conjunto com o Comando de Operações Terrestres, com sede em Brasília.[87]

A Brigada de Infantaria Paraquedista é uma das tropas de elite do Exército Brasileiro. Pronto para pular e operar atrás de linhas inimigas. Está preparado para agir dentro de 48 horas em qualquer lugar do país, está na selva, savana, pântano e montanha e permanecem sem apoio logístico por até 72 horas. Após a conclusão da missão, entregando território a outra unidade convencional para manter a posição conquistada, de acordo com a doutrina do treinamento do Exército Brasileiro, normalmente uma unidade ou uma brigada de infantaria blindada será responsável pela substituição do campo da Brigada Paraquedista após a transferência do território para outra unidade da Força Terrestre, a Brigada de Paraquedista é então jogada de volta atrás das linhas inimigas, mais uma vez para dar lugar às tropas aliadas. A brigada é uma parte fundamental da Força de Ação Rápida Estratégica, por ser capaz de operar rapidamente em qualquer parte do território nacional em caso de guerra ou invasão.[87]

Devido à natureza morta e perigosa das missões desta brigada, os paraquedistas brasileiros têm um ethos único. Por exemplo, enquanto as tropas da infantaria usam botas pretas e boinas verdes, os paraquedistas usam botas marrons e boinas vermelhas. Eles se consideram superiores aos "botas pretas", que são os soldados de infantaria regulares. O lema do Exército Brasileiro, "Brasil acima de tudo!", era originalmente o grito de guerra dos paraquedistas, antes de ser popularizado (hoje em dia é uma saudação comum entre os militares).[88]

Dist-Bda-Op-Esp.png Brigada de Forças Especiais

Ver artigo principal: Comando de Operações Especiais
Soldados de operações psicológicas
Soldados da Brigada de Forças Especiais em Brasília

A Brigada de Operações Especiais é a força de operações especiais do Brasil. Embora administrativamente atribuídas ao Comando Militar do Planalto, as operações da brigada estão sob o controle direto do Comando de Operações Terrestres. As Forças Especiais foram inicialmente formadas em 1957 como uma unidade de resgate treinada em paraquedas, que se especializou na realização de salvamentos na selva ao longo da bacia Amazônica. Depois de realizar sua seleção inicial, uma Equipe de Treinamento Móvel das Forças Especiais do Exército dos Estados Unidos (MTT) conduziu o primeiro curso de treinamento da unidade.[89]

Atualmente, é especializada em guerra não convencional, realizando operações psicológicas e assediando unidades inimigas maiores, como brigadas e divisões. Agindo em pequenas células e destacamentos (geralmente não mais de 20 homens), as Forças Especiais agem profundamente atrás das linhas inimigas e são capazes de lutar em situações extremamente desfavoráveis.[89]

Unidade contraterrorista da Força Especial Brasileira

Para sua criação, o Comando do Exército emitiu decretos organizando o núcleo da Brigada (Nu Bda Op Esp), relatando inicialmente à Brigada de Infantaria de Paraquedismo. A maioria de suas organizações subordinadas estavam estacionadas na área de Camboatá (Zona Oeste do Rio de Janeiro), onde foi o 1.º BFEsp, cujo comandante serviu, cumulativamente, na fase inicial, o comando da Nu Bda Op Esp e a gestão do projeto Implantação.[89]

Também é capaz de realizar outros tipos de missões, como a luta contra o terrorismo, a exploração estratégica, a descoberta e o ataque de alvos de alto valor e o roubo, a extração e a evasão. Devido ao nível extremamente alto de perigo dessas missões, esta unidade é composta por apenas alguns membros, que devem ter completado os Comandos e Paraquedistas. Eles são altamente especializados e estão prontos para operar em qualquer lugar do mundo em menos de 45 horas. Por isso, são reconhecidos como uma das mais prestigiadas unidades do Exército Brasileiro.[89]

4bdaimz.png Brigada de Infantaria de Montanha

Batalhão de Infantaria de Montanha

É uma brigada de infantaria especializada do Exército Brasileiro. Sua sede está localizada em Juiz de Fora, Minas Gerais. Sua bacia hidrográfica cobre o estado de Minas Gerais e Petrópolis. É administrada pela 1.ª Divisão do Exército/Comando Militar do Leste, com sede no Rio de Janeiro.[90]

A 4.ª Brigada de Infantaria de Montanha é uma unidade do Exército Brasileiro, especializada em operações de combate de montanha, aperfeiçoando e desenvolvendo técnicas especiais de operações de montanha e utilizando equipamentos e armas específicas para este teatro de operações. Ela se estabeleceu ao longo dos anos como uma tropa de elite; mesmo multiplicando suas técnicas especiais por outras unidades militares brasileiras, que participarão de seus cursos e estágios, auxilia na formação das unidades da Força de Ação Rápida Estratégica do Exército Brasileiro.[90]

Durante a Segunda Guerra Mundial, a infantaria brasileira teve grande destaque na conquista da cidade de Montese situada em terreno montanhoso e fortemente defendida pelos alemães como o último bastião parar as tropas aliadas avançando em direção ao Vale do Pó. Em 14 de abril de 1945, o maciço Montese tornou-se a cena da mais árdua e sangrenta batalha de armas brasileiras na Itália, nas palavras de seu próprio comandante, a Força Expedicionária Brasileira Marechal Mascarenhas de Morais. Tendo onze esforço principal do ataque como luta em campos de minas densos e sob fogo pesado de metralhadoras alemãs, eles foram finalmente capazes de conquistar Montese.[90]

3bdaimz.png Brigadas de Operações Motorizadas Rápidas

Brigadas de Operações Motorizadas Rápidas

A 3.ª Brigada de Infantaria Motorizada, também conhecida como Brigada Visconde de Porto Seguro, é uma das brigadas do Exército Brasileiro. Sua sede está localizada em Cristalina, Goiás. Está sujeito ao Comando Militar do Planalto, com sede em Brasília. Suas organizações militares subordinadas estão localizadas no Distrito Federal e nos estados de Goiás, Tocantins e região de Minas Gerais conhecida como Triângulo Mineiro. Seu nome histórico é uma homenagem ao visconde de Porto Seguro, Francisco Adolfo Varnhagem.[91]

A 3.ª Brigada faz parte da reserva estratégica do Exército Brasileiro, mas pode ser empregada a qualquer momento e em qualquer parte do Brasil. Sendo uma formação mecanizada, pode ser implantada rapidamente em qualquer lugar do país para operações convencionais ou para reforçar a polícia militar em manter a ordem pública e ainda pode executar prontamente qualquer ação motorizada ou aérea.[91]

Batalhões e regimentos especializados

1.º Batalhão de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear

Tropas do Exército Brasileiro preparadas para a guerra biológica.

O 1.º Batalhão de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear, levantado em 2012 pela redesignação da Empresa de Defesa CBRN do Exército, é o único do gênero no Exército Brasileiro e seus integrantes são treinados para o combate químico, biológico e nuclear (como o nome sugere), principalmente no controle e descontaminação de armas, equipamentos locais e militares.[92]

A origem do batalhão remonta a 1953, quando a Companhia de Guerra Química, inicialmente sujeita à Unidade de Unidades de Reverse Split (RSUS), foi instalada nas instalações da Escola de Educação Especial (EEE).[92]

Em 31 de dezembro de 1987, extinguiu-se a Escola de Guerra Química e, em seu lugar, foi criada a Companhia CBRN, sediada na cidade do Rio de Janeiro e subordinada ao Conselho de Especialização e Extensão.[92]

17bfron.jpg Batalhão de Fronteira

Infantaria fronteira Pantanal.
Ver artigo principal: 17.º Batalhão de Fronteira

O 17.º Batalhão de Fronteira é uma unidade de elite do Exército Brasileiro, especializada em operações de pântano que está localizado na cidade de Corumbá, Mato Grosso do Sul.[93]

Suas principais missões, garantindo a fronteira ocidental do Brasil, o desenvolvimento e aperfeiçoamento de doutrinas técnicas e operacionais e combate específico ao ambiente pantanoso específico (presente em muitos lugares do mundo) e também multiplicam suas operações técnicas em unidades de wetland. De Ação Rápida Estratégica) do Exército Brasileiro, mas especificamente, oferecendo um curso de Operações no Pantanal à Brigada de Operações Especiais, à Brigada de Infantaria de Paraquedismo e à 12.ª Brigada de Infantaria Leve, unidades da Força-Tarefa Estratégica e também militares de outras regiões, particularmente o Comando Militar do Oeste, que é responsável pela proteção da fronteira ocidental do território brasileiro.[93]

Além disso, há também intercâmbio de técnicas e experiências com os fuzileiros navais, que também se aplicam ao curso de Operações de Zonas Úmidas e são notavelmente habilidosos em operações anfíbias.[93]

Simbolo Caatinga.jpg Batalhão de Infantaria Motorizado

Soldados da Caatinga.

O 72.º Batalhão de Infantaria Motorizado é uma unidade de elite do Exército Brasileiro com sede em Petrolina, sendo a única unidade do Exército Brasileiro a treinar o guerreiro para o ambiente operacional de caatinga e savana.[94]

Tem um Centro de Instruções de Operações de Caatinga, cobrindo uma área de aproximadamente 28 mil quilômetros quadrados. As instalações do Centro de Instruções de Operações da Caatinga estão compreendidas em uma área que pertence ao Ministério da Defesa, denominada Fazenda de Tanques de Ferro de Instrução de Campo, responsável pela formação do combatente da caatinga neste ambiente. A vegetação é agressiva e espinhosa, o sol é muito duro para a maior parte do dia e a água é escassa. As condições desta área são muito difíceis de suportar e os soldados que terminam este curso são reconhecidos como Soldados da Caatinga do Exército Brasileiro, conforme descrito pelo Exército Brasileiro em seu site.[94]

Bgp - 2.png Guarda Presidencial

Ver artigo principal: Batalhão da Guarda Presidencial

O Batalhão da Guarda Presidencial é uma unidade do Exército Brasileiro e guarda de honra ao Presidente do Brasil. Duas outras unidades, o 1.º Regimento de Cavalaria dos Guardas e a Bateria de Cayenne, também fazem parte da unidade de guarda de honra presidencial, e todos eles reportam-se ao QG do Exército.[95]

O BGP teve suas origens no Batalhão do Imperador, organizado em 1823 durante as campanhas de paz que se seguiram à Declaração de Independência como unidade de guarda para a Família Imperial do Brasil e, como tal, usa seus uniformes do século XIX. Desmantelado em 1827, foi reformado em 1933.[95]

O 1.º Regimento de Cavalaria dos Guardas, também conhecido como Dragões da Independência, é o regimento de guarda-cavalos do Exército, de tamanho escalonado. O nome foi dado em 1927 e refere-se ao fato de que um destacamento de dragões escoltado o Príncipe Real de Portugal, Pedro I, no momento em que declarou a independência brasileira de Portugal, em 7 de setembro de 1822. Os Dragões da Independência usam uniformes do século XIX, semelhantes aos da Guarda de Honra Imperial anterior, que são usados como uniforme regimental desde 1927. O uniforme foi desenhado por Jean-Baptiste Debret, em branco e vermelho, com capacetes de bronze emplumados. As cores e o padrão foram influenciados pelos dragões austríacos do período, como a imperatriz consorte brasileira também era uma arquiduquesa austríaca. A cor das plumas varia de acordo com a classificação. Os Dragões da Independência são armados com lanças e sabres, este último somente para os oficiais e o protetor de cor.[95]

1º Batalhão de Polícia do Exército.jpg Batalhões e Pelotões de Polícia do Exército

Soldados da Polícia do Exército na pacificação do Complexo da Maré, no Rio de Janeiro
Pelotão do controle da motim da polícia do exército
Ver artigo principal: Polícia do Exército (Brasil)

O Corpo de Polícia do Exército é composto por unidades especializadas da Infantaria do Exército Brasileiro, que desenvolvem a missão da polícia militar ao longo da sede dos principais comandos e das principais unidades das guarnições da força terrestre.[96]

Como unidades operacionais da Polícia do Exército, existem vários batalhões, companhias e pelotões, como controle de motins, K-9, motociclistas e tropas regulares. A Polícia Militar do Exército Brasileiro é identificada pelo uso de braçadeira preta com as letras "PE" em branco (ou braçadeira branca com letras vermelhas).[96]

Em geral, o termo "Polícia Militar" é usado para se referir às políticas ostensivas dos estados.[96]

Equipamento

Veículos e armas

O Comando de Aviação do Exército também opera 90 helicópteros.[105]

Armas de destruição em massa

Segundo fontes internacionais, o Brasil já possui secretamente a tecnologia para a produção de uma bomba atômica.[107] O ex-ministro e general Alberto Mendes Cardoso, ex-chefe da Casa Militar e do Gabinete de Segurança Institucional no governo de Fernando Henrique Cardoso, confirmou que o Brasil já domina o conhecimento e, se quisesse, poderia dirigir a tecnologia à construção da bomba nuclear.[108] O Exército Brasileiro através de seu Instituto Militar de Engenharia (IME) já adquiriu tecnologia suficiente para que assim que o governo brasileiro desejar, construir a bomba atômica mais poderosa entre todas, a bomba atômica termonuclear.[109][110]

Causou polêmica em 2009 uma tese de doutorado do físico brasileiro Dalton Girão Barroso produzida no IME, intitulada Simulação numérica de detonações termonucleares em meios Híbridos de fissão-fusão implodidos pela radiação. Mantida sob sigilo no IME, a pesquisa foi publicada em livro,[111] provocando um estrondoso choque entre o governo brasileiro e a Agência Internacional de Energia Atômica (AEIA). O físico desenvolveu cálculos e equações que permitiram interpretar os modelos físicos e matemáticos de uma ogiva W87, com informações cobertas de sigilo, mas que vazaram acidentalmente.[109]

Ver também

Referências

  1. «Dia do Exército» (PDF). Exército Brasileiro. Consultado em 24 de junho de 2016 
  2. a b «Decreto 8.399»  4 de fevereiro de 2015.
  3. Palácio do Planalto. Acessado em 11 de janeiro de 2017.
  4. Military Power. Acessado em 11 de janeiro de 2017.
  5. Sítio oficial da Brigada de Operações Especiais. Acessado em 11 de janeiro de 2017.
  6. Defesanet. Acessado em 27 de junho de 2010
  7. Sítio Tropas Elite. Acessado em 11 de janeiro de 2017.
  8. Military Power. Acessado em 11 de janeiro de 2017.
  9. «Brigada de Infantaria Paraquedista». Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  10. Sítio oficial do 1º Batalhão de Infantaria de Selva (Aeromóvel). Acessado em 11 de janeiro de 2017.
  11. Sítio oficial da 12º Brigada de Infantaria Leve (Aeromóvel). Acessado em 11 de janeiro de 2017.
  12. Sítio Tropas Elite. Acessado em 11 de janeiro de 2017.
  13. Sítio oficial do 17º Batalhão de Fronteira. Acessado em 11 de janeiro de 2017.
  14. Sítio oficial do 72º Batalhão de Infantaria Motorizado. Acessado em 11 de janeiro de 2017.
  15. a b Military Power. Acessado em 11 de janeiro de 2017.
  16. Sítio oficial do Centro de Instrução de Guerra na Selva. Acessado em 11 de janeiro de 2017.
  17. Celso Castro "A Invenção do Exército Brasileiro" Jorge Zahar Editor, 2002 ISBN 8571106827 Págs 71 a 76 Visualização em Google Livros
  18. Donato 1996, pp. 105–106
  19. «"História do Exército Brasileiro"»  Página acessada em 11 de outubro de 2012.
  20. "Annaes do Senado do Império do Brasil; Link; 4ª seção em 1866, 12ª legislatura - 1 a 30 de junho, Vol.II" Pág. 6, 2ª coluna (direita); ISBN 1162094648
  21. Vários autores, Unesp/Konrad Adenauer Stiftung "Sistema político brasileiro: uma introdução" pág.25 ítem b) Visualização em Google Livros
  22. Kraay 2001, Introdução & Capítulo 5
  23. Donato 1996, pp. 105–106
  24. Faoro 2012, Capítulos VIII & IX
  25. Kraay & Whigham 2004, Introdução
  26. Donato 1996, pp. 129–132
  27. Salles 2003, p. 38
  28. Smallman 2002, Capítulo 1: "Officers versus Politicians, 1889-1930"
  29. Ibidem, Smallman 2002.
  30. Donato 1996, p. 153
  31. McCann 2004, p. 181, 2º §
  32. Smallman, 2002. Capítulos 2 & 3.
  33. McCann 2004, Capítulos 7 ao 11
  34. Skidmore 1967, Capítulos I & II
  35. Lochery 2014, Partes 3 a 5
  36. Skidmore 1967, Capítulos II ao V
  37. Skidmore 1967, Capítulos VI ao VIII
  38. Skidmore 1988, Capítulos II ao V
  39. Gaspari, 2002. "The Armed Illusions" Vol. II.
  40. Ibidem Teixeira, 2013.
  41. Ibidem Guerra, 2012.
  42. Ibidem Dávila, 2010.
  43. Skidmore 1988, Capítulo VI
  44. Skidmore 1988, Capítulo VII
  45. «Missão brasileira no Haiti completa 10 anos em meio a incertezas». CartaCapital. 1 de junho de 2014. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  46. «Pelotões de fronteira vão ser 'células de vigilância'». Notícias da Amazônia. 4 de janeiro de 2009. Consultado em 24 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2012 
  47. «Brazil military continues raids on slums before World Cup». CBCNews. 5 de abril de 2014. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  48. «Segurança terá o maior efetivo da história das Copas». 13 de abril de 2014. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  49. Tahiane Stochero (13 de agosto de 2012). «Sucateado, Exército não teria como responder a guerra, dizem generais». G1. Consultado em 10 de fevereiro de 2017 
  50. «Brasil destina 60% das suas Forças Armadas na luta contra um mosquito». El País. 13 de fevereiro de 2016 
  51. «Terroristas divulgam 'manual' para ataques nos Jogos do Rio». Portal Terra. 29 de julho de 2016. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  52. «Moradores de favelas repudiam visão de militar sobre 'estado de sítio' na Maré». O Dia. 31 de maio de 2015. Consultado em 10 de fevereiro de 2017 
  53. «Brazil Creates Expeditionary Force to Serve in International Missions». Diálogo Américas. 6 de outubro de 2015. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  54. «Brazil Creates Expeditionary Force to Serve in International Missions». Defesa Net. 9 de outubro de 2015. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  55. Defesa Militar. Acessado em 11 de janeiro de 2017.
  56. Forças Terrestres. Acessado em 11 de janeiro de 2017.
  57. Poder Aéreo. Acessado em 11 de janeiro de 2017.
  58. a b Military Power. Acessado em 11 de janeiro de 2017.
  59. Tecnodefesa
  60. Departamento de Ciência e Tecnologia do Exército Brasileiro. Acessado em 11 de janeiro de 2017.
  61. Forças Terrestres
  62. Forças Terrestres. Acessado em 11 de janeiro de 2017.
  63. 4x4 Brasil. Acessado em 11 de janeiro de 2017.
  64. «"ASTROS 2020: Alcance - Precisão - Poder"». Epex. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  65. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w «Estrutura organizacional». Exército Brasileiro. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  66. «Art. 21 da Lei 2851/56». JusBrasil. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  67. «Armas, Quadros e Serviços». Exército Brasileiro. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  68. a b c d e «Instituições de ensino e pesquisa vinculadas ao Exército Brasileiro». Ministério da Defesa. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  69. a b International Institute for Strategic Studies (3 de fevereiro de 2014). The Military Balance 2014. Londres: Routledge. pp. 371–375. ISBN 9781857437225 
  70. «Os pés de barro de um gigante»  Revista Época. Acessado em 1 de fevereiro de 2009.
  71. Rainer Riedel (abril de 2014). «A Polícia Militar à luz da Constituição Federal de 1988: uma abordagem crítica». Jus navigandi. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  72. «Serviço militar obrigatório». Revista Veja. Outubro de 2008. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  73. «Tiros de Guerra». Diretoria de Serviço Militar do Exército Brasileiro. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  74. «Etapas do Serviço Militar Obrigatório». Ministério da Defesa. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  75. «Serviço Militar». Diretoria de Serviço Militar do Exército Brasileiro. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  76. Luiz Augusto Rocha do Nascimento (2012). «Serviço Militar Obrigatório no Exército Brasileiro» (PDF). Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  77. «A História da Mulher no Exército». Exército Brasileiro. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  78. «Perguntas frequentes». Exército Brasileiro. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  79. a b c «Postos e graduações». Exército Brasileiro. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  80. a b c Marina Motomura (18 de abril de 2011). «Qual é a hierarquia das Forças Armadas?». Mundo Estranho. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  81. «Força de Ação Rápida». Tropas e Armas/UOL. Consultado em 17 de fevereiro de 2017 
  82. a b «Histórico». Brigada de Infantaria Leve (Aeromóvel). Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  83. a b «Histórico». Exército Brasileiro. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  84. a b «Sobre o Centro de Instrução de Operações de Garantia da Lei e da Ordem». Comando de Operações Terrestres. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  85. a b c «Histórico». 1ª Brigada de Infantaria de Selva. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  86. a b Kleber Tomaz. «Guerra na Selva». Imagens por Irailton Vilaça. G1. Consultado em 24 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2017 
  87. a b «Missão e Valores». Brigada de Infantaria Paraquedista. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  88. Chico Otávio (4 de abril de 2010). «Penetramos na disputada Brigada de Infantaria Paraquedista, que terá a sede mudada do Rio para ...». O Globo. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  89. a b c d «Histórico». Exército Brasileiro. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  90. a b c «Portaria 142, de 13 de março de 2013» 
  91. a b «Missão e Valores». 3.ª Brigada de Infantaria Motorizada. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  92. a b c «Histórico». Exército Brasileiro. 1º Btl DQBRN. Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  93. a b c «17º Batalhão de Fronteira celebra aniversário e Dia da Infantaria». Diário Corumbaense. 24 de maio de 2011. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  94. a b «O Batalhão». 72.º Batalhão de Infantaria Motorizado. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  95. a b c «História». Ministério da Defesa. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  96. a b c «Batalhão de Polícia do Exército». Ministério da Defesa. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  97. «Leopard: 41 Viaturas recuperadas - Noticiário do Exército - Exército Brasileiro». www.eb.mil.br. Consultado em 29 de setembro de 2016 
  98. a b c d e «Conheça as armas e equipamentos à disposição do Exército Brasileiro». Ministério da Defesa. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  99. a b c d e Marina Motomura (18 de abril de 2011). «Quais são as armas exclusivas do exército?». Mundo Estranho. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  100. a b «DefesaNet - Aço - Leopard 1A5Br - Exército aposta no M-60A3TTS». Consultado em 29 de setembro de 2016 
  101. «Mais fotos sobre o tiro efetuado por Cascavel modernizado» (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2016 
  102. «Exército Brasileiro terá mais 1.580 VBTP 6×6 Guarani em quatro lotes». Defesa Aérea & Naval (em inglês) 
  103. "". Infodefesa.com - Sítio acessado em 19/04/2013
  104. «Brasil deve comprar sistema russo Pantsir-S1 de defesa antiaérea em 2016». Forças Terrestres - ForTe. 19 de setembro de 2015. Consultado em 29 de setembro de 2016 
  105. a b c «Aeronaves». Comando de Aviação do Exércitoc. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  106. «Helibras apresenta o primeiro H225M Naval armado». www.planobrazil.com. Consultado em 26 de outubro de 2016 
  107. Entrevista com pesquisador alemão Deutsche Welle em DW-World Acessado em 10/01/2010.
  108. Zequinha Barreto Socialismo e Democracia Acessado em 10/01/2011.
  109. a b «Brasil já tem tecnologia para desenvolver bomba atômica». Terra Notícias. Consultado em 15 de Fevereiro de 2012 
  110. 24 Horas News Acessado em 10/01/2011.
  111. Barroso, Dalton Ellery Girão. A Física dos explosivos nucleares. [S.l.]: Livraria da Física. 439 páginas 

Bibliografia

Ligações externas

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Exército Brasileiro