Siderurgia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Siderúrgica)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Siderúrgica na Alemanha.

Siderurgia é o ramo da metalurgia que se dedica à fabricação e tratamento de aços e ferros fundidos.

Processo industrial[editar | editar código-fonte]

A produção de aço tem início com a produção da matéria prima que pode ser o minério de ferro ou a sucata de aço.

O minério de ferro é extraído de reservas comerciais através da mineração. Processos industriais como o beneficiamento separam o minério de ferro do material sem valor comercial chamado ganga.[1] Esses processos incluem a britagem, moagem, peneiração, separação magnética, entre outros. O custo de produção varia com o teor da rocha extraída e a necessidade de mais ou menos beneficiamento.[2]

A produção da sucata de aço acontece através da coleta, classificação, descontaminação, e prensagem do material.[3]

O minério de ferro beneficiado é consumido pelas usinas integradas. Essas utilizam um processo de redução em altos-fornos que produz (dependendo do processo) o ferrogusa ou ferro-espoja.[4] Antes dessa etapa de redução é necessária aglomeração do material que pode tanto ser feita pela mineradora (pelotização) ou pela siderúrgica (sinterização).

Em seguida ocorre o refino. Essa etapa acontece tanto nas empresas integradas quanto nas semi-integradas. O ferro-gusa e/ou a sucata de ferro são tratados nas aciarias para retirar impurezas.[4] Essa etapa produz o aço líquido (ou bruto). Os dois principais processos são: o conversor a oxigênio (BOF) e o forno elétrico a arco (EAF).[4] O aço líquido passa pelo lingoteamento que o solidifica e então é laminado para a forma que será vendido: tubos, fios, barras, chapas, etc.[4]

Siderurgia no mundo[editar | editar código-fonte]

Em 2018, a produção de aço bruto no mundo foi aproximadamente de 1,8 bilhões de toneladas. A China é disparadamente o maior produtor, com 928 milhões de toneladas, sendo também o maior consumidor do produto. A Índia produziu 106 milhões de toneladas, o Japão 104 milhões e os Estados Unidos, 86 milhões. O Brasil estava em 9º no ranking mundial, com 35,4 milhões de toneladas.[5]

Minério de ferro[editar | editar código-fonte]

A produção de minério de ferro (matéria-prima do aço), no Brasil, foi de 410 milhões de toneladas em 2019. O Brasil é o segundo maior exportador global de minério de ferro e tem a segunda posição no ranking de reservas: debaixo do solo brasileiro há pelo menos 29 bilhões de toneladas. As maiores reservas atualmente estão nos estados de Minas Gerais e do Pará.[6] A China é o maior importador de minério de ferro do Brasil, que usa o material para fabricar aço para consumo próprio. No caso da produção de minérios do estado do Pará, por exemplo, 93,1% das exportações para a China são de minério de ferro.[7]

Siderurgia no Brasil[editar | editar código-fonte]

De acordo com dados coletados pelo Instituto Aço Brasil, o Brasil produziu 32 milhões toneladas de aço bruto em 2019.

Produção brasileira de aço bruto
kt
2014 33897
2015 33258
2016 31642
2017 34778
2018 35407
2019 32569

A produção de aço bruto da região sudeste representou 86,1 por cento do total.[8]

Produção brasileira de aço bruto por estado (2019)[8]
Estado kt %
Minas Gerais 10408 32,0
Rio de Janeiro 8750 26,9
Espírito Santo 6599 20,3
Ceará 2977 9,1
São Paulo 2265 6,9
Rio Grande do Sul 671 2,1
Pará 345 1,1
Maranhão 338 1,0
Pernambuco 216 0,6

Entre as maiores empresas siderúrgicas do Sudeste estão Gerdau, CSN, CSA, Usiminas e Acesita.

Produção de aço bruto & placas e lingotes para venda (2018 e 2019)[8]
Empresa Nome antigo 2018 2019
Aço Verde do Brasil 279 338
Aperam South America 709 688
ArcelorMittal

Aços Longos

Belgo Mineira 3135 2870
ArcelorMittal

Sul Fluminense

Votorantim Siderurgia 1010 720
ArcelorMittal

Tubarão

Companhia Siderúrgica de Tubarão 7043 6268
Companhia Siderúrgica

Nacional (CSN)

4199 3043
Companhia

Siderúrgica do

Pecém

2978 2866
Gerdau Açonorte (Recife)

Barão de Cocais (Minas Gerais)

Cearense (Maracanaú)

Cosigua (Rio de Janeiro)

Divinópolis (Minas Gerais)

Riograndense (Sapucaia do Sul)

Araçariguama (São Paulo)

Açominas (Ouro Branco)

Aços FInos Piratini (Charqueadas)

Mogi das Cruzes (São Paulo)

Pindamonhangaba (São Paulo)

Usiba (Salvador)

6654 6301
SIMEC 480 671
Siderúrgica

Norte Brasil

345 345
Ternium Brasil CSA 4606 4379
Usiminas Usiminas

Cosipa

3086 3264
Vallourec

Mannesmann

769 705
Aços VIllares 114 111
VSB Vallourec

Sumitomo

0 0

História[editar | editar código-fonte]

Em 1921 foi fundada a Companhia Siderúrgica Belgo-Mineira que tinha a participação da empresa belga ARBED (Acieries Reunies de Burbach-Eich-Dudelange). Anos depois, em 1939, foi inaugurada a usina de João Monlevade.[9][10]

Em 1942 foi fundada a Companhia Ferro e Aço de Vitória (Cofavi).[9]

CSN e outras expansões[editar | editar código-fonte]

Em 1946 entrou em operação a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) em Volta Redonda no Rio de Janeiro.[9]

Em 1951 foi fundada empresa Aços Especiais Itabira (Acesita).[9]

Em 1952 iniciou a Companhia Siderúrgica Mannesmann com o primeiro forno elétrico.[9]

Em 1956 foi fundada a Companhia Siderúrgica Paulista (Cosipa) em Cubatão em São Paulo.[9]

Nesse mesmo ano, em 1956, foi fundada empresa Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais (Usiminas).[9]

Em 1973 foi inaugurada a Usina Siderúrgica da Bahia (Usibas) em Simões Filho, a primeira a usar gás natural.[9]

O período Siderbrás[editar | editar código-fonte]

Em 1974 foi fundada a Siderurgia Brasileira S.A. (Siderbrás) que recebeu a participação do BNDES em empresas do ramo: 73% da Usiminas, 87% da Cosipa, 93% da Cofavi.[9]

Em 1983 foi fundada a Companhia Siderúrgica de Tubarão (CST) em Vitória no Espírito Santo.[9]

Em 1986 foi fundada a Açominas em Ouro Branco, Minas Gerais.[9]

A onda de privatizações[editar | editar código-fonte]

Em 24 de outubro de 1991 a Usiminas foi privatizada; seu principal comprador foi o Previ mas o controle acionário ficou com banco Bozano Simonsen e a japonesa Nippon.[9][10]

Em julho de 1992 a Companhia Siderúrgica de Tubarão (CST) foi privatizada; seu principal comprador foi um consórcio do banco Bozano Simonsen, Companhia Vale do Rio Doce, e Unibanco.[9]

Em outubro de 1992 a empresa Aços Especiais Itabira (Acesita) foi privatizada; seu principal comprador foi o fundo Previ e o banco Safra.[9]

Em abril de 1993 a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) foi privatizada; seu principal comprador foi um consórcio do banco Bamerindus, do grupo Vicunha, da Docenave, do banco Bradesco e do banco Itaú.[9]

Em agosto de 1993 a Companhia Siderúrgica Paulista (Cosipa) foi privatizada; seu principal comprador foi Brastubo.[11]

Em setembro de 1993 a Açominas foi privatizada; seu principal comprador foi a Companhia Mineira de Participação Industrial.[9]

Em 1997 foi privatizada a Companhia Vale do Rio Doce; seu principal comprador foi o Consórcio Brasil liderado pela CSN.[9]

Grandes Siderúrgicas portuguesas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Beneficiamento: o que é e o que você precisa saber». Minas Júnior Consultoria Mineral. 20 de setembro de 2018. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  2. «Minério de Ferro e Pelotas». www.vale.com. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  3. Brasil, ArcelorMittal. «Sucata Metálica». ArcelorMittal. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  4. a b c d Carvalho, Pedro Sérgio Landim de. «Sustentabilidade da siderurgia brasileira: eficiência energética, emissões e competitividade» (PDF). BNDES Setorial 
  5. A Siderurgia em Números 2019, página 9
  6. Ibram: produção de minério em 2019 caiu, mas faturamento cresceu
  7. Informe mineral do estado do Pará 2017
  8. a b c «A Siderurgia em Números» (PDF). Instituto Aço Brasil. 2019 
  9. a b c d e f g h i j k l m n o p q São Paulo, Elizabeth Maria de (2002). Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social 50 Anos: Histórias Setoriais. [S.l.]: DBA 
  10. a b Aço Brasil: Uma Viagem pela Indústria do Aço (PDF). [S.l.]: Escritório de Histórias. 2013 
  11. «Usiminas interrompe atividades em Cubatão e deve demitir 4 mil - Economia». Estadão. Consultado em 8 de novembro de 2020 
Ícone de esboço Este artigo sobre metalurgia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.