Cavalaria do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Arma da Cavalaria
Cavalaria.png
Distintivo
País Flag of Brazil.svg Brasil
Corporação Flag of the Brazilian Army.png Exército
Patrono Manuel Luís Osório
Cores      Branco
     Vermelho[1]

A cavalaria do Brasil é uma das armas que compõem seu Exército. Tal como a infantaria, confronta diretamente o inimigo, porém, com missões distintas tal como o reconhecimento e a vanguarda. Opera em veículos blindados e é organizada em regimentos e esquadrões, equivalentes aos batalhões e companhias da infantaria. Seus principais tipos são os de carros de combate (Leopard 1 e M60), mecanizados (com veículos sobre rodas — EE-9 Cascavel, EE-11 Urutu e VBTP-MR Guarani), blindados (com veículos sobre lagartas — carros de combate e M-113) e de guarda (a cavalo).

A maioria desses corpos estão agrupados em cinco brigadas, quatro no Sul do país e uma no Centro-Oeste. As brigadas de infantaria também contam com algumas forças de cavalaria, incluindo esquadrões especializados — paraquedista, aeromóvel e de selva. A organização à base de divisões vigorou de 1921 até ao redor dos anos 70, quando deu lugar às atuais brigadas, cada qual contando, além da cavalaria, com forças de artilharia, engenharia e logística. Quatro brigadas de cavalaria são mecanizadas, com regimentos mecanizados e blindados, e uma é blindada, com regimentos de carros de combate e batalhões de infantaria blindada.

O Brasil tem a cavalaria hipomóvel, isto é, a cavalo, desde o período colonial, destacando-se sua presença no Sul. No século XX o desenvolvimento econômico permitiu sua gradual mecanização, mais tardia do que nas grandes potências. Como em alguns outros países, a mudança não extinguiu a arma: as capacidades e missões dos blindados são semelhantes às dos equinos, enquanto as tradições dos cavalarianos permanecem em parte herdadas do uso do cavalo. Desde então seu nível tecnológico depende da aquisição de novas gerações de veículos, que, como nos países vizinhos, não pertencem à última geração disponível fora do continente.

Conceitos básicos[editar | editar código-fonte]

Potência de fogo do carro de combate Leopard 1

As tropas podem ser classificadas em infantaria, cavalaria, artilharia, engenharia e logística. As primeiras quatro são denominadas armas, e a última é dividida em "quadros", "serviços" e outros nomes. Cavalaria e infantaria são armas base, isto é, vão de encontro ao inimigo, ao contrário das armas de apoio, artilharia e engenharia; suas unidades são assim denominadas "de manobra". A cavalaria tem terminologia própria para seus escalões: esquadrões e regimentos. Os primeiros são equivalentes às companhias da infantaria e baterias da artilharia, e os segundos, aos batalhões da infantaria e grupos da artilharia.[2][3] As forças denominadas "mecanizadas" usam blindados sobre rodas, enquanto as "blindadas" usam blindados sobre lagartas.[4]

Muitos exércitos ainda dão a designação de cavalaria às unidades responsáveis por "exploração, combater os inimigos responsáveis pelo reconhecimento, segurança avançada, reconhecimento ofensivo, conexão e penetração, recuperação do comando, retirada e outros movimentos", funções também exercidas pela antiga cavalaria hipomóvel. Uma de suas principais características, a mobilidade, é continuada pelo blindado. O poder de "choque", característico da cavalaria pesada, hoje existe no carro de combate[5] e é produzido pela combinação da mobilidade, blindagem e potência de fogo. A essas características soma-se um sistema de comunicações capaz de coordenar forças dispersas por grandes distâncias.[6]

Os oficiais de cada arma permanecem nela pela carreira inteira. Na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) a diferenciação ocorre quando, ainda como cadetes, são no início do 2º ano chamados por ordem de classificação escolar a escolher qual arma seguirão, ingressando então em seu respectivo curso, como o Curso de Cavalaria. Os últimos em classificação são "compulsados" para preencher as vagas restantes.[7]

Fora do Exército, a maioria das Polícias Militares opera unidades a cavalo.[8]

Como discutido em A Defesa Nacional em 1996, no Corpo de Fuzileiros Navais não há cavalaria; a única arma base é a infantaria e os blindados são considerados de apoio. Entretanto, os fuzileiros navais podem realizar tarefas que seriam típicas de cavalaria no Exército, tendo inclusive unidades próprias para tanto, como Companhias de Reconhecimento Terrestre e Anfíbio. Oficiais mais antigos, treinados até 1990 na Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais do Exército, ainda admitiam usar blindados como arma base. O mais próximo a uma “cavalaria anfíbia” estaria nos blindados do Corpo; os pioneiros do EE-11 Urutu na Marinha, de 1973 a 1975, usavam como símbolo o cavalo-marinho. À época do artigo, no final dos anos 90, discutia-se a formação de um “Batalhão de Infantaria Mecanizado de Fuzileiros Navais”, com estrutura semelhante a uma Brigada de Cavalaria Blindada do Exército.[9]

História[editar | editar código-fonte]

Período hipomóvel[editar | editar código-fonte]

Dragão em Minas Gerais

Os governadores-gerais do Estado do Brasil usaram forças de cavalaria contra indígenas na Bahia e Espírito Santo em meados do século XVI, com o primeiro combate registrado em Porto Grande, próximo a Pirajá, Bahia, em 26 de maio de 1555. O primeiro uso decisivo foi na guerra contra os tupiniquins em 1558–1559. Porém os cavalos eram escassos e caros, sendo privilégio de poucos colonos. Nos dois primeiros séculos a manutenção de unidades de cavalaria foi difícil.[5][10]

O Império Português pós-Restauração (1640) tinha um exército dividido entre Corpos Regulares, de caráter profissional e pago, e duas categorias de caráter territorial e não remunerado, os Corpos Auxiliares/Milícias e os Corpos Irregulares/Ordenanças. Ambos passavam a maior parte do tempo em suas ocupações civis[11][12] e eram divididos em unidades de brancos, pardos e negros libertos.[12][13] Várias companhias de cavalaria de milícias lutaram contra as invasões holandesas do Brasil e um esquadrão participou da primeira Batalha dos Guararapes, em 1648.[5]

Em Minas Gerais no século XVIII, entre as Auxiliares de cavalaria e Ordenanças de homens de cavalo (só os Regulares e Auxiliares usavam o termo "cavalaria") não havia unidades de pardos ou de libertos. Ambas davam prioridade aos homens mais ricos e nobres.[12][13] O caráter de elite social das Ordenanças a cavalo é observado também, na colônia como um todo, nos séculos XVI[14] e XVII.[15] A cavalaria regular do ciclo do ouro consistiu de, a partir de 1719, várias companhias de dragões.[16] Ela especializou-se no trabalho policial. Foi reunida em 1775 no Regimento Regular de Cavalaria de Minas, custeado pelo poder local — a própria Capitania de Minas Gerais — e ancestral da Polícia Militar mineira.[17]

Guarda de Dom Pedro

Ao longo do período colonial a cavalaria foi recrutada em estratos sociais diversos.[18] No Rio Grande do Sul colonial, uma sociedade militarizada, fronteiriça e pastoril, as milícias de cavalaria foram constituídas a partir da peonada. Ela era comandada por seus estancieiros "à semelhança dos contingentes dos barões feudais"; eram líderes carismáticos que organizavam a força a partir de suas próprias terras. Bem adaptada ao terreno e montaria, a tropa não seguia a disciplina militar ortodoxa, aumentando e diminuindo com deserções e ingressos.[18][19][20] No século XVIII surgiram na Capitania um Regimento de Dragões e outro Auxiliar.[5] Outro fenômeno sulista era a importância dos indígenas como lanceiros;[21] no período joanino foi criado um Regimento de Lanceiros Guaranis na região das Missões.[22]

O príncipe regente Dom João julgou necessária a cavalaria para assegurar as capacidades militares do país, e vários regimentos foram criados no início do século XIX.[5] Estavam armados com clavinas[nota 1] de pederneira Tower ou Brown Bess 17 mm e 19 mm, pistolas de pederneira 19 mm, lanças e sabres.[23] O Brasil Império abandonou a nomenclatura de "Dragões", reorganizando as forças em sete regimentos numerados de cavalaria. Era considerada ligeira, mas às vezes unidades do Sul eram consideradas de lanceiros por usarem essa arma, como os Lanceiros Alemães. A doutrina era a de Beresford: função ofensiva e combate montado, sem apear.[10] No Segundo Reinado o armamento passou a ser "clavinas de fulminante, Minié, de varias marcas e adarmes; sabres", "revolvers Colt e Lefaucheux; pistolas de arção Minié" e lanças."[24]

Batalha do Avaí

Com opiniões e experiência próprias, os cavalarianos eram tidos em baixa estima pelos intelectuais da capital. Havia o dito: "como na cavalaria, rápido e malfeito".[25] O atual patrono, marechal Osório, atuou nesse período. Era gaúcho e típico estancieiro-militar.[26] Os gaúchos predominavam na origem da tropa[25] e localização dos regimentos; eram exímios cavalarianos. Os cavalos eram adestrados "de forma selvagem" e tratados de forma insensível. Junto à má qualidade das selas portuguesas e da alimentação, enfraqueciam e cada soldado precisava levar dois ou três. Podiam ser abandonados no caminho. O furto de cavalos era praticado tanto por riograndenses quanto por castelhanos.[27] Nas guerras do sul do continente em 1825–1870, os cavalos eram de baixo padrão racial e as condições climáticas, ambientais, sanitárias e logísticas eram terríveis.[28] Somado às condições do terreno, em muitos casos na Guerra do Paraguai a cavalaria lutou a pé. Porém, em terreno apropriado ainda atacou montada,[25][29] como nas cargas lançadas na Batalha do Avaí.[30]

Na campanha paraguaia os regimentos, ao modo francês, tinham um esquadrão de dragões com clavinas e os demais de lanceiros. Sob o Duque de Caxias a proporção de lanceiros caiu de 3/4 a 2/3, mas os insucessos com armas de fogo novas em geral levou a táticas mais primitivas: na Batalha do Avaí Osório foi um dos últimos a derrotar quadrados numa primitiva carga a "ferro frio", só com sabres e lanças. Após 1869, sob o Conde d'Eu, as armas de fogo foram novamente valorizadas. Os esquadrões de clavineiros foram separados dos lanceiros e agrupados em unidades ad hoc. Tiveram grande sucesso com a moderna clavina Spencer. Após a guerra a infantaria perdeu a distinção entre caçadores e fuzileiros. A cavalaria, seguindo a experiência e observando o ocorrido na Europa, poderia ter dado igual preparo à ação de choque e combate a pé, mas isso não se consolidou, retornando à configuração mista. Chegou a adquirir a lança Ehrardt em 1908, só adotando as armas de fogo para a tropa inteira em 1917.[31]

Cavalaria em 1914

Em 1910 um decreto presidencial previu uma Escola de Veterinária e um Quadro de Veterinários no Corpo de Saúde do Exército, respondendo assim à insalubridade observada nas campanhas ao longo do século anterior.[28] Na Escola Militar do Realengo, antecessora da AMAN, os cadetes com notas melhores escolhiam sua Arma ao final do 2º ano. Tinham a Cavalaria como a terceira mais disputada, atrás da Artilharia e da Engenharia (em ordem crescente). A Infantaria tipicamente ficava com os alunos de nota menor. A maioria dos cadetes gaúchos escolhia a Cavalaria.[32]

A tração animal não era exclusiva da cavalaria, sendo amplamente utilizada pelas outras armas. A artilharia, por exemplo, movia seus canhões em juntas de bois, o que era fácilmente observável até o final dos anos 30.[33] Em 1939/1940, no início da Segunda Guerra Mundial, o Exército tinha um efetivo previsto de 36.383 cavalos, com 22.810 existentes de fato, dispersos por todas as regiões militares. Isso exigia coudelarias, depósitos de remonta, de reprodutores e de material de veterinária, um hospital, enfermarias, isolamentos, farmácias, ferradorias, cultivo de forragem e compras de animais.[34] Em 1958 os armamentos individuais de um esquadrão de fuzileiros da cavalaria hipomóvel eram a espada, mosquetão, sabre-punhal, fuzil semiautomático, pistola, revólver, metralhadora de mão e granadas de mão e de fuzil. As armas coletivas eram o fuzil-metralhadora Madsen 1935-F, o morteiro de 60 mm e o lança-rojão.[35]

Mecanização (1938–1986)[editar | editar código-fonte]

Tanquete L3/35

As duas guerras mundiais evidenciaram a obsolescência do cavalo no campo de batalha e sua dominação pelos veículos mecanizados.[36] Estavam em curso dois avanços tecnológicos, a motorização e a mecanização, que podem ser respectivamente definidas como a adoção de materiais de transporte, como caminhões e tratores, e de materiais de combate como o carro de combate e o carro blindado.[33] Para a cavalaria, a mecanização era uma mudança radical que aposentaria seu principal instrumento, o cavalo.[36] Após 1940 a arma enfrentava a extinção, mas tinha uma alternativa: abraçar a mecanização, reconhecendo no carro de combate o sucessor do cavalo e dando continuidade às suas antigas capacidades de blindagem, choque e mobilidade.[37] Os países centrais substituíram a cavalaria hipomóvel pelas forças mecanizadas, embora algumas unidades da arma mantiveram suas denominações.[36] A "cavalaria" das décadas seguintes era baseada na tecnologia de ponta.[38] Porém, nos países periféricos o cavalo continuou em uso.[36]

A mecanização brasileira começou com os Renault FT-17 da Companhia de Carros de Assalto (1921–1932). Era adida à 1ª Divisão de Infantaria e servia para apoiar a infantaria, conforme o pensamento francês da época.[39] No início do período entreguerras o pertencimento do carro de combate estava em aberto, aparecendo com a infantaria e mesmo com a artilharia; uma corrente defendia que deveria formar uma arma própria.[40] Anos depois e até 1970, o mesmo conceito francês aparecia nos Batalhões de Carros de Combate Leves, que pertenciam à infantaria.[41]

M8 Greyhound brasileiro na Campanha da Itália (1945)

Os próximos passos foram a Seção de Moto-Mecanização do Estado-Maior do Exército e a constituição em 1938 do Esquadrão de Auto-Metralhadoras de Reconhecimento, equipado com o tanquete italiano Fiat Ansaldo L3/35 e pertencente à cavalaria.[42] Durante a Segunda Guerra Mundial, a partir de 1941–1942 o Brasil recebeu muito material mecanizado americano através do Lend-Lease. O fluxo foi retomado em 1952 com a assinatura do Acordo Militar Brasil-Estados Unidos.[43] A participação da cavalaria na Força Expedicionária Brasileira consistiu num esquadrão equipado com jipes e carros blindados M8 Greyhound.[44] A entrada de centenas de blindados americanos da Segunda Guerra — M3 Stuarts, M3 Lees, M4 Shermans, M8 Greyhounds e M3 Scout Cars, suplementados nos anos 60 com o carro de combate leve M41 Walker Bulldog, dos anos 50,[45] permitiu constituir uma Divisão Motomecanizada (1943), convertida em núcleo de Divisão Blindada (1946) e elevada a divisão completa em 1957.[43]

Os blindados coexistiam com a cavalaria hipomóvel: em 1960, de 27 regimentos de cavalaria 17 eram a cavalo.[46] A Lei da Organização dos Quadros e Efetivos de 1946 deixava somente forças hipomóveis e motorizadas na arma da cavalaria, classificando as unidades mecanizadas como "tropas blindadas",[47] enquanto o decreto de 1957 incluiu-as na cavalaria.[48] Havia a ameaça da constituição de uma arma blindada independente, como ocorrido na Alemanha[49] e nos Estados Unidos.[50]

Também estavam em cheque as tradições da arma, as carreiras de cavalarianos e veterinários[51] e o futuro do cavalo. Uma facção de oficiais defensores da tradição queria sua permanência, ainda que admitindo em parte a motomecanização. Argumentavam com base na inferior mobilidade e versatilidade das forças mecanizadas em terrenos difíceis e tempo chuvoso, assim como na inviabilidade material de sustentá-las.[44][52] O argumento material era:[53]

Carros de combate leves M41 em frente ao Palácio Duque de Caxias no golpe de 1964

Algum dia, o progresso vertiginoso da nossa pátria nos levará a cumprir, com viaturas mecanizadas, as tradicionais missões que Osório e Andrade Neves cumpriram a cavalo.

Porém, isso somente será possível quando mudar o panorama brasileiro pela transformação do meio físico pelo homem, isto é, quando os nossos motores, acionados pelo nosso petróleo, deslocarem-se por verdadeiras estradas para qualquer ponto do país. Somente então é que poderemos pensar em suprimir o cavalo.

— General Almério de Castro Neves, A Cavalaria Hipomóvel Brasileira na Época Atual (A Defesa Nacional, n.599, 1965)[54]
EE-9 Cascavel

Há menção a um deslocamento a cavalo de Quaraí, sudoeste gaúcho, à região de Harmonia durante o golpe de Estado de 1964,[55] mas o que se verificou na Campanha da Legalidade de 1961, golpe de 1964, Guerrilha de Três Passos de 1965 e combate ao contrabando foi o transporte motorizado, mesmo que em veículos civis requisitados. A motorização e mecanização ocorriam nos exércitos dos países vizinhos[56] e eram plenas nos combatentes das Guerras da Coreia e Vietnã.[49] Ao longo dos anos os oficiais relutantes eram gradualmente substituídos por novas gerações abertas à mecanização.[57]

Ao mesmo tempo, os argumentos contra a mecanização eram esvaziados pelo "progresso vertiginoso" da economia nacional.[49] Nos anos 60 e 70 a produção industrial automobilística e bélica e os projetos de pesquisa do Exército permitiram nacionalizar a maioria dos veículos não-blindados, modernizar os blindados americanos e fabricar blindados sobre rodas: o EE-9 Cascavel e EE-11 Urutu da Engesa, respectivamente para reconhecimento e transporte. Os veículos nacionais enfim equiparam a cavalaria.[58]

Em 1973 a mecanização já havia transformado a maioria dos regimentos,[59] atingindo os últimos no Mato Grosso do Sul em 1985–1986.[nota 2] Os cavalos foram mantidos em três regimentos de guardas, de valor histórico, e em algumas escolas. A denominação de "cavalaria" foi meramente acrescida de adjetivos como "mecanizada" e "blindada". A formação de oficiais de cavalaria continuou, assim como as funções de reconhecimento e vanguarda.[60][61] Dessa forma a tradição sobreviveu em parte, foi conciliada com a modernização e a arma prosseguiu sua existência.[62][57]

Modernizações (1979–)[editar | editar código-fonte]

Leopard 1

Carregando soldados e possuindo grande mobilidade e capacidade de manobra, o helicóptero tornou-se oportunidade tão grande quanto a mecanização, sendo empregado pelos americanos no Vietnã como "cavalaria aérea".[38] Alguns cavalarianos brasileiros viram nele a próxima evolução depois do blindado, mas as unidades de helicóptero que o Exército chegou a formar a partir de 1986 não pertenceram à cavalaria.[63] Esse papel coube à Aviação do Exército e à infantaria aeromóvel.[64]

Blindado Guarani

A indústria acumulou experiência modernizando veículos americanos e em 1979 iniciou o desenvolvimento de um carro de combate nacional, o Tamoyo, como resposta ao Tanque Argentino Mediano. Seria não uma tecnologia de ponta mas um equipamento adequado às limitações nacionais. Para acompanhá-lo viria o transporte de pessoal sobre lagartas Charrua, sucedendo o M-113. O Tamoyo tinha uma alternativa mais sofisticada, voltada ao mercado internacional, o Osório. Nenhum dos três veículos foi comprado e a indústria bélica entrou em crise nos anos 90.[65]

Como o M41 já estava velho, restava importar novos carros de combate. No final dos anos 90 o Brasil comprou o M60 A3 TTS e o Leopard 1 A1. Sem uma importação adequada de peças de manutenção para o Leopard, em 2009–2010 chegaram os primeiros lotes de uma versão melhor, o Leopard 1 A5. São carros muito mais avançados que o M41[66] e levaram à expansão das capacidades logísticas. Entretanto a manutenção, ao contrário da compra, é cara, não ocorre transferência de tecnologia e os modelos são defasados.[65] O Tamoyo, M60 e Leopard 1 são de 2ª geração, enquanto o Osório e contemporâneos dos anos 80 e 90 como o M1 Abrams e Leopard 2 são de 3ª geração.[67]

O transporte sobre lagartas permanece o M-113, enquanto no seu lugar outros exércitos usariam um veículo de combate de infantaria como o Bradley.[68] Cascavel e Urutu já estão tecnologicamente defasados;[69] o último será sucedido pelo novo VBTP-MR Guarani, cujos primeiros lotes foram entregues em 2014. Servirá também para a nova infantaria mecanizada.[70] Em 2018, o término do programa estava previsto para 2040.[69] Um sucessor ou modernização para o Cascavel estão no horizonte. O contrato de manutenção para o Leopard 1 A5 BR expira em 2027, exigindo no futuro um substituto.[71]

Tradições[editar | editar código-fonte]

Busto de Osório

A crença na "nobreza" da Cavalaria brasileira a aproxima da medieval, porém, definida não pelo caráter de elite feudal de seu antecessor mas por determinados traços comportamentais ("elegância, lealdade e arrojo").[18] Uma pesquisa antropológica com cadetes da AMAN no final dos anos 80 identificou como valores atribuídos à cavalaria "Rapidez, combatividade, coragem, flexibilidade, determinação, desprendimento, vontade de superar obstáculos, ‘sem frescuras’". O pessoal das outras Armas tem como estereótipos negativos os cavalarianos como "grossos, bagunceiros" e o espírito da arma como o de "rápido e malfeito".[72]

Outra ligação ao passado medieval é o ritual de iniciação da entrega das esporas.[73][74] As tradições eram centradas no cavalo como instrumento de guerra[18] e incluíam a equitação, ligação próxima entre cavalariano e montaria e armamentos próprios.[75] Os oficiais da ativa tinham o direito de manter um cavalo particular nas instalações do Exército.[60][76] Também integram a tradição as histórias centenárias dos regimentos e as canções.[75] Uma tradição surgida com a mecanização é a boina preta, tradicional de forças blindadas pelo mundo.[77] Ela data do Exército Britânico em 1924 e é adequada a uma tripulação de carro de combate, não obstruindo a visão nas estreitas viseiras e nem expondo manchas de óleo. No Brasil foi adotada pela primeira vez em Bagé em 1968.[78]

O santo padroeiro é São Jorge, escolhido em meados do século XX. Às vezes representado "a cavalo, de lança flamejante, acometendo e vencendo um dragão",[79] é associado a valores marciais desde a Idade Média e venerado por militares brasileiros em geral, como na cavalaria da PMERJ.[80] O símbolo da arma era, durante o Império, o número do regimento entre dois dragões semelhantes aos da Casa de Bragança. Nos anos 1880, surgiram distintivos com duas espadas cruzadas. Com o abandono da simbologia monárquica após a 1889, passou a ser duas lanças cruzadas com bandeirolas.[1]

O patrono, o marechal Manuel Luís de Osório, Marquês do Herval (1808–1879), liderou as forças aliadas à vitória na Batalha de Tuiuti, em 24 de maio de 1866, durante a Guerra do Paraguai.[81] Nas décadas seguintes era figura de prestígio no Exército como um todo, recebendo maior reverência que Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias. A primazia de Caxias, hoje patrono do Exército, foi construída a partir dos anos 20 e 30. O tenentismo e as repetidas insurreições da tropa levaram as lideranças militares do final da República Velha e da Era Vargas a promover sua figura, associada às lutas pela unidade nacional. Buscavam valorizar um perfil legalista e apolítico que restaurasse a unidade da corporação. A partir dos anos 40 Osório ficou, então, com a posição de patrono da Cavalaria.[82]

Organização[editar | editar código-fonte]

Os regimentos são de carros de combate, blindados com carros de combate e outros blindados sobre lagartas, mecanizados com blindados sobre rodas ou de guardas com cavalos. Existem esquadrões especializados nas brigadas paraquedista, aeromóvel e de selva. As brigadas são blindadas ou mecanizadas, sendo a Brigada de Cavalaria Blindada idêntica à Brigada de Infantaria Blindada.

Regimentos e esquadrões[editar | editar código-fonte]

Regimento de cavalaria em 1953
Carros de combate Leopard 1
Cavalaria blindada: M60, Leopard 1s e M-113s
Cavalaria mecanizada: Cascavéis e soldados desembarcados de um Urutu
Cavalaria de guardas

O Regimento de Cavalaria hipomóvel de 1915 tinha quatro esquadrões, cada qual com quatro pelotões de duas esquadras. Em 1921 foram acrescidos de um pelotão de metralhadoras leves e os pelotões reorganizados com base em um grupo de combate (GC) e duas esquadras de exploradores. O número de esquadrões diminuiu a três em 1928, e em 1932 o Regimento ganhou seu próprio esquadrão de metralhadoras. Os pelotões do esquadrão baixaram a três em 1935, cada qual com dois GCs e uma esquadra de exploradores. Em 1943 os esquadrões foram denominados "de fuzileiros" e surgiram também nos tipos de morteiros e canhões anticarro.[10]

A motomecanização gerou novos tipos de unidades nos anos 40. A infantaria montada virou os Regimentos de Cavalaria Motorizados (RCM), e foram criados Batalhões de Carros de Combate (BCC) e Esquadrões e Regimentos de Reconhecimento Mecanizado (Esqd ou R Rec Mec).[nota 3] O RCM era efetivamente infantaria motorizada.[46] O Reconhecimento Mecanizado usava blindados mais leves[83] e, além do reconhecimento, também fazia missões ofensivas, defensivas e de segurança. O nome era influência inadequada da doutrina americana.[84] O BCC tinha blindados médios.[85] Seu nome era também impropriedade, pois o que os americanos denominavam de "batalhão", a cavalaria brasileira tradicionalmente chama "regimento".[86] Era previsto ainda um batalhão de blindados pesados, que, porém, não chegou a existir.[85]

As reformas dos anos 70 completaram a motomecanização. As antigas categorias deram lugar às seguintes:

  • Regimento de Carros de Combate (RCC): Originalmente equipado com o M41, posteriormente o Leopard 1 A1 e M60[10] e hoje o Leopard 1 A5.[44] Atualmente tem quatro esquadrões, cada qual de três pelotões com quatro carros de combate cada.[nota 4] São a força de choque do Exército,[44] usada na destruição do inimigo.[5]
  • Regimento de Cavalaria Blindado (RCB): Organização de armas combinadas,[87] com dois esquadrões de carros de combate idênticos aos do RCC e dois de fuzileiros blindados idênticos aos das companhias do Batalhão de Infantaria Blindado (BIB),[88] isto é, três pelotões de quatro M-113 cada.[89] Ambos movem-se em veículos sobre lagartas,[5] embora o RCB tenha modelos mais simples — Leopard 1 A1 BE, M60 A3 TTS e M-113 B, enquanto o RCC usa Leopard 1 A5 e o BIB usa o M-113 BR. Para operar, o RCC e o BIB precisam separar seus componentes para formar Forças-Tarefa (FT), enquanto o RCB é por si só uma FT.[90][88]
  • Regimento de Cavalaria Mecanizado (RC Mec): Unidade de blindados sobre rodas[5] organizada em três esquadrões. Cada qual tem uma seção de comando com dois caminhões, um Cascavel e um Urutu, e três pelotões de dois Cascavéis, dois Urutus — um com um grupo de combate e outro com um morteiro de 81 mm — e cinco jipes.[91] Serve para a segurança e reconhecimento, funções que a Cavalaria Mecanizada pode também desempenhar na forma de esquadrões subordinados diretamente a brigadas de cavalaria e infantaria.[92]
  • Regimento de Cavalaria de Guardas (RCG): Preservam as tradições hípicas, participam de cerimônias e controlam distúrbios.[44]

Blindados sobre lagartas e sobre rodas têm capacidades diferentes. Comparados aos sobre rodas, os sobre lagartas têm melhor mobilidade fora-de-estrada e tática e podem carregar blindagem e poder de fogo maiores. Por outro lado o custo de manutenção é maior e a mobilidade estratégica é menor; os sobre rodas podem até ser aerotransportáveis, aproveitam bem a malha viária e podem chegar rapidamente à zona de conflito. Os sobre rodas são recomendados para conflitos de baixa intensidade, e os sobre lagartas, para intensidade maior.[93][94]

As unidades especializadas são:

  • 1º Esquadrão de Cavalaria Paraquedista: Prevista desde 1972 para a brigada paraquedista como unidade mecanizada, só foi criada em 1981 e nunca usou blindados.[95] Entre seus veículos está a motocicleta.[96]
  • 1º Esquadrão de Cavalaria Leve (Aeromóvel): Esquadrão mecanizado convertido a leve em 2004[97] e composto de três pelotões de exploradores, que podem ser helitransportados, e um pelotão mecanizado. Seu poder de fogo é limitado.[98]
  • 23º Esquadrão de Cavalaria de Selva: Criado em 2004 para defender a Usina Hidrelétrica de Tucuruí e servir à 23.ª Brigada de Infantaria de Selva. Tem três pelotões de cavalaria de selva. Possui uma pequena capacidade de transporte fluvial e seu único blindado é o Urutu. O poder de fogo é limitado.[6][99]

Grandes Unidades[editar | editar código-fonte]

Na Guerra do Paraguai os regimentos de cavalaria chegaram a ser organizados em doze brigadas, seis divisões e um corpo de exército.[10] Entretanto o Exército não tinha uma organização permanente de altos escalões de comando em tempo de paz até as reformas de 1908, que criaram cinco "brigadas estratégicas" e três brigadas de cavalaria. As brigadas de cavalaria tinham três regimentos acompanhados de um grupo de artilharia a cavalo e uma coluna de suprimentos. As "brigadas estratégicas", convertidas em "divisões de exército" (DE) em 1915, eram essencialmente de infantaria mas incluíam um regimento de cavalaria.[100] A 3ª DE, no Rio de Janeiro, tinha a própria brigada de cavalaria com dois regimentos.[101][102]

Em 1919 os regimentos de cavalaria foram denominados de acordo com a subordinação: os integrantes das DEs eram "Divisionários" (RCD), e os das brigadas de cavalaria e dois da 1ª Circunscrição Militar, no Mato Grosso, eram "Independentes" (RCI). Em 1921 as brigadas foram expandidas a Divisões de Cavalaria (DC), cada qual com duas brigadas de dois regimentos.[10] Tais brigadas foram tornadas sem efetivo em 1939,[103] mas ainda figuravam na organização legal em 1946.[47] De 1944 a 1946 as DCs estiveram sob um corpo de exército.[104] Os RCI passaram a chamar-se apenas RC em 1946[10] e na organização de 1957 eram três por DC.[48] As divisões de infantaria não tinham mais regimento de cavalaria na organização de 1946.[47]

A organização real das divisões diferia da teórica e algumas unidades faltavam, especialmente engenheiros e artilharia antiaérea. Ainda assim as DCs eram mais completas que as divisões da infantaria e as três primeiras tinham quatro regimentos cada, um a mais do que o previsto, tendo em 1961 efetivos de praças entre 5.204 e 6.046. A 4ª, com apenas dois, tinha 3.603 praças. Em 1960 a maioria dos regimentos, à exceção do 11º, só tinham dois esquadrões cada.[105]

Em 1943 foi prevista uma Divisão Motomecanizada com organização semelhante à divisão blindada do Exército americano, que exerceu forte influência doutrinária no brasileiro a partir sua participação na Segunda Guerra Mundial. Tinha três BCCs e três batalhões de infantaria motorizada. Em 1946 a infantaria tornou-se blindada, utilizando o meia-lagarta M3. A Divisão Blindada (DB) ainda era somente um núcleo, sendo considerada inteira em 1957.[106] Ela tinha 3.946 praças em 1961. As unidades de manobra eram fortes, faltando somente um BIB e o batalhão de blindados pesados, mas o apoio ao combate era pífio: faltavam o batalhão de engenharia e a totalidade da artilharia.[105]

Nos anos 70 a brigada tornou-se a principal grande unidade, tomando o lugar da divisão. A DC tornou-se a Brigada de Cavalaria Mecanizada (Bda C Mec), e a DB, a Brigada de Cavalaria Blindada (Bda C Bld). A Bda C Mec tem dois RC Mec um RCB. Os regimentos mecanizados têm blindagem mais leve grande mobilidade através das estradas, fazendo reconhecimento e segurança em grandes distâncias. O regimento blindado tem a maior blindagem, mobilidade tática e poder de fogo dentro da brigada e pode lançar ofensivas sozinho ou reforçar os outros dois. A Bda C Bld tinha dois RCC e um BIB, sendo assim muito parecida com a Brigada de Infantaria Blindada (Bda Inf Bld), com a diferença que a brigada de infantaria tinha um RCC, dois BIB e, para acompanhar essas forças de grande poder ofensivo, um batalhão de infantaria motorizada para ocupar terreno.[107] Nesse período os BIBs tiveram seus meia-lagartas substituídos pelo M-113.[108] As brigadas blindadas, além da brigada de infantaria motorizada, tinham seus próprios Esqd C Mec.[107]

A transformação foi inspirada naquela realizada a partir de 1957 no Exército americano. A necessidade de dispersar as forças para minimizar os danos de um bombardeio nuclear tático levou a uma reorganização da ordem de batalha — no caso americano, da divisão blindada — e aumento da densidade dos rádios e fluxo de mensagens, ambos repetidos no Brasil. A brigada de cavalaria mecanizada brasileira era equivalente ao "armored cavalry regiment" americano, com algumas diferenças, e o pelotão de cavalaria mecanizado brasileiro era idêntico ao pelotão de cavalaria blindado americano de 1960.[109]

A Bda C Mec pode ter três RC Mec em vez de dois.[110] A Bda C Bld e Bda C Inf foram reorganizadas em 2003, tornando-se idênticas. Sua atual composição é quaternária, com dois RCC e dois BIB.[111]

Elementos de apoio[editar | editar código-fonte]

Obuseiros autopropulsados

As atuais brigadas são unidades completas, dispondo de todos os elementos de artilharia, engenharia e logística para operar com autonomia. Esses elementos são blindados ou mecanizados, podendo assim acompanhar as unidades de manobra.[107] Unidades de apoio sobre rodas podem acompanhar forças sobre lagartas, pois têm a mesma velocidade durante missões táticas.[112]

A Bda C Bld dispõe de obuseiros autopropulsados.[107] Já a Bda C Mec tem obuseiros rebocados. Em ambas as brigadas o calibre era originalmente 105 mm.[108] Atualmente a 2ª Bda C Mec, ao contrário das demais, usa obuseiros autopropulsados,[113] enquanto as brigadas blindadas usam autopropulsados de 155 mm.[114] A Bda C Bld tem um grupo de artilharia de campanha com quatro baterias, enquanto a Bda C Mec tem um grupo de três. Outras forças são o próprio esquadrão de comando, a bateria de artilharia antiaérea, o batalhão ou companhia de engenharia de combate, o pelotão de Polícia do Exército e o batalhão logístico com companhias logísticas de suprimento, saúde, pessoal e manutenção. O batalhão logístico da Bda C Mec não é, na prática, capaz de manutenir os veículos sobre lagartas do RCB, e eles são então trabalhados no próprio regimento ou nos Parques Regionais de Manutenção.[115][112]

Unidades[editar | editar código-fonte]

Regimentos e esquadrões[editar | editar código-fonte]

Os regimentos e esquadrões existentes em determinados anos, com suas localizações, são indicados a seguir. Os Estados indicados após a localização são os atuais e não os existentes à época.

1824[116]
Unidade antiga Nova denominação
1º Regimento de Cavalaria do Exército 1º RC (Rio de Janeiro - RJ)
Regimento de Cavalaria de Linha de Minas Gerais 2º RC (Ouro Preto - MG)
Cavalaria da Legião de São Paulo

Esquadrão da Cidade de São Paulo

3º RC (São Paulo - SP)
Esquadrão de Voluntários de São Pedro 4º RC (Jaguarão - RS)
Regimento de Dragões do Rio Pardo 5º RC (Rio Pardo - RS)
Regimento de Dragões de Montevidéu 6º RC (Montevidéu)
Regimento de Dragões da União 7º RC (Paissandu)
1889[117]
1º RC (Rio de Janeiro - RJ)

2º RC (Jaguarão - RS)

3º RC (São Borja - RS)

4º RC (Livramento - RS)

5º RC (Bagé - RS)

6º RC (Santa Vitória do Palmar - RS)

7º RC (Nioaque - MS)

8º RC (Curitiba - PR)

9º RC (Ouru Preto - MG)

10º RC (São Paulo - SP)

1939[118]
Independentes Divisionários Outro
1º RCI (Santiago - RS)

2º RCI (São Borja - RS)

3º RCI (São Luiz - RS)

4º RCI (Santo Ângelo - RS)

5º RCI (Quaraí - RS)

6º RCI (Alegrete - RS)

7º RCI (Livramento - RS)

8º RCI (Uruguaiana - RS)

9º RCI (São Gabriel - RS)

10º RCI (Bela Vista - MS)

11º RCI (Ponta Porã - MS)

12º RCI (Bagé - RS)

13º RCI (Jaguarão - RS)

14º RCI (Dom Pedrito - RS)

1º RCD

(Rio de Janeiro - RJ)

2º RCD

(Pirassununga - SP)

3º RCD

(Porto Alegre - RS)

4º RCD

(Três Corações - MG)

5º RCD

(Castro - PR)

R Andrade Neves

(Rio de Janeiro - RJ)

1967[116]
Carros de Combate Reconhecimento

Mecanizado

Cavalaria

Motorizada

Cavalaria Cavalaria

de guardas

1º BCC

(Rio de Janeiro - RJ)

2º BCC

(Rio de Janeiro - RJ)

3º BCC

(Rio de Janeiro - RJ)

R Rec Mec (Rio de Janeiro - RJ)

1º R Rec Mec (Santo Ângelo - RS)

2º R Rec Mec (Porto Alegre - RS)

3º R Rec Mec (Bagé - RS)

1º/6º R Rec Mec (Campo Grande - MS)

Esqd Es Rec Mec (Rio de Janeiro - RJ)

1º Esqd Rec Mec (Rio de Janeiro - RJ)

2º Esqd Rec Mec (São Paulo - SP)

3º Esqd Rec Mec (Santa Maria - RS)

4º Esqd Rec Mec (Juiz de Fora - MG)

5º Esqd Rec Mec (Curitiba - PR)

6º Esqd Rec Mec (Porto Alegre - RS)

7º Esqd Rec Mec (Recife - PE)

1º RCM

(Santa Rosa - RS)

2º RCM

(Rosário - RS)

3º RCM

(São Gabriel - RS)

1º/4º RCM

(Três Lagoas - MS)

1º RC (Itaqui - RS)

2º RC (São Borja - RS)

3º RC (São Luiz - RS)

4º RC (Santiago - RS)

5º RC (Quaraí - RS)

6º RC (Alegrete - RS)

7º RC (Livramento - RS)

8º RC (Uruguaiana - RS)

9º RC (São Gabriel - RS)

10º RC (Bela Vista - MS)

11º RC (Ponta Porã - MS)

12º RC (Bagé - RS)

13º RC (Jaguarão - RS)

14º RC (Dom Pedrito - RS)

17º RC (Pirassununga - SP)

1º/20º RC (Passo Fundo - RS)

1º EIC (Guarapuava - PR)

2º EIC (Palmas - PR)

R Es C (Rio de Janeiro - RJ)

1º RCG

(Brasília - DF)

1991[119]
Carros de Combate Cavalaria Blindada Cavalaria Mecanizada Cavalaria

de Guardas

Esquadrões
1º RCC

(Rio de Janeiro - RJ)
2º RCC

(Pirassununga - SP)

3º RCC

(Rio de Janeiro - RJ)

4º RCC

(Rosário - RS)

5º RCC

(Rio Negro - PR)

4º RCB

(São Luiz - RS)
6º RCB

(Alegrete - RS)

9º RCB

(São Gabriel - RS)

20º RCB

(Campo Grande - MS)

1º RC Mec (Itaqui - RS)

2º RC Mec (São Borja - RS)

3º RC Mec (Bagé - RS)

5º RC Mec (Quaraí - RS)

7º RC Mec (Livramento - RS)

8º RC Mec (Uruguaiana - RS)

10º RC Mec (Bela Vista - MS)

11º RC Mec (Ponta Porã - MS)

12º RC Mec (Jaguarão - RS)

14º RC Mec (São Miguel do Oeste - SC)

15º RC Mec (Rio de Janeiro - RJ)

16º RC Mec (Bayeux - PB)

17º RC Mec (Amambai - MS)

19º RC Mec (Santa Maria - RS)

1º RCG

(Brasília - DF)
2º RCG

(Rio de Janeiro - RJ)

3º RCG

(Porto Alegre - RS)

1º Esqd C Mec (Valença - RJ)

3º Esqd C Mec (Brasília - DF)

4º Esqd C Mec (Santos Dumont - MG)

5º Esqd C Mec (Castro - PR)

6º Esqd C Mec (Santa Maria - RS)

8º Esqd C Mec (Porto Alegre - RS)

9º Esqd C Mec - Escola (Rio de Janeiro - RJ)

10º Esqd C Mec (Recife - PE)

11º Esqd C Mec (São Paulo - SP)

12º Esqd C Mec (Boa Vista - RR)

16º Esqd C Mec (Passo Fundo - RS)

1º Esqd C Paraquedista (Rio de Janeiro - RJ)

2020[120]
Carros de Combate Cavalaria Blindada Cavalaria Mecanizada Cavalaria

de Guardas

Esquadrões
1º RCC

(Santa Maria - RS) 3º RCC

(Ponta Grossa - PR)

4º RCC

(Rosário - RS)

5º RCC

(Rio Negro - PR)

4º RCB

(São Luiz - RS)
6º RCB

(Alegrete - RS)

9º RCB

(São Gabriel - RS)

20º RCB

(Campo Grande - MS)

1º RC Mec (Itaqui - RS)

2º RC Mec (São Borja - RS)

3º RC Mec (Bagé - RS)

5º RC Mec (Quaraí - RS)

7º RC Mec (Livramento - RS)

8º RC Mec (Uruguaiana - RS)

10º RC Mec (Bela Vista - MS)

11º RC Mec (Ponta Porã - MS)

12º RC Mec (Jaguarão - RS)

13º RC Mec (Pirassununga - SP)

14º RC Mec (São Miguel do Oeste - SC)

15º RC Mec - Escola (Rio de Janeiro - RJ)

16º RC Mec (Bayeux - PB)

17º RC Mec (Amambai - MS)

19º RC Mec (Santa Rosa - RS)

1º RCG

(Brasília - DF)
2º RCG

(Rio de Janeiro - RJ)

3º RCG

(Porto Alegre - RS)

3º Esqd C Mec (Brasília - DF)

4º Esqd C Mec (Santos Dumont - MG)

5º Esqd C Mec (Curitiba - PR)

6º Esqd C Mec (Santa Maria - RS)

8º Esqd C Mec (Porto Alegre - RS)

10º Esqd C Mec (Recife - PE)

12º Esqd C Mec (Boa Vista - RR)

16º Esqd C Mec (Francisco Beltrão - PR)

Esqd C L (Valença - RJ)

1º Esqd C Paraquedista (Rio de Janeiro - RJ)

23º Esqd C Sl (Tucuruí - PA)

Atuais brigadas[editar | editar código-fonte]

As três primeiras brigadas de cavalaria traçam sua origem às três originais através das seguintes transformações:[121]

Brigadas de cavalaria 1908–1921
1908 1915 1921
1ª Brigada

(São Luiz Gonzaga)

(em São Borja) 1ª Brigada da 1ª Divisão

(Santiago)

2ª Brigada

(Rosário do Sul)

(em Alegrete) 2ª Brigada da 1ª Divisão

(Santo Ângelo)

3ª Brigada da 2ª Divisão

(Alegrete)

3ª Brigada

(Bagé)

(em Bagé) 4ª Brigada da 2ª Divisão

(Livramento)

5ª Brigada da 3ª Divisão

(São Gabriel)

- - 6ª Brigada da 3ª Divisão

(Bagé)

- 4ª Brigada

(Rio de Janeiro)

-

1ª Bda C Mec[editar | editar código-fonte]

Brasão

É sediada em Santiago, Rio Grande do Sul,[120] e subordinada à 3ª Divisão de Exército.[122] Foi convertida em brigada de cavalaria mecanizada em 1971.[123] Seu título é "Brigada José Luiz Menna Barreto".[124]

Logo antes da Revolução de 1930 seu comandante, o tenente-coronel Otávio Pires Coelho, dissimulou lealdade ao governo, mas no momento de sua eclosão assegurou o controle de Santiago aos revolucionários.[125] Na Campanha da Legalidade em 1961 tinha ordens de invadir São Paulo por ferrovia em Ourinhos e em 30 de agosto sua vanguarda já estava em Ponta Grossa.[126] Quando nos anos seguintes o general Olímpio Mourão Filho, comandante da 3ª Divisão de Infantaria em Santa Maria, conspirou contra o governo de João Goulart, evitou a 1ª DC devido ao alinhamento de seu comandante Oromar Osório ao governo.[127] Da mesma forma, o comandante em 1964, general João de Deus Nunes Saraiva, recusou a oferta de aderir ao golpe em curso. Porém, sua divisão ficou imobilizada, pois a 3ª DI (então sob o general Poppe de Figueiredo) controlava as ferrovias.[128] Saraiva aceitou o chamado a Porto Alegre, onde reuniu-se com a cúpula legalista.[129] Como resultado, a divisão ficou acéfala.[130]

2ª Bda C Mec[editar | editar código-fonte]

Brasão

É sediada em Uruguaiana, Rio Grande do Sul,[120] e subordinada à 3ª Divisão de Exército.[122] Como 2ª Divisão de Cavalaria, sua sede transitou várias vezes entre a atual e Alegrete. A conversão a brigada de cavalaria mecanizada foi em 1971–2. Seu título é "Brigada Charrua".[123][131]

Na Revolução de 1930 o comandante, coronel Euclides Figueiredo, estava em inspeção em outra unidade e Alegrete aderiu aos revolucionários.[132] Em 1961 acompanhou a 1ª DC e transferiu um regimento a Porto Alegre.[126] Depois fez parte da conspiração de Mourão Filho.[127] O comandante, general Camarinha, aderiu ao golpe de 1964.[133] Em 1971 foi mobilizada para participar da Operação Trinta Horas, plano de invasão do Uruguai.[134]

3ª Bda C Mec[editar | editar código-fonte]

Brasão

É sediada em Bagé, Rio Grande do Sul,[120] e subordinada à 6ª Divisão de Exército.[122] Como 3ª Divisão de Cavalaria, era originalmente de São Gabriel e foi à cidade atual em 1926.[123] Em 1968 foi a primeira DC a virar brigada de cavalaria mecanizada, ainda em caráter experimental.[135] Seu título é "Brigada Patrício Corrêa da Câmara".[124]

Seu comandante foi preso pelos revolucionários em 1930.[136] Em 1961 foi deixada em reserva.[126] Depois fez parte da conspiração de Mourão Filho.[127] Em 1964 o comandante, general Hugo Garrastazu, recebeu ordem de deslocar forças rumo a Santa Catarina para enfrentar os golpistas,[129] mas aderiu na manhã de 1º de abril, sob pressão de seus oficiais[137] e após a decisão do general Amaury Kruel, comandante do II Exército, a quem era muito ligado.[138] Isso foi determinante para a subsequente adesão do general Poppe, comandante da 3ª DI, que controlava muitos efetivos e o nexo ferroviário. Entretanto Garrastazu foi expulso do próprio quartel-general por sargentos legalistas, que só se renderam após a definição de Poppe mudar o equilíbrio de forças.[133] Garrastazu duvidava que poderia mover sua divisão,[139] mas no dia 2 recebeu ordem de ameaçar Porto Alegre; a comunicação foi em claro para que fosse ouvida pelos legalistas ainda em controle da cidade.[140] Após o golpe ele não foi promovido.[138]

4ª Bda C Mec[editar | editar código-fonte]

Brasão

Sediada em Dourados, Mato Grosso do Sul,[120] é subordinada ao Comando Militar do Oeste[141] e unidade de prontidão.[142] Seu título é "Brigada Guaicurus".[124]Tem entre seus regimentos o 20º RCB, atual operador do M60.[143] Por, entre outros motivos, ter três regimentos alinhados na fronteira paraguaia, foi escolhida para ser a primeira unidade a implantar o Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras. O SISFRON, como é chamado, integra sensores, câmeras, viaturas, radares, estações meteorológicas e detecta atividades como o narcotráfico, garimpo, desmatamento e queimadas. Futuramente pode cobrir outros trechos de fronteira como as paranaense e amazônica.[144][44]

Criada como a 4ª Divisão de Cavalaria em 1949, cobria a fronteira com o Paraguai,[145] de menor prioridade que o Rio Grande do Sul, e assim, com apenas dois regimentos de cavalaria[105] (10º e 11º)[146] e elementos motorizados e mecanizados a nível só de esquadrão.[105] Em 1964 esteve pronta para reforçar São Paulo ou as forças de Cuiabá, que avançaram contra Brasília.[147] O 17º RC foi transferido de Pirassununga à região em 1969.[148] Tornou-se a atual brigada mecanizada em dezembro de 1980.[149] O 20º RCB é a evolução do esquadrão mecanizado local.[150]

5ª Bda C Bld[editar | editar código-fonte]

Brasão

Sediada em Ponta Grossa, Paraná,[120] é subordinada à 5ª Divisão de Exército[122] e unidade de prontidão.[142] Seu título é "Brigada General Tertuliano de Albuquerque Potyguara".[124] A atual 5ª Brigada de Cavalaria Blindada descende da antiga 5ª Brigada de Infantaria Blindada. A antiga brigada de cavalaria blindada, sucessora da Divisão Blindada e situada no Rio de Janeiro, foi extinta em 2004 para efetuar essa transição. Assim, não foram cumpridos os planos da transferência da brigada fluminense ao Paraná sem alteração na brigada paranaense.[152][94]

A 5ª Bda Inf Bld foi criada como a "9ª Brigada de Infantaria" em 1934 e convertida em "Infantaria Divisionária da 5ª Divisão de Infantaria" em 1938,[153] transitou entre sua primeira sede em Curitiba a Ponta Grossa (1944), Florianópolis (1952) e novamente a Ponta Grossa (1955), tendo a denominação de "Subcomando da 5.ª Divisão de Infantaria" entre 1946 e 1952.[154] À época do golpe de 1964 a Infantaria Divisionária era comandada pelo general Chrysantho de Miranda Figueiredo, apoiador público das políticas de Goulart. De férias no Rio de Janeiro, anunciou seu retorno, mas os golpistas em Curitiba conseguiram conspirar com o governador e o comandante da Base Aérea para desviar o avião, que seguiu a Porto Alegre. Suas tropas foram então deslocadas na direção do Rio Grande do Sul, ainda controlado pelos legalistas.[155][156] Em 1971 tornou-se enfim a 5ª Brigada de Infantaria Blindada.[154]

A Divisão Motomecanizada, antecessora da Divisão Blindada, existiu somente como núcleo, organizado em 1944.[157] A DB tornou-se a antiga 5ª Brigada de Cavalaria Blindada em 1971.[121]

Forças fronteiriças[editar | editar código-fonte]

TAM argentino

Apesar da aproximação das relações entre Argentina e Brasil desde os anos 80, a cavalaria mecanizada, blindados, artilharia autopropulsada e rebocada, engenheiros e Força Aérea brasileiros permanecem concentrados na região Sul, com a cavalaria disposta próximo à fronteira argentina. Por outro lado o Norte e Nordeste, regiões também estratégicas, têm pouca cavalaria. O interesse nacional no Norte tem crescido, mas seu terreno não é propício aos blindados, à exceção do M-113 e Urutu, que são anfíbios. O Sul tem terreno apropriado aos blindados, mas outras regiões também.[158]

O Exército Argentino possui brigadas blindadas com cavalaria de tanques (TAM) e infantaria mecanizada (TAM VCTP),[159] quaternárias como as brasileiras,[160] e brigadas mecanizadas com cavalaria de tanques (SK-105 Kürassier) e infantaria mecanizada (M-113). Ambas têm também a cavalaria de exploração, que utiliza o AML-90[159] e tem função semelhante à cavalaria mecanizada brasileira. Em 2010 tanto a cavalaria de tanques quanto a infantaria mecanizada das brigadas blindadas argentinas eram denominadas regimentos e organizados em três esquadrões/companhias.

SK-105 boliviano

O TAM é da 2ª geração do pós-guerra ou 1ª geração intermediária.[161] Em 2021 ainda estava em modernização para o modelo TAM 2C.[162] É um blindado a par do Leopard 1 A5 BR. Ambos têm canhão de 105 mm. O alcance com alta chance de impacto do TAM 2C é inferior (2.000 contra 2.500 m), dando ao Leopard 1 a capacidade de standoff, ou seja, de atacar o alvo quando este ainda está longe demais para responder. Por outro lado o TAM 2C tem melhor periscópio do comandante e tecnologia embarcada. A blindagem não foi prioridade no projeto original do TAM, mas se equipara com todas as modernizações e tem como boas características defensivas a silhueta baixa e mobilidade. Neste último quesito o TAM 2C é superior na transposição de obstáculos.[163][164]

No Comando Militar do Oeste os M60 A3 TTs do 20º RCB, de segunda geração, têm do outro lado das fronteiras blindados de primeira geração paraguaios e caça-tanques bolivianos SK-105/A1 Kürassier. O M60 é superior em ambas fronteiras. No caso do SK-105, é um veículo mais leve (17.700 kg contra 52.617 kg do M60), com relação potência/peso de 18.1 cv/ton, contra 9,12 cv/ton do M60. Sua velocidade em terreno desfavorável é 50 km/h, ao contrário dos 30 km/h do M60, que só vence na capacidade de transposição de obstáculos. Além da mobilidade, o pequeno tamanho e baixa silhueta são vantagens defensivas para o SK-105, mas sua blindagem é muito leve e não resiste ao canhão do M60. Ambos usam canhão de 105 mm, mas o M60 tem torre estabilizada e sistemas de controle de tiro e visão noturna superiores.[165]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. "arma de fogo longa, com comprimento próximo ou inferior a um metro, normalmente tendo um gancho ou argola no lado esquerdo para prendê-la na sela do cavaleiro. Usada por homens a cavalo, normalmente não tem baioneta. O mesmo que carabina". Fortalezas.org.
  2. 10º e 11º em 18 de dezembro de 1985 e 17º em 16 de outubro de 1986. Vide AHEx 2020 pp. 166-167 e 170.
  3. A Cavalaria Motorizada teve como estágio intermediário o Regimento de Cavalaria Transportado. O Reconhecimento Mecanizado teve como breves antecessores a Ala Motomecanizada, Regimento de Auto-Metralhadoras de Cavalaria e Regimento Motomecanizado. Junqueira 1967 pp. 72-76.
  4. "O Plano Básico de Estruturação do Exército (PBEEx), de 2003, transformou as duas brigadas blindadas em quarternárias, isto é, organizadas a 02 (dois) RCC e 02 (dois) BIB e, em consequência, tanto o RCC quanto o BIB passaram a ser quarternários também, a 04 (quatro) SU cada." Souza Junior 2010 pp. 49-50.

Referências[editar | editar código-fonte]

Citações

  1. a b Savian 2014, pp. 65-66.
  2. Savian 2013, pp. 1-3.
  3. Pedrosa 2018, Glossário.
  4. «Brigadas Blindadas e Mecanizadas». DefesaNet. 1 de maio de 2014. Consultado em 4 de março de 2021 
  5. a b c d e f g h Silva & Ramos 2018.
  6. a b Barboza Junior 2019.
  7. Mello 2016, pp. 15-17.
  8. Rodrigues 2009, pp. 50-51.
  9. Ferreira 1996.
  10. a b c d e f g «A Cavalaria no Brasil» (PDF). Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  11. Costa 2006, pp. 17-19.
  12. a b c Cotta 2002, pp. 73-77.
  13. a b Costa 2006, p. 45.
  14. Costa 2006, pp. 32-33.
  15. Magalhães 1998, p. 133.
  16. Cotta 2002, p. 73.
  17. Vieira 2007, pp. 28-30.
  18. a b c d Savian 2013, pp. 9-12.
  19. Sodré 1968, pp. 50-56.
  20. Sodré 1968, pp. 83-87.
  21. Neumann 2014.
  22. «Aspectos da Organização Militar Brasileira nos Primórdios do Século XIX». Noticiário do Exército 
  23. Barroso 1938, p. 108.
  24. Barroso 1938, p. 110.
  25. a b c Gazola 2017, pp. 12-13.
  26. Vargas 2010.
  27. Piassini 2016, p. 12.
  28. a b Camoleze, Edino (28 de agosto de 2019). «A guerra do Paraguai sob a óptica da veterinária militar». Animal Business Brasil. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  29. Amaral 2017.
  30. Gazola 2017, pp. 51-52.
  31. Castro, Adler Homero Fonseca de. «Notas sobre o armamento na Guerra do Paraguai». Biblioteca Nacional Digital do Brasil. Consultado em 28 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2020 
  32. Neto 2004, "Cabeça de papel".
  33. a b Bastos 2003.
  34. Ministério da Guerra 1940, pp. 122-125.
  35. Estado-Maior do Exército 1958, pp. 1-6.
  36. a b c d Savian 2013, pp. 4-6.
  37. Jarymowycz 2008, p. 175.
  38. a b Jarymowycz 2008, pp. 197-198.
  39. Savian 2014, pp. 88-90.
  40. Jarymowycz 2008, pp. 157-158.
  41. Pedrosa 2018, p. 170.
  42. Bressan 2016, pp. 15-16.
  43. a b Pedrosa 2018, pp. 138-141.
  44. a b c d e f Paula 2020.
  45. Pedrosa 2018, p. 106.
  46. a b Pedrosa 2018, p. 105.
  47. a b c BRASIL. Decreto-lei nº 9.120, de 2 de abril de 1946. Lei de organização dos quadros e efetivos do Exército. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, p. 4957, 4 de abril de 1946.
  48. a b BRASIL, Decreto nº 41.186, de 20 de Março de 1957. Trata da organização das Fôrças Terrestres e dos órgãos Territoriais em tempo de paz. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, p. 6614, 21 de março de 1957.
  49. a b c Savian 2013, p. 13.
  50. Jarymowycz 2008, pp. 176-178.
  51. Savian 2013, p. 12.
  52. Savian 2013, p. 7-9.
  53. Saivan 2014, pp. 181-184.
  54. Neves 1965.
  55. Motta 2003, p. 72, Tomo 8.
  56. Savian 2014, pp. 176-180.
  57. a b Louro 2010.
  58. Pedrosa 2018, pp. 191-196.
  59. Savian 2014, p. 15.
  60. a b «O caso dos cavalos que foram expulsos do Exército» (PDF). O Estado de S. Paulo. 1986. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  61. «Cavalo deixa de ser uma arma no Exército Brasileiro» (PDF). Folha de S. Paulo. 18 de maio de 1986. Consultado em 1 de março de 2021 
  62. Savian 2014, pp. 201-205.
  63. Savian 2014, p. 190.
  64. «Grêmio da Infantaria». Colégio Militar de Santa Maria. Consultado em 1 de março de 2021 
  65. a b Bastos 2017.
  66. Bressan 2016, pp. 27-34.
  67. Souza Junior 2010, p. 118.
  68. Rosa, Saul Isaias da (5 de setembro de 2013). «A ausência da VBCI nas Brigadas Blindadas as mantém nos "status quo" da 2ª Guerra Mundial». DefesaNet. Consultado em 1 de março de 2021 
  69. a b Vasconcelos 2018, p. 91.
  70. Iago Borba 2019, pp. 30-32.
  71. Bastos Jr., Paulo Roberto (21 de maio de 2020). «O futuro das forças blindadas do Exército Brasileiro». Tecnologia & Defesa. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  72. Mello 2016, p. 75.
  73. Savian 2014, pp. 51-52.
  74. «Cavalaria». CPOR/Recife. Consultado em 8 de fevereiro de 2021 
  75. a b Savian 2014, p. 92.
  76. «Leônidas bane dos quartéis 550 cavalos clandestinos» (PDF). Jornal do Brasil. 19 de agosto de 1986. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  77. Rottman 2012.
  78. Savian 2014, p. 204.
  79. Savian 2014, pp. 62-64.
  80. Medeiros 2012, pp. 97-103.
  81. Bento 2001.
  82. Castro 2000.
  83. Pedrosa 2018, pp. 141-144.
  84. Pedrosa 2018, pp. 157-158.
  85. a b Pedrosa 2018, p. 108.
  86. Pedrosa 2018, pp. 137-138.
  87. Trindade 2013.
  88. a b Mesquita, Alex Alexandre de (9 de junho de 2015). «O RCB como Paradigma de Organização da Tropa Blindada do Brasil». DefesaNet. Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  89. Souza Junior 2010, pp. 51-52.
  90. Souza Junior 2010, p. 76.
  91. Sampaio, Sampaio & Salles 2019, pp. 20-21.
  92. Castro 2018, p. 90.
  93. Souza Junior 2010, p. 34.
  94. a b Ribeiro, Marcelo Carvalho (1 de agosto de 2013). «Como equipar? Blindados sobre rodas ou lagartas? O dilema vivido pelo Exército Brasileiro». DefesaNet. Consultado em 17 de março de 2021 
  95. Pedrosa 2018, pp. 174-175.
  96. Lima 2017.
  97. AHEx 2020, p. 148.
  98. Costa 2019.
  99. Souza 2020.
  100. Pedrosa 2018, pp. 135-136.
  101. Magalhães 1998, p. 326.
  102. BRASIL, Decreto nº 11.497, de 23 de Fevereiro de 1915. Faz a remodelação do Exercito Nacional. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, p. 2275, 28 de fevereiro de 1915.
  103. AHEx 2020, pp. 374-375.
  104. AHEx 2020, p. 395.
  105. a b c d Pedrosa 2018, pp. 212-214.
  106. Pedrosa 2018, pp. 138-146.
  107. a b c d Pedrosa 2018, pp. 156-189.
  108. a b Pedrosa 2018, pp. 221-222.
  109. Mesquita 2014.
  110. a b c d e Vasconcelos 2018, pp. 62-64.
  111. Souza Junior 2010, pp. 57-58.
  112. a b Vasconcelos 2018, pp. 59-62.
  113. Vasconcelos 2018, p. 59.
  114. Düring, Nelson (3 de dezembro de 2019). «M109 A5+BR: Uma nova Forma de Atuar da Artilharia do Exército Brasileiro». DefesaNet. Consultado em 6 de março de 2021 
  115. Souza Junior 2020, pp. 52-58.
  116. a b Junqueira 1967.
  117. Barroso 1938, pp. 80-81.
  118. Ministério da Guerra 1939.
  119. BRASIL, Portaria Nº 02-SGEx-Res, de 25 de novembro de 1991. Alteração de data aniversária de Organização Militar. Disponível no Sistema de Informações do Arquivo Nacional sob o documento "BR DFANBSB 2M.0.0.136, v.3", p. 827.
  120. a b c d e f Portal Brasileiro de Dados Abertos – Organizações Militares(OM). Consultado em 28 de dezembro de 2020.
  121. a b AHEx 2020, pp. 374-376.
  122. a b c d Comando Militar do Sul — Organograma. Consultado em 16 de abril de 2021.
  123. a b c AHEx 2020, pp. 401-402.
  124. a b c d BRASIL. Ministério da Defesa. Normas para a preservação das tradições das Organizações Militares do Exército Brasileiro. 16 de janeiro de 2003.
  125. Geraldo 2004, pp. 253-254.
  126. a b c Lopes 1980, pp. 62-64.
  127. a b c Mourão Filho 2011, p. 27.
  128. Motta 2003, p. 137, Tomo 2.
  129. a b Silva 2014, pp. 401-412.
  130. Motta 2003, p. 207, Tomo 8.
  131. «Resumo Histórico». 2ª Brigada de Cavalaria Mecanizada. Consultado em 8 de março de 2021 
  132. Geraldo 2004, p. 255.
  133. a b Axt 2020.
  134. Padros Serra 2007, p. 14.
  135. Pedrosa 2018, p. 178.
  136. Geraldo 2004, p. 249.
  137. Motta 2003, p. 168, Tomo 8.
  138. a b Motta 2003, pp. 272-273, Tomo 13.
  139. Motta 2003, p. 34, Tomo 13.
  140. Motta 2003, p. 69, Tomo 13.
  141. Comando Militar do Oeste — OM da Área do CMO. Consultado em 16 de abril de 2021.
  142. a b SISPRON - o Sistema de Prontidão do Exército Brasileiro (23 de outubro de 2020). DefesaNet. Consultado em 12 de janeiro de 2021.
  143. Lino, José (13 de novembro de 2017). «Novas Atualizações da VBCCC M60». DefesaNet. Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  144. Pires 2018.
  145. Pedrosa 2018, p. 145.
  146. Pedrosa 2018, Apêndices 3 e 4.
  147. Motta 2003, pp. 50-54, Tomo 7.
  148. AHEx 2020, p. 170.
  149. Pedrosa 2018, p. 185.
  150. AHEx 2020, p. 173.
  151. «Organizações». 5ª Brigada de Cavalaria Blindada. Consultado em 8 de março de 2021 
  152. Kuhlmann 2007, pp. 123 e 125.
  153. AHEx 2020, pp. 381-382.
  154. a b AHEx 2020, pp. 414-415.
  155. Dutra 2004.
  156. Motta 2003, pp. 111-122, Tomo 8.
  157. AHEx 2020, p. 417.
  158. Teixeira 2013, pp. 158-162.
  159. a b Mathias 2019.
  160. Kuhlmann 2007, p. 159.
  161. Souza Junior 2010, pp. 81-84.
  162. «Argentina – 2021 será fundamental para os programas TAM 2C e VCBR». Tecnologia & Defesa. 30 de dezembro de 2020. Consultado em 12 de março de 2021 
  163. Demori 2020, pp. 31-33 e 47-50.
  164. Dalenogare 2018, pp. 29-37.
  165. Veras 2019.

Fontes[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]