Regimento Regular de Cavalaria de Minas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Regimento Regular de Cavalaria de Minas
Colegio dom bosco.jpg
Antigo Quartel dos Dragões d'El-Rei, sede do RRCM
País Flag of Portugal (1750).svg Império Português (1775-1822)
Flag of Empire of Brazil (1822-1870).svg Império do Brasil (1822-1831)
Estado Brasil
Corporação Exército Português (1775-1822)
Exército Brasileiro (1822-1831)
Subordinação Governo da Capitania de Minas Gerais
Missão Defesa territorial e garantia da lei e da ordem
Denominação Dragões Reais de Minas
Sigla RRCM
Criação 1775
Aniversários 9 de junho
Extinção 1831
Sede
Quartel Vila Rica / Ouro Preto
Capitania Minas Gerais

Regimento Regular de Cavalaria de Minas (RRCM) ou constituía uma unidade do Exército Português no Brasil e, mais tarde, do Exército Imperial Brasileiro. A unidade era também conhecida "Dragões Reais de Minas" ou "Dragões d'El-Rei" em virtude de ter tido origem nas companhias de dragões de Minas Gerais.

Em 1808, passou a designar-se "Regimento de Cavalaria de Linha de Minas Gerais" ou "Regimento de Cavalaria de Linha de Vila Rica" e em 1824 passou a designar-se "2º Regimento de Cavalaria de 1ª Linha". Foi extinto em 1831.

Hoje em dia, é considerado a célula-máter da Polícia Militar do Estado de Minas Gerais.

História[editar | editar código-fonte]

A criação do Regimento Regular de Cavalaria de Minas, se deu em 9 de junho de 1775, no Quartel dos Dragões D'El-Rei, situado na antiga Vila Rica (atual Ouro Preto), no distrito de Cachoeira do Campo. O Regimento foi formado pela reunião de três companhias de dragões que tinham sido enviadas de Portugal para Minas Gerais, as duas primeiras em 1719 e a terceira em 1729. Até 1757, estas companhias estiveram na dependência direta do vice-Rei do Brasil, passando então para a dependência do governo da Capitania de Minas Gerais. O Regimento tinha como missão principal, a da garantia da lei e da ordem nas atividades de exploração do ouro e a fiscalização da cobrança de impostos.

O RRCM - onde serviu o Alferes Joaquim José da Silva Xavier, conhecido pela alcunha de Tiradentes - é considerado um dos berços da liberdade do Brasil, pelo importante papel na Inconfidência Mineira.

O antigo Quartel dos Dragões d'El Rei - ainda intacto - abrigou as Escolas Dom Bosco, fundadas em 1896, com pluralidade de cursos instalados: Primário, Secundário, Curso Profissional de Agronomia, Mestres e Contramestres em Artes e Ofícios. Na sua fachada, ainda se encontra um brasão das Armas Reais de Portugal, de autoria do mestre Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, esculpido em 1779.

Na sequência da reorganização das forças militares no Brasil decretadas pelo Rei D. João VI, em 1808, o RRCM passa a designar-se "Regimento de Cavalaria de Linha de Minas Gerais". Na mesma altura, duas companhias do Regimento de Cavalaria de Minas que se encontravam destacadas no Rio de Janeiro juntam-se ao Esquadrão de Cavalaria da Guarda dos Vice-Reis para formarem o novo 1º Regimento de Cavalaria do Exército.

Com a Independência do Brasil, o Regimento de Cavalaria de Linha de Minas Gerais passa a integrar o novo Exército Brasileiro. Por decreto de 1º de dezembro de 1824 do Imperador D. Pedro I do Brasil, a unidade passa a designar-se "2º Regimento de Cavalaria de 1ª Linha".

Por decreto de 4 de maio de 1831, o Regimento foi extinto.

Regimento de Cavalaria Alferes Tiradentes[editar | editar código-fonte]

O atual Regimento de Cavalaria Alferes Tiradentes (RCAT) da Polícia Militar do Estado de Minas Gerais é considerado o herdeiro das antigas tradições do Regimento Regular de Cavalaria de Minas.

Referências[editar | editar código-fonte]