Fuzil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Fuzil (desambiguação).
Fuzil AR ArmaLite M16A2 (1957)
Fuzil FAL M964 A1 (Para-FAL) - 7,62mm OTAN/NATO.
Fuzis Tokarev e Simonov em selo da Rússia
Fuzil Automático brasileiro tipo Bullpup LAPA FA-03 com baioneta. Projetado por Nelmo Suzano (1930-2013).

Um fuzil é uma arma de fogo também conhecida como rifle, espingarda ou espingarda raiada.[1] O fuzil é uma arma de fogo portátil, de cano longo, provida de uma coronha para o cavado do ombro, podendo ter a operação de repetição (quando é necessária a força muscular do operador), semi-automática (quando o fuzil realiza o processo de carregamento, menos o tiro) ou automática (quando o fuzil realiza todo o processo de carregamento incluindo o tiro). Originalmente, o termo "fuzil" (do latim popular: focilis [petra], "pedra que produz fogo") se referia a uma pequena peça de metal destinada a produzir faíscas ao atingir uma pedra de sílex (pederneira), usada para acionar o tiro ateando fogo à pólvora no cano dos arcabuzes. Por sinédoque, o termo acaba designando toda a arma.

Podemos distinguir vários tipos de fuzis de acordo com o tipo de alma de seus canos, sua arquitetura e seu uso. No meio militar, pelo desde o século XVII, o termo carabina designa uma arma longa próxima a um fuzil, porém apresentando dimensões, potência e alcance menores; originalmente de dotação da cavalaria. Outro termo para um fuzil mais curto que o padrão é mosquetão (do francês: mousqueton), uma arma mais curta que o mosquete e o fuzil, e desprovida de baioneta.

Espingarda vs. Fuzil[editar | editar código-fonte]

Em Portugal o termo Espingarda designa uma arma de fogo portátil de cano Longo. Abrange o que no Brasil é designado por fuzil, termo que não é usado em Portugal. A designação espingarda é entendida vulgarmente como qualquer arma de cano longo, o que é errado pois de acordo com o Regime Jurídico das Armas e Munições (Lei 5/2006 de 23 de Fevereiro), só deverão ser classificadas como "Espingardas" as armas de fogo longas com cano de alma lisa, devendo as de alma raiada serem classificadas "Carabinas" . O Exército Português designa as suas armas longas de assalto como "Espingardas", apesar de serem de alma raiada.

No Brasil o termo espingarda é usado para designar o que em Portugal é chamado espingarda caçadeira ou, popularmente, caçadeira, ou seja uma arma longa de caça, de cano não-raiado. Este tipo de arma utiliza, em geral, munição carregada com múltiplos bagos (português europeu) ou balins (português brasileiro) esféricos de chumbo. Em Portugal estes são divididos em 2 grupos chumbos de caça (vulgo chumbo) quando têm diâmetro até 4,5 mm ou zagalotes quando maiores. Dependendo da finalidade, podem empregar também projétil singular, bala de caça (português europeu) ou balote (português brasileiro), ou eventualmente para caça os "flechettes" (flechetas), sendo os últimos proibidos em muitos países. Nomes populares, para esse tipo de arma são "cartucheiras" e "escopeta". As espingardas mais comuns são as de calibre 12. Um tipo de arma de fogo longa não raiada que às vezes é confundida com espingarda é a garrucha.

No Brasil existia o Decreto nº 3665, de 20 de novembro de 2000 (conhecido como R-105) que foi substituído pelo Anexo 1 do Decreto 10030 de 2019 [2]. O 3665 estabelecia, entre outros fatores, no art 3º,[3] a seguinte definição: Item XXXVII - Carabina: arma de fogo portátil parecido com fuzil, mas com dimensões reduzidas, menor que o fuzil, de cano longo, com alma raiada (estrias dentro do cano); Item XLIX - Espingarda: arma de fogo portátil, de cano Longo, com alma Lisa (sem estrias); Item LIII - Fuzil: arma de fogo portátil, de cano longo e alma raiada. Esse mesmo decreto não faz referências ao termo "rifle". Nenhuma classificação nesse assunto pode ser considerada conclusiva, pois não há padronização entre os países nem de nomenclatura, nem de definição.

Visão Geral[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, os fuzis eram armas de precisão, enquanto a infantaria fazia uso regular da maior potência de fogo dos robustos mosquetes, com munição de mosquete com calibres até 19mm (0,75 polegadas). Benjamin Robins, um matemático Inglês, percebeu que um projétil alongado conservaria a massa e a energia cinética de uma bola de mosquete e cortaria o ar com maior facilidade. O inovador trabalho de Robins e outros teria, até ao final de século XVIII, ganho aceitação. Por meados do século XIX, porém, a produção industrial tinha avançado suficientemente para que o mosquete fosse substituído por uma série de fuzis - geralmente de tiro simples, com carregamento pela culatra - concebidos para ser usado por soldados individualmente. Assim como agora, os fuzis tinham uma coronha, quer seja fixa ou dobrável, para serem apoiadas contra o ombro quando os fuzis eram disparados. Os primeiros fuzis militares, tais como os fuzis Baker, eram mais curtos que os mosquetes da época, e geralmente a arma de um atirador. Até o início do século XX os fuzis tendiam a ser muito longos, um Martini-Henry de 1890 tinha de quase 2m (6 pés) de comprimento com uma baioneta fixa. A demanda por armas mais compactas para a cavalaria levou à carabina ou aos fuzis curtos.

Classificação[editar | editar código-fonte]

A seguir, duas maneiras simples e genéricas de classificação:

Ação[editar | editar código-fonte]

Os fuzis podem ser classificados quanto à sua ação:

  • Monotiro ou single shot - a arma precisa ser alimentada diretamente na câmara após cada disparo;
  • De repetição - a arma é recarregada por esforço muscular do atirador num mecanismo da arma, independente do curso do gatilho. Por exemplo: Karabiner 98k, ferrolhado ou ação de ferrolho (bolt action), alavanca - Winchester, ação de bomba (pump action);
  • Semiautomática ou auto - é recarregada automaticamente aproveitando a expansão dos gases após o disparo;
  • Rajada ou burst - dispara de 3 a 5 tiros, dependendo do modelo, a cada ação do gatilho.
  • Automática ou full auto - é recarregada automaticamente aproveitando a expansão dos gases e realiza disparos consecutivos com uma única ação do gatilho.

Finalidade[editar | editar código-fonte]

Fuzil de assalto Kalashnikov AK-47 (1947)

Os fuzis podem ser classificados de acordo com sua aplicação tática:

  • Fuzil de precisão (sniper rifle) - Dotado de mira telescópica, é geralmente mais longo. Tem aplicação bélica, policial ou para caça. É usado principalmente para tiros de longas distâncias em alvos certos;
  • Fuzil de assalto (assault rifle) - é o principal tipo de arma longa utilizada em combates militares ou policiais. É dotado geralmente de um registro de seleção de ação Semi ou Full Auto. Alguns modelos mais modernos têm a opção de rajada de dois ou três tiros (multi-burst mode). Esses fuzis apresentam coronhas fixas, dobráveis ou rebatíveis, sendo estas esqueléticas ou não.

Referências

  1. Malanga, Eugênio (1947). Dicionário Inglês-Português de Armamento e Tiro. São Paulo: Manuais Técnicos LEP. p. 115 
  2. «Decreto 3665 - R105» 
  3. «Decreto 3665 - R105». www.planalto.gov.br. Consultado em 13 de janeiro de 2016 

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Fuzil