Batalha do Passo da Pátria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde janeiro de 2017).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde janeiro de 2017). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Batalha do Passo da Pátria
Guerra do Paraguai ou Guerra da Tríplice Aliança
Data 16 de Abril de 1866
Local Passo da Pátria, Paraguai
Desfecho Decisiva vitória aliada
Beligerantes
Paraguai República do Paraguai Tríplice Aliança:
Flag of Empire of Brazil (1870-1889).svg Império do Brasil
Argentina República Argentina
Uruguai República Oriental do Uruguai
Comandantes
Paraguai Oficiais Paraguaios Flag of Empire of Brazil (1870-1889).svg Joaquim Marques Lisboa
Flag of Empire of Brazil (1870-1889).svg Manuel Luís Osório
Forças
Desconhecido No mínimo 10.000 soldados
Baixas
Desconhecido, provavelmente elevadas Desconhecido, provavelmente baixas

Episódio da Guerra do Paraguai, ocorrido entre 16 a 23 de abril de 1866[1] no qual o Império do Brasil saiu vitorioso.

A estratégia[editar | editar código-fonte]

O Passo da Pátria era uma aldeia paraguaia, ao norte do Fortaleza de Itapiru, na margem direita do Rio Paraná. O plano era a Armada Imperial Brasileira, sob o comando de Joaquim Marques Lisboa, o Almirante Tamandaré, bombardear em ação conjunta ao Exército Imperial Brasileiro, as posições ocupadas pelo Exército Paraguaio no Passo, distraindo os paraguaios[2]. Permitindo a passagem dos navios que transportavam os soldados brasileiros e o imediato desembarque de 10 mil homens do Exército Imperial Brasileiro a Fortaleza de Itapiru, comandados pelo General Osório[3].

Desfecho[editar | editar código-fonte]

Em seguida, os soldados paraguaios que ainda defendiam o Passo, foram repelidos, assim Osório deteve o avanço[4]. Os soldados recuaram para Laguna-Sirena, onde não conseguiram conter os soldados brasileiros na noite do mesmo dia, desembarcaram as forças uruguaias e argentinas, aliadas do Brasil,[5].O Forte de Itapiru foi conquistado em 18 de abril e a posição fortificada de Passo da Pátria, que resistiu aos bombardeios da Armada Imperial até o dia 23 do mesmo mês, assim, com o caminho livre, as tropas aliadas começaram a adentrar o Paraguai.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Documentos históricos / Bibliotheca Nacional. – Vol. 1 (1928), p. 131. – Rio de Janeiro : Biblioteca Nacional, 1928-.
  2. RIO BRANCO, 1946. DORATIOTO, 2002, p. 209.
  3. "Enquanto a esquadra brasileira bombardeava o Passo com força máxima, às 8h30min partiram os transportes que levavam o general e os primeiros 10 mil homens das divisões dos generais Argolo e Sampaio". RIO BRANCO, 1946. DORATIOTO, 2002. p. 209.
  4. "Com o socorro da retaguarda, os generais Flores e Osório repeliram o ataque". RIO BRANCO, 1946. DORATIOTO, 2002 p. 211.
  5. "Os aliados começaram a desembarcar à noite no devastado Passo". RIO BRANCO, 1946. DORATIOTO, p. 209.