Embraer E-Jets

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Embraer 190)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Embraer E-Jets
Avião
Embraer E-195 da Lufthansa no Aeroporto de Munique
Descrição
Tipo / Missão Avião comercial bimotor turbofan
País de origem  Brasil
Fabricante Embraer
Período de produção 2001 – atualmente
Quantidade produzida 1 352[1]
Custo unitário E-170: US$ 38,7 milhões
E-190: US$ 46,2 milhões
E-195: US$ 47 milhões
Lineage 1000: US$ 53 milhões
Primeiro voo em 19 de fevereiro de 2002 (18 anos)
Introduzido em 17 de março de 2004, com a LOT Polish Airlines
Variantes E-170, E-175, E-190, E-195 e Lineage 1000
Tripulação 2 (piloto e co-piloto)
Passageiros 66–124
Número de classes 1 ou 2 classe(s)
Notas
Para outras informações, acesse a seção Especificações.

A família Embraer E-Jets é uma série de aeronaves bimotor narrow-body de curto alcance para 80-124 passageiros, produzida pela Embraer, fabricante brasileira de aeronaves comerciais, militares e executivas.

É constituída pelos modelos Embraer 170, Embraer 175, Embraer 190 e Embraer 195, que têm sistemas idênticos, diferindo apenas no comprimento da fuselagem e capacidade de passageiros. Foi anunciada no Salão Aeronáutico de Paris em 1999 e teve a produção iniciada em 2002, transformando-se rapidamente num sucesso de vendas.[2]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Após o sucesso alcançado pela família de jatos regionais ERJ, a Embraer apostou no desenvolvimento de uma nova família de aeronaves, com capacidade entre 70 e 90 passageiros, ampliado depois para 122 passageiros, com o Embraer 195.

Optou-se por começar o desenvolvimento do zero, o que transformou os E-Jets, como são conhecidos, na primeira família desenvolvida após os EMB-120 Brasília, já que os ERJ eram baseados na fuselagem deste.

Após o lançamento do Embraer 170 e do Embraer 190, foi a vez do Embraer 195. O mais novo e maior avião da família foi certificado e teve suas primeiras unidades entregues em 2006. A FlyBe foi a primeira operadora do modelo. Com 65 aeronaves voando para a Azul, esta é a maior operadora do modelo no mundo. Em novembro de 2015, a Azul recebeu o 1200° E-jet construído, matriculado PR-AUP. [3]

Em dezembro de 2017, a unidade 1400 da família, um modelo E-175, foi entregue para a American Airlines.[4]

Características[editar | editar código-fonte]

É um birreator com fuselagem "double-bubble", quatro assentos por fileira, de dois a dois, concebido para maximizar o conforto dos passageiros.

Concorrentes[editar | editar código-fonte]

O Embraer 195 é concorrente direto do Bombardier CRJ-900 e CS 100/300, Airbus A319-100 e dos novos Sukhoi Superjet 100 e Mitsubishi Regional Jet MRJ, que ainda estão em fase de projeto.

A família de aviões Embraer 170/190 tem como alvo o segmento de mercado voltado às companhias aéreas que necessitam aviões de 70 a 124 passageiros.

Modelos[editar | editar código-fonte]

  • Embraer E-170
  • Embraer E-175
  • Embraer E-190
  • Embraer E-195

Embraer 190 FAB VC-2[editar | editar código-fonte]

Embraer 190 FAB VC-2 para uso da Presidência da República do Brasil

A Força Aérea Brasileira tem dois Embraer 190, designados FAB VC-2, utilizados normalmente para voos domésticos pela Presidência da República, por ministros de Estado e outras autoridades do governo brasileiro. Em alguns casos, são utilizados em operações especiais. Substituíram em 2009 os antigos Boeing 737-200 FAB VC 96, que ficaram obsoletos.

A primeira aeronave, batizada de Bartolomeu de Gusmão, foi entregue em setembro de 2009. As aeronaves possuem sistemas que permitem a comunicação de forma segura e equipamentos de voo de última geração.[5]

Em fevereiro de 2020, os dois FAB VC-2 transportaram quarenta pessoas (34 brasileiros, quatro poloneses, uma chinesa e uma indiana) que estavam em quarentena na China por suspeita de terem contraído pneumonia pelo chamado "novo coronavírus". Os quatro passageiros poloneses, e as passageiras chinesa e indiana desembarcaram na Polônia, onde foi feita uma escala. Depois de uma escala técnica no aeroporto de Las Palmas, nas ilhas Canárias, os 34 brasileiros seguiram para o Brasil, com destino à Base Aérea de Anápolis, onde ficaram em quarentena. Antes de Anápolis, as aeronaves fizeram mais uma escala técnica no aeroporto de Fortaleza, na capital cearense.[6][7][8]

Especificações[editar | editar código-fonte]

Variantes E-170
(ERJ170-100)[9]
E-175
(ERJ170-200)[10]
E-190
(EMB190-100)[11]
E-195
(EMB190-200)[12]
Tripulação da Cabine Dois
Passageiros 78 (Uma Classe, 33"/31"/30")
70 (Duas Classes, 36"/32")
88 (Uma Classe, 32"/29")
86 (Uma Classe, 31")
78 (Duas Classes, 40"/31")
114 (Uma Classe, 30"/29")
106 (Uma Classe, 33"/32"/31")
96 (Duas Classes, 38"/31")
124 (Uma Classes, 31"/30"/29")
118 (Uma Classes, 31"/30")
108 (Duas Classes, 38"/31")
Comprimento 29.90 m
(98 ft 1 in)
31.68 m (103 ft 11 in) 36.24 m (118 ft 11 in) 38.65 m
(126 ft 10 in)
Envergadura 26.00 m (85 ft 4 in) 28.72 m (94 ft 3 in)
Altura 9.85 m
(32 ft 4 in)
9.73 m
(31 ft 11 in)
10.57 m
(34 ft 8 in)
10.55 m
(34 ft 7 in)
Peso Vazio 21 140 kg 21 810 kg 28 080 kg 28 970 kg
Peso máximo de decolagem 35 990 kg (STD)
37 200 kg (LR)
38 600 kg (AR)
37 500 kg (STD)
38 790 kg (LR)
40 370 kg (AR)
47 790 kg (STD)
50 300 kg (LR)
51 800 kg (AR)
48 790 kg (STD)
50 790 kg (LR)
52 290 kg (AR)
Carga Máxima 9 035 kg(STD/LR)
9 775 kg (AR)
10 030 kg(STD/LR)
10 310 kg (AR)
13 080 kg(STD/LR/AR)
13 950 kg(STD/LR/AR)
Distância para Decolagem com MTOW 1 644 m (5 394 ft) 2 244 m (7 362 ft) 2 100 m (6 890 ft) 2 179 m (7 149 ft)
Motores 2x GE CF34-8E turbofans
62.3 kN (13 800 lb)
2x GE CF34-10E turbofans
82.3 kN (18 500 lb)
Velocidade Máxima 890 km/h (481 kt, Mach 0.82)
Autonomia STD: 3 334 km (1 800 nm)
LR: 3 889 km (2 100 nm)
AR: 3 892 km (2 100 nm)
STD: 3 334 km (1 800 nm)
LR: 3 889 km (2 100 nm)
AR: 3 706 km (2 000 nm)
STD: 3 334 km (1 800 nm)
LR: 4 260 km (2 300 nm)
AR: 4 448 km (2 400 nm)
STD: 2 593 km (1 400 nm)
LR: 3 334 km (1 800 nm)
AR: 4 077 km (2 200 nm)
Peso Máximo de Combustível 9 335 kg (20 580 lb)
12 971 kg (28 596 lb)
Teto de Serviço 41 000 ft (12 500 m)
Razão de Subida Max 3 500 FPM
Thrust-to-weight 5.41
Dimensão Interna
Largura Interna 2.74 m (9 ft 0 in)
Altura Interna 2.00 m (6 ft 7 in)

Referências

  1. «Embraer ERJ-190 Production List». Plane Spotters. Consultado em 9 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 6 de julho de 2017 
  2. «Sucessos na venda dos Ejets da EMBRAER». Consultado em 27 de outubro de 2010 
  3. «E195 fleet» (em inglês). Planespotters 
  4. «Embraer entrega E-Jet número 1.400 - Airway». airway.uol.com.br. Consultado em 9 de dezembro de 2017 
  5. Presidência da República nas asas da Embraer - Blog do Palácio do Planalto
  6. Aviões decolam de Wuhan, na China, com 40 passageiros repatriados ao Brasil e à Polônia
  7. Brasileiros repatriados que estavam na China chegam ao Brasil
  8. Aviões com repatriados da China pousam na Base Aérea de Anápolis
  9. «E-JETS FAMILY – Embraer 170» (PDF) (em inglês). Embraer. Consultado em 5 de dezembro de 2012. Arquivado do original (PDF) em 3 de março de 2012 
  10. «E-JETS FAMILY – Embraer 175» (PDF) (em inglês). Embraer. Consultado em 5 de dezembro de 2012. Arquivado do original (PDF) em 3 de março de 2012 
  11. «E-JETS FAMILY – Embraer 190» (PDF) (em inglês). Embraer. Consultado em 5 de dezembro de 2012. Arquivado do original (PDF) em 28 de fevereiro de 2013 
  12. «E-JETS FAMILY – Embraer 195» (PDF) (em inglês). Embraer. Consultado em 5 de dezembro de 2012. Arquivado do original (PDF) em 15 de fevereiro de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Embraer E-Jets