Embraer E-Jets E2

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Embraer E-Jets E2
Avião
Protótipo do E2 taxiando após exibição aérea.
Descrição
Tipo / Missão Avião comercial bimotor
País de origem  Brasil
Fabricante Embraer
Período de produção Em desenvolvimento
Custo unitário
Introduzido em 2018 (previsto)[2]
Tripulação 2 (piloto e co-piloto)
Passageiros 80 a 144 passageiro(s)
Número de classes 2 classe(s)
Carga útil 15 150 kg (33 400 lb)
Especificações (Modelo: E195-E2)
Dimensões
Comprimento 41 m (135 ft)
Altura 10,9 m (35,8 ft)
Peso(s)
Peso máx. de decolagem 59 400 kg (131 000 lb)
Propulsão
Motor(es) Pratt & Whitney PW1700G e Pratt & Whitney PW1900G
Força de empuxo (por motor) 9 979 kgf (97 900 N)
Performance
Velocidade máxima 870 km/h (469 kn)
Velocidade de cruzeiro 865 km/h (467 kn)
Velocidade máx. em Mach 0,82 Ma
Alcance (MTOW) 5 550 km (3 450 mi)
Teto máximo 12 500 m (41 000 ft)

A família Embraer E-Jets E2 é uma linha de aeronaves a jato bimotoras de médio alcance, desenvolvida pela companhia aeroespacial brasileira Embraer, que visa substituir a família Embraer E-Jets. Lançados no Show Aéreo de Paris, em 2013,[3] os jatos estão programados para entrar em operação a partir de 2018.[2]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 2011 a Embraer anunciou o desenvolvimento de versões renovadas da família E-Jets, ao invés de uma aeronaves totalmente novas.[4] As variantes competiriam com os Bombardier CSeries, da Bombardier. As principais novidades seriam o aumento da fuselagem e na capacidade de passageiros, novos motores, trem de pouso mais alto e, possivelmente, um novo alumínio ou fibra de carbono na asa. A Embraer nomeou este projeto como "Os E-Jets da segunda geração".[5]

Variantes[editar | editar código-fonte]

E175-E2[editar | editar código-fonte]

Este é o menor modelo da família, contendo até 90 lugares e está previsto para entrar em operação em 2020.

E190-E2[editar | editar código-fonte]

O E190-E2 não mantém o mesmo tamanho que o E-190, de até 106 assentos. O E190-E2 deverá entrar em serviço no primeiro semestre de 2018.

E195-E2[editar | editar código-fonte]

O E195-E2, em comparação com o atual E-195, pode acomodar até 146 assentos em alta densidade. O E195-E2 está programado para entrar em serviço em 2019.

Especificações[editar | editar código-fonte]

Variante E175-E2 E190-E2 E195-E2
Tripulação 2 pilotos
Capacidade 90 (1 classe)
80 (2 classes)
114 (1 classe)
97 (2 classes)
144 (1 classe)
118 (2 classes)
Comprimento 32,3 m (106 pé) 36,2 m (119 pé) 41,5 m (136 pé)
Envergadura - -
Altura 9,98 m (32 7 pé) 11 m (36 pé) 10,9 m (36 pé)
Peso do avião vazio - - -
Peso máximo de decolagem 44 330 kg (98 000 lb) 56 900 kg (130 000 lb) 59 400 kg (130 000 lb)
Peso máximo de pouso 39 100 kg (86 000 lb) 49 450 kg (110 000 lb) 53 750 kg (120 000 lb)
Peso máximo de carga 10 310 kg (23 000 lb) 13 080 kg (29 000 lb) 15 150 kg (33 000 lb)
Pista mínima para decolagem 2 240 m (7 300 pé) 1 800 m (5 900 pé) 1 950 m (6 400 pé)
Pista mínima para pouso 1 350 m (4 400 pé) 1 250 m (4 100 pé) 1 350 m (4 400 pé)
Velocidade máxima Mach 0.82 (870 km/h, 470 kn, 541 mph)
Alcance 3 556 km (1 900 nmi) 5 186 km (2 800 nmi) 4 600 km (2 500 nmi)
Altitude máxima 41 000 ft (12 500 m)
Motores 2× Turbofan Pratt & Whitney PW1700G 2× Turbofan Pratt & Whitney PW1900G
Empuxo por motor 15 000 lbf (67 kN) – PW1700G 19 000–22 000 lbf (85–98 kN) – PW1900G

Fontes: [1] [2]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre aviação, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.