Embraer EMB-821

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Embraer EMB-821 Carajá
Avião
Descrição
Tipo / Missão Avião de turismo e táxi aéreo
País de origem  Brasil
Fabricante Embraer, sob licença da Piper Aircraft
Período de produção 19842000
Desenvolvido de EMB-820 "Navajo"
Primeiro voo em 1984
Tripulação 1
Passageiros 7
Especificações
Dimensões
Comprimento 10,55 m (34,6 ft)
Envergadura 12,39 m (40,6 ft)
Altura 3,86 m (12,7 ft)
Peso(s)
Peso máx. de decolagem 2 400 kg (5 290 lb)
Propulsão
Motor(es) 2 x Pratt & Whitney Canada PT6
Potência (por motor) 550 hp (410 kW)

O Embraer EMB-821 "Carajá" é um avião bimotor turboélice comercial, produzido no Brasil pela Embraer, e posteriormente por sua subsidiária Neiva, sob licença da norte-americana Piper Aircraft.[1]

Trata-se de uma remodelação do Embraer EMB-820 "Navajo", que por sua vez era uma versão do Piper PA-31 Navajo Chieftain.

Em 1984, a Embraer apresentou o projeto do Carajá, cuja principal alteração foi a substituição dos motores a pistão Lycoming, de 350 hp cada, que usavam Avgas, por dois motores Pratt & Whitney PT6 de 550 HP, movidas a QAV. A mudança visava os clientes da aviação executiva. O novo bimotor turboélice foi desenhado para transportar até oito passageiros. Foi apresentado em 27 de outubro de 1984, durante a I Revoada Nacional de Velhas Águias, no Aeroporto de Bacacheri, em Curitiba.

Tento uma performance, de subida e cruzeiro, incrível, e é conhecido por ter de ser operado com as manetes de potência equipados com limitador de curso, uma vez que a operação sem os mesmos, com potência a pleno, pode fazer com que a aeronave entre na faixa de Vne mesmo em regimes de elevado ângulo da ataque.

Em 1986, a Embraer lançou a venda da aeronave pelo sistema de consórcio, o que resultou na comercialização de 28 unidades em menos de dois meses.

Teve grande aceitação no mercado de táxi aéreo.

Acabou apelidado de Carajato em função da sua performance e velocidade.

Referências