Artur da Távola

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Artur da Távola
Artur da Távola em 1995.
Senador pelo Rio de Janeiro
Período 1º de fevereiro de 1995
a 1º de fevereiro de 2003
Secretário Municipal da Cultura do
Rio de Janeiro
Período 1º de março de 2001
a 30 de novembro de 2001
Prefeito Cesar Maia
Deputado federal pelo Rio de Janeiro
Período 1º de fevereiro de 1987
a 1º de fevereiro de 1995
(2 mandatos consecutivos)
Deputado estadual do Rio de Janeiro
Período 1961 a 1964
(2 mandatos consecutivos)
Presidente Nacional do PSDB
Período 1º de janeiro de 1995
a 1º de janeiro de 1997
Antecessor(a) Pimenta da Veiga
Sucessor(a) Teotônio Vilela Filho
Dados pessoais
Nascimento 3 de janeiro de 1936
Rio de Janeiro, DF
Morte 9 de maio de 2008 (72 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade brasileiro
Alma mater Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Prêmio(s)
Cônjuge Miriam Ripper Nogueira Lobo
Partido PTN (1960–1962)
PTB (1962–1965)
MDB (1966–1979)
PMDB (1980–1988)
PSDB (1988–2008)
Religião catolicismo romano
Profissão professor, advogado, escritor, político
Assinatura Assinatura de Artur da Távola

Artur da Távola GCIHComMM (Rio de Janeiro, 3 de janeiro de 1936 — Rio de Janeiro, 9 de maio de 2008), pseudônimo de Paulo Alberto Moretzsonh Monteiro de Barros, foi um professor, advogado, escritor e político brasileiro filiado ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).[3] Pelo Rio de Janeiro, foi senador e deputado federal e estadual, ambos por dois mandatos. Pela capital homônima, foi secretário da Cultura durante o mandato de Cesar Maia.

Foi um dos fundadores do PSDB.[4]

Iniciou sua vida política em 1960, no PTN, pelo estado da Guanabara. Dois anos depois, elegeu-se deputado constituinte pelo PTB. Cassado pela ditadura militar, viveu na Bolívia e no Chile entre 1964 e 1968. Tornou-se um dos fundadores do PSDB e o líder da bancada tucana na assembleia constituinte de 1988, quando defendeu alterações nas concessões de emissoras de televisão para permitir que fossem criados canais vinculados à sociedade civil. No mesmo ano, concorreu, sem sucesso, à prefeitura do Rio de Janeiro. Posteriormente, foi presidente do PSDB entre 1995 e 1997. Exerceu mandatos de deputado federal de 1987 a 1995 e senador de 1995 a 2003. Em 2001, foi por nove meses secretário da Cultura na cidade do Rio.

Como jornalista, atuou como redator e editor em diversas revistas, notavelmente na Bloch Editores e foi colunista de televisão nos jornais Última Hora,[5] O Globo e O Dia, sendo também diretor da Rádio Roquette-Pinto. Publicou diversos livros de contos e crônicas.

Artur da Távola teve livros com prefácios escritos por diversos famosos, tais como: Fernanda Montenegro, Pedro Bial, Carlos Vereza e Beth Faria.

Távola apresentava o programa Quem tem medo de música clássica?, na TV Senado onde demonstrava sua profunda paixão e conhecimento por música clássica e erudita. No encerramento de cada programa, ele marcou seus telespectadores com uma de suas mais célebres frases:

Seu compositor preferido era Vivaldi, a quem dedicou quatro programas especiais apresentando Le quattro stagioni em sua versão completa e executada pela Orquestra Filarmônica de Berlim. Também exibiu com exclusividade execuções da Orquestra Sinfônica Brasileira no Festival de Gramado nos anos de 2003 a 2007. Era apresentador de um programa de música erudita na TV Senado e de um programa sobre música na Rádio MEC.

Origem[editar | editar código-fonte]

Filho de Paulo Moretzsohn Monteiro de Barros e Magdalena Koff. Seu avó materno, André Koff, era sírio, tendo imigrado para o Brasil em 1900 e se estabelecido em Garibaldi, no Rio Grande do Sul. Junto de outros sírios, desenvolveu papel importante no comércio e na vida social daquela cidade[6]. Do lado paterno é descendente da tradicional família Monteiro de Barros, representante da nobiliarquia brasileira e com grande destaque na política e administração do país desde sua era colonial. Arthur da Távola era tetraneto de Romualdo José Monteiro de Barros, o barão de Paraopeba, e trineto de José Cesário de Miranda Ribeiro, Visconde de Uberaba.[7]

Trabalhos publicados[3][editar | editar código-fonte]

Paulo Alberto Monteiro de Barros em 1960.
  • Mevitevendo — 1977
  • Alguém Que Já Não Fui — 1978
  • Cada Um No Meu Lugar — 1980
  • Ser Jovem — 1981
  • Leilão do Mim — 1981
  • Do Amor, da Vida e da Morte — 1983
  • Do Amor, Ensaio de Enigma — 1983
  • A Liberdade do Ver (Televisão em Leitura Crítica) — 1984
  • O Ator — 1984
  • Amor A Sim Mesmo — 1984
  • Comunicação é Mito — 1985
  • Calentura — 1986
  • Maurice Ravel, Um Feiticeiro Sem Deus (livro) — 1988
  • Vozes do Rio (opúsculo) — 1991
  • Orestes Barbosa (opúsculo) — 1993
  • Arte de Ser — 1994
  • Notícia, Hiper-Realismo e Ética (opúsculo) — 1995
  • A Telenovela Brasileira — 1996
  • Diário Doido Tempo — 1996
  • Raul de Leôni (opúsculo) — 1996
  • Sem Organização Partidária não há Democracia (opúsculo) — 1996
  • Olimpíadas de 2004 (opúsculo) — 1996
  • Flamengo, 100 Anos de Paixão (opúsculo) — 1996
  • O Viço da Leitura (opúsculo) — 1997
  • Monteiro Lobato: O imaginário (opúsculo) — 1997
  • Rio: Um olhar de amor — 1997
  • Centenário da Morte de Brahms (opúsculo) — 1997
  • Cem Anos Sem Carlos Gomes (opúsculo) — 1997
  • 40 Anos de Bossa Nova — 1998
  • A Cruz e Sousa em seu Centenário (opúsculo) — 1998
  • Mulher (opúsculo) — 1998
  • O Drama da Sexualidade Precoce (opúsculo) — 1998
  • Liberdade de Ser — 1999
  • Rui Barbosa, A Vitória das Derrotas (opúsculo) — 1999
  • Ataulfo Alves 90 anos (opúsculo) — 1999
  • TITO MADI — "O Acento Árabe do Canto no Brasil" (opúsculo) — 1999
  • Trinta Anos sem Jacob (opúsculo) — 1999
  • Nara Leão, o Canto da Resistência (opúsculo) — 1999
  • CPIs "Para não acabar em pizza" (opúsculo) — 1999
  • Em Flagrante — 2000
  • Publicação não Disponível para o Comércio — (?)
  • Poema para Palavra — (?)

Prêmios e honrarias[editar | editar código-fonte]

Em 1995, como senador, Távola foi admitido já no grau de Grã-Cruz à Ordem do Infante D. Henrique, de Portugal.[2] No ano seguinte, foi admitido pelo presidente Fernando Henrique Cardoso à Ordem do Mérito Militar no grau de Comendador especial.[1]

  • Ordem do Rio Branco Grau de Oficial Brasília, 20 de abril de 1994.
  • Ordem de Bernardo O\'Higgins Grau de Gran Cruz Santiago do Chile, 9 de março de 1995.
  • Ordem do Mérito Naval Grau de Grande Oficial Brasília, 11 de junho de 1995.
  • Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Colar do Mérito Judiciário Rio de Janeiro, 8 de dezembro de 1995.

Referências

  1. a b BRASIL, Decreto de 29 de março de 1996.
  2. a b «Entidades Estrangeiras Agraciadas com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Artur da Távola". Presidência da República Portuguesa (Ordens Honoríficas Portuguesas). Consultado em 19 de fevereiro de 2022 
  3. a b «PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 758/2004». Alerj 
  4. Artur da Távola morre aos 72 anos no Rio de Janeiro Folha de S.Paulo, 9 de maio de 2008
  5. "Escritor ajudou a fundar PSDB", O Estado de S. Paulo, 10/5/2008, pág. A12
  6. CLEMENTE e UNGARETTI (1993). História de Garibaldi. 1870 - 1993. Porto Alegre: EDIPUCRS. pp. 26–27 
  7. BROTERO, Frederico de Barros (1951). A família Monteiro de Barros. São Paulo: s.n. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Artur da Távola