Paulo Sérgio Ramos Barboza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Paulo Ramos
Paulo Ramos
Deputado Estadual do Rio de Janeiro
Período 1º de fevereiro de 1999
até atualidade
(5 mandatos consecutivos)
Deputado Federal pelo Rio de Janeiro
Período 1º de fevereiro de 1986
até 31 de janeiro de 1995
(2 mandatos consecutivos)
Dados pessoais
Nascimento 18 de outubro de 1944 (73 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Partido PDT (até 2014)
PSOL (2014 - 2017)[1]
Profissão Oficial da reserva da polícia militar, advogado, administrador de empresas[2]

}} Paulo Sérgio Ramos Barboza (Rio de Janeiro, 18 de outubro de 1944) é um político brasileiro. Historicamente filiado ao PDT, foi também membro do PSOL até novembro de 2017, quando foi expulso do partido[3][4][1] Foi deputado federal entre 1987 e 1995 e desde 1999 é deputado estadual. Paulo Ramos também foi candidato a prefeito de Belford Roxo em duas oportunidades: em 1996, obtendo 8.418 votos e em 2000, com 18.135 votos. Em 2008, foi candidato à prefeitura do Rio de Janeiro, ficando em oitavo lugar, com 59.147 votos.[5] Foi reeleito ao cargo na Alerj, em 2010, com 39.023 votos.[6] Em 2014, foi novamente reeleito para mais um mandato na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, com 18.732 votos.[7]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido e criado em Realengo, oficial da reserva da PM, advogado, administrador de empresas e especialista em políticas públicas pela UFRJ, Paulo Ramos iniciou sua militância política nos anos 60 e teve destacada participação na luta contra a ditadura, pela anistia e pela democratização do país, integrando a corrente dos chamados autênticos do antigo MDB.

Em agosto de 2013 desfiliou-se do PDT filiando-se ao PSOL, partido pelo qual foi reeleito, em 2014, para a legislatura 2015-2019 da ALERJ.

Em abril de 2015, não compareceu à votação que elegeu Domingos Brazão para o Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro.[8]

No dia 20 de fevereiro de 2017, votou contra privatização da CEDAE.[9][10]

Em 17 de Novembro de 2017, votou pela soltura dos deputados Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, que haviam sido presos pela Polícia Federal na operação anti-corrupção Cadeia Velha; assim, Paulo Ramos foi expulso no mesmo dia do PSOL.[3]

Referências

  1. a b «Deputado estadual do Rio formaliza filiação ao PSOL». PSOL. 05 de outubro de 2013. Consultado em 14 de outubro de 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  2. «Biografia do Deputado Paulo Ramos». Deputado Estadual Paulo Ramos. Consultado em 14 de outubro de 2014 
  3. a b G1 (17 de novembro de 2017). «PSOL expulsa deputado que votou pela soltura de Picciani, Albertassi e Paulo melo». Consultado em 17 de novembro de 2017 
  4. "Partido dos Professores" (Gonçalves, 2013)
  5. «UOL - Eleições 2008 - Apuração - Rio de Janeiro». Consultado em 6 de outubro de 2010 
  6. «UOL - Eleições 2010 - Apuração - Rio de Janeiro». Consultado em 8 de outubro de 2010 
  7. «UOL - Eleições 2014 - Apuração - Rio de Janeiro». Consultado em 14 de outubro de 2014 
  8. Pedro Zuazo (29 de abril de 2015). «Conselheiro vapt-vupt: veja quem votou em Brazão para o TCE». Jornal Extra. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  9. Jornal Extra (20 de fevereiro de 2017). «Privatização da CEDAE aprovada na ALERJ». Consultado em 20 de fevereiro de 2017 
  10. G1 (20 de fevereiro de 2017). «Saiba como votou cada deputado sobre a privatização da Cedae e veja opiniões». Consultado em 18 de setembro de 2017 
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.