Ivo Cassol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste(a) artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde julho de 2017)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Ivo Cassol
Senador por  Rondônia
Período 1 de fevereiro de 2011
até a atualidade
7.º Governador de  Rondônia
Período 1 de janeiro de 2003
até 31 de março de 2010
Antecessor(a) José Bianco
Sucessor(a) João Cahulla
Prefeito de Rolim de Moura
Período 1997 até 2001
Dados pessoais
Nascimento 20 de janeiro de 1959 (58 anos)
Concórdia, Santa Catarina
Partido PDT
PFL
PSDB (2002-2005)
PPS (2005-2010)
PP (2010-presente)

Ivo Narciso Cassol (Concórdia, SC, 20 de janeiro de 1959) é um empresário, pecuarista e político brasileiro, filho de Reditário Cassol e Elga Bergamin Cassol. O senado federal não menciona se Ivo é formado.[1]

Foi prefeito de Rolim de Moura e governador de Rondônia. Integrou o Partido da Social Democracia Brasileira e Partido Popular Socialista (PPS). Desde 2010 é membro do Partido Progressista (PP) e Senador da República para o período 2011-2018.

História[editar | editar código-fonte]

Sua família emigrou de Santa Catarina para Rondônia em 1976/1977. Casado com Ivone Mezzomo Cassol, é pai de um filho e duas filhas.[2]

Em 1977, Reditario Cassol, patriarca da família, adquiriu um lote terras em Santa Luzia d'Oeste, na então quase intocada Zona da Mata rondoniense. A área era rica em mogno e cerejeira, madeiras de alto valor comercial. Começa então, a oportunidade para que Ivo Cassol, então com dezoito anos de idade, e seus cinco irmãos Dalva, Cesar, Darcila, Denise e Jaqueline iniciassem o negócio da família.

No final da década de 1980, ocorre a primeira das grandes crises de fornecimento de energia que iriam abalar a economia do Brasil e, por extensão, o Estado de Rondônia. A família Cassol viu na crise uma oportunidade de crescer, impulsionada pelo Governo Federal, o qual oferecia, na época, um programa de incentivo para quem se dispusesse a investir na geração e distribuição de energia elétrica. Hoje a família é proprietária de quatro pequenas centrais hidrelétricas (pch) no Estado de Rondônia.

Política[editar | editar código-fonte]

Com a consolidação dos negócios, tanto na atividade agropecuária de ponta como na hidrogeração, Ivo Cassol decidiu exercer a vida pública. Na época do governo do coronel Jorge Teixeira de Oliveira (1979/1985), o pai Reditário Cassol foi nomeado administrador de Colorado do Oeste. Em 1986, Reditário elegeu-se deputado estadual, sendo o autor de projetos de lei que criaram 19 municípios na década de 90. Em 1990, Reditário Cassol foi eleito deputado federal para a legislatura 1991/1994.

O irmão, César Cassol foi prefeito do município de Santa Luzia do Oeste entre 1989 e 1992 e, de 1994 a 2002, foi eleito deputado estadual por duas legislaturas. Em 2000, quem se elege para administrar a prefeitura de Alta Floresta d'Oeste é Darcila Cassol ("Nega Cassol"), irmã de Ivo (período 2001/2004).

César Cassol foi eleito prefeito de Rolim de Moura para o quadriênio (2013/2016).

Em 1992, Ivo Cassol decidiu concorrer a prefeito de Rolim de Moura, mas teve sua candidatura impugnada dez dias antes das eleições. Em 1996, elegeu-se prefeito da cidade, tendo sido reeleito para o quadriênio 2001/2004. Para candidatar-se a Governador do Estado de Rondônia, renunciou ao mandato de prefeito no início de abril/2002.

Eleição para prefeito de Rolim de Moura em 1996 - 1º Turno[3]
Partido Candidato Votos Votos (%)
  PDT Ivo Cassol 8 569
 
45,35%
  PMDB Roque Mazzuchelli 6 124
 
32,41%
  PTB Mileni Cristina Benetti Mota 4 204
 
22,25%
Totais 18 897  
Eleição para prefeito de Rolim de Moura em 2000 - 1º Turno[4]
Partido Candidato Votos Votos (%)
  PFL Ivo Cassol 14 851
 
69,6%
  PTB João Francisco Matara 6 488
 
30,4%
Totais 21 339  

Em 2002 disputa o governo de Rondônia, vencendo no segundo turno a José Bianco (PFL).[5]

Eleição para governador de Rondônia em 2002 - 2º Turno[6]
Partido Candidato Votos Votos (%)
  PSDB Ivo Cassol 348 081
 
59,07%
  PFL José Bianco 241 206
 
40,93%
Totais 589 287  

Nas eleições de Rondônia de 2006 reelegeu-se já no primeiro turno, tendo como principal adversária Fátima Cleide do Partido dos Trabalhadores.[7]

Deixa o governo no início de abril/2010 para disputar o cargo de Senador da República na eleição de Rondônia em 2010 e elege-se, juntamente com Valdir Raupp.[8] Seus suplentes são o próprio pai Reditário Cassol e Odacir Soares Rodrigues.

Polêmica sobre salários[editar | editar código-fonte]

Em março de 2012, Ivo Cassol deu declaração polêmica sobre Projeto de Lei prevendo o corte do 14º e 15º salários — sem desconto de imposto de renda — a que os parlamentares têm direito, tendo pedido vista do projeto e com isso postergado sua votação:[9]

Condenação por fraude em licitações[editar | editar código-fonte]

Em 8 de agosto de 2013, Ivo Cassol foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal a quatro anos e oito meses em regime semiaberto por fraudar licitações quando era prefeito de Rolim de Moura (RO) entre 1998 e 2002, direcionando os processos a empresas de parentes e amigos.[10]

Durante o julgamento, restou declarado textualmente pelos Ministros que Ivo Cassol não se apropriou de nenhum valor ilicitamente ou indevidamente.

O senador divulgou que vai recorrer da decisão do STF e continuará exercendo seu mandato.[11]. Atualmente o julgamento está chegando ao fim, mas teve mais um pedido de vistas ao processo o que deve atrasá-lo.[12]

Envolvimento com rede de prostituição[editar | editar código-fonte]

Em 14 de julho de 2017, Ivo Cassol foi flagrado conversando com agenciadores de uma rede de prostituição, através de escutas plantadas pela polícia civil da capital federal. Cassol demonstra em um dos audios intimidade com o agenciador e com uma de suas garotas de nome Gabriela. que utilizava as mulheres para influenciar as decisões dos parlamentares em relação a liberação de um medicamento contra o câncer.<http://www.opopular.com.br/editorias/politica/bolsonaro-e-filho-s%C3%A3o-interceptados-em-conversas-com-agenciador-de-garotas-de-programa-1.1309195>

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
José de Abreu Bianco
Governador de Rondônia
2003 — 2010
Sucedido por
João Cahulla